Fale conoscoReceba nosso e-news letterReportagens sobre mosaicoFhashes de mosaicos em viagensEventos e novidadesEntrevistas, ambientes, mosaicosMosaicos e seus autoresFatos Interessantes
 















 

NOTÍCIAS

 




Marcelo de Melo agita Curitiba em
eventos exclusivos da 6ª Bienal de Mosaico

 
 
Palestra com aula demonstrativa e workshop com o artista Marcelo de Melo marcaram a primeira semana da Free Mosaic - 6ª Bienal de Mosaico - promovida pelo Depósito e Escola Curitiba de Mosaico. A palestra,“A Pluralidade Musiva Contemporânea”,  desenvolvida exclusivamente para a 6ª Bienal de Curitiba, instigou os participantes a um pensamento musivo mais criativo e contextualizado. O Teatro Londrina, do Memorial de Curitiba, foi ocupado por mosaicistas de diversos estados além de artistas convidados de outros países.
 


Obras musivas foram apresentadas e analisadas em um contexto mais amplo incluindo elementos de composição, análise contextual e valor artístico. Mosaicos a partir de tesselas inusitadas como barras de ferro, telhas, madeira, sabão, isopor, ossos, broches...enriqueceram a apresentação demonstrando a presença do mosaico nas formas.

Artistas como Maher Dawoud, Takako Hirai, Suzanne Spahi, Kelley Knickerbocker, Giorgio Tentolini, Johan Thorn Prikker, Gianni Colombo, Paul Neagu, Tony Cragg, Rosangela Kusma Gasparin e outros tiveram algumas de suas obras apresentadas e comentadas. Arrancaram aplausos da plateia.

 

A palestra finalizou com aula demonstrativa e sorteios da revista francesa Mosaïque Magazine, onde Marcelo de Melo atua como correspondente, além do sorteio de um anel, em prata legítima 950, da “Prata com Arte”. A peça foi desenhada e confeccionada por Nelson Martins. Ele foi o primeiro no país a desenvolver peças em prata com espaço rebaixado para a inclusão de mosaicos, o que torna as joias únicas e exclusivas.

 
Workshop “Free Mosaic”- Fazer o que se gosta é fundamental. Foi com base nisso que muitos dos artistas participantes da 6ª Bienal de Mosaico de Curitiba, após a abertura do evento, buscaram  fôlego e partiram para a produção de novos mosaicos. Eles participaram do workshop “Free Mosaic”,ministrado por Marcelo de Melo no Depósito e Escola Curitiba de Mosaico e, durante três dias, mergulharam na produção. A dinâmica de grupo, ligada ao tempo de execução, e o trabalho individual fizeram parte do workshop desenvolvido especialmente para acontecer durante a 6ª Bienal de Mosaico de Curitiba. Na noite fria de domingo, dia 6 de agosto, a colheita de belos trabalhos.

Abaixo, Bea Pereira e Mari Sangoi

Acima, Rosangela Gasparin com Cátia Usevícius Maia e Ivanéri Bernardes

Abaixo, trabalhos de Silvana Accioly e Cátia Usevícius Maia


Acima, trabalhos de Wilson Luiz e Maria Helena Ferraz. Abaixo, mosaicos de José Cunha e Yara Camargo


 

Marcelo de Melo é um artista paranaense, com premiação internacional, que há mais de 20 anos vive em Amsterdam, Holanda. Com uma produção artística contínua e conceituada, seus trabalhos são exibidos e publicados em vários países. O artista é mestre em artes plásticas pela University for the Creative Arts de Canterbury, Inglaterra, e está na fase final de seu doutorado em Prática Artística onde aborda os princípios de composição musiva na arte contemporânea.

Marcelo de Melo e participantes do workshop Free Mosaic

A palestra e o workshop de mosaico chegaram ao fim, mas a “Free Mosaic - 6ª Bienal de Mosaico de Curitiba”, segue até o dia 3 de setembro no Memorial da cidade. Imperdível.

Memorial de Curitiba apresenta - “FREE MOSAIC”-
A 6ª BIENAL DE MOSAICO DE CURITIBA

Detalhe do mosaico de Letícia Melara

 

Mosaicistas do Brasil, Itália, França e Argentina participam da 6ª Bienal de Mosaico de Curitiba. O evento acontece de 04 de agosto a 03 de setembro, deste 2017, no Mezanino e no Salão Paranaguá do Memorial de Curitiba com o tema  -  “Free Mosaic”. A mostra do Depósito e Escola Curitiba de Mosaico, organizada pela empresária Leticia Melara em parceria com a artista e curadora Bea Pereira, abrigará 74 trabalhos produzidos por 88 mosaicistas.

 
Ópera de Arame: foto de Guilherme Pupo e releitura em mosaico de Bea Pereira

As obras estão distribuídas em esculturas, painéis e uma instalação. A diversidade de técnicas, materiais e estilos é a proposta desta edição que pretende passar para o visitante a riqueza e a liberdade que o universo musivo permite na expressão artística de trabalhos contemporâneos.
 
Mosaicos de Rosangela Kusma Gasparin e de Denise R. Marcelino

Esta edição traz ainda o projeto especial - “Curitiba: Mosaico nas Fotos de Guilherme Pupo”  - onde mosaicistas convidados interpretam 12 imagens da capital paranaense, captadas pelo fotógrafo curitibano, em painéis de um metro quadrado. Outra novidade da Bienal 2017 é a inclusão do cartum com a participação do artista convidado Ademir Paixão.

O tema “Free Mosaic” indica a tendência mundial da livre criação de mosaicos artísticos em diferentes linguagens. Como resultado, ideias inusitadas quebram os paradigmas de como o mosaico foi realizado e percebido em toda a História.

Eventos paralelos também farão parte da Bienal. O artista plástico Marcelo de Melo, brasileiro radicado em Amsterdam, além de participar como expositor, apresentará a palestra: “A Pluralidade Musiva Contemporânea” com aula demonstrativa para artistas da técnica musiva. O objetivo é instigar os participantes a um pensamento criativo e contextualizado. Marcelo é um artista premiado internacionalmente e mestre em artes plásticas pela University for the  Creative  Arts de Canterbury, Inglaterra. A palestra acontece no dia 3 de agosto, das 9h às 12h, no Teatro Londrina do Memorial. Informações e inscrições pelo telefone (41) 32238999.

A “Free Mosaic” – 6ª Bienal de Mosaico de Curitiba – está imperdível.

 

Anote:

O que:
Free Mosaic – 6ª Bienal de Mosaico de Curitiba.

Quando:
de 4 de agosto a 3 de setembro de 2017.

Onde:
Memorial de Curitiba (Rua Claudino dos Santos, S/N - Largo da Ordem

Entrada gratuita
.

 
Mosaico de Rejaine Fiori
.

Projeto Casa Arte movimenta o
mercado imobiliário com ideia inovadora

  A empresária Adriana Samaan, da Agência Nuna Marketing e Comunicação, aposta em uma ideia que promete movimentar o mercado imobiliário. Para fomentar a geração de negócios, criou, em Curitiba, o projeto Casa Arte. Imóveis à venda, na capital, servem como cenário para a mostra de trabalhos de artistas locais e tornam os espaços ainda mais agradáveis e interessantes para quem gosta de arte e busca um novo imóvel.
Mesa em mosaico de Patricia Ono
 
A primeira exposição do projeto apresenta o mosaico e suas possibilidades na área de decoração.  A mosaicista Marcia Iurk, a convite de Adriana Samaan, foi a responsável pela organização da mostra. “Estou muito feliz em ver a beleza dos mosaicos nesta primeira exposição. Nosso projeto é uma adaptação do House Concert que já é sucesso nos Estados Unidos e na Europa e que agora chega ao Brasil com o projeto Casa Arte. A ideia é estimular a visita a imóveis ao oferecer ao público exposições e apresentações de artistas. Mosaicistas, pintores, escultores, músicos... e outros são convidados não apenas para mostrar, mas também para  vender suas obras nestes espaços. Desta forma, agradamos a todos. Aumentamos o número de visitas aos apartamentos e casas à venda, disponibilizamos espaços aos artistas locais e oferecemos belas mostras ao público”, comemora Adriana Samaan. Entre os realizadores do Casa Arte estão a BMX Imobiliária e a Bee Rede Imobiliária.
 

Daniele Steindorf, Paulo Dorta, Adriana Samaan, Bruno Henrique Mattana, Fabio Mendes e Marcia Iurk

O lançamento, no Residencial Araucária Green, da BMX Imobiliária, reuniu, em 1º de julho de 2017, artistas, apoiadores e outros visitantes. “Quando Adriana chegou com o projeto fui o primeiro a aderir e estimular a ideia. Em nossas conversas, ela logo percebeu minha admiração pelas artes, em geral, e espontaneamente as coisas aconteceram. Estou muito feliz por ser a primeira imobiliária a apostar nesta ideia que com certeza já é um sucesso. A exposição de mosaicos ficará por duas semanas no Araucária Green e depois segue para mais um lançamento da BMX no bairro Guabirotuba”, antecipa o empresário Bruno Henrique Mattana, diretor comercial da BMX.
 
 
Marcia Iurk, com seu trabalho São Francisco", acompanhada de Adriana Samaan. À direita, quadro de Schandra Zmijevski

  Para o empresário Fabio Mendes, da Rudnick Projetados, apoiador do evento, a ideia tem tudo para dar certo. “Em nossa loja, no Alto da XV, valorizamos a aproximação público e arte com espaço para exposições e cursos. Promover o encontro  pessoas/artes, também nos lançamentos de imóveis, é muito interessante e traz um ótimo público. Estamos muito felizes e confiantes com a ideia”, enfatiza Fabio.

Daniele Steindorf e Paulo Dorta

 

 
 

Adriane Smythe e seu trabalho. Ao lado, caixa "Outono", de Marcia Iurk e arranjo floral de Danliele Steindorf

 
Trabalho de Rita Gazda e geral da exposição

O primeiro evento contou com a participação do Studio Daniele Steindorf, que atua na decoração de interiores com plantas ornamentais permanentes.  A empresária Daniele, que marcou presença ao lado do marido Paulo Dorta, é  a coordenadora da Câmara Setorial de Decoração da Associação Comercial do Paraná.

 



Anote:

O que: Projeto Casa Arte – 1ª Exposição de Mosaico.
Quando: de 1º a 15 de julho de 2017.
Onde: Residencial Araucária Green – Rua Coronel José Carvalho de Oliveira, 1732, Curitiba.

Musiv.AR17 reuniu mais de
40 mosaicistas na Argentina

A arte musiva invade a vibrante Buenos Aires.

  Muitos talentos e grandes encontros transformaram a  primeira Musiv.AR17, Exposición y Festival Internacional del  Mosaico en Argentina, em um evento marcante  não apenas para os mosaicistas participantes, mas também para os apreciadores da arte que, de 19 a 29 de abril deste 2017, visitaram a Galeria de Arte Central Newbery, em Buenos Aires.
 
 
Acima, flashes da abertura
À esquerda, "Tango (Romeo y Julieta)", do italiano Giulio Menossi
 
  A curadoria primorosa da artista argentina Liliana Waisman, aproximou mosaicistas de diversos países e permitiu um intercâmbio cultural marcado por ideias, projetos e principalmente harmonia. Boas energias e sorrisos, que nascem  da satisfação e do empenho ao que se faz, marcaram a noite de abertura. “Fazemos arte transformando a matéria para contar uma história. As obras expostas  são, na verdade, construções que, através dos mosaicos, refletem a alma de seus autores”, disse Liliana ao comemorar  o sucesso do evento após muito trabalho entre organização e curadoria. A abertura contou ainda com shows de música e de dança em um cenário repleto de belos mosaicos. Momentos de emoção e de olhos marejados.
"Transformacion II", de Liliana Waisman, Argentina

Abaixo, Giulio Menossi com "Nuvola n.2. No Potho Reposare - Se Avessi le Ali per Volare"
Acima Liliana Waisman e o seu "Transformacion II"

Abaixo, “Brazilian Taste” de Bea Pereira, Brasil, e “Gallina Degollada (Retrato de Horacio Quiroga)” de Adriana Mufarrege, Argentina
“Vida Tomo IV” de Cátia Usevícius  Maia, Brasil, e "Musas de Ingres en el Jardín", de Isidora Paz López, Chile

Participaram da exposição mosaicistas da Argentina, Itália, Brasil, Canadá, Áustria, Estados Unidos, França, Israel, Inglaterra, Austrália, Chile, México, Grécia, Porto Rico, Austrália, Alemanha e Uruguai. Do Brasil, oito mosaicistas foram convidadas: Bea Pereira, Cátia Usevícius Maia, Rosangela Kusma Gasparin, Mari Sangoi, Magaly Floriano, Carolina Kawal, Moema Branquinho e Rosemarie Castro.


“Tempest” de Angela Turner Sanders, USA, e “Orbital” de Rosangela Kusma Gasparin, Brasil

“Herida” de Mariela Gatto, Argentina, e “Avanzar” de Victoria Carboni, Argentina

A Musiv.AR 17 foi além da exposição internacional. Palestras, demonstrações, aulas especiais e visitas guiadas a murais, ateliês e outros encontros enriqueceram  ainda mais o evento. O mestre italiano Giulio Menossi  expôs, em palestra, a sua vida e a sua  obra e demonstrou a perfeição de seus cortes com martelina e tagliolo. Ministrou ainda aula especial onde crianças, a partir de 6 anos, deram os primeiros passos na arte em  mosaico. Momentos de puro encantamento! Quem acompanhou os bastidores  viu ainda o mestre Menossi  pendurado em escadas em apoio à montagem da exposição internacional  o que contribuiu para uma mostra harmônica com peças muito bem colocadas. Coisas de quem ama e de quem sabe o que faz.


“Three-Dimensional Sculpture,Superimposed mixed” de Mari Sangoi, Brasil,

Acima: “Vibrazioni” de Dino Maccini, Itália, e “Rolling Stones”, de Ariane Blanquet, França

Abaixo: “Estudio Para um Cuerpo Posible” de Sergio Policicchio, Argentina, e “Pin Up – 1942” de Paulina Lagos Lehuedé, Chile
“El Abrazo del Alma” de Cristina Romero, Argentina, e “Weight and Sea”, de Kelley
Knickerbocker, USA

A arte do encontro e a busca do conhecimento tornaram a Musiv.AR  um evento maciço e inovador com palestras  marcadas pela diversidade. A artista argentina e curadora Liliana Waisman trouxe  a ousadia do  “Mosaico Espacial”; Mari Sangoi, do Rio Grande do Sul (Brasil), falou sobre “A Escultura no Mosaico Artístico”; Cátia Usevícius Maia, também do Rio Grande do Sul, abordou “O Mosaico no Processo de Arteterapia “; Carolina Kawal, de São Paulo(Brasil), explorou “A Cerâmica Como Complemento”; Hugo Vidal, do México, buscou a história  do mosaico pré-hispânico e sua ligação com o contemporâneo; Patricia Laura Sobrado, do Uruguai, apresentou “”Suportes  Leves Tridimensionais”;  Mariela Gatto, artista das imagens e  dos mosaicos, da Argentina, trouxe dicas para fotografar as obras; Marcelo Adrián Gaggino, também da Argentina,  apresentou “O Mosaico na Aldeia Global” e a artista e muralista chilena Isidora Paz López, que vive na Alemanha,  falou sobre a recuperação de espaços públicos através dos murais .

“Renacer” de Claudia Miranda, Chile
Acima: Metamorfose” de Moema Branquinho, Brasil . Foto gentilmente enviada pela artista. Crédito – Edite Coelho. Abaixo: “Choices” de Carolina Kawall, Brasil
“Tigreton” de Rodolfo Sorondo, Argentina, e “My Circus, My Monkeys” de Erin Pankratz. Canadá. Abaixo: “Reflections I” de Olga Goulandris, Grécia
“De Amaneceres Y Ocasos” de Gabriela Franco, Argentina, e “Atardecer” de Vanessa
Rivera Martinez, Porto Rico. Abaixo: painel com trabalhos realizados durante workshop de
Giulio Menossi, na Argentina
"El Origen", de Laura Galeazzi, Argentina, e “Todas las Piezas de mi Corazón”de Virginia Zanotti, Itália

"Nos Palcos da Vida", de Magaly Floriano, e "Orbital", de Rosangela Kusma Gasparin

Entre os pontos fortes do encontro internacional destaca-se a visita guiada do arquiteto e mosaicista Rodolfo Sorondo aos murais que realiza no bairro Villa Mitre de Saavedra, Buenos Aires, em parceria com o movimento “Madres en Lucha”, uma experiência de inclusão social através de intervenção urbana coletiva. A mosaicista Adriana Mufarrege, de Córdoba, acompanhou  a visita e repassou detalhes à revista Mosaico na Rede: “Posso dizer que foi um dia inesquecível. Fomos conhecer o trabalho do arquiteto Rodolfo Sorondo com a colaboração de Célia Gimenez, do movimento Madres en Lucha. O movimento  reúne mães preocupadas em oferecer uma educação alternativa com foco em arte e atividades esportivas  para livrar os filhos do Paco, droga conhecida como lixo da cocaína com efeitos terríveis para a saúde. Em parceria com a comunidade, Rodolfo faz murais, em mosaico, que transformam a vida das pessoas da região. Um trabalho emocionante”, enfatizou Adriana Mufarrege. Outro momento importante do evento, foi um passeio  aos murais de Marino Santa Maria incluindo visita ao seu ateliê e palestra do artista.
 

Acima: trabalhos de Rodolfo Sorondo com o Movimento “Madres en Lucha”. Bairro Mitre de Saavedra. Fotos gentilmente enviadas por Adriana Mufarrege

Cátia Usevicius Maia, Hugo Vidal, Mari Sangoi e Carolina Kawal estiveram entre
os palestrantes do evento (fotos gentilmente enviadas pelos artistas)

Da primeira Musiv.AR,  belas lembranças, preciosos conhecimentos e a certeza de que há muito o que comemorar. A organizadora, Liliana Waisman, antecipa que o evento de 2018 já está a caminho e com a pré- convocatória lançada. Entre os jurados da seleção estão: Karen Ami, fundadora e diretora da Chicago Mosaic  School; o artista premiado Toyoharu Kii; Martín Marcos, diretor do MARQ/SCA, Museu de Arquitetura e Desenhos da Sociedade Central de Arquitetos da Argentina e outros. Já estão confirmadas, para 2018, as presenças de mestres mosaicistas como: Giulio Menossi, Mia Tavonatti, Olga Goulandris, Marian Shapiro, Kelley Knickerbocker, Virginia Zanotti e Angela Turner Sanders. Que outros encontros e atitudes como essa tornem cada vez mais alegres e coloridas as ruas da vibrante Buenos Aires!
 
Acima: Giulio Menossi ensina os primeiros passos em mosaico (foto gentilmente enviada por Cristina Romero)

Abaixo, flashes dos bastidores à abertura da Musiv.AR17
 
 
 
 
 
 

Memorial Marista propõe a paz
através do conhecimento


Imagine um espaço criado para encantar. Um lugar onde a arte, a tecnologia, a história e as lembranças afetivas levam os visitantes a uma experiência única. Caminhar no Memorial Marista é um exercício indicado e prazeroso para todas as gerações.

 
Inaugurada em 29 de abril deste 2017, em Curitiba,  a construção marca a celebração do bicentenário do Instituto Marista. “Queremos que uma criança, um jovem ou mesmo uma pessoa mais idosa, ao entrar no Memorial, colha uma experiência bacana”, convida Dyógenes Philippsen Araújo, coordenador do espaço. “Criamos um itinerário histórico temático  idealizado a partir de um projeto, de um conceito museológico contemporâneo. O Memorial abriga instalações artísticas, conteúdo histórico, biblioteca, experiências de espiritualidade e, ao mesmo tempo, todas as peças apresentadas são interativas. Isso permite que as pessoas façam uma imersão, utilizem os sentidos para compreender e vivenciar a história Marista”, completa Dyógenes.  
Fachada do Memorial Marista
 
Autores do painel em mosaico: acima, Rosangela Gasparin, Bea Pereira e Letícia Melara. Abaixo, Leão Moliterno, Paulo Rogério Biscaia, Rosangela Gasparin e Luiz Moacir Havrechak Jr



Para os admiradores da arte em mosaico, o destaque é o painel produzido por Beatriz Pereira, Rosangela Kusma Gasparin, Letícia Melara, Paulo Rogério Biscaia, Luiz Moacir Havrechak Jr e Leão Moliterno. Um trabalho lindo e impactante que ocupa uma das paredes do Memorial e que emociona não apenas pela beleza, mas também pelo conteúdo uma vez que é possível conhecer a história, de cada peça aplicada, através de um painel interativo digital. O Irmão Benê Oliveira, diretor do Instituto Marista, diz que a missão dos mosaicistas foi contar a história dos Irmãos falecidos e dos Irmãos ainda em vida de uma forma lúdica e criativa. Por trás de cada tessela, uma recordação. “Cada irmão foi convidado a contribuir com um objeto que o identificasse. Dos irmãos falecidos, nós mesmos escolhemos, por termos convivido, peças que foram significativas para eles e assim contamos a história de cada um”, afirma o Irmão Benê. Outros componentes do painel vieram de uma campanha nas escolas. Crianças, adolescentes e jovens estudantes doaram objetos utilizados na educação do dia a dia, mas em desuso como lápis no toco, apontador quebrado, tesoura danificada... “Foi a forma que encontramos de marcar a presença dos estudantes no Memorial. Significa a doação dos Irmãos que partiram e dos que estão vivos à educação de crianças, jovens e adolescentes”, acrescenta o Irmão Benê.


Navegar no painel interativo, diante da obra de arte, emociona. Uma experiência imperdível e, com certeza, um marco da arte em mosaico não apenas para Curitiba, mas para o Brasil.

 

Acima, flashes da inauguração, o Irmão Benê Oliveira, Diretor do Instituto Marista e Dyógenes Philippsen Araújo, coordenador do Memorial

 

Além da inauguração do Memorial, os 200 anos da Instituição Marista foram comemorados com a missa que marcou a inauguração da Capela Mãe da Misericórdia. A capela, com coordenação artística de Sergio Ceron, traz no altar suas pinturas, nas laterais, vitrais feitos em parceria com o artista Rogério Baggio, peças artísticas em metal de Safroni Melek e na entrada, painéis em cimento com desenhos e citações em relevo executados pela artista Inês Grisotto.

 
Sergio Ceron, coordenador artístico da Capela Mãe da Misericórdia. No altar, pinturas do artista. Nas laterais, vitrais feitos em parceria com Rogério Baggio

Painéis em cimento elaborados por Inês Grisotto (acima) e Sergio Ceron
 

Anote:
Quando: de terça a sexta-feira.
Horário: das 9h às 11h e das 14h às 17h.
Onde: Avenida Senador Salgado Filho, 1651, Guabirotuba, Curitiba, Paraná.

Informações e agendamento de visitas pelo telefone (41) 32716489.

 

Mezanino das Artes apresenta
O Universo Feminino em Cacos

"Carmem Miranda", de Monica Lebois, "Amélie Poulain Diante do Amor", de Helo Monte Serrat e "Monet", de Bea Pereira

O Mezanino das Artes capitaneado pela empresária e jornalista Izabel Rapoport apresenta, em Curitiba, "O Universo Feminino em Cacos". A exposição de mosaicos, aberta em 8 de março em comemoração ao Dia internacional da Mulher, tem a curadoria de Schandra Zmijeski e reúne o olhar de diversos mosaicistas. Eles trazem em suas cores, formas e histórias de vida a beleza que reside nas diferenças, nas misturas e nas experiências pessoais. "Foi a melhor comemoração do Dia da Mulher que já participei", disse Schandra, com a sensação de dever cumprido e emocionada não só com o resultado, mas com as manifestações de apoio de mosaicistas e de outros amigos que lotaram a abertura da mostra.
 
À esquerda, acima, Rosangela Kusma Gasparin com "As Serelepes" e Virginia Abreu, com "Papoulas".À direita Schandra Zmijeski com "Menina do Girassol" e "Menina das Tulipas"
 
Rosangela Kusma Gasparin, uma das artistas convidadas, apresentou além do trabalho "As Serelepes", um texto sobre o tema da mostra. "O mosaico nasce como beleza que se constrói a partir de pedaços. Revela a importãncia da delicadeza sobre a brutalidade da vida. É arte que surge de algo que se rompeu"… As palavras e a coletânea de obras emocionaram a empresária Izabel Duva Rapoport do Mezanino das Artes. "Estou absolutamente encantada, admirada e orgulhosa. Mosaico é lindo! É infinito", completou Izabel.

Schandra Zmijeski, Izabel Rapoport e Rosangela Kusma Gasparin

"Curtindo o Pôr do Sol" e Ana Ceccarelli. À direita, Helô Monte Serrat com "Amélie Poulain Diante do Amor"

"Árvore Seca" e Denise Raasch Marcelino. À direita, "Ela", com Fernanda Czelujinski e Fernando Varella

Abaixo: à esquerda Suely Oliveira e "When Will You Marry", releitura de Paul Gauguin e, à direita, Claudete Moura, com "Selfie Camila"
Acima, à esquerda, Viviani B. Figueiró, com "Frida" e, à direita, "A Surfista", com Jussara Ceccarelli

Abaixo, Rosangela Zago, com "Árvore da Vida"
Johan Kallen Cajuí da Costa e Monica Lebois, com sua "Carmem Miranda"

Mauro Dacol com "Madonna Magnificat" e "Lydia", releitura de Henri Matisse, de Carmem Leal e Maria Carolina Leal Polidori

Acima, flashes da abertura da exposição

Abaixo, "Bailarina", de Viviane Salloum Ribas, e Marcia Iurk com "Púrpura"
Acima, à esquerda, "Quatro Estações... Quatro Elementos", de Magaly Floriano. À direita, Claudia Mara Alves e seu "Autorretrato"

 
 
Participam os mosaicistas: Mauro Dacol, Rosangela Kusma Gasparin, Schandra Zmijeski, Viviane Saloum Ribas.Viviani Brandino Figueiró, Monica Lebois,Claudete Moura, Bea Pereira, Deise Furlani,Virginia Abreu. Marcia Iurk, Rosangela Zago, Jussara Ceccarelli, Denise R. Marcelino, Silvia Marcon, Heloisa Monte Serrat Bindo, Denise Nissen, Ymaguare Ateliê de Artes, Claudia Mara Alves, Fernanda Czelujinski, Fernando Varella, Sérgio Martins, Guga Maria, Suely Oliveira e Magaly Floriano
 
Anote
O que:
Exposição "O Universo Feminino em Cacos"
Onde: Mezanino das Artes - Alameda Dr. Carlos de Carvalho, 805, Batel - Curitiba - PR
Quando:
Até 8 de abril de 2017
Horário: das 11h30 às 23 h..
 
Mosaico em Movimento: Exposição Paz e Bem segue até o dia 3 de março em Curitiba

Trabalho de Patrícia Ono (mosaico) e Carla Scheffer (papier-mâché). À direita: mosaico de Helô Monte Serrat (acima) e de Marisa Giacomini

Um único tema e uma diversidade de ideias. A mosaicista Patrícia Ono comanda, até o dia 3 de março, a exposição Paz e Bem no hall de entrada do Teatro Bom Jesus Centro, em Curitiba. "Estou muito feliz com os resultados de um ano inteiro de trabalho. O momento é de comemoração", diz Patrícia ao reunir peças executadas por alunas do Centro de Criatividade de Curitiba e do espaço Nosso Ateliê em homenagem a São Francisco de Assis.

Patrícia Ono com a aluna Viviani Figueiró e seu mosaico. À direita São Francisco, de Luciana Marca

 

A segunda mostra Paz e Bem, que em 2016 foi sucesso na Casa Kozak, traz, neste 2017, algumas novidades. Empolgados com os resultados, outros alunos se envolveram no projeto e contribuíram com seus talentos. Além de peças em mosaico, que predominam, a mostra traz esculturas em cerãmica e papier-mâché criadas por alunos e professores das técnicas.


No topo, trabalho de Carlos Helenio Ferreira. À esquerda, mosaico de Suely Oliveira e, à direita, trabalho de Andréa S. Rodrigues

O resultado impressiona e permite, a quem entra no Bom Jesus Centro, momentos de serenidade ao observar São Francisco retratado nas mais diversas maneiras. A natureza, sempre presente, a vibração das cores e a diversidade provocam sensações e comentários de paz e bem.
 
 

Anote
O que:
Exposição Paz e Bem
Quando:
Até 3 de março de 2017
Onde:
Hall de Entrada do Teatro Bom Jesus
– Colégio Bom Jesus Centro – Rua 24 de Maio 135.
Horário: das 10 às 18h

 
Shopping Jardim das Américas
apresenta a exposição
“Criar, Transformar, Compartilhar...”

  O Espaço Cultural do Shopping Jardim das Américas, em Curitiba, apresenta a exposição “Criar, Transformar, Compartilhar...”. Aberta até o dia 17 de fevereiro, a mostra traz uma coletânea de trabalhos produzidos pela Marcenaria Retrô, um espaço capitaneado pela mosaicista Nyncia Torres em parceria com o designer Antonio Wilson Camargo Jr.

“A ideia é oferecer opções de peças, produzidas em mosaico, que possam fazer parte da decoração de ambientes. Optamos pela técnica de mosaico em vidro, com pintura a frio, por permitir a reciclagem e também pela extensa gama de cores que a técnica oferece”, afirma Nyncia. Ela conta que esta é a segunda exposição organizada pela Marcenaria Retrô.
O mosaico "Audrey"


"Marilyn" e "Elvis", com Nyncia Torres    


 

 
  Focados em reunir amigos e apresentar o espaço a pessoas interessadas em decoração retrô, Antonio Wilson e Nyncia Torres promovem, aos sábados na Marcenaria, um almoço especial para convidados e, uma vez por mês, realizam uma Noite Temática que mistura decoração e gastronomia. “Meu sócio, além de desenhar e de fazer o recorte das peças, é também um apaixonado pela arte da gastronomia. Como adoro receber amigos, fizemos mais essa parceria”, comemora Nyncia. A marcenaria está na Rua Julio Casar Ribeiro de Souza, 252, bairro Hauer, Curitiba.
 
  Anote:

O que:
EXposição de Mosaico “Criar, Transformar, Compartilhar...”

Quando:
até 17 de fevereiro de2017.

Onde:

Espaço Cultural Shopping Jardim das Américas, Curitiba, PR.
 

 

A quantidade de detalhes que surge a partir da argila impressiona e apresenta incríveis resultados. “Quem me conhece sabe que minha ligação com a escultura em argila é muito forte. Já participei, por duas vezes, das exposições no jardim do MON. “A Revoada de Pássaros Azuis” foi uma delas. Adoro essa técnica! Por conta da paixão decidi incluir a modelagem em argila na relação de workshops oferecidos pelo Studio tanto em Umuarama quanto em Curitiba. Além de workshops de mosaico, que já organizo, teremos também outros cursos de escultura”, diz Juraci Volpato. Ela conta que, só em Curitiba , já foram realizados quatro workshops de escultura. O primeiro curso, em 2016, foi ministrado pelo artista peruano Maneno Llinkarimachiq que ensinou a produzir pássaros sonoros em argila. Agora o artista Carlos Gama, de São Paulo, traz, além da capacidade técnica, grande conhecimento em desenho artístico o que garante belas dicas aos alunos.
 
Participantes de uma das turmas de Arte Sacra
 

Carlos Gama conta que o primeiro contato com a argila aconteceu, por acaso, em 1990. “Comecei a manusear, esculpir e logo saiu um rosto. Gostei do resultado! Na época, trabalhava com desenho técnico e tinha formação em desenho artístico, mas a argila era novidade para mim. Ainda em 1990, entrei na Faculdade Paulista de Artes  o que me permitiu contato com vários materiais e técnicas: pedra sabão, argila, gesso, desenho novamente... Logo, por mostrar maior interesse na escultura em argila, fui convidado para trabalhar em uma fábrica de cerâmica artística onde adquiri muita experiência produzindo desde utilitários até peças artísticas. Foram 19 anos de trabalho na fábrica modelando todos os dias”, lembra Carlos.


Abaixo, Gê de Souza e Elaide Labone com Carlos Gama

Acima, Arlinda Fernandes e Jussara Sampaio com Carlos Gama. Abaixo, a "Santa Indígena Kateri Tekakwitha", de Juraci Volpato e "Anjo", de Carlos Gama


 
Acima, à esquerda, Juraci com "São Francisco", produzido no workshop de Carlos Gama. Abaixo, o "Pássaro Sonoro", produzido durante o workshop de Maneno Llinkarimachiq. À direita, trabalhos de Carlos Gama e Juraci Volpato

Os convites para a realização de workshops, pelo Brasil, tiveram início em 2016. O primeiro contato veio do Atelier Cibele Giostri, de Umuarama, Paraná, que convidou o artista para ensinar e também para expor os resultados. A exposição permitiu que muitas pessoas o conhecessem e logo outro espaço de Umuarama, o Studio Juraci Voltapo, convidou Carlos Gama para um novo workshop na cidade com turma lotada. “Quando vi o sucesso de Carlos Gama em Umuarama logo pensei: Preciso levar esse artista para Curitiba! E foi o que aconteceu. A primeira ideia era fechar uma turma, em Curitiba, mas em parceria com Tuca Cerâmica, responsável pela organização, fechamos três turmas. Estou muito satisfeita!”, acrescenta Juraci. Com os resultados, outros alunos se interessaram e  novos workshops acontecerão em março deste 2017. Além de workshops em Umuarama e Curitiba, o artista oferece cursos em São Paulo e outros estados já entraram em contato para a realização de novos encontros.

Abaixo, flashes do workshop de máscaras:



Para mais informações sobre futuros workshops de cerâmica no Studio Juraci Volpato, ligue (44) 9104 4120 ou (41) 98809 7076.

 
Mosaika Escola de Arte promove o primeiro
workshop de joias em mosaico do Brasil

Micromosaico de Celita Alberti
 

O primeiro workshop de micromosaico em joias do Brasil apresenta a arte nos mínimos detalhes.  Capitaneado pela mosaicista Celita Alberti e lançado pela Mosaika Escola de Arte, da empresária e mosaicista Cátia Usevícius Maia em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, o curso confirma que os mosaicistas do Brasil estão preparados para alçar novos voos e para criar novas maneiras de expressão artística.

 
Cruz de Lourdes Deroza. Coração de Vera Potthoff

Transformar mosaicos em joias põe arte nas passarelas. A oportunidade de criar peças totalmente exclusivas para presentear, vender ou simplesmente lançar moda encantou as participantes do workshop que, por quase uma semana, trabalharam em seus projetos com incríveis resultados. “Fiquei muito feliz e me sinto privilegiada por fazer parte da primeira turma de micromosaico em joias do Brasil. A Celita Alberti já trabalha na produção de joias em mosaico e trouxe a sua experiência para o curso. Adorei participar e pretendo fazer outros”, diz Graça Borges, uma das artistas presentes. A mosaicista Lourdes Deroza, outra participante, afirma que a execução do trabalho foi um prazeroso desafio. “Embora com alguma prática em micromosaico, fui surpreendida com as exigências para a execução, desde os cuidados necessários para a preservação da base, até a limpeza final da peça. Penso que três aspectos foram decisivos para a obtenção do resultado: a base de excelência, o conhecimento técnico e o ambiente adequado. Assim, meu agradecimento a Nelson Martins, pelo fornecimento das bases em prata, à Celita Alberti pela orientação precisa, e à Mosaika pela organização”, enfatiza Lourdes.
 
"Noite Estrelada", de Van Gogh, por Celita Alberti e pingente de Louise M. Lampert Weiand

Para Cátia Usevícius Maia, diretora da Mosaika, o workshop nasce de um sonho antigo. “Em 2014, conversei com Celita Alberti sobre a possibilidade de um workshop de joias em mosaico por conhecer a sua formação como designer e como especialista em micromosaico o que a torna uma orientadora altamente capacitada. Só agora o sonho se tornou realidade. Fui uma das participantes do workshop e posso dizer que a experiência foi prazerosa e gratificante”, afirma Cátia. A diretora da Mosaika acrescenta que para preparar o primeiro workshop de joias em mosaico do Brasil foi preciso adaptar a estrutura para receber a nova técnica. Luminárias com lupas garantiram o conforto e a precisão das alunas. “Infraestrutura bem planejada, cadeiras ajustáveis na altura, ferramentas adequadas e material apropriado foram fundamentais para  a realização das aulas”, conta.
 
Acima, Cátia Usevicius Maia e Celita Alberti. Abaixo, participantes do workshop

 
A artista Celita Alberti, orientadora do workshop, expõe a sua alegria com os resultados atingidos pelas primeiras alunas que receberam  orientações para a execução de três técnicas diferentes. “Faço mosaico em joias há bastante tempo, mas ainda não havia ensinado. Vejo que hoje as pessoas valorizam cada vez mais a técnica musiva a ponto de idealizarem a criação de joias. Felicidade é a palavra pelos resultados”, complementa a artista.
 

"Mãos Postas", de Albrecht Dürer e "Jardim em Millefiori", por Cátia Usevícius Maia.
Ao centro, "Flor", de Celita Alberti

"Monet", por Antonina Berrutti. Ao centro, pingente de Graça Borges. À direita, Cruz de Nilsa Awdziej

O sucesso foi absoluto. A Mosaika, a pedidos, abriu uma nova turma para atender mosaicistas que aprenderão a técnica entre os dias 27 e 31 de março deste 2017. Novo ano, novos desafios, novas  joias em mosaico.

A Mosaika Escola de Arte, de Porto Alegre, representa no Rio Grande do Sul a marca Prata com Arte que oferece bases em Prata 950 para a execução de mosaicos. A confecção das bases leva a assinatura de Nelson Martins, jornalista que iniciou na atividade como curioso e admirador, mas que a cada dia busca novos conhecimentos na área de joias. “Estou emocionado com os trabalhos do primeiro workshop de joias em mosaico. Quanta delicadeza!  É admirável produzir uma joia e ver que cada um, com suas ideias, tem um destino certo para ela. Parabéns à Escola, à orientadora e  a todas as alunas pela grande execução. Parabéns por tantos talentos”, comemora Nelson.

Participaram do workshop as artistas: Antonina Berrutti, Cátia Usevicius Maia, Cynthia Zukoski Remor, Elcira Russomano, Graça Borges, Louise Maria Lampert, Lourdes Deroza, Nilsa Awdziej  e Vera Potthoff

 
Confira flashes do workshop. Ao centro, anel de Graça Borges


Imagens gentilmente cedidas pela Mosaika Escola de Arte

 
O mosaico brasileiro na Tesserae 2016 –
International Mosaics_Smart  Edition

Obras de duas mosaicistas brasileiras marcaram presença na Tesserae 2016 – International  Mosaics_ Smart Edition de Clauiano, Itália, mostra com a curadoria do renomado artista italiano, Giulio Menossi. Bea Pereira, de Curitiba,  e Carolina Kawall, de Itupeva, São Paulo, representaram o Brasil em meio a  artistas internacionais de ponta.

Participaram da exposição 23 artistas de diversos países com um total de 56 trabalhos. Em paralelo à mostra coletiva, Clauiano trouxe ainda uma exposição especial de Giulio Menossi,Marcelo Caporale e Domenico Montesano.

Giulio Menossi e Carolina Kawall. Ao fundo, as obras "Candy", de Carolina,
e "Omaggio a Curitiba", de Bea Pereira.


“A curadoria de Giulio Menossi foi perfeita! Ele soube dosar estilos e entregar ao público toda a diversidade e a criatividade que a arte proporciona. Quando me convidou durante o Seminário da Sardenha, no mês de junho, me senti honrada por representar o Brasil pois sei o quanto ele é exigente. Mais de trezentas pessoas compareceram à abertura. Um grande sucesso! ”, comemora Carolina Kawall. Ela diz que, com o trabalho exposto em Clauiano, procurou passar uma mensagem de otimismo, alegria, vibração e cores, muitas cores.

 
Acima, a obra "Candy", de Carolina Kawall. Abaixo, "Omaggio a Curitiba", mosaico de Bea Pereira

 

Para a artista Bea Pereira, o convite soou como um presente. Ela conta que quando esteve em Udine, em 2014, ficou hospedada na casa do “maestro” Giulio e de sua esposa Rosa. Em agradecimento, produziu um mosaico dinâmico, técnica que aprendeu com Giulio no Depósito do Mosaico, em Curitiba, durante a primeira passagem do artista pelo Brasil. “Menossi entrou em contato comigo perguntando se poderia expor o presente que dei a ele e à Rosa e que simboliza a passagem do casal por Curitiba. Lógico que fiquei lisonjeada e concordei na hora”, enfatiza Bea Pereira.


Ao centro, Bea Pereira com o casal Rosa e Giulio Menossi
 
Acima, vista parcial da exposição. Abaixo, alguns dos trabalhos selecionados para a mostra
 
Acima, os mosaicos "Spatial Mosaics XIX", de Liliana Waisman (Argentina) e "Anticipazione", de Erin Pankratz (Canadá)

Os mosaicos "Palisades", de Carolina Kawall (Brasil), "Ciondolo", de Kelley Knickerbocker (USA) e "Walking", de Nirit Keren (Israel)

Artistas selecionados para a mostra internacional em Clauiano 2016: Aida Valencia(México), Alice Pecile (Itália), Angela Sanders (Estados Unidos), Angela Zimek (Áustria), Ariane Blanquet ( França),Arlene Piarulli (Itália e Estados Unidos),Banu Bilginer (Turquia), Barbara Giuliani (Itália), Bea Pereira (Brasil), Carolina Kawall (Brasil), Demetrio Piccoli (Itália), Dino Maccini (Itália), Erin Pankratz (Canadá), Gabriella Fenaroli  (Itália), Irina Kuchmenko  (Rússia), Irit Levi (Mônaco), Kelley Knickerbocker (Estados Unidos), Liliana Waisman  (Argentina), Line Dauvergne  (França), Max Massimiliano Marcelia (Itália), Nirit Keren (Israel), Silvia Logi (Itália), Suzanne Spahi (Canadá) e Virginia Zanotti (Itália). A mostra esteve aberta de 26 de novembro a 18 de dezembro deste 2016.

As imagens desta reportagem foram gentilmente cedidas por Carolina Kawall e Bea Pereira

Na passarela, Bem Brasileiros, Bem Gaúchos

 
A Mosaika Escola de Arte, de Porto Alegre, apresenta até o dia 10 de dezembro a exposição “Bem Brasileiros, Bem Gaúchos”.  A coleção reúne vestidos, executados em mosaico, que brincam com o imaginário ao ressaltar as cores, os costumes e a natureza do Rio Grande do Sul. A idealizadora do projeto é a mosaicista Yara Camargo e a curadoria é de Cátia Usevícius Maia, diretora da Mosaika
.
"Imaginário da Arte Gaúcha", de Cátia Usevicius Maia, e "Margaridas", de Lenir Frank Kranz


"Luar do RS". de Giselda Quintana, e "As cores do Rio Grande do Sul", de Mari Sangoi


Os pequenos vestidos encantam os visitantes pela riqueza de detalhes, bela execução e alegria das cores.  A mostra reúne quarenta e duas mosaicistas gaúchas além de cinco artistas convidadas de outros estados. A arte gaúcha, a erva mate, as flores da serra, a colonização, a arquitetura, as paisagens, as festas e tradições estão entre os temas que levam os visitantes a um verdadeiro passeio de curiosidades sobre a região.

"Chita", de Yara Camargo, e "Arquitetura Alemã Enxaimel e Azaleias", de Denise Silveira



Participam da exposição as artistas: Adriana Metzger, Ana Alice Dalcin Zorzi, Annita Lengler, Antonina Berrutti, Bia Lisboa, Carmem Campetti, Carolina Forcellini, Carolina Kawall, Catia Usevicius Maia, Claudia Piccoli, Claudia  Zilz, Cynthia Remor, Denise Silveira, Denise Wagner Hanisch, Elcira Russomano,  Evanis Monteiro, Giselda Quintana, Graça Borges, Iara Sclovsky, Iara Valério,  Ivanéri Bernardes, Jane Carpenedo,  Jovita Sommer, Lenir Frank Kranz, Lourdes Deroza , Lucia Z. Bein, Lucia Rota, Mara Amaral, Marcia Iurk, Marcia Lacerda Miranda, Margarete Galtieri, Mari Sangoi, Maria Ester Lisboa, Maria Lucília Gay Cini, Polyana Santana, Regina Cesa Pereira,  Silvana Lehenbauer, Sueni Correa de Oliveira, Valéria Delabarry, Vânia Castro, Vânia Pilotto, Vera Potthoff , Virgínia Ghiggi, Yara Camargo e Zaira Cauduro Mainardi.



Anote:

O que: Exposição “Bem Brasileiros, Bem Gaúchos – Arte em Mosaico”.

Quando:
Até 10 de dezembro de 2016.

Onde:
Mosaika Escola de Arte – Rua Dr. Eduardo Chartier, 233. Porto Alegre, RS – Brasil.

Horário:
Das 10h às 12h e das 14h às 17h. Sábados até às 15h

 
As mosaicistas Yara Camargo
e Cátia Usevicius Maia

Mosaico em Movimento: Exposição Paz e Bem segue até o dia 20 de outubro na Casa Kozak, em Curitiba
O Centro de Criatividade de Curitiba amplia as fronteiras e leva a arte de dentro pra fora. Através do projeto CCC em Movimento, idealizado pelo curador Pedro Moreira, alunos e professores de diversas técnicas artísticas ganharam novos espaços para expor na cidade.

  A reabertura da Casa Kozak, em 22 de setembro deste 2016, marcou a 1ª exposição de arte em mosaico além das fronteiras do Centro de Criatividade de Curitiba. Em coquetel para convidados, o curador Pedro Moreira falou sobre a importância de ampliar espaços para exposições e elevar cada vez mais as artes. “São as paixões que movimentam o mundo e o Centro de Criatividade de Curitiba tem na professora de mosaico Patrícia Ono uma apaixonada pelo que faz. Patrícia é capaz de reunir pessoas amáveis e afetivas integradas em um processo de criação. Ela sabe que a arte gera a transformação humana e são pessoas assim que nos tornam parceiros. Como curador, meu objetivo é ver a arte em mosaico cada vez mais forte. Quero  artistas reconhecidos por suas obras com trabalhos impactantes. Mosaicos que surjam de explosões de alegria e de raiva porque ninguém diz “eu te amo”, mas sim “EU TE AMO” ao expor seus sentimentos. É esse grito que precisamos dar, mas para amar uma arte é preciso conhecê-la e essa é a missão de CCC”, enfatiza Pedro.
"Chiquinho", de Suzete Armani

 

Sônia Rosa, coordenadora do Centro Cultural Casa Kosak, Pedro Moreira, curador da exposição e a professora de mosaico do Centro de Criatividade de Curitiba, Patrícia Ono

Para a professora Patrícia Ono, a exposição Paz e Bem é uma grande satisfação. “Um único tema e uma diversidade de ideias. Estou muito feliz com os resultados. Trabalhamos o ano inteiro para isso e o momento é de comemoração. São Francisco, por sua simplicidade e sua ligação com a natureza, merece nossa homenagem. Agradeço a todos os alunos, à Desiree Fabri, coordenadora geral do Centro de Criatividade de Curitiba, à Rosa Ribas, coordenadora de cursos e especialmente ao curador Pedro Moreira, um grande admirador da arte em mosaico”, acrescenta Patrícia.
 

"Sintonia", de Helô Monteserrat e "São Francisco, Instrumento de Paz", Sonia Sganzerla


"Santinho do Pau Oco", de Suely Oliveira, e "Amor e Caridade, de Isa Ossoski


"São Francisco Que Saiu do Rio", de Gi Mazetto, e "Natureza", de Lirba Teixeira


Geral da exposição

Além de mosaicos, a exposição Paz e Bem traz esculturas em cerâmica criadas especialmente para a mostra por alunos e professores da técnica. Sônia Rosa, coordenadora do Centro Cultural Casa Kozak, diz que a reabertura do espaço com a presença de mosaicos marca a reconstrução, o recomeço. “Wladimir Kozak, fotógrafo, cineasta, pesquisador e ambientalista, que trabalhou muito com as questões indígenas, viveu nesta Casa. É esta história que queremos preservar através de um memorial integrado a um espaço para exposições e atividades culturais. A mostra Paz e Bem é a primeira de muitas que virão”, afirma Sônia. Ela conta que a Casa Kozak funcionou como biblioteca, mas em 2011, totalmente abandonada, foi fechada para reforma. Só agora, através de emenda parlamentar apresentada pelo vereador Helio Wirbiski, reabriu à comunidade como Centro Cultural.
 

Mosaico de Brasileira Lopes


"A Esperança", de Ângela Gee, e "Reflexão", de Melina Novak


Trabalho de Luciana Marca, à esquerda, e Claudete Moura com a escultura "Paz"

Anote:


O que: Exposição Paz e Bem

Onde:
Casa Kozak, em Curitiba - PR (Rua Padre Júlio Saavedra, 588 – bairro Uberaba)

Quando:
Até 20 de outubro das 9h30 às 17h30.
 

 
Brasil e Sérvia movimentam o mosaico artístico

 
A artista sérvia Andjelka Radojevic está novamente no Brasil. Ela chega de Belgrado para ensinar técnicas do mosaico artístico em quatro estados brasileiros: Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro.

O primeiro workshop acontece em Porto Alegre na Mosaika Escola de Arte, espaço capitaneado por Cátia Usevícius Maia. Compenetradas, artistas de diversos estados seguem as orientações de Andjelka  sempre acompanhada de sua inseparável pinça vermelha que só aceita  peças bem executadas. Do contrário, a tessela é retirada e a orientação é: “tente outra vez”. Com tantos cuidados, os resultados surpreendem. A certeza da importância do aprimoramento constante e a satisfação de um trabalho bem realizado produzem emocionadas comemorações.
 

Confira momentos do primeiro workshop em Porto Alegre:

 


 

Antes de iniciar os workshops em Porto Alegre (RS), Andjelka Radojevic participou de um trabalho coletivo no Hotel Pousada Kaster, em Gramado, na Serra Gaúcha. A artista ficou encantada com a beleza local! O trabalho, organizado por Cátia Usevícius Maia, Yara Camargo e Solange Piffer, reuniu 16 mosaicistas de diversos estados do país para o revestimento de bancos em concreto que agora compõem a decoração do jardim de entrada do Hotel Pousada Kaster, empresa patrocinadora, que contou com o apoio da Mosaika Escola de Arte. Para a empresária Jandira Kaster, o resultado alegrou ainda mais o ambiente especialmente preparado para receber os turistas: “As artistas usaram flores como tema, trabalhos perfeitos para uma cidade conhecida pela preservação da natureza. Posso dizer que a semente do mosaico foi plantada em Gramado. Os trabalhos não passam despercebidos por moradores e turistas que fazem muitas fotos. Agradeço a todas as artistas pela bela execução”, enfatiza Jandira.

Participaram do projeto em Gramado: Andjelka Radojevic, Aparecida Ornellas.Cátia Usevícius Maia, Cristiane Forseli, Cynthia Remor, Deise Furlani, Eliana Corinti Jordão, Iara Valério, Mareli Grando, Regina Shahini, Sandra Maria Ferraz Stehling, Simone Berton, Solange Piffer,Vera Potthoff, Virginia Ghiggi e Yara Camargo.

Confira os resultados do projeto coletivo:





Fotos gentilmente cedidas a Mosaico na Rede Magazine por Andjelka Radojevic, Jandira Kaster e Sandra Maria Ferraz Stehling.

Anote
Workshops com Andjelka Radojevic no Brasil:

Porto Alegre (RS):

Mosaika Escola de Arte
Informações:  catia@mosaikaescoladearte.com.br
De 28 de setembro a 4 de outubro de 2016:  Retrato ou Nú;
De 6 a 10 de outubro: Pássaro ou Olho;

Pindamonhangaba (SP):
Atelier Jane Jordão
Informações: jane_jordao@yahoo.com.br
De 21 a 23 de outubro de 2016: Olho
De 24 a 30 de outubro: Bizantino

Paraty (RJ):
Sob a responsabilidade do Atelier Jane Jordão
Informações: jane_jordao@yahoo.com.br
De 2 a 6 de novembro: Contemporâneo - Abstrato

Curitiba (PR):
Patricia Ono Mosaico
Informações: patriciaono@hotmail.com
De 12 a 16 de novembro de 2016: Retrato
Dias 17 e 18 de novembro: Flor
De 21 a 25 de novembro: Retrato
Dias 26 e 27 de novembro: Flor

São Paulo (capital):
Yara Fragoso Mosaicos
Informações: yarafragoso@yahoo.com.br
De 30 de novembro a 4 de dezembro: Retrato


Andjelka Radojevic: outra vez Brasil


Pela segunda vez, a artista sérvia Andjelka Radojevic virá ao Brasil ministrar workshops de mosaico artístico. Entre os mosaicistas do país é grande a expectativa já que em sua primeira passagem, em 2013, deixou marcas e colecionou seguidores devido ao sucesso dos três workshops organizados pela mosaicista Rosangela Gasparin no Depósito do Mosaico, em Curitiba, no Paraná.

Desta vez quem receberá Andjelka, em Curitiba, será o espaço Patricia Ono Mosaico, capitaneado pelas mosaicistas Patrícia Ono e Helô Montserrat. Em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, a artista será recebida pela Mosaika Escola de Arte sob o comando de Cátia Usevícius Maia, em Pindamonhangaba, SP,  e em Paraty, no Rio de Janeiro, Andjelka será recebida por Jane Jordão, e em São Paulo, capital, quem receberá  a artista será o espaço Yara Fragoso Mosaicos.

Para Andjelka, a nova vinda ao Brasil soa como um presente: "Minha primeira vez  no país foi maravilhosa. Muitas amizades nasceram e paisagens foram esculpidas profundamente em minha memória. Volto com enorme prazer e posso dizer que nada é melhor do que encontrar velhos amigos e fazer novos”, afirma. Para a artista, compartilhar conhecimentos, conhecer sobre a cultura e trocar informações são momentos enriquecedores. “Darei o meu melhor para ensinar o que sei e também para divulgar um pouco da cultura de meu país. Quero atrair  cada vez mais brasileiros para visitar e  aprender na linda Sérvia”, acrescenta.

 


Acima, a artista sérvia
Andjelka Radojevic.

Abaixo, algumas de
suas obras

 


Além de ministrar mosaico artístico para mosaicistas de sua região, Andjelka recebe, em seu ateliê, artistas dos Estados Unidos, Brasil, Alemanha, Reino Unido , Israel e Rússia e, sempre que pode, viaja para ministrar workshops internacionais. Já ensinou no Brasil, na  Africa do Sul,  em Israel e nos Estados Unidos.

A capacidade de Andjelka vem chamando a atenção de artistas renomados. Por duas vezes foi premiada pela Bienal de Mosaicos de Belgrado e também, em duas oportunidades, integrou a Exposição Internacional de Clauiano, na Itália.

Para 2017, a grande novidade será a sua primeira exposição internacional individual em La Chapelle St. Eman, em Chartres, França.  A exposição ficará aberta por 3 meses com aproximadamente 30 trabalhos inéditos.

Andjelka Radojevic é uma artista completa. Formada com honras como pintora pela Academia de Belas Artes de Belgrado, Sérvia, ela traz em seus trabalhos forma, movimento, conhecimento de cores... detalhes que transporta para a técnica do mosaico. Suas habilidades tornam suas obras inacreditáveis e seus workshops imperdíveis.

Abaixo, Andjelka Radojevic com seus alunos pelo mundo









Confira, a seguir, os locais e as datas dos cursos no Brasil:

 

Anote
Porto Alegre (RS):

Mosaika Escola de Arte
Informações:  catia@mosaikaescoladearte.com.br
De 28 de setembro a 4 de outubro de 2016:  Retrato ou Nú;
De 6 a 10 de outubro: Pássaro ou Olho;

Pindamonhangaba (SP):
Atelier Jane Jordão
Informações: jane_jordao@yahoo.com.br
De 21 a 23 de outubro de 2016: Olho
De 24 a 30 de outubro: Bizantino

Paraty (RJ):
Sob a responsabilidade do Atelier Jane Jordão
Informações: jane_jordao@yahoo.com.br
De 2 a 6 de novembro: Contemporâneo - Abstrato

Curitiba (PR):
Patricia Ono Mosaico
Informações: patriciaono@hotmail.com
De 12 a 16 de novembro de 2016: Retrato
Dias 17 e 18 de novembro: Flor
De 21 a 25 de novembro: Retrato
Dias 26 e 27 de novembro: Flor

São Paulo (capital):
Yara Fragoso Mosaicos
Informações: yarafragoso@yahoo.com.br
De 30 de novembro a 4 de dezembro: Retrato

 



 

Para saber mais sobre a primeira passagem de Andjelka Radojevic
no Brasil assista ao programa ALAMEDA MOSAICO.
CLIQUE AQUI.

 

Intervenção urbana no bairro Pinheiros
põe o Mosaico Paulista em evidência

 

O grupo Mosaico Paulista segue colorindo as ruas de São Paulo, capital. O mês de julho, deste 2016,marcou a segunda fase de revitalização da rua Joaquim Antunes com a rua Teodoro Sampaio, bairro Pinheiros. Literalmente com as mãos na massa, os artistas do mosaico reproduziram em muro a obra “As oito cores do ipê” da artista plástica Mirthes Bernardes e de seu sobrinho Cid de Freitas.

A ideia de homenagear a artista Mirthes Bernardes surgiu ainda na primeira fase do projeto quando os mosaicistas foram procurados pela Associação de Moradores da Joaquim Antunes (AMJA), para recuperar os espelhos de uma escadaria da rua e um muro na lateral. Para revitalizar os espelhos, os artistas decidiram utilizar o desenho padrão do mapa de São Paulo, marca registrada dos calçamentos por toda a cidade. “Ao montar o projeto tivemos a curiosidade de buscar a origem do traço padrão que compõe as nossas calçadas e o que descobrimos foi surpreendente. Em meados dos anos 60, a artista plástica Mirthes Bernardes venceu um concurso da prefeitura de São Paulo para a criação de um símbolo que representasse a sociedade paulista. Os traços da artista passaram então a fazer parte do dia a dia de todos, mas ela jamais recebeu por sua ideia. Ficamos comovidos e decidimos batizar o local recuperado com o nome - Mirthes Bernardes”, conta Claudete Lopes Martins, uma das mosaicistas do grupo Mosaico Paulista.

 


A primeira fase, em setembro de 2015, contou com a presença de Mirthes não apenas na inauguração, mas também na instalação dos mosaicos da escadaria. A iniciativa da Associação de Moradores da Joaquim Antunes conta, desde o início, com o apoio da empresa Weber Quartzolit, patrocinadora da revitalização.

 
Representantes da Associação de Moradores da Joaquim Antunes com Cid de Freitas, coautor da obra "As Oito Cores do Ipê"

Participaram do projeto: Claudete Lopes Martins,Monica Mascheroni, Cecilia Aimé,Iara Valério, Simone Berton, Cris Romano, Elisangela Secassi, Gabriel Güyrá, Eduardo Passanezi,Sunao Nishio, Vera Gonçalves, Ana Paula Roge, Isaíra Baptista Kuhn, Marlene Felipini, Rosi Caobianco, Rose Marconi, Rosemeire Nascimento, Andrea Lehm, Gertrudes Gormanns, Ramona Kiessling, Célia Sodré, Maria Danesi, Laura Mortigliengo, Jane Jordão Hamacher e Regina Shahini.
 
Quintana Café expõe os mosaicos de Mauro Dacol

O charmoso  Quintana Café, da Avenida Batel, em Curitiba, ganhou novas cores. Até o dia 6 de julho o espaço apresenta a exposição “Mosaico à Mesa", de Mauro Dacol, um compilado de quase 15 anos de produção do artista.

 
A mostra traz vinte e dois painéis  que mostram toda a força e a irreverência de Mauro na técnica mosaico. “Sempre pensei o mosaico como obra de arte. Por conta disso busquei   primeiro os Museus por acreditar que lá estava um público sedento de cultura. Era onde eu queria estar. Quando recebi o convite para expor em um restaurante tive medo que as obras ficassem de lado sem a devida atenção, mas fui surpreendido. A Gabriela Carvalho, atenciosa proprietária do Quintana Café, me ligou dias antes da abertura da exposição para perguntar qual era a minha ascendência, que cardápio eu apreciava e outros detalhes. O almoço de estreia, que foi um sucesso, teve um cardápio especial  voltado para o artista com frutas e legumes em uma linda composição em referência aos mosaicos. Considero inenarrável a sensação de ser tratado com tanto carinho e de ver o respeito de todos pelas minhas obras. Observo que o  Quintana é mais do que um espaço de bom gosto com um cardápio saboroso. É um lugar frequentado por um público que não apenas gosta, mas que também consome arte. Como resultado, muitos dos meus painéis já foram vendidos e frequentadores do espaço têm ligado para agendar visitas ao meu ateliê. Uma experiência gratificante”, afirma Mauro.  

Acima, o artista Mauro Dacol.
No alto, "The Life is Devine", releitura da obra de Paulo Meireles
 


À esquerda, "Madonna" e, à direita, "Coralina". Mosaicos de Mauro Dacol


Sempre inovando, o artista anuncia que o mosaico, antes apenas um hobby, passou a ser a sua atividade principal. Há um ano, sem maiores pretensões, montou o seu primeiro ateliê “Mauro Dacol Mosaicos” na Avenida Sete de Setembro, 5811, em Curitiba. Logo fechou o primeiro contrato de exclusividade, na capital, com uma loja de presentes para a comercialização de uma linha de utilitários que batizou de Home Art. O negócio deu tão certo que Mauro está em negociação com lojas, em outras cidades do Brasil, para a comercialização da linha. Paralelo a isso, abriu um segundo ateliê em Piraquara, Região Metropolitana de Curitiba, onde ensina o que sabe. Quer mais? A produção artística continua firme e vem aí mais uma exposição ao estilo Mauro Dacol intitulada “Seres Mitológicos”. A abertura da mostra será no dia 2 de novembro na  “Casa Belotti”, em Curitiba. Imperdível!

 

"Bello", em técnica direta


Anote:
O que: Exposição "Mosaico à Mesa", de Mauro Dacol
Local: Quintana Café - Avenida do Batel, 1440, Curitiba - Paraná - BR
Quando: Até 6 de julho de 2016

As Mona Lisas de Curitiba


Mosaicistas, acompanhadas de suas Mona Lisas, movimentaram a manhã ensolarada e fria do domingo, 1º de maio de 2016, em Curitiba. Era o Dia do Trabalho, mas quem conhece mosaicistas sabe que os finais de semana e os feriados são comemorados com muita labuta. O projeto seguia tranquilo, capitaneado pela artista Silvia Marcon que veio de Porto Alegre especialmente para ministrar workshops de intervenção urbana. A ideia, que em Curitiba teve o apoio da mosaicista e organizadora Schandra Zmijeski, era espalhar Mona Lisas, em mosaico, pela cidade. E foi o que fizeram as artistas, com maestria, apesar da intervenção da Polícia que, em dia de Atletiba e em tempos de Impeachment, indagou, com armas em punho, as mulheres que aplicavam Mona Lisas nos muros. A calma e as boas maneiras da artista Silvia Marcon foram fundamentais para convencer os policiais de que as Mona Lisas nada tinham a ver com protestos verde e amarelos ou vermelhos, mas sim com a transformação de espaços através da alegria e das cores. Convencidos, seguros de que as mosaicistas não ofereciam perigo à comunidade e transformados pela arte, os policiais seguiram o caminho e a intervenção prosseguiu.

 

Da experiência, muitas histórias para contar, lindas Mona Lisas, boas conversas e belas imagens registradas pela pequena Betina, filha de Schandra Zmijeski, que, empolgada, relatou à Mosaico na Rede os fatos ocorridos. Para a bela Betina, companheira de aventuras, não faltarão argumentos para a redação básica que a professora pedirá na escola em uma segunda-feira qualquer: “Meu final de semana”.
 
 
 
 
 
 
 



Em Curitiba, pariticiparam dos workshops com Silvia Marcon as mosaicistas: Seli Mayrhofer, Andréa Carla Robalo, Denise Duran, Odete Araujo, Evelin Cruz, Isolda Reichmann Losso e Schandra Zmijeski,

A história das Mona Lisas - A talentosa gaúcha Silvia Marcon é uma artista apaixonada por arte urbana. A ideia da intervenção de Mona Lisas surgiu há 4 anos quando foi convidada, em Porto Alegre, para ministrar workshops de arte, em mosaico, em um espaço alternativo frequentado por artistas grafiteiros, estilistas de moda urbana e outros. “Sabia que para conquistar esse público eu precisava ir além do mosaico decorativo e pensei no mosaico urbano. Vários projetos me vieram à cabeça, mas La Gioconda, de Leonardo da Vinci, obra que conta com o maior número de releituras até hoje, me conquistou e, do workshop, surgiram as primeiras Mona Lisas. Depois, fui convidada para um evento na Universidade de Pelotas onde as Mona Lisas fizeram muito sucesso. De lá, voltei a Porto Alegre para uma intervenção no Centro Cultural Vila Flores. E o projeto foi para as redes sociais com fotos e compartilhamentos. Ini Viera, uma amiga mosaicista de Buenos Aires, Argentina, me convidou para um mural no país vizinho. Lá, fizemos uma Mona Lisa gigante além de um workshop que resultou em 20 Mona Lisas na composição de um mural. Os argentinos adoraram! Após, Ini veio ao Brasil e fizemos mais uma Mona Lisa gigante em Porto Alegre e organizamos mais um mural com várias pequenas. Hoje, Ini está envolvida, em Buenos Aires, em um projeto que retira pichações das praças para substituir por arte. Acho que deixamos uma marca”, conta. Além das Mona Lisas do Rio Grande do Sul, da Argentina e agora de Curitiba, há Mona Lisas instaladas no Rio de Janeiro, na saída do Posto 9, e na Favela de Santa Marta.



À esquerda, Mona Loca, instalada em Buenos Aires na Plaza Velasco. À direita, Mona Lanceira Negra, em Porto Alegre. Ambas com projeto e execução de Silvia Marcon e Ini Viera


Silvia Marcon é formada em Artes Plásticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Após a sua formação, iniciou o curso de Arquitetura, mas outros planos mudaram o seu caminho e por quase 20 anos ganhou a vida como professora de Inglês. Há quatro anos, algo a fez retomar o caminho das artes e o mosaico foi a técnica escolhida. Seguiu a Milão, na Itália, onde aprendeu a trabalhar com smalti com a artista israelense Yael Reuveni. Depois foi a Verona para aprender a trabalhar com pedras com a artista Federica Casanova. “Aprendi, estudei muito e voltei a Porto Alegre segura para a abertura de meu ateliê. Todos os conhecimentos são válidos e, sempre que posso, faço cursos como fiz recentemente com Giulio Menossi e Dino Maccini, na Mozaika Escola de Arte, em Porto Alegre e no Spazio Mari Sangoi, em Gravataí. Sobre o meu gosto pessoal, posso dizer que são grandes obras. Já fiz calçadas, piscinas, jardins... gosto de tudo o que fica do lado de fora”, enfatiza. Na programação de workshops, Silvia conta que estará neste mês de maio mais uma vez em Buenos Aires, mas desta vez para capacitar mosaicistas a trabalhar com a arte mural. Em julho seguirá a Atibaia, São Paulo, para participar do “Ocupa Atibaia”, um projeto que reúne 11 artistas urbanos que prometem transformar a cidade com as suas artes.


Silvia Marcon com Schandra Zmijeski, organizadora dos workshops em Curitiba


Espaço Cultural DeROSE Method apresenta a exposição: Cintia Cimbaluk Mosaicos Nobres



A obra premiada "Para que servem os
espinhos?", inspirada no livro "O Pequeno Príncipe",
de Antoine de Saint-Exupéry
  O Espaço Cultural Alto da XV do DeROSE Method  apresenta até o dia 29 de abril, deste 2016,  em Curitiba, a exposição - Cintia Cimbaluk  Mosaicos Nobres. A artista, com premiações internacionais na Itália, na Turquia e nos Estados Unidos, traz , além de surpresas, uma coletânea de trabalhos desenvolvidos durante a sua carreira. Adriana Molteni Machado, empreendedora no DeROSE Method Alto da XV  e idealizadora do evento, preparou o ambiente para que os que chegam em busca de qualidade de vida e alta performance sejam recepcionados por arte. Quer algo melhor?

Mosaicos confeccionados em pedras naturais e Smalti encantaram amigos, alunos da escola, familiares e apreciadores da técnica que estiveram na abertura do evento  no dia 9 de abril. A noite de estreia foi marcada ainda por palestra da artista com explicações sobre a arte musiva, seu valor na história do mundo e a importância que o mosaico, aos poucos, vem reconquistando.  Premiações internacionais como as que Cintia vem trazendo, em nome do Brasil, agregam valor e respeito  ao que aqui é produzido.


 
 

Acima, a artista Cintia Cimbaluk e sua mais recente criação: "Out of Struggle"

À esquerda, Cintia com a organizadora da exposição,

Adriana Molteni Machado


Abaixo, o mosaico
"Cavalo Ibérico"




 
 
 
 
 
 




Flashes da viagem que a artista fez à Turquia para receber  o prêmio - International Gaziantep Mosaic Competition 2015 - ilustraram a palestra com cenas de tirar o fôlego. Desde os antigos mosaicos romanos, em minúsculas pedras coloridas, até a riqueza dos mosaicos bizantinos, com seus fundos em ouro, fizeram a plateia ansiar por uma visita ao país não apenas em busca de fatos históricos, mas também para ver de perto  a obra que fez valer o prêmio recebido por Cintia . O trabalho “Para que servem os espinhos?”  faz agora parte do acervo do Museu de Gaziantep.  Na exposição atual, a obra está representada por uma  fotografia o que fez muitos observadores exclamarem: “Como eu queria ver de perto!”. Antes de seguir à Turquia, “Para que servem os espinhos?”  brilhou na exposição “Natureza, Amores e Sonho”, organizada em 2015 pelo Depósito do Mosaico, no Memorial de Curitiba. Para quem viu, emociona  saber que um trabalho primoroso, de uma artista brasileira, ocupa espaço de tanto destaque na arte musiva do mundo.




  Na categoria Mosaico de Material Livre, em que Cintia foi contemplada, Vanessa Rivera, de San Juan, Porto Rico, recebeu o primeiro lugar; Angela Sanders de Hull, Inglaterra, ficou em segundo e Cintia Cimbaluk, de Curitiba, Brasil, em terceiro. Como terceira colocada, ganhou a viagem a Gaziantep, na Turquia, hospedagem no Sirehan Hotel e uma premiação, em dinheiro, de 4000 liras turcas. Emocionada, a artista observou que as amizades e a oportunidade de conviver por alguns dias com artistas importantes do mundo musivo foram os seus melhores presentes. Lembrou ainda, durante a palestra, de homenagear todos os professores que a ajudaram a trilhar o caminho como mosaicista desde o início da carreira. Fato, segundo a artista, que contribui na vontade de aprender sempre e na busca de novos prêmios.

O artista e jurado Giulio Menossi com Cintia Cimbaluk


Vista parcial do Salão Principal do Zeugma Museum, em Gaziantep
 
Uma vez na Turquia, Cintia fez questão, é claro, de conhecer a capital Istambul e de lá trouxe belas imagens do auge do Império Bizantino. Cenas marcantes da História que o projeto Mosaico na Rede faz questão de compartilhar com os leitores.
 


Revirando a História

 

 

 


Quando o assunto é a antiguidade, surgem milhares de perguntas e muitas, infelizmente, sem respostas. A viagem de Cintia Cimbaluk à Turquia, país que hoje conta com o maior número de escavações arqueológicas, desperta para um mundo a ser descoberto. Maurício Fonseca da Paz, professor de História do Grupo Positivo, em Curitiba, irá auxiliar nesta viagem pelo tempo.

O professor explica que descobertas apontam que os mosaicos mais antigos, já encontrados, datam de aproximadamente 3500 a 4000 anos  a.C, o que significa praticamente 6000 anos de História, um período em que a escrita também iniciava. “Podemos dizer que a linguagem do mosaico é tão antiga quanto a escrita para a humanidade. Os mosaicos mais antigos eram de terracota,  de pedras e por último os de vidro que acrescentaram muitas cores aos projetos”, afirma.



O professor de História
Maurício Fonseca da Paz


Os primeiros exemplares foram encontrados na antiga região da Suméria, no Oriente Médio, onde hoje fica o norte do Iraque. O clima seco, da região desértica, permitiu a conservação de verdadeiros tesouros da História. Mas se os mosaicos já existiam no Oriente, antes da chegada do Império Romano, por que recebem o título de Mosaicos Romanos? A resposta está não apenas na política, mas também na capacidade de apropriação e aperfeiçoamento de tudo o que já existia nos locais ocupados.


"A caçada das amazonas", no Mosaic Museum de Sanliurfa


Detalhe de mosaico do pátio central do Palácio de Constantinopla,
no Great Palace Mosaic Museum

O professor conta que o processo de expansão de Roma iniciou antes do Século I a.C, mas foi no século I a.C que Roma se transformou em Império e as ocupações de territórios se tornaram cada vez maiores. Em 395, século IV, o Império era tão grande e com fronteiras tão vastas que o Imperador Teodósio, para sustentar o poder e temendo povos que começavam a invadir as fronteiras, decidiu pela separação do Império em duas partes: Império Romano do Ocidente, com capital em Roma, e Império Romano do Oriente (Bizantino) com capital em Constantinopla, antiga Bizâncio e atual Istambul. Ao longo de sua existência, o Império Romano cresceu chegando até onde está o Iraque e o Kuwait. Ao chegar, homogeneizou várias formas de construção e de arte, entre elas o mosaico criando maneiras próprias de andamento até então desconhecidas.


Parte da "Casa de Dionysos", no sítio arqueológico de Zeugma

Um fato interessante foi a descoberta de mosaicos em muitas casas. Historiadores acreditam que o motivo da presença de mosaicos nas residências não era apenas decorativo, mas mágico, místico. Deuses da fortuna eram confeccionados para garantir prosperidade; da mesma forma acontecia com a saúde, com o amor, etc. Além de figuras místicas, cenas do cotidiano eram retratadas o que nos permite analisar o modo de vida da época já que outras manifestações artísticas se perderam com o tempo. Ou seja, o mosaico antes de se tornar uma arte Cristã, no auge do Império Bizantino, foi uma arte pagã retratando Deuses Mitológicos. Aqui, surge mais uma dúvida: a Mitologia não se refere à Grécia? A resposta, segundo o professor Maurício, é que os romanos se espelhavam nos gregos por acreditarem que eles estavam mais próximos da perfeição. O padrão de beleza romano e o nosso próprio padrão de beleza, por consequência, está ligado à imagem grega. Até mesmo a religião dos gregos foi apropriada pelos romanos. Assim Deuses Gregos se transformaram em Romanos. Poseidon, por exemplo, passou a se chamar, na religião romana, Netuno, Afrodite vira Vênus e há diversos outros casos.


Mosaico de Okeanos e Tethys, descoberto junto ao Mosaico das Nove Musas, no sítio arqueológico de Zeugma

“Se você encontra um mosaico histórico com tema Cristão pertence ao Império Bizantino. Se encontra um mosaico não Cristão é anterior ao Império Bizantino”, enfatiza o professor Maurício. Ele explica que Roma se tornou Império no século I a.C . Dois séculos depois, chegou ao local o Cristianismo com a promessa sedutora de um paraíso após a morte que, imediatamente, conquistou a população mais pobre. Os romanos, com medo do viés político que isso viria a ter, passaram a perseguir os cristãos temendo uma revolução contra o Império. A perseguição prosseguiu, mas em 313, o Édito de Milão foi promulgado pelo imperador Constantino. Isso assegurou a tolerância e a liberdade de culto para os Cristãos e mais tarde os romanos, sem força para derrubar a religião, decidiram se apropriar dela o que mudou a organização política, gerou novos modelos de construção e transformou a maneira de confeccionar mosaicos que passaram de pagãos a cristãos.


Detalhe de "Dia do Juízo", no Museu de Santa Sofia, em Istambul. Abaixo, à esquerda, geral da obra. Abaixo, à direita, mosaico de São Paulo na  Igreja de São Salvador de Chora, em Istambul



A queda do Império Romano do Ocidente aconteceu em 476 d.C, mas o Império Romano do Oriente (Bizantino) formado no século IV, com sede em Constantinopla, continuou por quase mais mil anos. Somente em 1453 o Império Bizantino foi derrotado pelos turcos otomanos gerando a pré-formação do que hoje é a Turquia, com capital em Istambul (antiga Bizâncio e Constantinopla), uma cidade carregada de História construída com a influência de muitos povos.

Por que tantas descobertas recentes?

A Turquia, antes um país mais reservado, hoje mostra-se um país aberto. De alguns anos para cá, na tentativa de ingressar na União Europeia, vem modificando as políticas públicas para se aproximar de um país ocidental. Está aberta ao turismo, tem eleições, universidades turcas firmam convênios com países do mundo... Isso vem provocando um aumento de missões arqueológicas, mas nem sempre foi assim. Na década de 90, do século XX, escavações chegaram a ser proibidas, exatamente ao contrário do que ocorre hoje. Segundo o professor Maurício, esse é o motivo de tantas novas descobertas e muitas ainda virão.


A Mosaico na Rede Magazine chegou à Turquia pelas mãos da artista Cintia Cimbaluk. Confira:

Abaixo, recebem as revistas de Cintia Cimbaluk: à esquerda, Ergün Ozuslu, Provincial Culture and Tourism Director e, à direita, Mehmet Yilmaz, presidente da Associação Internacional de Mosaicistas (Uluslararası Mozaik Sanatçıları Derneği), com sede em Gaziantep




Acima, com Cintia Cimbaluk: Lubosz Karwat (Tuchow, Polônia), ganhador do prêmio na Categoria Mosaico de Pedras, e Vanessa Rivera (San Juan, Porto Rico), ganhadora do prêmio na Categoria Mosaico de Material Livre

Anote:
O que: Exposição: Cintia Cimbaluk Mosaicos Nobres
Organização e Curadoria: Adriana Molteni Machado e Cintia Cimbaluk
Local: Escola DeROSE Method - Espaço Cultural Alto da XV -  Rua Itupava, 601 - Curitiba - Paraná - BR
Quando: de 9 a 29 de abril de 2016
Horário: das 9h às 21h
 

Escola Curitiba de Mosaico
chega com ousadia e inovação

  Novos caminhos para as artes. Agora é oficial: o Depósito do Mosaico passou a abrigar, neste março de 2016, a Escola Curitiba de Mosaico. A empresária Letícia Melara e as artistas Bea Pereira e Rosangela Gasparin comandam o projeto para a promoção da arte musiva, entre outras artes, dentro do Atelier. Segundo as organizadoras, a proposta é ampliar possibilidades e construir novos rumos para os mais diversos ramos artísticos.

Com a inauguração da Escola Curitiba de Mosaico, o espaço ganhou nova marca. A flora do estado do Paraná inspirou os traços da artista Rosangela Gasparin e ganhou formas musivas nas mãos de Bea Pereira. Em uma mescla de mármores claros e escuros, Bea fez surgir, em mosaico, a Araucaria angustifolia ou Pinheiro do Paraná, um símbolo, bravamente executado, que enaltece a cultura paranaense.

Letícia Melara, Rosangela Gasparin e Bea Pereira
 
A fundação da nova escola, no dia 18 de março, contou ainda com a inauguração de um trabalho audacioso. O artista brasileiro Marcelo de Melo, que há 20 anos reside em Amsterdam, Holanda, foi convidado para comandar, no Brasil, duas equipes de mosaicistas para a montagem e a execução de um mosaico estrutural no jardim da escola. O tamanho do projeto e as necessidades exigiram coragem e inovação para ultrapassar as barreiras. “Não tenho outro projeto assim em nenhum lugar do mundo. Foi um privilégio desenvolver um trabalho deste porte. Já fiz obras maiores, mas não em mosaico. Considero que essa escultura aponta para um momento de maturidade. Acredito que não seria possível elaborar algo similar, anteriormente, por falta de confiança e também de certeza de que iria funcionar”, observa. Para Marcelo, o belo resultado provém de uma série de fatores. “Lindos dias de sol, uma empresa interessada, um local apropriado e o trabalho impecável da empresária Letícia Melara, para resolver a logística do projeto, foram fundamentais. Esse mix facilitou a execução da obra”, enfatiza.


 

Acima, o artista Marcelo de Melo e a empresária Letícia Melara. Abaixo, flashes do lançamento e momentos dos workshops













A concepção, o projeto e a técnica da escultura urbana exposta no jardim da Escola Curitiba de Mosaico são do artista plástico Marcelo de Melo. Na execução estão os mosaicistas: Angela Kotzias Ribeiro, Angela Mello, Anna Maria Nunes de Souza, Bea Pereira, Célia Bernardes, Edwiges Barros, Ivani Guidini, Juraci Volpato, Letícia Melara, Magaly Floriano, Marcelo de Melo, Maria de Lourdes Kassab Siqueira, Mônica Lebois, Nara Bello, Rosangela Kusma Gasparin, Roseli Ribeiro Carreira, Sandra Mara Guimarães, Schandra Julia Zmijeski, Seli Vergès Mayrhofer, Silvana Accioly e Yara Camargo.




 
Anote:
O que: Escola Curitiba de Mosaico
Onde: Rua Alberto Bolliger, 141 – Curitiba,PR, Brasil - (41) 32238999.
 

Mosaico Paulista apresenta a
exposição “Sob um novo olhar”



  O Grupo Mosaico Paulista apresenta, neste 2016, a primeira exposição coletiva anual de trabalhos.  A mostra - “Sob um novo olhar” - expõe a força da equipe aliada a uma notória capacidade de execução o que torna o conjunto rico não apenas em materiais, mas também em conteúdo.

Aberta no dia 8 de março, a exposição segue no bairro Jardins até o dia
1º de abril e conta com trabalhos inéditos de 25 mosaicistas que provocam reações pela maneira diversificada que ousam entre cores e formas.

À esquerda, "Callas",
de Regina Shahini.

Abaixo, Iara Valério e seu
trabalho "Mordo".

 



Luciano Torres Guimarães e seu trabalho "Oxente São Paulo"

 
 
Eliana Corinti Jordão e seu mosaico "Os quatro Pilares"

 
 
Acima, "Tríade", de Carolina Kawall.
À direita, "Um Olhar a Cada Amanhecer",
obra de Claudete Lopes Martins

 

À esquerda, "Nude", de Yara Fragoso. À direita, Gabriel Guyrá e seu mosaico "Spiral"

 

Acima, "Encantamento",
de Isaíra Kuhn.
À esquerda, Cecilia Aimé aponta para seu mosaico "1920".
Abaixo, painel "Sem Título", de Fernando Mota de Paula

 



À esquerda a mosaicista Monica Mascheroni e seu trabalho "Romera". À direita, "Casa Iluminada", mosaico de Ramona Kiessling

Criado em 2014, o grupo reúne, em São Paulo, artistas apaixonados pela técnica do mosaico que trabalham com o objetivo de divulgar a arte musiva não apenas na cidade, mas em todo o país. Apostando no aprendizado e no repasse de conhecimentos, muitos integrantes organizam e participam de workshops em busca de novas técnicas, de um corte perfeito, da beleza da composição das cores ou de emoções expostas através da arte. O mix ideias/conteúdo/beleza/emoções - fez nascer a primeira exposição coletiva.


A mostra “Sob um novo olhar – A diversidade do Mosaico Paulista" conta com o apoio da Pizzaria Piola Jardins, de São Paulo, capital. Participam os seguintes artistas: Ana Paula Roge,Célia Sodré, Cris Romano, Elisângela Secassi, Gabriel Guyrá, Fernando Motta, Alba Rosa Panhoca, Eliana Corinti Jordão, Maria Danesi, Isaíra Kuhn, Sueli Cemin, Rosi Caobianco, Iara Valério, Yara Fragoso, Monica Mascheroni, Luciano Torres Guimarães, Rose Marconi, Lia Pereira, Cecilia Aimé,Claudete Lopes Martins, Ramona Kiessling, Carolina Kawall, Marlene Felipini, Laura Mortigliengo e Regina Shahini.
 
Anote:
O que:
Exposição “Sob um Novo Olhar”- A Diversidade do Mosaico Paulista.
Onde:
Pizzaria Piola Jardins, Alameda Lorena - nº 1765, São Paulo, capital.
Quando: de 8 de março a 1º de abril de 2016.
 

Museu Guido Viaro apresenta a exposição
“Narrativas Infecciosas”, de Marcelo de Melo


Marcelo de Melo e seu mosaico "Corpo Hipocrítico"

A exposição é impactante e convida a uma reflexão sobre a vulnerabilidade humana. Marcelo de Melo instiga através da arte. De maneira irreverente, leva os observadores a pensar  na responsabilidade que cada ser carrega, muitas vezes sem perceber, em um contexto amplo e vital. Na exposição “Narrativas Infecciosas”, sua primeira mostra individual  no Museu Guido Viaro, em Curitiba, o artista vai além. Quarenta e nove copos d’água  formam a palavra “AEDES”  que sugere a criação de mosquitos em uma galeria. A instalação trabalha com o medo que só a atitude pode combater. A mostra conta com o apoio do Depósito do Mosaico, do Museu Guido Viaro, da Revista Mosaico na Rede e da Galeria de Arte UFF.

 
 
Mosaicos de Marcelo de Melo: acima, "Contaminação à Brasileira".
À esquerda, "Corpo Musivo 4"
 
Além da instalação, o paranaense radicado na Europa há 20 anos, apresenta obras recentes das séries “Corpos Musivos” e “Narrativas Infecciosas”. Os trabalhos surgem de uma pesquisa inédita de arte musiva, desenvolvida ao longo de sua carreira, com um alto caráter conceitual. A mostra parte da necessidade de apresentar o mosaico como prática artística e recontextualizá-lo para o século 21: o mosaico expurgado do seu conteúdo decorativo, aliado a uma pesquisa artística ampla. A série “Narrativas Infecciosas”, por exemplo, é baseada no envolvimento pessoal e atitude compulsiva do artista com a arte musiva e traz um sentido duplo do termo cultura: cultura microbiana e cultura como atividade humana. Placas de microtubos servem formalmente como estruturas que aludem ao ambiente de um laboratório e exploram a contaminação. “Pretendo ‘contaminar’  o público de Curitiba com as ideias que apresento”, avisa o artista.

 

À esquerda, "Corpo Musivo II". À direita, Marcelo ao lado de "Pele de Santo"

 
A mostra aberta no dia 3 de março no Museu Guido Viaro, permanece até o dia 9 de abril, deste 2016, com entrada franca.  Em 2014, a exposição “Narrativas Infecciosas” esteve por três meses na Galeria de Arte UFF, em Niterói, Rio de Janeiro. O artista avisa que além dos trabalhos já apresentados no Rio, traz, nesta edição, obras feitas especialmente para o Museu Guido Viaro.

 
 
 
Marcelo de Melo vive oficialmente, há duas décadas, em Amsterdam, Holanda, mas a sua arte está no mundo. Só nos últimos 18 meses realizou mais de12 exposições e quase 10 workshops em países como Canadá, Inglaterra, Israel... Isso além de cumprir a metodologia do doutorado em “Prática Artística”, título que será validado pela University of Brighton, Inglaterra.
 
 
 




O paranaense, nascido em Apucarana, é formado em História pela Universidade Federal do Paraná e Mestre em Artes Plásticas, com distinção, pela University for the Creative Arts, de Canterbury, Inglaterra. O artista, premiado, é criador da técnica do mosaico estrutural, autor de livro, em Amsterdam, sobre a arte e escreve artigos para revistas de reconhecimento internacional. Seus mosaicos trazem mensagens significativas que colocam não apenas a técnica musiva, mas o Brasil em evidência.



Anote:

Exposição “Narrativas Infecciosas” de Marcelo de Melo

Quando: de 3 de março a 9 de abril, deste 2016, de terça a sábado, das 14h às 18h. Entrada franca.

Onde: Museu Guido Viaro, em Curitiba.
Rua XV de Novembro, 1348.

 

Manas Bonetti lançam pasta vítrea brasileira e
abrem novas possibilidades ao mosaico artístico
 

Mosaicistas que participaram do workshop ministrado pelas irmãs gêmeas Marielle e Michelle Bonetti no Depósito do Mosaico, em Curitiba, tiveram a oportunidade de experimentar, em primeira mão, dois materiais que prometem transformar o mosaico artístico: a Pasta Vítrea brasileira, que segue uma variada gama de cores em tons sólidos e também um material artesanal em Vitrocerâmica, que apresenta características únicas e marcantes.

 
  As novidades movimentam o mundo musivo. O primeiro lote que veio de Urussanga e de Criciúma, Santa Catarina, está praticamente esgotado e foi aprovadíssimo pelos mosaicistas. “Não somos representantes dos materiais. O que fizemos, em parceria com os fornecedores, foi trabalhar em conjunto e estimular o desenvolvimento de materiais nobres no Brasil. Somos mosaicistas e precisamos disso. Desde que voltamos da Itália, sentimos uma certa inquietação. Não queríamos depender apenas de produtos importados. Como nossa região é um polo cerâmico onde estão muitas empresas do setor, acreditamos, insistimos e encontramos bons  parceiros. A aproximação dos fornecedores com o Depósito do Mosaico, para o lançamento dos materiais, permitiu que os mosaicistas inscritos no primeiro workshop de mosaico artístico, que ministramos, experimentassem as novidades e foi um sucesso”, avalia Marielle. Para Michelle um dos motivos da total aceitação dos materiais está no número de cores. “Em um primeiro momento conseguimos uma gama de cores restrita, mas estudos no processo de ajuste das cores permitiram que chegássemos a uma gama super completa. O número de cores do mostruário da pasta vítrea, principalmente para carnagione, que são os tons de pele, é muito intenso”, acrescenta. Segundo as artistas, os próximos desafios são a produção de filati e o desenvolvimento de tons em ouro para aplicação no mosaico artístico.
A empresária Letícia Melara com as artistas Marielle e Michelle Bonetti e Bea Pereira

 
 
 
 
 
O primeiro workshop de mosaico, ministrado por Manas Bonetti, abordou em aulas teóricas e práticas, do clássico ao contemporâneo. Segundo as participantes, os dez dias de curso permitiram enriquecer artisticamente não apenas pela execução de peças em mosaico romano, bizantino e contemporâneo, mas pela viagem na história da arte e ainda por dicas essenciais sobre cores, andamento e até na maneira de manusear a martellina e o tagliolo para maior precisão no corte. Com os resultados, as irmãs foram convidadas pelo Depósito a ministrar cursos em módulos de 14 horas cada, um final de semana por mês, que acontecerão de abril a dezembro deste 2016. Um total de 126 horas/aula. “Iremos tocar duas frentes em paralelo: aulas especiais para alunos que fizeram o primeiro workshop e aulas para iniciantes passando por várias técnicas aliadas à teoria”, antecipa Michelle.
 
Momentos do workshop e do lançamento da pasta vítrea brasileira
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


Marielle e Michelle Bonetti, de Urussanga, Santa Catartina, são  artistas premiadas com qualificação profissional pela Scuola Mosaicisti Del Friuli, Spilimbergo, Itália, onde estudaram de setembro de 2011 a junho de 2014. Desde que retornaram ao Brasil,compartilham o sonho de fortalecer o mosaico artístico no país e nada melhor do que ministrar workshops como o que aconteceu em Curitiba. “A nossa primeira experiência ensinando mosaico artístico foi realmente gratificante. Percebemos que as alunas ficaram felizes com os resultados e nós ainda mais pela oportunidade de repassar os ensinamentos que recebemos em Friuli. Trabalhamos no processo de montagem de um ateliê, em nossa região, com foco em produção. Acreditamos que, desta forma, teremos mais tempo para visitar outras regiões e difundir o mosaico artístico”, finaliza Marielle.

 
Centro Estadual de Capacitação em Artes Guido Viaro apresenta a Exposição - “Pretextos”


  O Centro Estadual de Capacitação em Artes Guido Viaro apresenta, até 10 de dezembro deste 2015, a exposição “Pretextos”. A mostra reúne 22 mosaicistas capitaneados pela artista e professora do Centro de Capacitação, Mary Dacol. “Essa exposição é resultado de muito trabalho. Aqui no Guido há um envolvimento enorme das pessoas com o mosaico e a estrutura da escola favorece o estudo e o desenvolvimento desta arte. Um dos resultados da busca pelo mosaico artístico é a exposição “Pretextos” onde realizamos uma poética: textos que surgem das tesselas. A sugestão foi fazer com que os artistas pensassem no significado de suas obras e transferissem esses sentimentos para o papel e para o trabalho. Considero “Pretextos” uma oportunidade de falar sobre a própria obra. Um momento muito especial”, afirma Mary.



À esquerda, a artista e organizadora da exposição, Mary Dacol
 
 
Acima, "Mandala", produção coletiva.

Abaixo, "Flores Quebradas, Flores abertas", de Regina Pulcides
Acima, "Move", de Elizabete Rodrigues, inspirada nas transformações da vida


 

À esquerda, Marise Lecheta e seu trio de quadros elaborados a partir de azulejos.


Abaixo, produção coletiva
da série "Gotas"

 
 



 


Acima, parcial da exposição.

À esquerda, Lidiane Querino
com seu trabalho.


Acima, mosaico estrutural de Maria Luiza B. A. Abaixo, obra de Mary Dacol



MURALISMO – Além da exposição, os trabalhos  dos alunos do Centro de Capacitação  vem  chamando a atenção de quem passa em frente à escola. Quando foi convidada a ensinar mosaico no local, Mary Dacol revolucionou a forma de mostrar o que os alunos aprendem ao expor os resultados nos muros. “A intervenção mural começou há dois anos e costumo dizer que está sempre inacabada porque não queremos que acabe. Queremos continuar e quando não houver mais muros avançaremos em algum que nos permita apresentar a arte em mosaico. A proposta é mostrar a todos o que ensinamos e aprendemos”, compartilha.


 




 

 


 

Desde o início, em torno de 40 pessoas trabalharam no muralismo e a cada intervenção há uma temática. “ Trabalhamos em equipe e nunca é algo aleatório. Apresento um tema e os alunos desenvolvem suas ideias a partir da proposta.Cada nova intervenção tem que dialogar com o que já está no muro para que se torne algo significativo. Há coletâneas de árvores, paranismo, caminhos, movimento, abstração, gotas e outras e os resultados são incríveis”, comemora. Fazem parte dos projetos tanto professores de Educação Artística, que participam  das aulas de mosaico para depois levar a arte para as escolas que lecionam, quanto pessoas interessadas que frequentam  o ateliê aberto à comunidade. “Há pessoas que estão nas aulas há mais de 3 anos. Elas entram e não querem mais sair. Há um clima de aprendizado artístico muito agradável. Os alunos produzem as próprias tesselas em vidro e cerâmica, trabalham com esmaltação, produzem as tintas... o aprofundamento é cada vez maior”, enfatiza.
Mary Dacol é formada em Artes Plásticas pela Faculdade de Artes do Paraná e leciona no Centro Estadual de Capacitação em Artes Guido Viaro desde 2011. “Fui convidada a lecionar no Guido Viaro por conta de minha pesquisa sobre a arte em mosaico. Cada curso tem um período específico com assuntos predeterminados que abordam teoria e prática. Tudo é fundamentado através da História da Arte e dos movimentos que aconteceram. É realmente gratificante”, finaliza.

Anote:
O que: Exposição "Pretextos"
Onde: Centro Estadual de Capacitação em Artes Guido Viaro
(R. Francisco Mota Machado, 490 - Capão da Imbuia, Curitiba, PR, Brasil)
Quando: Até 10 de dezembro de 2015, quinta-feira, das 8 às 20 h.

 
 
O artista Marcelo de Melo anuncia: exposição “Narrativas Infecciosas” virá a Curitiba, em 2016

 




O artista Marcelo de Melo está no Brasil para uma temporada de realizações relacionadas à arte musiva. Neste novembro, de 2015, marcou presença em workshop organizado pelo Depósito do Mosaico, em Curitiba, onde discutiu, além do mosaico estrutural, técnicas de composição. “A grande diferença entre o workshop que realizei há alguns anos, no Depósito, e o atual é a maturidade da técnica. Discutimos desde a fase representativa até a fase conceitual e não apenas do mosaico, mas da arte em geral incluindo a análise de uma obra. Outra diferença é que desta vez ensinei como produzir para uma área externa. Uma estrutura que pode ser aplicada em um jardim, por exemplo”, conta Marcelo.

Mosaicos estruturais de Marcelo de Melo. Acima, "Low-Tech, High-Res" e abaixo, "Estrutura Musivomusical", obra que pode ser tocada. Além de escultura, é também um instrumento



Para o artista, permitir ao participante pensar o que pode ser feito com os ensinamentos apresentados é o grande diferencial do workshop. “Deixo claro que não é um curso de cópias. Após uma discussão inicial, cada um faz o seu projeto utilizando questões técnicas de andamento, inclinação... Proponho exercícios e o aluno escolhe o que irá fazer. A ideia é tirar de cada um a sua própria linguagem”, afirma.












Entre tantas novidades apresentadas, Marcelo anunciou que a exposição “Narrativas Infecciosas” que permaneceu por três meses na Galeria de Arte UFF, em Niterói, Rio de Janeiro, estará em Curitiba de 3 a 19 de março de 2016. “Estou muito grato à empresária Letícia Melara por ter feito a ponte para apresentar, no Museu Guido Viaro, a minha exposição. Pretendo ‘contaminar’  o público de Curitiba com as ideias que apresento”, avisa. Sobre a experiência de “Narrativas Infecciosas”, no Rio de Janeiro, Marcelo acrescenta: “Foi como voltar para casa. Vários curadores visitaram a exposição. Foi importante ver o respeito que demonstraram pelo meu trabalho e uma oportunidade para que muitos viessem a conhecer o que faço fora do país”, avalia.

“Narrativas Infecciosas” -  foi a primeira exposição individual de Marcelo de Melo no Brasil.  Em 2016, ele completa 20 anos fora do país. Oficialmente, vive em Amsterdam, Holanda, mas sua arte está no mundo. Só nos últimos 18 meses realizou 12 exposições e quase 10 workshops em países como Canadá, Inglaterra, Israel... Isso além de cumprir a metodologia do doutorado em “Prática Artística”, título que será validado pela University of Brighton, Inglaterra.



O paranaense, nascido em Apucarana, é formado em História pela Universidade Federal do Paraná e Mestre em Artes Plásticas, com distinção, pela University for the Creative Arts, de Canterbury, Inglaterra. O artista, premiado, é criador da técnica do mosaico estrutural, autor de livro sobre a arte e escreve artigos para revistas de reconhecimento internacional. Seus mosaicos trazem mensagens significativas que colocam não apenas o mundo musivo, mas o Brasil em evidência.
 

Arte musiva ganha lugar de destaque na Art Invest
– 1ª Feira de Arte Contemporânea de Curitiba

Até  23 de dezembro o Atelier João Moro, em Santa Felicidade, é palco da Art Invest – 1ª Feira de Arte Contemporânea de Curitiba. Pela primeira vez, João Moro abre seu atelier para receber 70 profissionais que apresentam as mais variadas faces da arte contemporânea. Marcam presença a pintura, a escultura, a fotografia, o mosaico, que recebeu lugar de destaque através dos trabalhos da mosaicista Diva Raizer, entre outras manifestações.


Acima, "Petra Lux", de Diva Raizer


  O evento é fruto de uma parceria entre o artista plástico João Moro com o artista, professor e produtor cultural Jul Leardini que há muito acalentava o sonho de abrir espaço, em Curitiba, para uma feira voltada a aproximar o público da verdadeira arte contemporânea. “Sou um artista múltiplo com uma vida inteira voltada às artes. Passei pela música, pelo teatro, pelo cinema, artes plásticas... e vi de perto a dificuldade dos artistas, principalmente dos artistas plásticos, em conseguir espaços adequados para exposições e reconhecimento das obras. A ideia é uma aproximação maior  com o público a exemplo do que já acontece em feiras de arte nos Estados Unidos, países da Europa ou mesmo no Rio de Janeiro e em São Paulo. Reunimos desde artistas novos até renomados dando a todos um espaço de destaque. Artistas expressivos como Mazé Mendes,Rogério Borges, Malah, Luiz Rettamozo, Uiara Bartira, Kambé, Tito Lobo, Átila Wensersky e tantos outros estão aqui em apoio ao nosso projeto”, conta  Jul Leardini.

Sobre a presença inédita do mosaico em uma feira de arte contemporânea o professor foi taxativo: “O mosaico, em minha opinião, é uma arte esplendorosa e pouco reconhecida. É notório que alguns artistas conseguem transpor o limite artesanato/arte através de uma elaboração preciosa. Não há como negar. O convite feito a uma mosaicista tem como propósito quebrar esse paradigma. O mosaico está aqui como obra de arte assim como a fotografia que antes era conhecida apenas como técnica e que hoje é reconhecida como arte”, afirma Jul Leardini. Para o artista João Moro, que abriu espaço para a feira, a presença da arte musiva no evento impõe um significado: “Não é a técnica que faz a arte contemporânea, mas sim o conteúdo e o estilo”, acrescenta.

"Tango",de Luiz Gustavo Cobellache.

Abaixo, obras de Malah:
Família II" e "Êxtase"





Acima, "Série Araucária", de João Moro.


 
A mosaicista Diva Raizer,que participa da Art Invest com 4 obras em mosaico, comemora a conquista. “É um verdadeiro privilégio mostrar a arte musiva em um espaço tão importante. Devo essa oportunidade ao artista e professor Jul Leardini que, além de me ensinar a História da Arte Contemporânea, abriu novos caminhos  para mostrar o que mais gosto de fazer”, enfatiza. A característica marcante nos trabalhos da mosaicista  é a presença de pedras brasileiras na construção de seus projetos. “Há 4 anos, na fazenda de meu irmão, no Mato Grosso do Sul, fiquei maravilhada com a descoberta de quartzo fumê que encontrei cavando a terra. Muitas outras pedras foram encontradas e passei a participar de feiras de pedras no Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio Grande do Sul... Como já trabalhava com artes plásticas, senti a necessidade de utilizar as pedras em processos artísticos. Passei a aprender a arte  em mosaico com a mosaicista Solange Chadai, no Solar do Rosário, e com a artista Bea Pereira, no Depósito do Mosaico, em Curitiba.  Costumo dizer que elas são meus anjinhos das pedras. Pessoas que me ensinaram a construir novos caminhos”, conclui.

O artista João Moro diz que a união de artistas em seu Atelier é motivo de comemoração e pensa em dar continuidade a iniciativas como essa. “Sempre usei meu espaço para a produção e venda de minhas próprias peças, mas gostei muito da proposta do professor Jul Leardini. Veja quantos artistas expondo suas obras! Isso é maravilhoso”, finaliza.


Detalhe da obra "Como Ver a Terra", de Luiz Rettamozo


Abaixo, Rogério Borges e a
atriz global e também artista plástica Maureen Miranda posam ao lado da obra "O Jardim do Agora" e de outras criações de Rogério


   


 
 

À mosaicista Diva Raizer entre os artistas e organizadores João Moro e Jul Leardini. À direita, a artista plástica e vidreira Loire Nissen prestigiando o evento

 

À esquerda, geral da exposição. À direita, a dona da voz, Betina Müller marcando presença.

Anote:

O que: Art Invest – 1ª Feira de Arte Contemporânea de Curitiba.

Onde:
Atelier João Moro – Avenida Manoel Ribas, 4232.

Quando:
De 21 de novembro a 23 de dezembro deste 2015.

Horários:
Diariamente das 9h às 18h.


 
Diva Raizer e seu mosaico estrutural


Releituras de “Paul Gauguin”-
Em mosaico e óleo sobre tela


 

Trabalhar em reproduções de obras de Paul Gauguin, tanto em pintura quanto em mosaico, não é tarefa fácil. As cores exuberantes, os detalhes da natureza e a maneira marcante das pinceladas do artista exigem ousadia, talento e determinação. Foram essas características que fizeram nascer a exposição “Paul Gauguin” – em mosaico e óleo sobre tela, que acontece no Espaço Cultural Ceddo, em Londrina.

Participam da mostra os artistas: Ademir Alves de Lima, Conceição Garcia Punhagui, Guaraciaba Pacheco, Hermann Oberdiek, Kiko Nunomura, Luiz Alves, Luiza Sella, Maria de Lourdes Bombardi, Maria de Lourdes Juncanssi, Maria do Socorro Monteiro de Oliveira, Marilia Punhagui, Marta Vitturi, Nilza Stipp, Nivia Roveri, Patricia Ono, Suely Monteiro de Oliveira e Zelma Torres Cruz.

A iniciativa é do Ateliê Mosaicriar em parceria com o Ateliê de Artes C. Garcia. A mostra acontece até o dia 28 de novembro, deste 2015, com entrada gratuita.

Acima, detalhe da obra "When will you marry?", por Suely Monteiro de Oliveira


Acima, "The Siesta", por Zelma F. Torres Cruz. Abaixo, "Tahitian women on the beach", por Luiz Alves




"Two breton peasants on the road", por Zelma F. Torres Cruz

Anote:
O que:  Exposição “Paul Gauguin” em mosaico e óleo sobre tela
Onde: Espaço Cultural Ceddo – Rua Pernambuco,725 – Londrina – PR – Brasil
Quando: Até 28 de novembro de 2015
Horários: De segunda a sexta das 8h às 12h e das 14h às 18h. Sábados das 8h às 12h.
 
Espaço Francis Bacon expõe
a arte de Denise Raasch Marcelino

 

A mosaicista Denise Raasch Marcelino apresenta no Espaço Francis Bacon da Ordem Rosacruz AMORC, em Curitiba, a sua primeira exposição individual.

A mostra traz trabalhos inéditos, além de uma coletânea de peças que representam os vários períodos de criação da artista. “Esse evento significa a minha vida dentro da arte do mosaico. Quem visita percebe todo o meu caminho e a minha admiração pela arte musiva”, comemora a mosaicista que reuniu amigos, familiares e admiradores da arte na abertura da mostra.

A arte egípcia está representada, o que valoriza ainda mais o espaço escolhido para a exposição. “A admiração pela arte egípcia está dentro da nossa família. Na hora de criar coloquei para fora o que gosto, conheço e admiro”, enfatiza Denise.

O painel "Egípcia",
inspiração na arte milenar




 
 
Denise Raasch Marcelino e o painel "Lembranças". Acima, "Vitral"
 

 

Entre as peças, em exposição, está a releitura de uma joia egípcia em formato de escaravelho que, segundo a artista, é fruto de muita pesquisa e carrega um significado especial. “Trabalhei com materiais que lembram o ouro, pedras vermelhas e outros detalhes que fazem pensar em uma verdadeira joia. O escaravelho significa a mutação, a passagem de um tempo para outro, a busca de um recomeço”, finaliza.

A exposição “ Minha Jornada Pela Arte Musiva” segue até o dia 30 de outubro quando completará 50 dias. Quem ainda não visitou não pode perder!

A mosaicista acaba de retornar de uma viagem a Portugal, onde participou de workshop com a artista Maria Helena Carnet, na cidade de Caxias, próximo a Lisboa. Feliz com o resultado, aposta em novas técnicas para a execução de seus mosaicos.

 
Acima, "Escaravelho". Abaixo, Denise com o marido Jorge Carlos Marcelino e o filho, Jorge Júnior.





Acima, Denise com a mãe, Dinavir Marinho Raasch. Abaixo, com Magaly Floriano



À direita, "
Santo André"

 


Anote:
O que: Exposição “Minha Jornada Pela Arte Musiva”

Onde:  Espaço Francis Bacon, da Ordem Rosacruz AMORC
– Rua Nicarágua, 2620 – Bacacheri – Curitiba – PR

Horários:
De segunda a sexta das 13h às 17h30.

Quando:
Até 30 de outubro de 2015
Mosaicos do Brasil marcam presença em Ravenna
Professoras e alunas da Mosaika Escola de Arte, de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, estão a caminho da Itália. Serão dias de aprofundamento na arte em mosaico, participação em exposição e troca de experiências com artistas em Ravenna, cidade considerada a capital mundial do mosaico e capital da cultura italiana. Essa é a segunda vez que a Mosaika, capitaneada por Cátia Usevicius Maia, promove viagem de estudos,em grupo, à Itália.

 
 

Acima, "Blooming on a tree",
mosaico de
Cátia Usevicius Maia.

Ao lado, "Tiger", trabalho em
micromosaico,
de Celita Alberti.

Abaixo, Celita apresenta sua obra

 

O diferencial desta viagem está no fato de que a Mosaika vai representar o Brasil como escola participante da Exposição “Scuole dal Mondo” que contará com trabalhos das mosaicistas brasileiras: Cátia Usevícius Maia,Celita Alberti, Vera Pothoff, Virgínia Ghiggi, Regina Cesa Pereira, Elcira Reif Russomano, Lourdes Deroza, Marcia Silva Lacerda Miranda, Maria Francisca Curia e Silvana Lehenbauer e artistas de escolas de outros países. “A Noite Iluminada, dia 10 de outubro, marca a abertura simultânea de todas as exposições do IV  Festival Internacional de Mosaico de Ravenna  e ver o Brasil representado, em uma das exposições, é motivo de comemoração”, enfatiza Cátia Usevicius  Maia.


Abaixo: à esquerda, "Copacabana, Brazil", de Virginia Ghiggi. À direita,
"Os meandros da Vida", de Elcira Reif Russomano


Além da participação na exposição internacional, as artistas da Mosaika farão dois workshops no Laboratório da artista Luciana Notturni. Após os trabalhos farão visitas às exposições do festival, aos ateliês e ao Centro Histórico de Ravenna e arredores. Dia 16 de outubro seguirão a Udine para visitar a Officina de Giulio Menossi e em seguida irão a Spilimbergo onde conhecerão a Escola de Mosaico de Friuli e a fábrica Donna de smalti. No dia 18 será a vez de partir rumo a Veneza para uma visita à Orsoni Smalti Veneziani. Com certeza, ao retornarem ao Brasil , terão belas histórias para contar.

 


Acima: à esquerda, a luminária "Fioritura Della Vita com Sostenibilitá",
de Marcia Lacerda Miranda. No centro, "Flowers in the Wood", de Silvana Lehenbauer.
À direita, "The Bride", de Regina Cesa Pereira

Abaixo: à esquerda, "Butterfly's Happy Hour", de Vera Potthoff, à direita, "Hydrangeas", de Lourdes Deroza. Na foto maior, releitura do trabalho de Di Cavalcanti, por Maria Francisca Curia



Para quem pretende visitar, o IV Festival  Internacional de Arte Contemporânea em Mosaico de Ravenna acontece de 10 de outubro a 8 de novembro deste 2015. O evento, bienal ,envolve toda a cidade e instituições culturais em um programa dedicado à arte musiva contemporânea e oferece aos visitantes exposições, reuniões, conferências, workshops e visitas guiadas aos lugares mais sugestivos do Centro Histórico.

5ª Bienal de Mosaico de Curitiba
põe a arte musiva em pauta


A empresária Letícia Melara, organizadora da 5ª Bienal, e a artista Bea Pereira, curadora da exposição

 
Até  o dia 27 de setembro, deste 2015, o Memorial de Curitiba é o palco da 5ª Bienal de Mosaico da cidade, evento promovido pelo Depósito do Mosaico, espaço capitaneado pela artista Bea Pereira em parceria com a empresária Leticia Melara.

A Bienal deste ano traz a exposição “Natureza, Amores e Sonho” que reúne mais de 40 artistas do Brasil com a participação de mosaicistas argentinos. Quem viu as exposições anteriores sabe que a visita é imperdível. Através de suas tesselas, os artistas das pedras mostram a força da técnica musiva em suas mais variadas aplicações. Como resultado, obras carregadas de conteúdo invadem o espaço e despertam sentimentos.


Mari Sangoi, de Porto Alegre (esquerda) e Maria Helena Ferraz, de Florianópolis

A primeira exposição apresentada pelo Depósito do Mosaico, no Memorial de Curitiba, foi em 2007, com o título “Transformação”. Naquele momento, nem Bea Pereira e nem mesmo Leticia Melara poderiam imaginar que o tema faria tanto sentido. A transformação acontece na vida real. A cada trabalho realizado, os mosaicistas superam a si mesmos e mostram que a técnica, quando bem executada, faz nascer uma arte nobre e expressiva e é isso o que a mostra de 2015 apresenta.



Manas Bonetti, de Urussanga, SC, à esquerda. À direita, "Plínio", por Rosangela K. Gasparin

Thaísa Justus, à esquerda. Deise Furlani, à direita

Eliana Corinti Jordão, à esquerda. Silvana Accioly, à direita

Carolina Kawall, à esquerda. Juraci Volpato, à direita

Instalação "Amores" e a mosaicista Denise R. Marcelino

Em paralelo à exposição, aconteceu o 1º Mosaico em Pauta de Curitiba. Pela primeira vez, mosaicistas de diversos lugares se reuniram para discutir o futuro e as tendências da arte musiva. O evento trouxe palestras das artistas Bea Pereira, Rosangela Kusma Gasparin e das irmãs gêmeas Marielle e Michelle Bonetti, as Manas Bonetti.


As palestrantes Rosangela K. Gasparin, Bea Pereira e as Manas Bonetti

Em sua apresentação, Bea Pereira mostrou que um bom projeto e a arte de aprender a enxergar são fundamentais  na hora de criar através da técnica musiva. Por conta de sua ligação com as flores  e os jardins, trouxe exemplos  de mosaicos bem executados  com ênfase ao correto andamento que diferencia flores estáticas de flores  com leveza e movimento. Precursora no ensino da técnica como arte, em Curitiba, e autora de “Mosaico sem Segredos”, primeiro livro publicado no Brasil sobre o assunto, Bea desponta como pesquisadora. Em suas viagens, segue o caminho das pedras em visita a museus e congressos internacionais. Paralelo a isso o Depósito do Mosaico, que comanda com Leticia Melara, já trouxe a Curitiba grandes nomes do mundo musivo em workshops de audiência expressiva. “Museus do mundo exibem peças com mais de 5 mil anos e nos fazem pensar quão importantes são os mosaicos para a história”, enfatiza a artista. Na exposição, deste 2015, Bea traz obras que exploram sonhos de paz e a construção de novos caminhos.  É a arte que faz pensar. Inusitada e imperdível.

Rosangela Kusma Gasparin selecionou trabalhos de diversos artistas do mundo e apresentou,em sua palestra, uma incrível diversidade de estilos além de flashes da história da arte em mosaico. A artista, que transferiu  conhecimentos da arte em pintura e sua formação em Design para a técnica musiva, traz, a cada exposição, resultados surpreendentes. Em seu último trabalho fez nascer, de tijolos, a expressividade. Ouvi-la,  sobre  o assunto, foi um  privilégio comemorado e comentado por todos.

As irmãs gêmeas Marielle e Michelle Bonetti, conhecidas por Manas Bonetti ,de Urussanga, SC, enriqueceram a palestra no Memorial  de Curitiba com grandes mosaicos da história. Juntas mostraram a que vieram. Apresentaram conhecimentos em história da arte, andamento e teoria  das cores. Mosaicistas premiadas com qualificação profissional pela Scuola Mosaicisti Del Friuli -  Spilimbergo, Itália, onde estiveram  de setembro de 2011 a junho de 2014, as irmãs, ao retornarem ao Brasil, lançaram o Manas Bonetti – Studio d’Arte, um laboratório artístico que nasceu de um sonho conjunto: a comunicação com o mundo através das artes.  O trabalho “Madonna”, em exposição no Memorial ,mostra a incrível capacidade de execução das artistas

O I Mosaico em Pauta marcou ainda o lançamento surpresa da Mosaico na Rede Magazine – Número 3. A nova edição impressa, bilíngüe - Inglês e português – traz matérias assinadas pela jornalista Magaly Floriano, design gráfico do também jornalista Nelson Martins e tradução para o inglês de Adriane Heinisch.

Recheada de novidades, Mosaico na Rede apresenta uma série de matérias sobre a arte musiva nacional e internacional. A artista da capa ,Rosangela  Gasparin, recebeu o primeiro exemplar ainda no palco durante a sua palestra. Um momento marcado por muita emoção e olhos marejados.  Um viva a mais esta conquista! Não perca a nova edição!

Agradecimento especial aos apoiadores, que unidos nesta edição, valorizam a arte em mosaico e o Projeto Cultural Mosaico na Rede: De Maryno Atelier, Depósito do Mosaico, ffee's Mosaicos, Juraci Volpato Mosaicos, Mosaicato by Ono, Mosaika Escola de Arte e Pastilhart Revestimentos.

 

Acima, Rosangela Gasparin, a artista da capa de Mosaico na Rede Magazine, edição 2015-16.

Abaixo: à esquerda, Solange e Alexandre Piffer e à direita, Gabriel Güyrá



 

Em Curitiba, adquirira o seu exemplar nos seguintes espaços:
- Depósito do Mosaico (41) 32238999
- De Maryno Atelier (41) 30186227
- ffee’s Mosaicos (41) 30297848
- Mosaicato by Ono (41) 30782687
- Pastilhart (41) 33361973 e
- Mosaicos Cintia Cimbaluk (41) 9618 4077.

Também à venda em:
- Umuarama – PR - no Ateliê de Juraci Volpato (44)91044120
- Ateliê Gabriel Güyrá – Caraíva - Bahia – (73) 9946-4046
- Mosaika Escola de Arte – Porto Alegre – RS (51) 33427778.

Em Santiago do Chile na Maracuja Mosaicos (56) 22245 5669.

Você também pode adquirir através dos sites www.mosaiconarede.com.br/magazine.php e www.depositodomosaico.com.br .

 

 
Márcia Iurk, Gabriel Güyrá e Celita Alberti.

Mari Sangoi, Luciano Torres Guimarães, Solange Piffer, Aninha Ceccato e Cristiane Gambetta Rzniski

Anote:
O que: Exposição de mosaicos : “Natureza, Amores e Sonho”-  de 19 de agosto a 27 de setembro(entrada livre). 
Onde: Mezanino do Memorial de Curitiba – Rua Claudino dos Santos, s/nº, Largo da Ordem –
Curitiba –PR.
Horário: de terça a sexta das 9h às 12:00h e das 13:00 às 18:00h
sábados, domingos e feriados – das 9:00h às 15:00h.


Pastilhart Revestimentos inaugura o Espaço Mosaico

A Pastilhart Revestimentos acaba de inaugurar o novo Espaço Mosaico, em Curitiba. A inauguração, em 31 de julho deste 2015,  contou com a presença de mosaicistas, arquitetos e amigos dos empresários Alexandre de Lara e Fabio Pacheco.

Geral do Lounge durante o Festival do Mosaico na Pastilhart.


O empresário Fabio Pacheco, a arquiteta Juliana Lahóz, a mosaicista Patricia Ono e o empresário Alexandre de Lara


  A abertura do evento trouxe Lounge assinado pela arquiteta Juliana Lahóz  voltado aos apreciadores da arte musiva. Uma exposição de trabalhos executados por artistas que participaram de workshop, organizado pela mosaicista Patricia Ono com o artista chileno Ariel Cadiz,  completou o ambiente feito especialmente para a abertura. “A ideia foi criar um espaço onde as pessoas pudessem ficar à vontade para observar as obras em mosaico. Além de valorizar as peças prontas, inclui no ambiente os materiais brutos que são usados para compor esse tipo de arte. Na mesa, por exemplo, fiz uma brincadeira usando, como base, pallets onde as pastilhas são alojadas, sempre apostando na ideia da reciclagem, e a parte superior, cobri com materiais comercializados na loja”, explicou a arquiteta Juliana Lahóz.  As bonbonnières também surpreenderam. Ao invés de doces, pastilhas de vidro deram um ar descontraído e aconchegante ao espaço.
Fernanda Pacheco, Juliana Lahóz e Ana Carolina Musse
 


A inauguração contou ainda com Festival do Mosaico garantindo, aos participantes, materiais a preços baixíssimos e, para completar, workshops lotados com a mosaicista Patricia Ono para a execução do painel “Espaço Mosaico” que ficará na Pastilhart. O painel nas cores verde, vermelho e branco anuncia, segundo a artista, sorte e prosperidade.

Mosaicistas em ação durante workshop na Pastilhart

 
 
 
As mosaicistas Isolda Losso e Marcia Iurk com seus trabalhos
 
Acima, geral da exposição. Abaixo, as mosaicistas Virginia Camargo de Abreu, Schandra Zmijeski, Patricia Ono e Gi Mazetto



Pastilhart Revestimentos inaugura
novo espaço dedicado a mosaicistas

 

O painel "Energia Vital", de Patrícia Ono, dá as boas-vindas

Prestes a se tornar oficialmente ”Capital Nacional do Mosaico”, Curitiba não para. No dia 31 de julho deste 2015, sexta-feira, a  Pastilhart Revestimentos, capitaneada pelos empresários Alexandre de Lara e Fabio Pacheco, inaugura o novo Espaço Mosaico.
A inauguração, aberta a todos, contará com música em Lounge preparado para o evento, sorteios, espaço para a venda de materiais com até 50% de desconto entre azulejos lisos e decorados, cerâmicas e, é claro, uma infinidade em modelos de pastilhas.

 

Os empresários Alexandre de Lara e Fabio Pacheco

Durante o Festival do Mosaico, os visitantes terão ainda a oportunidade de conferir a exposição de obras realizadas por mosaicistas que participaram, em Curitiba, do workshop com o artista chileno Ariel Cadiz.

Em paralelo, a artista Patrícia Ono ministrará o curso: “Muralismo em Flores” em painel a ser instalado no Espaço Mosaico da Pastilhart. Interessados em participar do workshop com Patrícia Ono devem se apressar, pois as vagas são limitadas. Inscrições através do e-mail: administrativo@pastilhart.com.br.

Para garantir conforto, comodidade e tempo de sobra para conferir o Festival, os participantes contarão ainda com as novidades gastronômicas dos Food Trucks que acompanharão o evento.



Anote:
O que:
Festival do Mosaico da Pastilhart Revestimentos e abertura do Espaço Mosaico
Quando: Sexta-feira, dia 31 de julho de 2015
Horário: Das 10h às 18h
Onde: Pastilhart Revestimentos – Avenida Nossa Senhora Aparecida 1054, bairro Seminário – continuação da Avenida Batel – Curitiba, PR. Informações: (41) 33361973.
 
Depósito do Mosaico oferece ateliê aberto de vitral

A beleza do Stained Glass e suas nuances encantaram os participantes do primeiro workshop de vitral do Depósito do Mosaico.  Para experimentar a precisão, que a arte em vitral exige, os participantes colocaram em prática suas habilidades artísticas com resultados  surpreendentes.


As vitralistas Gilda Tebet e Rosângela Canetti (acima) e Rosangela Kusma Gasparin (abaixo)




O vitralista Marco Antonio Cassou


As luminárias elaboradas, em Curitiba, sob a orientação do professor de Vitral, Nelson Martins, ganharam formas e conquistaram novos adeptos à arte. As cores, através da luz, atraem quem observa os trabalhos artísticos que , passo a passo, nascem delicadamente nas transparências. “Escolhi a técnica, desenvolvida pelo americano Louis Comfort Tiffany, por sua beleza e versatilidade. A intenção é garantir ao aluno satisfação pessoal com o trabalho desenvolvido e proporcionar autonomia na escolha e na execução de novos projetos. Estou feliz pela oportunidade que o Depósito do Mosaico oferece de conviver com tantos artistas e compartilhar ideias e conhecimentos”, diz Nelson.


O sucesso do workshop permitiu ao Depósito do Mosaico ampliar a oferta de possibilidades artísticas. O espaço, com notoriedade nacional  na arte em mosaico através de cursos oferecidos pelas artistas Bea Pereira e Rosangela Kusma Gasparin,  além de workshops  com artistas nacionais e internacionais,  tem agora um ateliê aberto de arte em vitral.  As aulas, ministradas por Nelson Martins, serão aos sábados das 9h às 13h. Durante o ateliê aberto, os participantes poderão criar e desenvolver seus próprios projetos em vitrais planos ou curvos, para a produção de luminárias, cúpulas, painéis e janelas.


Os vitrais na história


  Um dos vitrais mais antigos ainda conservados data do Século IX e representa  Jesus Cristo. A peça faz parte do acervo do Musée de I'OEuvre Notre-Dame, de Estrasburgo, na França. Dos séculos XI e XII, são destaques as obras realizadas em igrejas da França, Alemanha e Inglaterra. Entre as relíquias dos séculos XIII e XIV estão vitrais produzidos na Alemanha, Itália e Espanha. A arte permaneceu em desenvolvimento até os séculos XV e XVI.


O Século XIX e o início do Século XX representaram a revolução do vitral. O período ficou marcado, na Europa, por ações de restauro e por inovações de representação e aplicação. Nos Estados Unidos, América do Norte, Louis Comfort Tiffany (1848-1933) se destacou por liderar o movimento Art Nouveau no país.

Visionário, talentoso e empreendedor, o herdeiro da joalheria Tiffany, criada por seu pai em 1837, aproveitou a sua vantajosa condição financeira em experimentos que resultaram no desenvolvimento de novos tipos de vidro e na criação da técnica para a produção de vitrais que leva o seu nome.

Anote:
O que: Ateliê Aberto de Vitral com Nelson Martins
Onde: Depósito do Mosaico - Rua Alberto Bolliger, 141, Alto da Gloria, Curitiba.
Quando: Aos sábados, das 9h às 13h, a partir de 9 de maio de 2015.
Informações: 41 3223 8999

 

Espaço alternativo sugere a troca
de ideias e de experiências artísticas

As mosaicistas Yara Camargo e Iris van den Bogert concretizaram juntas o sonho de criar um espaço para praticar não apenas a técnica do mosaico, mas também outras propostas artísticas como a arte em cerâmica, a fotografia e outras manifestações. O espaço, batizado de Tagliolo Loko, ganhou vida em 2014 e de lá pra cá promove diversos workshops dos quais participam apenas convidados. “Sempre pensei em criar um lugar onde artistas brasileiros, das mais diversas áreas, pudessem ensinar o que sabem. Uma espécie de centro cultural para trocar e desenvolver ideias. Conversei a respeito com outros artistas que imediatamente me apoiaram e o Tagliolo Loko ganhou forma”, conta Yara Camargo.

 

À esquerda, a mosaicista Rosangela Kusma Gasparin ministra o workshop "Teoria das Cores".
À direita, Yara Camargo, uma das criadoras do Tagliolo Loko

 
Mosaicistas durante o workshop "Garrafas Indianas", ministrado por Yara Fragoso

Desde a  sua criação, o espaço já  foi palco de workshops como: “Teoria das Cores”, capitaneado pela mosaicista Rosangela Kusma Gasparin; “Garrafas Indianas”, ministrado pela mosaicista Yara Fragoso, de São Paulo; “Andamento em mosaico”, com Rosemarie Castro; “Cerâmica”, com Emília Wanda e outros encontros que permitiram aprender e trocar experiências.

 
 
Mosaicistas durante o workshop "Andamento em Mosaico", com Rosemarie Castro. À direita, a mosaicista Juraci Volpato apresenta à Yara Camargo a sua nova criação: tagliolos portáteis

 

A última novidade do Tagliolo Loko é um espaço aberto aos artistas que participam dos encontros.  As peças produzidas , durante as aulas ou não, ficam expostas e estão à venda no local.
 
Capela do Santíssimo Sacramento
traz mosaico de Inês Grisotto


 

Quem visita o Santuário Santa Rita de Cássia, em Curitiba, encontra um espaço totalmente repaginado. A grande surpresa está na Capela do Santíssimo Sacramento que traz um grande painel, em mosaico, projetado pelo artista plástico João Zabel e executado, minuciosamente, pela mosaicista Inês Grisotto.

Da análise do projeto à aplicação da última tessela, foram seis meses de trabalho. De domingo a domingo, em uma rotina de 10 a 12 horas por dia, o desenho de João Zabel ganhou cores e movimentos através das mãos de Inês. A obra traz Jesus Cristo e no seu coração, o Sacrário. O painel interativo, que abre e fecha, permite que o Padre guarde, no coração de Cristo, as hóstias consagradas durante a Missa.

Mármore grego e nacional, pedras naturais, pastilhas, revestimentos importados em tons de ouro e pequenos toques de smalti venezianos foram usados na execução. “Foi uma experiência maravilhosa! Ao mesmo tempo em que executava o trabalho fazia orações. Perdi, muitas vezes, a noção das horas e cheguei a trabalhar, na véspera de Natal, concentrada no significado que este trabalho tem para mim. Considero uma graça alcançada. Estou realmente muito feliz”, diz Inês ao expor suas emoções. Além do painel, em mosaico, a Capela traz, nas paredes, rosas em ferro e também uma figueira que simbolizam os milagres de Santa Rita. O espaço, projetado por João Zabel, é um verdadeiro convite à oração.

A mosaicista Inês Grisotto e o artista plástico João Zabel

 
A inauguração da Capela do Santíssimo Sacramento, em 22 de março deste 2015, ocorreu durante a Missa celebrada pelo Padre Anísio Schwirkowski (acima, à esquerda) com a presença do Bispo Auxiliar de Curitiba Dom Rafael Biernaski (acima, à direita).

 

Ao lado, Inês Grisotto com o Cristo em mosaico, ao fundo.

Na foto abaixo, o painel interativo que permite guardar, no coração de Cristo, as hóstias consagradas durante a Missa.

 
 
Artista das pedras

Inês Grisotto, natural de Piracicaba, São Paulo, escolheu o Paraná para viver e se inspirar. Estudou Ciências Econômicas na Universidade Estadual de Londrina e Artes Plásticas, sua paixão, com o artista Henrique de Aragão. Antes de se aproximar da arte em mosaico, ministrou cursos de pintura em tela. A arte musiva, atividade que a encanta, ela aprendeu há 8 anos durante um curso intensivo em Ravenna, Itália, e, de lá para cá, segue o  caminho de colorir com as pedras sempre em busca de novos conhecimentos através de participações em workshops nacionais e internacionais. Sua aproximação com o artista Sergio Ceron, parceiro em diversos projetos, tornou a dupla especialista em Artes Sacras com trabalhos em igrejas de cidades como Primeiro de Maio, Ivaiporã,  Iguaraçu, Londrina e Curitiba, no Paraná, além de obras na Igreja da Santa Cruz, em Cluj Napoca, na Romênia, e no Hospital Londres, Inglaterra, este último com projeto e execução exclusivo de Inês Grisotto.
 
Anote:
Santuário Santa Rita de Cássia
Rua Padre Dehon, 728, Hauer, Curitiba, PR.
 

Exposição “Nossa Senhora”
destaca a arte em mosaico

 

Em sua quinta exposição individual, o artista Mauro Dacol mostra que o mosaico brasileiro chegou para desbravar espaços dedicados à arte e merece, mais do que nunca, lugar de destaque. “Consigo imaginar o mosaico brasileiro em qualquer lugar do mundo. Há tantos artistas admiráveis com tantas ideias fantásticas! Meu objetivo é ver a arte musiva nos museus e trabalho para isso. Os mosaicos artísticos, que aqui produzimos, trazem sonhos, pesquisas, histórias de vida. Posso dizer, sem medo de errar, que precisam ser expostos ao lado de outras manifestações artísticas de primeira grandeza”, defende o artista.

Acima, o artista Mauro Dacol.
À esquerda, Nossa Senhora
da Vitória


A nova exposição de Mauro Dacol traz 13 obras, em mosaico, que retratam as aparições de “Nossa Senhora”. Expostas no Museu de Arte Sacra, em Curitiba, as imagens nasceram após muitas pesquisas e trazem detalhes característicos da história de cada uma. “Gosto muito da imagem da mãe, da mulher... e no início minha intenção era retratar mulheres em geral, mas uma viagem à Aparecida, São Paulo, mudou meus planos e decidi que era a hora de retratar as mulheres nas aparições de Nossa Senhora. Confesso que adorei reuni-las”, diz Mauro.

  À esquerda, Nossa Senhora
de Medjugorje.

Abaixo, Nossa Senhora
do Perpétuo Socorro




 

Acima, Nossa Senhora do Carmo.

À direita, Nossa Senhora de Fátima, por Mauro Dacol, e detalhe do coração, presente da artista Bea Pereira

 




O artista mergulhou tão fundo em suas pesquisas que conhecedores das histórias das aparições identificam, em seus mosaicos, inúmeros detalhes imperceptíveis a muitos observadores. Nossa Senhora de Nazaré, Padroeira do Pará, por exemplo, traz a corda que é arrastada por Belém, do Pará, durante as festividades e os cabelos cor de açaí, fruta típica da região. Segundo o artista, a inspiração veio da música - “Eu sou de lá, onde as Marias são Marias pela fé...”, na voz de Fafá de Belém. “Fiquei emocionado ao ouvir a canção e a obra surgiu”, conta. Já Nossa Senhora do Carmo nasceu de uma homenagem ao pai do artista que era devoto da santa. Para ligar a família à obra Mauro retratou sua filha, simbolizando Nossa Senhora do Carmo, e seu filho no papel de menino Jesus. Nos detalhes, pratos de família, pastilhas, azulejos, resina, mármore, madrepérola... Há ainda a imagem de Nossa Senhora de Fátima que surgiu a partir de um coração em cerâmica com aplicação de micromosaico.  Um presente que Mauro recebeu da artista Bea Pereira.  Já Nossa Senhora de Guadalupe vem literalmente iluminada e Nossa Senhora de Medjugorje, da Bósnia, encanta pelo olhar piedoso. É imperdível conferir, de perto, as surpresas que a exposição traz aos admiradores da arte.

Geral da exposição. À direita, Mauro com as mosaicistas
Marcia Belasque Cuer (acima) e Cintia Cimbaluk

A mostra, que tem a curadoria de Mary Dacol, fica até o dia 31 de maio, deste 2015, no Museu de Arte Sacra, em Curitiba. Em 1º de junho, as obras seguem para a Igreja do Carmo para a inauguração de um espaço cultural.

Aos seguidores do artista Mauro Dacol uma novidade: vem aí a exposição - “Os Deuses da Mitologia Grega”. As peças estão em execução e prometem mais uma mostra surpreendente!

Anote:
Exposição  – “Nossa Senhora” -  por Mauro Dacol
Quando – de 28 de fevereiro a 31 de maio de 2015
Onde:
MASAC – Museu de Arte Sacra – Largo Coronel Enéas s/n – anexo à Igreja da Ordem – Curitiba – PR
Horários:
De terça a sexta, das 9h às 13h e das 14h às 18h. Sábados, domingos e feriados, das 9h às 14h.
 

Curitiba ganha novas cores

 
Quem  passa pela rua  Roberto Barroso esquina com a Mateus Leme, no Centro Cívico, em Curitiba, se depara agora com um grande mural em mosaico, de  13 X 3 m de altura, intitulado “Árvore em Verso e Reciclagem “. A autoria é do grupo Vidreiros de Curitiba, capitaneado pela artista Loire Nissen e que reúne 13 componentes.  “Após 8 anos, em feiras e exposições, sentimos que estávamos prontos para um grande projeto. O trabalho nasceu do reaproveitamento de materiais. Oitenta por cento do que utilizamos foram coletados em caçambas, restos de construções civis e sobras dos ateliês”, comemora Loire.  

Acima: painel iluminado,
em foto de Silvane Burkot.
Ao lado, a artista Loire Nissen,
coordenadora do projeto

 

O Ipê Amarelo, tão presente em Curitiba, ganhou destaque no painel. Suas flores, confeccionadas em fusing com aspecto vazado (vidro celular), técnica marcante da artista Désirée Sessegolo, dão um toque especial à obra. A representação dos pontos turísticos da cidade e as palavras de José Lagana compõem a paisagem e despertam a atenção de quem passa.




O Grupo Vidreiros de Curitiba: da esquerda para a direita, Denise Nissen, Marize Saboia, o poeta e colaborador José Lagana, Regina Lagana, Eliane Chichof, Loide Bichara, Loire Nissen, Eugenio Ferenc, Soeli Ferenc, Selene Calafange, Silvane Burkot, Désirée Sessegolo e Celina Lima

Do surgimento da ideia à inauguração, foram muitas reuniões para definir equipes de trabalho, tipos de materiais, coleta de caçambas... e outros detalhes. O projeto, aprovado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura, têve como proponente a artista Loire Nissen. “ Após a aprovação, nosso primeiro desafio foi encontrar todo o material necessário, o segundo  foi compor esse material em forma de mosaico e o terceiro ponto foi dividir o trabalho em módulos para que cada equipe se expressasse”, conta Loire.
Luiz Antonio Meggetto, proprietário da Argos Materiais Elétricos, cedeu a parede lateral de sua empresa para a aplicação do painel que, à noite, recebe iluminação especial. Ganhou a empresa. Ganhou a cidade.


Alameda Mosaico: a arte musiva agora na TV


A passagem de Andjelka Radojevic pelo Brasil: tema de Alameda Mosaico - Número 2

O projeto Mosaico na Rede comemora 5 anos com o lançamento do programa de TV Alameda Mosaico, pela Rede Lumen de Televisão. A primeira fase, que totaliza 4 programas, estreou na segunda-feira, 10 de novembro, com a apresentação do muralismo dos artistas argentinos Fernanda Jaton e Christian Gibaut.

A presença marcante da artista sérvia Andjelka Radojevic no Brasil, a exposição “A Natureza de Olho em Você”, no Jardim Botânico em Curitiba, e os workshops com o mestre italiano Giulio Menossi são outros assuntos abordados nesta primeira etapa. Uma nova fase, com 5 programas, está em processo de edição para ser exibida no ano que se aproxima. Por aqui muito trabalho, mas também uma enorme alegria por comemorar com os mosaicistas e admiradores da arte mais esta conquista.


O muralismo de Fernanda Jaton (foto) e Christian Gibaut: tema do programa número 1

A Rede Lúmen de TV contempla 80 cidades do Paraná e parte das cidades ao norte de Santa Catarina. Em Curitiba, o programa é transmitido através do canal 13 da Net e pelo canal 16, em rede aberta, em apresentações às segundas-feiras às 20:45h, com reapresentações às quartas-feiras às 13:15h e aos sábados às 9:15h. Após as apresentações na TV, os programas são preparados para postagem na internet.

Alameda Mosaico, uma nova maneira de divulgar a arte musiva, agradece aos apoiadores: Depósito do Mosaico, Pastilhart Revestimentos e De Maryno que apostaram neste projeto e também à direção geral da Rede Lumen por acreditar na ideia. Agradecemos ainda a todos os artistas que cederam entrevistas, autorizações para as imagens e também as palavras de carinho que recebemos por e-mail e através das redes sociais. A todos, o nosso agradecimento especial e o desejo de que a arte musiva seja, a cada dia, mais reconhecida e apreciada.

 
Para assistir aos programas clique aqui
 
Gila Rayberg a caminho do Brasil:
Mosaicista americana ministra workshop
em Pompeia, interior de São Paulo (clic here to read in English)

 

Seus trabalhos denotam força e provocam emoções. “Quero que as pessoas ao olharem para os retratos que produzo, em mosaico, conectem-se, a sua maneira, com o que existe por trás do rosto. Emoção é sempre fundamental”, defende Gila Rayberg a mosaicista americana que está a caminho do Brasil para ministrar, pela primeira vez em Pompeia, SP , um workshop de retratos no Ateliê Solange Piffer Mosaicos.

A expectativa de desembarcar no Brasil para ensinar é grande e ela adianta que a sua abordagem de ensino, como a maioria das coisas em sua vida, se baseia em forte intuição e espontaneidade. “Gosto de trabalhar com os alunos individualmente ajudando-os a desenvolver seus pontos fortes ao experimentar e aprender novas técnicas. Por muitos anos ensinei música e creio que a prática do mosaico é estranhamente semelhante em muitos aspectos. Quanto mais confortáveis as pessoas se sentem com as técnicas e ferramentas, mais livres elas se tornam para crescer artisticamente”, avalia.

Em seu ateliê na Flórida,USA, Gila produz a sua arte em mosaico além de ministrar workshops . Concentrada em atender a todos, prefere pequenos grupos que dão às suas aulas um ar intimista. Muitos de seus trabalhos podem ser encontrados em coleções particulares nos Estados unidos, Canadá, Europa e Ásia.

Obras em mosaico de
autoria de Gila Rayberg:
no início da matéria,
"Morning After".
Ao lado, "Reflection"

Com formação musical, especialista em Trombone pela Universidade Estadual do Arizona, e após percorrer o mundo com a sua música, Gila descobriu no mosaico mais um dom artístico. Apesar do primeiro contato com a técnica ter acontecido nos anos 80, foi só no ano 2000 quando conheceu o amor de sua vida, em New Orleans ,que a arte musiva floresceu em seu caminho. “Decidi presenteá-lo com uma mesa e a produzi em segredo. Quando entreguei o presente, ele ficou extraordinariamente sem palavras e me deu incentivo e apoio permanentes. O resultado é que hoje mosaico é o que faço. É o que sou”, enfatiza.

  Há seis anos, ela vive em Perdido Key , Flórida,lugar pacato no Golfo do México, e diz que a movimentação ao seu redor diminuiu bastante, mas que a sua produção artística ganhou muita força. “Me surpreendi com o número de artistas que entrei em contato e com a qualidade de seus trabalhos. Atualmente faço parte de um grupo de quatro pessoas em uma Galeria de Arte local, Quayside. Um crítico de jornal referiu-se a nós como “a mostra mais forte em 2014”. Outra Galeria de Arte Contemporânea local, Artel, apresenta exposições regulares com júri. Meu trabalho foi selecionado para inúmeras mostras e fui premiada com a exposição “Body of Work” em janeiro e fevereiro de 2014 que contou com 18 de meus retratos em mosaico”, comemora. Ela conta que o ano de 2014 trouxe outras grandes notícias.
Gila e o seu trabalho "Long Legged Reader"

“Tive a honra de ter dois de meus retratos, em mosaico, selecionados para a exposição da SAMA, em Houston, Texas . Foram as obras “Lost in Thought “ e “Kitchen Goddes”. Meus trabalhos foram publicados em vários livros, incluindo Mosaic Fine Art Portraits, de Irit Levy e Pam Givens”, diz.

A arte de Gila é diferente, autêntica, exuberante e a cada dia mais reconhecida. Nos últimos três anos consecutivos seus trabalhos foram escolhidos para o Museu de Arte de Pensacola, Flórida,e em janeiro de 2015 ela será palestrante no Museu. É com essa bagagem que Gila Rayberg chega ao Brasil.

Para saber mais sobre a artista acesse www.gilamosaics.com

Fotos: Rachel Reed Dushoff

 
Anote:
O que:
Workshop de retratos com Gila Rayberg
Quando:
de 13 a 16 de novembro
Onde:
Ateliê Solange Piffer Mosaicos
– Avenida Senador Padua Salles, 523, Centro – Pompeia – São Paulo.
 
Exposição “Luz Sustentável” ilumina
o Centro de Criatividade de Curitiba
As luminárias vencedoras, da esquerda para a direita: em primeiro lugar, "Primavera desabrochando a vida com sustentabilidade", de Márcia Silva Lacerda Miranda, Itala Gusmão e Lúcia Dutra (RS); segundo lugar, "Luz sustentável", de Fernanda Czelujinski (PR); e, em terceiro lugar, "Crepúsculo", de Denise R. Marcelino (PR)

Márcia Silva Lacerda Miranda, Fernanda Czelujinski, Denise R. Marcelino e seus troféus

 
Acima, as mosaicistas Rosangela Kusma Gasparin e Bea Pereira. Ao centro, a empresária Letícia Melara.

À direita, Marcia Miranda e seu carregamento de prêmios rumo ao Rio Grande do Sul

“Ao terminar a montagem da exposição, peguei a máquina e, sozinha, entrei na sala para fotografar. Senti como se estivesse em uma sessão de cromoterapia. A energia dos trabalhos, a alegria das pessoas que participaram... tudo estava ali, fluindo e, através da luz, trazendo boas sensações. Foi fantástico”, comentou a empresária Letícia Melara, do Depósito do Mosaico, que ao lado da mãe, a artista Bea Pereira, abriu no sábado, 8 de novembro, a mostra “Luz Sustentável”, no Centro de Criatividade de Curitiba do Parque São Lourenço.

  A exposição reúne as peças mais pontuadas no concurso –“ Luz Sustentável”, do Depósito do Mosaico. A empresa, conceituada em arte musiva, apresentou aos mosaicistas do Brasil uma proposta inédita e desafiadora: a criação de luminárias com uma única obrigatoriedade: 60% do material utilizado na criação deveria ter origem na reciclagem. Assim nasceram ideias iluminadas que podem ser vistas até o dia 15 de novembro deste  2014.” Restos de garrafas, louças partidas, chaves antigas, vidros quebrados e derretidos e outros tantos materiais foram unidos e projetados em modelos nunca antes vistos. Estou muito feliz com os resultados!”, comemorou Letícia.

As mosaicistas vencedoras do concurso “Luz Sustentável”receberam premiações especiais que incluíram lindos troféus, materiais, publicações sobre arte musiva, curso de mosaico e muitas manifestações de carinho e de admiração por seus trabalhos: Primeiro Lugar: luminária número 18 de Márcia Silva Lacerda Miranda, Ítala Gusmão e Lúcia Dutra, mosaicistas de Porto Alegre (RS); Segundo Lugar: luminária número 2 da mosaicista Fernanda Czelujinski (Curitiba - PR) e em Terceiro Lugar: luminária número 19 da mosaicista Denise R. Marcelino (Curitiba - PR).
A mosaicista Cintia Cimbaluk, da Comissão Julgadora  


 
A empresária Letícia Melara e a mosaicista Patricia Ono entregam o prêmio
de segundo lugar para a mosaicista Fernanda Czelujinski, ao centro

As mosaicistas Bea Pereira (artísta convidada), Vera Potthoff (representando a Mosaika Escola de Arte, de Porto Alegre, RS, com a luminária de sua autoria e de Cátia Usevicius Maia, Regina Cesa Pereira e Virgínia Ghiggi) e Schandra Zmijeski com a sua criação



Trinta e dois mosaicistas aceitaram o desafio e entregaram trinta e oito trabalhos que foram analisados por um júri especializado formado pelos brasileiros Marcelo de Melo, Cintia Cimbaluk e Maria Inês Asinelli e pelos argentinos Christian Pérès Gibaut e Fernanda Jaton. Quem visita, a exposição, logo vê que não foi  fácil, para os jurados, optar por três entre tantas peças maravilhosas.
 
Os mosaicistas Rosangela Gasparin (artista convidada) e Luiz Carlos Carmo

À esquerda, Mari Behrendt e, à direita, Thaisa Justus com seus trabalhos

À esquerda, Magaly Floriano e seu trabalho, com a mosaicista Maria Luiza Amatuzzi.
À direita, a mosaicista Yara Camargo e suas luminárias

As mosaicistas Márcia Miranda, Celita Alberti, Helô Monteserrat, Mônica Lebois e Vera Potthoff
 
Com tanta responsabilidade nas mãos, o júri foi mantido em sigilo até a divulgação do resultado do concurso e fotos dos trabalhos foram enviadas aos jurados que não souberam, em nenhum momento, em quem estavam votando, o que garantiu total imparcialidade na hora do voto. A votação aconteceu através de notas em quesitos específicos e as peças vencedoras foram as que atingiram a maior pontuação.

Além das 20 peças mais pontuadas, a mosaicista Bea Pereira e as apoiadoras do evento Rosangela Kusma Gasparin e Magaly Floriano aceitaram o desafio como mosaicistas convidadas. A mosaicista Patrícia Ono, professora de mosaico do Centro de Criatividade de Curitiba, também é uma das apoiadoras da mostra.
 
Mari Sangoi, com seu trabalho. À direita, geral da abertura da mostra


Luminária de José Augusto Cunha. À direita, o cartunista e mosaicista Ademir Paixão,
em visita à exposição com a filha Betina


À esquerda, a luminária de Marco Antonio Gonçalves Cassou. À direita, trabalho de Marlise Krueger


Da esquerda para a direita, Patricia Ono, Rosangela Kusma Gasparin, Bea Pereira, Magaly Floriano, Fernanda Czelujinski, Márcia Miranda, Denise R. Marcelino e Letícia Melara



Anote:
O que: 
Exposição "Luz Sustentável".
Quando: Até o dia 15 de novembro.
Onde: Sala de exposições do Centro de Criatividade de Curitiba – Parque São Lourenço.
 
 
Depósito do Mosaico premia artistas com ideias sustentáveis: primeiro lugar do concurso “Luz Sustentável” sai para o Rio Grande do Sul

 

O Depósito do Mosaico, empresa conceituada em arte musiva e capitaneada, em Curitiba, pela empresária Letícia Melara e pela artista Bea Pereira, apresentou aos mosaicistas do Brasil uma proposta inédita e desafiadora: a criação de luminárias, em mosaico, com uma única obrigatoriedade – 60% do material utilizado na criação deveria ter origem na reciclagem. O resultado foi um show de luzes e cores a partir de ideias iluminadas. “Por estar envolvida há mais de 15 anos com o mosaico brasileiro e ter visto inúmeras obras fantásticas dos nossos mosaicistas, tive a ideia de chamar a atenção para uma proposta sustentável por meio do uso consciente do lixo, tema tão atual e importante que mostra como é possível a verdadeira transformação. Restos de garrafas, louças partidas, chaves antigas, vidros quebrados e derretidos e outros tantos materiais foram unidos e projetados em modelos nunca antes vistos. Estou muito feliz com os resultados. Os trabalhos ficaram fantásticos!”, comemora Letícia.

As três peças vencedoras do concurso “Luz Sustentável” foram: Primeiro Lugar: Luminária Número 18 de Márcia Silva Lacerda Miranda, Ítala Gusmão e Lúcia Dutra, mosaicistas de Porto Alegre - RS; Segundo Lugar: Luminária Número 2 da mosaicista Fernanda Czelujinski - Curitiba – PR e em Terceiro Lugar: Luminária Número 19 da mosaicista Denise R. Marcelino – Curitiba –PR.

Trinta e dois mosaicistas aceitaram o desafio e entregaram trinta e oito trabalhos que foram analisados por um júri especializado: os brasileiros Marcelo de Melo, Cintia Cimbaluk e Maria Inês Asinelli e os argentinos Christian Pérès Gibaut e Fernanda Jaton.

Com tanta responsabilidade nas mãos, o júri foi mantido em sigilo e as peças foram numeradas e enviadas com fotos para que os jurados não soubessem, em nenhum momento, em quem estavam votando, o que garantiu total isenção na hora do voto. A votação aconteceu através de notas em quesitos específicos e as peças vencedoras foram as que atingiram a maior pontuação.

As  luminárias mais pontuadas vão participar da exposição “Luz Sustentável”, que será aberta neste sábado, dia 8 de novembro, no Centro de Criatividade de Curitiba. As três primeiras colocadas receberão premiações especiais.

A abertura da exposição acontece durante a Usina de Criatividade, no Parque São Lourenço, evento cultural promovido pela prefeitura de Curitiba que integra várias artes.

 

Terceiro lugar: "Crepúsculo", de Denise R. Marcelino

Primeiro lugar: "Primavera desabrochando a vida com sustentabilidade", de Márcia Silva Lacerda Miranda, Itala Gusmão e Lúcia Dutra  


 
Segundo lugar: "Luz Sustentável", de Fernanda Czelujinski  


 
     
Luminárias de Beatriz Lisboa, à esquerda, e de Carolina Kawall, à direita
 
Luminárias de Carolina Kawall
 
Luminárias de Claudia Krueger, à esquerda, e de José Augusto Cunha, à direita
 
Luminárias de Luiz Carlos Carmo, à esquerda, e de Marco Antonio Gonçalves Cassou, à direita
 
Luminárias de Mari Behrendt, à esquerda, e de Mari Sangoi, à direita
 
Luminárias de Marlise Pereira Krueger, à esquerda, e da Mosaika Escola de Arte (por Cátia Usevicius Maia, Regina Cesa Pereira, Vera Potthoff e Virgínia Ghiggi), à direita
 
Luminárias de Simone Beltron, à esquerda, e de Schandra Zmijeski, à direita
 
Luminárias de Thaisa Justus
 
Luminárias de Yara Camargo
 

Os jurados

  "Running Rug", obra premiada
pela SAMA, EUA


Marcelo de Melo
: nascido em Apucarana-Pr, o artista mora na Europa há quase 20 anos, sendo os últimos 8 em Amsterdam, Holanda. Vem chamando a atenção pela técnica estrutural que desenvolveu no mosaico e que lhe rendeu, além de premiação, exposições e reconhecimento em diversos países. Neste 2014, apresentou a sua primeira exposição individual no Brasil - “Narrativas infecciosas” - mostra que marcou  a conexão definitiva do mosaico com a arte contemporânea.

Graduado em História pela Universidade Federal do Paraná e Mestre em Artes Plásticas, com distinção, pela University for the Creative Arts, de Canterbury, Inglaterra, o artista é também autor, em parceria com a artista Greet Weitenberg, de um livro sobre mosaico na Holanda – “De Kunst Van Het Mosaïeken”, e colabora com artigos para revistas especializadas como a francesa - Mosaïque Magazine - onde além de escrever um artigo marcou, este ano, presença como o artista da capa.

 
  Mosaicos na Capela Nossa Senhora do Carmo, em Curitiba

Maria Inês Asinelli:
artista curitibana formada pela FEMP com licenciatura em artes plásticas, Maria Inês iniciou seu aprendizado em vitrais e mosaicos em 1980 na empresa Vitralis, onde colaborou durante 15 anos.
Em 1987 e em 1990 seguiu para Ravenna, Itália, por dois períodos que, somados, duraram 1 ano ampliando ainda mais o contato com as duas artes. Em 2004, inaugurou, em Curitiba, o seu próprio estúdio especializado em vitrais e mosaicos religiosos – Asinelli Vitrais e Mosaicos.
 


A obra "The Serpent Power", por Cintia Cimbaluk
 
Cintia Cimbaluk: jovem mosaicista curitibana que vem se destacando pela maneira audaciosa de orientar as suas tesselas na composição de seus trabalhos. Suas obras marcam presença nas exposições que participa com reconhecimento internacional. Em 2013, com a obra “Corcel Furioso”, Cintia garantiu a segunda colocação no Concurso de Mosaico Contemporâneo para a América Latina (Prêmio Trend Latin America) realizado pela empresa americana Trend USA- Mosaics and Aglomerates em parceria com a italiana Orsoni Smalti Veneziani. Neste 2014, recebeu Menção Honrosa no Concurso Internacional de Mosaico realizado pela empresa italiana Orsoni Smalti Veneziani com a obra “The Serpent Power”(Orsoni Prize 2014 – International Award for Mosaic Fine Art).
 

Fernanda Jaton e Christian Pérès Gibaut:  o muralismo é um dos diferenciais do casal de artistas de Buenos Aires, Argentina. A aproximação com a arte aconteceu na Philadelphia, Estados Unidos,onde deixaram suas marcas em dois murais públicos trabalhando, lado a lado, com o americano Isaiah Zagar, artista admirado por suas obras. Da Philadelphia, voltaram para a Argentina onde colocaram em prática o que aprenderam transformando as cidades com suas tesselas . Neste 2014, foram selecionados para a primeira Intervenção Urbana  de Mosaico no Chile, que reuniu artistas de diversos países do mundo e transformou a cidade de Puente Alto. O casal também percorreu, este ano, diversos estados do Brasil para levar a sua arte e ministrar workshops que estão colorindo as paisagens brasileiras.

 

Abaixo, mural "A Rainha". Produzido durante workshop organizado por Noi Pacheco, no Ateliê da Noi, em Porto Alegre. Execução de Fernanda Jaton, Christian Gibaut, Claudia Piccoli, Vera Lúcia Medeiros da Silva, Rosangela Dolgener, Fabianne Bacchin Onofrio, Ivanéri Bernardes, Solange Trindade, Alcir Paulo Cantú, Jaqueline Noleto e Mari Sangoi

 
 
Anote:
O que: 
Abertura da exposição "Luz Sustentável" e premiação das peças mais pontuadas.
Quando: Dia 8 de novembro, sábado, às 11h. A mostra segue até o dia 15 de novembro.
Onde: Sala de exposições do Centro de Criatividade de Curitiba – Parque São Lourenço.
 

Pastilhart comemora 15 anos com
festa e inauguração de nova loja



  A Pastilhart Revestimentos acaba de inaugurar nova loja no bairro Seminário,em Curitiba.
Com 1300 metros quadrados, o espaço garante livre circulação, conforto e liberdade de escolha pela diversidade de opções que oferece ao público. Com ambiente amplo, novas marcas de pastilhas e porcelanatos, estacionamento e um novo conceito na apresentação de produtos, a empresa comemora, em grande estilo, seus 15 anos no mercado de revestimentos.

Os empresários Alexandre de Lara e Fábio Pacheco receberam os convidados para celebrar o aniversário em festa badaladíssima, animada pelo DJ Tite Clausi. Empresários dos setores da construção civil, de decoração,arquitetos, designers, fornecedores, jornalistas, mosaicistas... marcaram  presença. “Quando falamos em 15 anos pode parecer pouco tempo, mas foi uma longa estrada chegar até aqui. Tínhamos uma estrutura menor e hoje podemos oferecer maior conforto aos nossos clientes e parceiros com novas marcas, algumas inéditas no Sul do Brasil. Essas conquistas motivam uma comemoração como essa. Estamos muito felizes”, enfatiza Alexandre de Lara.
Os anfitriões Alexandre de Lara e Fábio Pacheco. Ao centro, o arquiteto Fernando Schwertner




 

A arquiteta Tatielly Zammar e a diretora da Casa Cor PR Marina Nessi. Abaixo, o DJ Tite Clausi

 
  Novidades para os mosaicistas
Que os empresários da Pastilhart são apaixonados por mosaicos muita gente já sabe. Tanto que as lojas da empresa estão sempre prontas para atender ao público mosaicista. O que muitos não sabem, porém, é que foi através do mosaico que Alexandre de Lara conheceu a esposa, Ana Carolina Musse, com quem compartilha a vida há oito anos, sendo os últimos seis de casamento. “Conheci minha esposa quando se inscreveu em um curso de mosaico, em uma de nossas lojas. Como empresário e admirador da arte, eu às vezes entrava na sala de aula onde a professora de mosaico ministrava os cursos. Gosto de ver o que as pessoas são capazes de fazer com o material que oferecemos! Em uma dessas visitas à sala, meu olhar encontrou o de uma aluna. Era Ana. Foi um sentimento instantâneo e recíproco. Passamos a conversar muito e todos os dias. Hoje, em nossas viagens, buscamos sempre, como admiradores e também para atender aos nossos clientes, informações  sobre mosaico. Nossa história está diretamente ligada a esta arte”, comemora.
O casal Ana Carolina Musse e Alexandre de Lara

  A nova loja, além de uma infinidade de materiais, traz um espaço exclusivo para receber artistas que vêm à cidade ministrar workshops de arte em mosaico. ”Curitiba está se tornando um verdadeiro polo de mosaico. O novo espaço chega para proporcionar maior conforto, diversidade de materiais e para estimular e valorizar, cada vez mais, o lado criativo e a sensibilidade dos artistas”, finaliza Alexandre
As artistas do mosaico
Patrícia Ono e
Schandra Zmijeski




 



Fotos: Nelson Martins e Magaly Floriano

Anote:
Nova loja Pastilhart: Avenida Nossa Senhora Aparecida, 1054 - Seminário,Curitiba, Paraná
 
Espaço Cultural Ceddo, em Londrina,
apresenta: “Van Gogh em mosaico”
 
 
A força do pós-impressionismo
em tesselas: à esquerda,
"O Quarto", por Suely Monteiro
de Oliveira.

Acima, "Autorretrato", por
Zelma Torres Cruz.

Releituras das obras de
Vincent Van Gogh (1853 - 1890).


Até o dia 30 de outubro, os mosaicistas Ademir Alves de Lima, Hermann Iark, Maria do Socorro Monteiro de Oliveira, Suely Monteiro de Oliveira e Zelma F. Torres Cruz apresentam, em Londrina - PR, a exposição - “Van Gogh em Mosaico”.

Cientes da responsabilidade que se dispuseram a enfrentar, os mosaicistas utilizaram diferentes técnicas e materiais e conseguiram, através de suas habilidades, apresentar uma bela exposição que traz, principalmente, a maneira de olhar de cada um.

As pinceladas repletas de cores e carregadas de sentimento, de Van Gogh,  ressurgem, nas tesselas, em forma de homenagem ao incrível artista e dão vida a novos Girassóis, Autorretratos e outras obras.

Para os participantes, a exposição simboliza um sonho concretizado de um grupo de amigos que, semanalmente, se encontra para praticar o mosaico e, de forma lúdica, quebrar para reconstruir.

Anote:
O que: “Van Gogh em mosaico”
Onde: Espaço Cultural Ceddo – Londrina – PR - Rua Pernambuco, 725
Horários: até quinta-feira, dia 30/10/14, das 8h às 18h.
 
Exposições no Pátio Batel, em Curitiba, homenageiam  Poty Lazzarotto
Galeria InterARTividade, mostra interativa

  O primeiro aniversário do Shopping Pátio Batel, em Curitiba, apresenta uma homenagem em memória ao grande artista pintor, ilustrador, muralista... Poty Lazzarotto. A grande novidade é a presença  da Galeria InterARTividade – a primeira galeria de arte interativa dentro de um shopping brasileiro. Um painel permite que, através de um único toque, o visitante percorra  décadas  e descubra relatos de momentos importantes da vida de Poty, suas obras e parcerias marcantes como a que fez com o artista Adoaldo Lenzi e que  transformou espaços da capital paranaense em coloridos painéis cerâmicos.

Acima, as obras de Ana Paula Rodrigues e de Sandra Hiromoto. À direita, Ana Paula.

 
  Além da Galeria, quem percorre o Pátio terá acesso a mais duas exposições em homenagem ao mestre. Uma delas é a mostra “O Olhar Fotográfico de Poty” com curadoria do fotógrafo Guilherme Zawa. Os fotógrafos Ricardo Marques de Medeiros e Pedro Vieira também participam da mostra que traz registros em sobreposição de diferentes intervenções criadas por Poty Lazzarotto. A outra mostra é relativa à moda e arte. A exposição “Poty, por Ti”, com curadoria do produtor de moda Victor Sálvaro, traz o trabalho de sete artistas, estilistas e designers... que, inspirados em elementos típicos do artista homenageado, desenvolveram criações alinhadas com a indústria da moda. Estão presentes técnicas de graffiti, costura, pintura, mosaico...

A mosaicista Ana Paula Rodrigues, a partir de traços característicos de Poty Lazzarotto, criou uma peça garantindo a presença da técnica musiva na mostra. “Participar de um projeto em homenagem a Poty foi sensacional! Entre as coisas que mais me encantaram quando cheguei a Curitiba, há 12 anos, estão as obras de Poty espalhadas pela cidade.
Acima, a obra em mosaico, de Ana Paula Rodrigues, vista de outro ângulo

Quando a Montenegro Produções Culturais me disse que seria um evento unindo moda e arte, pensei em um manequim em mosaico. A escolha da obra, para a releitura, aconteceu quando o historiador Mateus Sokolowski, me enviou o material que havia selecionado. Vi o desenho do índio pescando, que Poty fez em sua visita ao Xingu, e adorei pois tenho uma ligação fortíssima com a cultura indígena”, conta Ana Paula.

Além de Ana Paula participam os artistas Felipe Guerra, Alexandre Linhares, Rodrigo Alarcón,
Glória Malucelli, Ney Souza, Sandra Hiromoto e Janete Mehl.
 
Geral da exposição "Poty, por Ti"

Com curadoria artística da Montenegro Produções Culturais, as ações desenvolvidas por meio de releituras das obras do autor foram produzidas a partir de pesquisas históricas e levantamento de obras  junto a parceiros e familiares de Poty. Esse cuidado garantiu três maneiras diferentes de homenagear o artista. A cenografia das exposições traz a assinatura de Ruy Barrozo  e Rodrigo Vieira.

 
Anote:
O que:
Exposições em homenagem ao artista Poty Lazzarotto
Onde: Shopping Pátio Batel – Avenida Batel, 1868 – Curitiba, PR
Quando:
Até o final de outubro de 2014
 

AFECE realiza exposição itinerante
de mosaico em Curitiba e Região


A exposição de mosaicos na UNIBRASIL, em Curitiba.


Mirella Prosdocimo, secretária da Pessoa com Deficiência da Prefeitura de Curitiba, prestigia a mostra, ao lado de Maira de Oliveira, diretora da Afece, e do presidente da instituição, Ronaldo José de Andrade


Sandra Brandão, coordenadora do Ateliê de Mosaico da AFECE, e a mosaicista colaboradora Fernanda Czelujinski


  A Afece – Associação Franciscana de Educação ao Cidadão Especial, instituição beneficente que atende crianças e adultos com deficiência intelectual de alta especificidade, realiza em Curitiba e região uma série de exposições com trabalhos, em mosaico, feitos por alunos da instituição, mães dos alunos, professores de mosaico e voluntários da comunidade. A mosaicista Sandra Brandão que coordena o “Ateliê de Mosaico da Afece”, aprovado pela Lei Rouanet de Incentivo à Cultura, diz que a segunda fase do projeto termina em dezembro próximo, mas devido aos resultados tanto a instituição quanto os mosaicistas envolvidos já pensam em um novo projeto para dar continuidade ao trabalho. “É uma satisfação enorme trabalhar na Afece. Através do mosaico transformamos a instituição em uma mostra permanente com o apoio de diversas empresas patrocinadoras, além disso fizemos muitas exposições itinerantes. Quem não conhece deve conhecer o trabalho da instituição. Há lindos espaços e mensagens de vida por lá. Sentimos que, através da arte do mosaico, a  autoestima das mães cuidadoras é resgatada. Ao final de um trabalho, elas se sentem felizes. Os alunos da instituição que participam da execução das peças comemoram as aulas e mesmo os alunos com deficiência mais grave, que não podem participar, ficam felizes ao observar as cores e ao sentir as texturas que o mosaico proporciona. O clima festivo estimulado pela arte é gratificante”, observa Sandra.

À esquerda, a professora Wanda Camargo, assessora da presidência das Faculdades Integradas do Brasil
 

Os cursos de mosaico da Afece são abertos para a comunidade em geral. A instituição fornece o material e as aulas. Em contrapartida, o que a pessoa produz fica para o acervo cultural e para o bazar da escola. Como o que é produzido precisa ser mostrado, são feitas exposições itinerantes com a ajuda de parceiros, que abrem seus espaços para receber as mostras.Um destes parceiros é a Unibrasil. A professora Wanda Camargo, assessora da presidência das Faculdades Integradas do Brasil, diz que a parceria com a Afece é fruto do relacionamento que a Unibrasil mantém com a comunidade do entorno. “Estamos muito felizes com a exposição em nosso espaço!  Sabemos que a Unibrasil não crescerá sozinha. Ela só crescerá se todo o bairro, nas suas várias entidades que prestam serviços à comunidade como, por exemplo, as escolas, crescerem também, para estar ao lado da Unibrasil garantindo o crescimento que pretendemos em termos de qualidade de ensino e na prestação de serviços”, defende. Ela conta que a parceria com a Afece é antiga. “Construímos o muro da Afece por entendermos que é uma entidade beneficente de grande importância na região. Além disso, disponibilizamos nossos alunos para estágios supervisionados na Instituição em áreas como enfermagem, fisioterapia... é um serviço que a Unibrasil presta a si mesma e ao mesmo tempo auxilia a Afece a cumprir a sua responsabilidade social”, completa a professora.

 
 
 
À esquerda, Fernanda Czelujinski, Jady Lorena, Sandra Brandão e David Cezar J. Fagundes, mosaicistas homenageados. À direita, Gilsa Floriano, assessora comunitária da Fundação de Ação Social de Curitiba, FAS, com a secretária municipal Mirella Prosdocimo

Para a diretora geral da Afece, Maira de Oliveira, o projeto “Atelier de Mosaico” é motivo de comemoração. “Ao longo do projeto apresentamos mais de 40 exposições que permitiram divulgar o trabalho da instituição. Além disso, como trabalhamos com alunos especiais, nossa preocupação sempre foi tornar o ambiente mais alegre e colorido e o mosaico veio justamente com essa proposta. Pelas mãos dos próprios alunos, das mães dos alunos especiais, dos professores e dos voluntários da comunidade, a arte ficou eternizada na instituição, decorando e iluminando espaços como a capela, o bloco da saúde, a área de pequenos animais... É importante citar que isso não seria possível sem a ajuda de parceiros como a Potencial Petróleo, nossa patrocinadora master, que esteve conosco desde o início permitindo que o projeto acontecesse. Hoje comemoramos grandes conquistas e buscamos novos parceiros porque desde o início acreditamos em nosso trabalho. Este projeto, além de todos os benefícios evidentes, ainda permite que as famílias aprendam a arte e possam, com o tempo, transformá-la em fonte de renda resgatando a cidadania e a autoestima”, finaliza.
 

Anote:
O que: Exposição Itinerante de Mosaico da AFECE

Quando:
de 13 a 17 de outubro
Onde:
APABB – Avenida Victor Ferreira do Amaral, 771

Quando:
de 20 a 24 de outubro
Onde: Prefeitura de Almirante Tamandaré, Região Metropolitana de Curitiba

 
 
Igreja Nossa Senhora de Guadalupe, em Curitiba, terá uma série de painéis em mosaico



  Ele experimentou a vida no mosteiro, mas foi nas artes sacras, há 7 anos, que o artista Paulo Rogério Biscaia, com formação acadêmica em Teologia e Filosofia, descobriu a sua verdadeira vocação. Na cidade de Ponta Grossa, interior do Paraná, ele e uma equipe de artistas trabalham com pinturas, iconografias, ferro forjado, mosaicos e outras técnicas voltadas às artes que marcam presença nas igrejas.

Como autodidata, Paulo costuma vir a Curitiba para a compra de materiais. Em uma destas visitas, descobriu o Depósito do Mosaico. “Conheci a artista Bea Pereira e passei a procurá-la, em busca de dicas, cada vez que surgia um novo projeto. Esse contato foi fundamental para os meus trabalhos em mosaico mas, por falta de tempo, adiei a decisão de buscar o Depósito como escola. Isso é recente e maravilhoso”, conta.

Após diversos trabalhos de mosaicos, pinturas, restauros... em uma série de igrejas em Ponta Grossa , em Curitiba e no Santuário do Senhor Bom Jesus, em Campo Largo, Paulo viu surgir em sua vida um projeto ainda maior: a recuperação da Igreja Nossa Senhora de Guadalupe, em Curitiba.
“Apresentei um projeto, com painéis em mosaico, ao Padre Reginaldo Manzotti que imediatamente aprovou a ideia. No mesmo momento decidi que estava na hora de procurar a experiência do Depósito para a realização da série de rostos que irão compor o altar. Convidei a equipe e estamos trabalhando com smalti, pela primeira vez ,e recebendo orientações da mosaicista Rosangela Kusma Gasparin. Adoramos os resultados e já decidimos: continuaremos a nos aperfeiçoar em mosaico, pois acompanhar a criação de tantos mosaicistas enriquece muito. Esse contato transforma a criatividade de qualquer pessoa”, acrescenta Paulo.

Acima, Paulo Rogério Biscaia. Abaixo, à esquerda, Ana Cristina Sampaio. À direita, Rosangela Gasparin e Leão Moliterno

 
 
     
 
Acima, à esquerda, detalhe da obra. À direita, Luiz Havrechaki JR
 
O projeto da Igreja Nossa Senhora de Guadalupe impressiona. Paulo Biscaia, Ana Cristina Sampaio, Leão Moliterno e Luiz Moacir Havrechaki JR, executam, em mosaico, a Virgem de Guadalupe, Cristo Pantocrator (Todo Poderoso), São José com o Menino Jesus e Cristo Misericordioso. No esboço, criado por Biscaia, Cristo aparece no centro do altar sentado em um trono e ostenta um manto com a Virgem de Guadalupe. Nas laterais, duas roseiras de 12 m, cada uma contendo 100 rosas, farão lembrar as Ave-Marias do rosário. A previsão para a entrega dos trabalhos é janeiro de 2015.

Além do projeto da Igreja de Guadalupe,em Curitiba, a equipe tem outras metas para o ano que vem. Uma delas é uma exposição incluindo painéis com imagens, em mosaico, na ExpoCatólica, feira de alcance internacional que acontece, de 2 a 5 de julho, no Expo Center Norte, em São Paulo. A feira reúne cantores, escritores, artistas plásticos... e agora mosaicistas que trabalham com artes voltadas para a religiosidade. “Os mosaicos sempre estiveram presentes nas igrejas. Nossa intenção é mostrar a importância e as aplicações desta arte linda e durável”, conclui Biscaia.
 
A equipe, com as mosaicistas Bea Pereira e Rosangela Gasparin

Exposição e Mega Festival do Mosaico Pastilhart marcam a mudança de endereço da empresa
 

Quem visitar a empresa Pastilhart  até o dia 27 de setembro, em Curitiba, terá a oportunidade de conferir obras, em mosaico, executadas  durante os workshops ministrados pela pintora e mosaicista Adriana Mufarrege.

Em sua passagem pelo Brasil, a artista de Córdoba, Argentina, ensinou diferentes técnicas para captar luz e sombra, em mosaicos, utilizando, principalmente, pastilhas de vidro. Vinte e dois mosaicistas de diversos estados do Brasil como Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina... marcaram presença.

 
 

Acima, as mosaicistas Schandra Zmijeski e Evelin Cruz. Abaixo, Denise R. Marcelino e Marcia Iurk

 
 
 
 

Acima, os trabalhos das mosaicistas Patrícia Ono (esquerda) e Helô Monteserrat.
Abaixo, à esquerda, o mosaico em técnica mista (pintura e mosaico) de Adriana Mufarrege.
À direita, trabalho de Ragli V. R. Martins

 
 
Em paralelo à exposição, a Pastilhart, da Avenida Manoel Ribas, apresenta, neste setembro, o Mega Festival do Mosaico com ofertas em diversas linhas de pastilhas, não apenas para o público mosaicista, mas também para quem procura qualidade e preço no momento de inserir detalhes que valorizam um ambiente. Há placas, de pastilhas, a preços simbólicos com descontos que chegam a 70%. O motivo da promoção  é a mudança de endereço da empresa que, a partir de outubro, passa a atender  em nova sede  localizada na Avenida Nossa Senhora Aparecida, bairro Seminário.
 

O novo endereço oferece 1500 metros quadrados para atender o público em geral e uma novidade especial  para os mosaicistas: um espaço exclusivo para receber artistas que vêm à cidade ministrar workshops de arte em mosaico. “Curitiba está se tornando um verdadeiro polo de mosaico. O novo espaço chega para proporcionar maior conforto, diversidade de materiais e para estimular e valorizar, cada vez mais, o lado criativo e a sensibilidade dos artistas. É incrível o que os mosaicistas são capazes de produzir com os materiais que oferecemos”, comemora Alexandre de Lara, empresário da Pastilhart.

 

Nova loja Pastilhart no bairro Seminário, em Curitiba

Anote:

O que: Mega Festival, com descontos especiais, e exposição de mosaicos.

Onde:  Pastilhart da Avenida Manoel Ribas, 3946 – Curitiba- PR.

Quando: Até 27 de setembro.

Novidade:
A partir de outubro, nova sede da Pastilhart . Avenida Nossa Senhora   Aparecida, 1054 – Seminário, Curitiba- PR.
 

Casa Cor Paraná 2014 – Pastilhas de madrepérola dão um toque de requinte ao “Loft da Gourmet”

  Os destaques da decoração do “Loft da Gourmet”, ambiente assinado pela arquiteta e urbanista Tatielly Zammar na Casa Cor Paraná 2014, ficam por conta do contraste do azul mediterrâneo, com tons neutros que vão da paleta de beges e marrons, até o dourado usado em pastilhas de madrepérola, da Pastilhart ,no banheiro do loft. A novidade é a aplicação das pastilhas que é feita por junta seca, sem rejunte, o que facilita a higienização e torna o espaço clean. “Ao idealizar o banheiro do loft, pensei em misturar o dourado e o branco para tornar o ambiente claro e aconchegante. A partir das pastilhas de madrepérola, em tons dourados, veio todo o conceito. Os metais da linha Gold ,da Deca, complementam o espaço”, enfatiza a arquiteta.
Pastilhas em madrepérola, da Pastilhart, aplicadas com junta seca
 


 
A arquiteta Tatielly Zammar e flashes do ambiente

O “Loft da Gourmet” é um convite para quem visita o evento e aprecia ambientes integrados com grande estilo e extremamente aconchegantes. Logo na entrada, uma releitura de azulejos portugueses em tons de azul , no piso, alegram o espaço idealizado para a chef que adora receber os amigos e degustar um bom vinho.

Com inspiração na cozinha contemporânea, a tecnologia está presente com iluminação em LED e eletrodomésticos de última geração. Um revestimento cimentício, que lembra um tijolo rústico colonial, torna o espaço inspirador para a degustação de excelentes pratos.



Geral do ambiente, com destaque para a horta: temperos ao alcance das mãos (foto:Divulgação Casa Cor 2014)

Anote:
O que – Casa Cor Paraná 2014
Quando – 26 de agosto a 5 de outubro de 2014
Onde- Avenida Munhoz da Rocha, 1504, Curitiba, PR.
   

Arte em mosaico marca presença
na Casa Cor Paraná 2014



“Arquitetos competentes são os que procuram estar cercados de pessoas competentes. Trabalho em parceria com diversos artistas e cada um tem um tipo de talento. Há coisas que só um artista é capaz de produzir”, observa o arquiteto Gastão Lima que apresenta na Casa Cor Paraná 2014 -  a “Cozinha Show”. O espaço traz em destaque um grande painel, em mosaico, elaborado pelo artista plástico inglês Simon Thompson que, ao se casar com uma brasileira, passou a viver no Brasil.

 

Quem chega à “Cozinha Show” se depara com um grande dragão, feito com pedaços de xícaras e pratos de porcelana, que sugere movimento e força. As formas arredondadas seguem a linha do espaço idealizado por Gastão Lima (foto). “Quando disse ao Simon que a “Cozinha Show” seria um lugar inspirado em um anfiteatro romano e que o chef ocuparia o centro com todas as atenções voltadas para ele, o artista entendeu imediatamente o tipo de obra de arte que eu precisava na parede, ao fundo. Foi uma sintonia muito forte e considero que o ambiente ficou perfeito”, diz o arquiteto.

 
A proposta, arrojada, traz iluminação azul, em LED, e cortinas de alumínio que emolduram o espaço. Com inspiração na gastronomia, no chef e na arte de bem servir, Gastão Lima criou o ambiente ideal para receber os eventos do Bom Gourmet, da Gazeta do Povo, durante a Casa Cor Paraná 2014.
 
 
 
Anote:
O que – Casa Cor Paraná 2014
Quando – 26 de agosto a 5 de outubro de 2014
Onde- Avenida Munhoz da Rocha, 1504, Curitiba, PR.
 
 

Adriana Mufarrege, pintora e mosaicista,
ministra workshops no Brasil

 

 

Adriana Mufarrege, artista de Córdoba - Argentina, estará no Brasil neste mês de agosto para ministrar workshops nas lojas Pastilhart de Curitiba, no Paraná, e de Joinville, em Santa Catarina. A técnica para produzir o rosto humano, em mosaico, será explorada em três diferentes abordagens utilizando como material, pastilhas de vidro. A organização dos workshops é da mosaicista Schandra Zmijeski.

O diferencial de Adriana, que atua como professora de Educação em Artes Plásticas - com formação pela Universidade de Córdoba, está justamente em transportar conhecimentos adquiridos na arte da pintura para a arte musiva.  Seu trabalho sugere pinceladas e o resultado alia a textura, que o mosaico permite, com cores em movimento. “Durante muitos anos desenvolvi minha obra na pintura em um estilo realista centrado na figura humana. Em busca de novos horizontes, dediquei-me também à ilustração de livros infantis, onde experimentei a técnica mista com aquarela, lápis de cor e colagem. Considero que a colagem, inconscientemente, foi o que me levou ao mosaico já que representa o mesmo princípio estético. Descobrir a arte musiva foi algo maravilhoso! Abriu novas portas tanto na minha expressão artística quanto no aspecto de trabalho”, comemora Adriana.

Acima, os mosaicos 'Julia' e
'Carlitos'. Abaixo, 'Bosque (Triptico)',
de Adriana Mufarrege



“Sou totalmente visual. Busco inspiração nas pessoas e no mundo visível que me rodeia”, afirma. Para Adriana, a inspiração é algo que surge do trabalho contínuo e periódico. “A tarefa criativa precisa de continuidade, de um determinado tempo de trabalho todos os dias, com ou sem inspiração. A arte é pessoal e espiritual. Requer muito tempo, silêncio interior, solidão e introspecção. É um caminho que se percorre por toda a vida”, defende.

O mosaico, atualmente, é a sua principal atividade, mas nunca deixou de pintar. “Em minha obra pessoal, sinto que continuo com o mesmo mundo estético das minhas pinturas. Sou a mesma pessoa, a mesma artista que se expressa através de outra técnica. Em muitas obras, utilizo a mistura mosaico-pintura”, explica.

Criativa, Adriana aliou, entre 2010 e 2011, a capacidade como professora de Educação Visual à capacidade de fazer mosaicos e, em parceria com alunos, fez um grande mural no pátio da escola onde ensina, além de cartazes no interior. Em 2011, a parceria cresceu e resultou em um mural no interior e outro na fachada da escola. Além disso, os alunos tiveram a oportunidade de aprender a técnica do mosaico para a produção de trabalhos de pequeno porte. Privilégios de que tem a sorte de ter uma professora mosaicista.

 

Do Brasil, Adriana guarda boas recordações tanto de lugares quanto de pessoas que conheceu em suas viagens. Ela conta que sua primeira viagem ao país foi artística, como integrante de um grupo da Faculdade para cantar em um Encontro Internacional de Coros de Belo Horizonte (MG). Além de Minas, também cantou em São Paulo (SP). “Foram viagens extraordinárias! O Brasil é um país fascinante e amo, especialmente, a sua música popular. Estou muito feliz em retornar ao país para trabalhar com mosaico e reencontrar mosaicistas brasileiros como Schandra Zmijeski, Gabriel Guyrá e Carolina Kawall que conheci em janeiro, no Chile, durante a Primeira Intervenção Urbana Internacional de Mosaicos. É fantástico viajar com a arte”, finaliza.
À direita, acima, a obra 'Madero'.
Ao lado, 'Autorretrato'


Confira a programação dos workshops:


Primeiro dia:
Cada aluno escolherá uma imagem a partir de diferentes artistas: (Paul Gauguin, Henri Matisse, Egon Schiele, Vincent Van Gogh, Edvard Munch, Oskar Kokoschka, Lucian Freud, Amadeo Modigliani). A ideia é seguir o ritmo das pinceladas e as cores usadas pelos artistas.
Suporte: MDF, 20 x 30 cm.
Materiais: pastilhas de vidro
Adesivo: cola PVA.

Segundo dia:
Breve palestra sobre a anatomia da face.
Recriação de um rosto em mosaico bizantino. As peças serão cortadas em quadrados e serão dispostas de acordo com as formas do rosto.
Suporte: MDF, 20 x 30 cm.
Materiais: pastilhas de vidro
Adesivo: cola PVA.

Terceiro dia:
Realização de um projeto pessoal, em mosaico, a partir da ideia original de cada aluno. O mosaico poderá ser baseado em uma fotografia ou em um desenho de autoria do aluno. Cópias de fotos ou pinturas de outros autores não serão aceitas. Cada aluno trabalhará, com a orientação da professora, de acordo com os seus próprios critérios estéticos.
Suporte: MDF, 20 x 30 cm.
Materiais: pastilhas de vidro e outros materiais trazidos pelo aluno.
Adesivo: cola PVA
Análise final do curso e dos trabalhos realizados.

 

Anote:
O que: Workshop ‘O Rosto Humano”, com Adriana Mufarrege
Quando: 4,5 e 6 de agosto –Turma 1 / 8, 9 e 10 de agosto – Turma 2
Onde: Pastilhart Curitiba – Av. Manoel Ribas, 3946, Santa Felicidade – Turmas 1 e 2

O que: Workshop ‘O Rosto Humano’, com Adriana Mufarrege
Quando: 15, 16 e 17 de agosto
Onde: Pastilhart Joinville – Rua 25 de Julho, loja 33

Horário: das 9h às 13h e das 14h às 18h  
Informações: Schandra Zmijeski – 41 9207 6075 – schandra julia@gmail.com

 
Artista Marcelo de Melo apresenta a
primeira exposição individual no Brasil
  Marcelo de Melo desembarca em Niterói, Rio de Janeiro, para a sua primeira exposição individual em seu país de origem. O artista, nascido em Apucarana no Paraná, mora na Europa há quase 20 anos sendo os últimos oito em Amsterdam, Holanda, e vem chamando a atenção pela técnica estrutural que desenvolveu no mosaico e que lhe rendeu, além de premiação, exposições em diversos países. “Nunca deixei de ser brasileiro. Enche-me de orgulho apresentar essa exposição individual. A mostra no Brasil marca também um ponto crucial em minha prática artística que é a conexão definitiva do mosaico com a arte contemporânea, fato que nunca evidenciei em minhas exposições individuais no exterior. Sempre lidei com isso em exposições separadas. Algumas abordavam questões musivas e outras, especificamente, contemporâneas”, conta o artista.
O artista Marcelo de Melo
e 'Ai ai ui ui – autorretrato
com máscara'
 
'Infecção à Brasileira' – pedaços de Havaianas e tinta de vitral em placa de Petri retangular


O convite para expor em terras brasileiras veio de Paulo Máttar, artista e programador cultural do Centro de Artes UFF que também trabalha com mosaico artístico. Admirador e praticante da arte musiva, Máttar sempre pensou em organizar algo através da Divisão de Artes Visuais e o caminho foi aberto. O convite surgiu da necessidade de apresentar o mosaico como prática artística e recontextualizá-lo para o século 21. O trabalho final apresenta o mosaico extrapolando suas tradições e conteúdos decorativos aliado a uma pesquisa artística ampla.

 
'Culturas Musivas".
Acima, detalhe da obra

Com o título “Narrativas Infecciosas”, a mostra engloba uma série de trabalhos recentes de Marcelo de Melo que tratam da questão do mosaico enquanto ideia e sua propagação global recente. Segundo o artista, um caso característico de contaminação, baseada nos estudos do biólogo e escritor britânico Richard Dawkins. Marcelo explica a exposição como multidisciplinar que explora o tema da contaminação através de jogos visuais que dão ênfase à transfuncionalidade da arte, conceito central de sua pesquisa. Estão incluídas algumas fotografias, três esculturas da série “Corpos Musivos”, a obra “Narrativas Infecciosas” na íntegra, com suas 45 bandejas de microtubos sendo 20 vindas de Seattle (USA), 11 de Curitiba (Brasil) e 14 de Amsterdam (Holanda), uma performance com alunos da UFF e alguns trabalhos inéditos relacionados ao tema.

 

À esquerda, mosaico estrutural 'Sem Título'; à direita, 'Corpo Musivo II'

Além da exposição individual, Marcelo fará uma palestra sobre o mosaico como arte contemporânea e uma oficina de mosaico estrutural acompanhada de exposição coletiva dos trabalhos realizados. Os artistas que participam da oficina foram selecionados através da apresentação de currículos e de trabalhos considerados importantes em suas carreiras. “A seleção foi objetiva com vários quesitos avaliados como o engajamento de cada um com o mosaico e a arte em geral, participação em cursos, eventos, exposições, publicações, experiência internacional, qualidade técnica das obras e criatividade” explica Marcelo. “A qualidade dos inscritos foi de alto nível e agradecemos a todos pelo interesse e pela participação no processo”, enfatiza o artista.

Os mosaicistas selecionados para a Oficina de Mosaico Estrutural com Marcelo de Melo são: Ana Luzia Cunha, Claudia Pinto Lima, Cris Piloto, Edwiges Barros, Lucia Migliora, Marise Piloto, Moema Branquinho, Olívia Alvarez, Tati Guerra & Wilson Luiz. O artista Paulo Máttar será o braço direito de Marcelo de Melo durante a oficina e contribuirá com uma obra para a exposição. Além disso, as artistas Angela Mello e Vania Carvalho foram convidadas para participar da mostra.

 

Anote:

O que:
Exposição individal 'Narrativas Infecciosas'
Onde: Galeria de Arte UFF
– Rua Miguel de Frias, 9, Icaraí, Niterói, RJ
Quando: 17 de julho de 2014 (abertura, 19 às 21 h)
Visitação: 18 de julho a 3 de setembro
Horários: de segunda a sexta, das 10 h às 21 h
Sábados e Domingos, das 14 às 21 h

O que: Exposição 'Mosaico Estrutural'
Onde: Espaço Aberto UFF
– Rua Miguel de Frias, 9, Icaraí, Niterói, RJ
Quando:
23 de julho a 3 de setembro de 2014
Horários: de segunda a sexta, das 10 h às 21 h
Sábados e Domingos, das 14 às 21 h

O que: Oficina de Mosaico Estrutural
Quando: de 14 a 19 de julho de 2014, com mosaicistas selecionados
Onde: Centro de Artes UFF
– Rua Miguel de Frias, 9, Icaraí, Niterói, RJ

O que: Palestra: 'A questão do mosaico como arte contemporânea", com Marcelo de Melo
Quando: 17 de julho de 2014, às 17 h
Onde: Cine Arte UFF – Niterói – RJ

 
 
Contos de fadas viram arte em mosaico
e encantam o público no Teatro Bom Jesus
 

Quem chega às apresentações da coletânea de contos de fadas “Era uma vez...eram duas... eram três” no Teatro Bom Jesus, em Curitiba, encontra logo na entrada um grande painel criado pelo ilustrador Carlos Romaniello e executado pela mosaicista Ana Paula Rodrigues. A obra traz um mix de contos e o trabalho, em mosaico, transmite alegria nos traços e no colorido das tesselas. A ideia estimula a criatividade e funciona como um cenário que leva as crianças a um mundo de sonhos. Ao lado do painel, fantasias podem ser vestidas para que os pequeninos mergulhem em momentos de pura imaginação antes mesmo de iniciar cada espetáculo.

A interatividade agrada tanto que, principalmente as meninas, talvez futuras mosaicistas, exclamam um gostoso Oh!!!! quando enxergam o alegre painel em mosaico. E vão logo vestindo as fantasias para posar para as fotos em frente ao cenário com os olhos cheios de sonhos de Rapunzel, de A Bela e a Fera e até de contos que hoje navegam nos sonhos, mas que um dia, quem sabe, ainda serão escritos. “Queríamos algo que impressionasse logo na entrada e acho que conseguimos. O público está gostando muito”, comemora a mosaicista Ana Paula Rodrigues.

 
A mosaicista Ana Paula Rodrigues
 




 



A ideia de unir a arte cênica e a arte musiva foi de Carolina Montenegro, da Montenegro Produções Culturais, responsável pelos espetáculos.

“Em nossas produções sempre procuramos uma experiência com a plateia, algo que não se resuma só aos palcos. Quando conheci o trabalho em mosaico da Ana Paula fiquei encantada com a possibilidade de criar um cenário que transportasse as crianças a um mundo de contos de fadas. Deu certo”, enfatiza Carolina.

Foto da peça: divulgação Teatro Bom Jesus

Com a apresentação da Montenegro Produções Culturais e apoio do Hospital Pequeno Príncipe, a primeira edição do projeto “Era uma vez...eram duas... eram três” traz seis espetáculos que serão apresentados um final de semana por mês, de junho a novembro, no Teatro Bom Jesus. No roteiro: “A Roupa Nova do Rei”, que foi o espetáculo de estreia, Rapunzel, O Flautista de Hamelin, A Bela e a Fera, O Gato de Botas e O Mágico de Oz. Segundo Carolina Montenegro, todas as peças são releituras dos clássicos com textos adaptados para tornar a história interessante para os dias atuais. Ela adianta que a história de Rapunzel, por exemplo, apresenta uma jornalista que é sequestrada e que o mistério prende, do início ao fim, a atenção da jovem plateia. “Nossas peças não são espetáculos comerciais, priorizamos sempre o conteúdo”, acrescenta.

 

Desenvolvidos com o apoio do Ministério da Cultura através de incentivo fiscal, Lei Rouanet, os espetáculos reúnem 30 patrocinadores e toda a renda das bilheterias será doada ao Hospital Pequeno Príncipe. O projeto inclui ainda contações de histórias para as crianças internadas no Hospital e apresentações em instituição apoiadora do Pequeno Príncipe.

Helena comemora a
performance da mãe mosaicista

2015 Mosaic Calendar

  click here to read in English
 

O projeto Mosaico na Rede celebra o aniversário de 5 anos com um calendário comemorativo.

A publicação reúne 12 trabalhos de mosaicistas brasileiros em momentos importantes de suas histórias.

Participam do projeto: Bea Pereira, Cintia Cimbaluk, Gabriel Güyrá, Helô Monteserrat, Iris van den Bogert, Magaly Floriano, Marcelo de Melo, Maria de Lourdes Kassab Siqueira, Mauro Dacol, Piffer Mosaicos, Renata Ghellere, Rosangela Kusma Gasparin e Yara Camargo.

Suas criações, suas emoções, suas cores...convidam à construção de um mundo de paz,de criatividade e de liberdade de expressão.

Que está ideia, inventada para contar o tempo, seja  a marca de belos acontecimentos. São os votos de www.mosaiconarede.com.br

Capa do 2015 Mosaic Calendar


(1) Bea Pereira, Rosangela Kusma Gasparin e Yara Camargo, (2) Cintia Cimbaluk, Magaly Floriano e Renata Ghellere, (3) Magaly Floriano e Bea Pereira, (4) Gabriel Güyrá


(5) Maria de Lourdes Kassab Siqueira, (6) Helô Monteserrat, (7) "Rosa Hereditária", de Marcelo de Melo. Foto tirada no Peace Memorial Park, em Hiroshima, um grito contra as atrocidades da guerra, (8) Iris van den Bogert


(9) Mauro Dacol, (10) Renata Ghellere, (11) "Imagine", mosaico de Yara Camargo, (12) Cintia Cimbaluk


Sorteios nos ateliês: (13) Glaci Pacheco Furquim, (14) Stela Dalva Cattini Duarte, (15) Tatiana Borges e Patrícia Ono, (16) Magaly Floriano, Hamilton Luz e Fernanda Czelujinski, (17) Fernanda e alunos da Ffee's Mosaicos, (18) Isabel Valente Gomes

O “2015 Mosaic Calendar” está à venda nos seguintes espaços:

Em Curitiba - PR:

Ateliê Mosaicato – Rua Padre Agostinho, 531 – Mercês – Informações com Patrícia Ono – (41) 96072163

Depósito do Mosaico - Atelier Bea Pereira – Rua Alberto Bolliger, 141 – Alto da Glória – (41) 32238999

Espaço Luz - Ateliê Ana Rodrigues - Rua Sete de Abril, 830 - Alto da XV – Informações - (41) 92444480

ffee’s Mosaicos – Avenida Senador Salgado Filho, 3404 – Uberada – (41) 30297848

Ghellere Mosaicos – Rua Visconde do Rio Branco, 449 – Mercês – (41) 99880935

Feira do Largo da Ordem do Centro Histórico de Curitiba (aos domingos) - com Cintia Cimbaluk Mosaicos – Informações – (41) 96184077

 

Em Porto Alegre – RS:
Mosaika Escola de Arte - Rua Dr. Eduardo Chartier, 233 – Porto Alegre – RS Informações : catiausevicius@hotmail.com


Em São Paulo – SP:
Ateliê Gabriel Güyrá – Rua João Alvares Soares, 368 – Informações (11) 55439315

Ou compre agora no site www.mosaiconarede.com.br

 

 
Giulio Menossi
homenageia Curitiba
  (clicca qui per leggere in italiano)

 

Acima, a obra em homenagem a Curitiba ' MY GARDEN... dove si riposa e si addormenta il respiro'. Ao lado, detalhe

 
A vinda do mestre da arte musiva Giulio Menossi a Curitiba rendeu à cidade uma homenagem após a sua passagem pelo Brasil. A obra ‘My Garden’, apresentada recentemente, revela em seu colorido e em suas formas a forte ligação resultante de momentos de intensa criatividade e de união entre ele e artistas de vários estados brasileiros e de outros países da América do Sul.
 
 
 

A palestra que fechou a passagem do artista de Udine no Brasil trouxe mais do que a apreciação de belíssimas obras em mosaico, mas a história de uma vida dedicada à arte.
Para um auditório repleto de mosaicistas e apreciadores, Menossi falou por quase duas horas e manteve atenta uma plateia ávida por aprender ao expor as fases que construíram sua trajetória no mundo das tesselas.

De maneira serena, particularidade dos grandes mestres , o artista expôs a vida no auditório Cleon Jacques, Parque São Lourenço, em Curitiba, e conquistou os ouvintes ao falar de familiares queridos eternizados em mosaico, da importância de encontrar um grande mestre para aprender os primeiros passos, do carinho pela cidade de Milão onde, além de desenvolver a arte, conheceu a esposa Rosa com quem compartilha os melhores dias.“O que faço hoje é fruto de muita fadiga, determinação e também de muita paixão”, afirma.


'Luna' de Giulio Menossi
 
Menossi recebe os cumprimentos do empresário, professor e curador de arte Pedro Moreira da Silva Neto. À direita Menossi, a mosaicista Mary Dacól e Rosemarie Castro. Mary recebe do mestre o livro 'I Mosaici", sorteado durante a palestra

Aos que pretendem seguir o caminho sugere encontros com grandes orientadores para que aprendam sempre. “Tive a sorte de, no início, encontrar o mestre Domenico Colledani, um grande professor de mosaico, ou não teria continuado. Muitos talentos são perdidos por falta de orientação”, lamenta.

Da fase das linhas, dos rostos monocromáticos, do período da decoração, das cores, dos relevos até chegar ao abstrato... Menossi acumulou muita experiência, mas arrancou suspiros da plateia ao mostrar suas primeiras obras classificando-as como simples. Seus trabalhos, desde o início, mostram que o artista sempre esteve ali e que a maneira poética de correr atrás dos sonhos é uma característica constante, visível em seus trabalhos, o que o engrandece e contagia os que seguem a sua escola.
Ao falar dos mosaicos dinâmicos, fase atual, Menossi não esconde a sua preferência, mas sem negar um passado importante. “Mosaico é como a música. É preciso conhecer todos os instrumentos para atingir a liberdade de interpretar”, enfatiza.   Suas obras, produzidas a partir de títulos, nascem repletas de conteúdos, trazem segredos, frutos de sensações inconfessáveis, animais inexistentes e mistura de materiais. Peças de lego, por exemplo, permitem, a quem observa, trocá-las de lugar para que haja interatividade e, para que desta forma, a obra nunca seja a mesma. Uma constante transformação.
 
Bea Pereira,
Giulio Menossi e
Rosemarie Castro
 
A vinda de Giulio Menossi ao Brasil foi possível através do Depósito do Mosaico, da empresária Letícia Melara e da artista Bea Pereira, em parceria com a mosaicista Rosemarie Castro.

O Depósito foi palco de quatro workshops com o artista e os resultados mostram um divisor de águas: novas técnicas (dupla-virada), precisão no corte com martelina e tagliolo, os segredos da sobreposição nos abstratos... e uma união de artistas de vários estados do Brasil e de outros países da América do Sul que marcaram presença. Confira os melhores momentos:

 

 
 
 
 
Atelier Vidros + Vidros revela talentos
O talento de artistas vidreiros, alunos e ex-alunos do atelier Vidros + Vidros está à mostra no Espaço Cultural Mokiti Okada, até 3 de maio de 2014, no Centro Cívico, em Curitiba. Com tema livre, as produções em vidro revelam criatividade e precisão nas técnicas de fusing e do mosaico em stained glass.
 

Luminária da arquiteta e
designer Maristela Mitsuko Ono. Reúne o fusing, técnica que
molda o vidro em forno de altas temperaturas,
e a iluminação em led,
que permite a troca de cores

Abaixo, quadro de Loire Nissen, coordenadora da mostra.
Reúne madeira e vidro importado
 
 
Nas suas produções, os 16 expositores primaram pela liberdade criativa e buscaram inovação. A variedade das peças vai de quadros em mosaico a peças utilitárias ou decorativas como a luminária da arquiteta e designer Maristela Mitsuko Ono que aliou a tradicional fusão em vidro com iluminação produzida por leds. Maristela lembra que sua criação segue uma das principais tendências do momento ao valorizar elementos ambientalmente corretos. “A ideia foi integrar o vidro com a iluminação led, que é uma luz mais contemporânea, econômica e com baixo impacto ambiental. É um tipo de lâmpada reciclável, tem durabilidade bem longa e traz um efeito plástico interessante”, afirma Maristela.
 


 


Acima, da esquerda para a direita, Denise Nissen, Loire Nissen, Elizabeth Garzuze Silva Araujo, Loide Bichara, Eliana Heemann, Yolanda Maria Cidade Agra, Michelle Behar, Giselda Cavalli, Maristela Mitsuko e Yara Camargo

Ao lado, as mosaicistas e vidreiras expositoras Yara Camargo e Giselda Cavalli com mosaicistas convidadas que prestigiaram a abertura da exposição




 

Acima, à esquerda, peças decorativas de
Elizabeth Garzuze Silva Araujo,
Eliana Heemann, Zélia Passos
e o peixe de Denise Nissen.

Ao Lado, quadro de
Yolanda Maria Cidade Agra



 

Acima, a vidreira Ana
Carolina Ceccarelli mostra
seu prato em relevo.

 

À esquerda, detalhe do mosaico em stained glass 'Salvador Dalí',
de Yara Camargo.

Abaixo, prato decorativo,
em fusing, de Giselda Cavalli

 

Para a artista Loire Nissen, que coordena a mostra, o mais importante é criar uma oportunidade real para que os alunos possam apresentar suas peças. “O que temos aqui é resultado da pesquisa pessoal e com grande variedade de técnicas e de materiais. A fusão, o mosaico, a pesquisa de luz, esmaltes, vidros nacionais e importados estão presentes. É a linha pessoal de cada um”, explica.

O evento de lançamento foi prestigiado, também, por grande número de mosaicistas, atraídas pelo fascínio do vidro.
 
 
Participam da exposição Ana Carolina Ceccarelli, Claudine Watanabe, Denise Nissen, Eliana Heemann, Elizabeth Garzuze Silva Araujo, Giselda Cavalli, Loide Bichara, Loire Nissen, Luis Carlos Carmo, Maria Angela Tassi, Maristela Mitsuko, Martha Schulman, Michelle Behar, Yara Camargo, Yolanda Maria Cidade Agra e Zélia Passos.
Anote:
O que: Exposição Vidros + Vidros
Onde: Espaço Cultural Mokiti Okada  – Rua Manoel Eufrázio, 1.400, Centro Cívico Curitiba.
Quando: De 8 de abril a 3 de maio de 2014, das 8 h às 20 h.
 
Muralismo: trabalho em equipe encanta brasileiros
Ao centro, os artistas Christian Gibaut e Fernanda Jaton e mosaicistas da primeira turma em Curitiba

Uma vez semeada, a arte do muralismo faz nascer mais do que belos murais. Cria laços  permanentes entre os que praticam o trabalho em grupo. Em Curitiba, capital do Paraná, o muralismo em mosaico chegou através das mãos dos artistas argentinos Fernanda Jaton e Christian Gibaut. Eles estiveram na capital ministrando workshops a convite da mosaicista Schandra Zmijeski em parceria com a Pastilhart, empresa de revestimentos.

 

As mosaicistas Fernanda Jaton e Schandra Zmijeski. À direita, o empresário Alexandre de Lara

Dois painéis, produzidos por dois grupos, estampam agora uma parede do Espaço Mosaico da loja Pastilhart  da avenida Manoel Ribas. O colorido das obras encanta os visitantes. “Nosso interesse é um contato cada vez maior com os mosaicistas já que esta loja surgiu justamente para atender a esse público. Como trabalhamos com revestimentos em grandes escalas, estamos sempre antenados em busca de novidades e de bons preços. Além disso, o workshop internacional foi, com certeza, o primeiro de muitos que virão”, garante o empresário Alexandre de Lara, da Pastilhart.
 

Painel finalizado da segunda turma em Curitiba

  A mosaicista Schandra Zmijeski, que além de organizar o workshop participou da produção de um dos painéis, comemorou o resultado: “Eu sempre tive vontade de aprender o muralismo. Ver a realização das pessoas ao redor me deixa muito satisfeita. Trabalhar em equipe é uma experiência única”, afirma.
Para a mosaicista Solange Campos, que veio de Porto Alegre para participar, o workshop foi muito além do muralismo.”Fernanda falou sobre composição de cores, andamento... as dicas foram muito ricas. Ela consegue fazer com que todos da equipe se engajem no projeto, troca as pessoas de lugar e dá a oportunidade para que cada um contribua segundo a sua riqueza. Adorei  o curso!”, enfatiza Solange.

Mosaicistas da segunda
turma durante o workshop em Curitiba

Além de Curitiba, a Pastilhart da cidade de Joinville, em Santa Catarina, também abriu espaço para um workshop com os artistas. O resultado não poderia ser diferente. Uma obra alegre em tesselas coloridas, grandes laços de amizade e a comemoração de um trabalho em conjunto.


 
Acima, painel finalizado
em Joinville, SC.

Ao lado e abaixo, o mosaico
em execução
 
O muralismo é um dos diferenciais dos artistas argentinos Fernanda e Christian. A aproximação com a arte aconteceu na Philadélphia, Estados Unidos, onde deixaram suas marcas em dois murais públicos trabalhando lado a lado com o americano Isaiah Zagar, artista admirado por suas obras.

 


Acima, muralismo na Philadelphia, USA, em execução.
Ao lado, Christian Gibaut, Isaiah Zagar e Fernanda Jaton.
Abaixo, detalhe da obra

Da philadélphia, voltaram para a Argentina onde colocaram em prática tudo o que aprenderam sobre promover a reunião de artistas em nome de uma causa. Como resultado, embelezam e transformam paisagens com suas tesselas coloridas . “Adoramos fazer mural! Isso implica no embelezamento e até na recuperação de espaços públicos. É um grande incentivo saber que as obras ficarão em lugares de grande movimentação e serão apreciadas por muitos. Além disso, o muralismo pede o trabalho em grupo e a obra sai  de acordo com os objetivos. O intercâmbio de informações é muito rico”, diz Fernanda.

 

   

Acima, mural Upa La Boca, em Buenos Aires. Ao lado,
os artistas e detalhe do mural Sakura, em Rio Cuarto, província de Córdoba, Argentina

 
 
Giulio Menossi no Brasil: mosaicistas comemoram
os primeiros resultados
  (clicca qui per leggere in italiano)
Deise Furlani, Giulio Menossi, Rosangela Gasparin, Tati Guerra, Mônica Lebois e Rosemarie Castro

O primeiro workshop de mosaico no Brasil sob a orientação do artista italiano Giulio Menossi originou belíssimos resultados. Com humildade, característica notável dos grandes mestres, ele busca a perfeição e ensina a ter calma e paciência para que de um único talho, em martelina e tagliolo, surja a peça almejada.

Os trabalhos e a satisfação dos alunos revelam o seu talento no ensino da arte musiva. “Ele ensina de uma maneira poética. Compara o mosaico a uma música que exige paixão, andamento e harmonia para ser perfeita. Uma pessoa maravilhosa e competente que tivemos a honra de conhecer e de com ele aprender”, observa Helô Monteserrat, uma das mosaicistas participantes do Workshop de Retratos no Depósito do Mosaico, em Curitiba.
 
Mosaico produzido por
Helô Monteserrat durante o
Workshop Retratos
 
À esquerda, geral do workshop. À direita, Giulio Menossi com Bea Pereira e Rosemarie Castro
 
Acima: Helô Monteserrat, Mareli Grando, Maria Lucia Z. Bein, Inês Grisotto, Juraci Volpato e Silvana Accioly. À direita, Helô

 
Acima, geral do workshop. À direita, Deise Furlani e Mareli Grando
 
A capacidade de execução e a maneira de ser do mestre dispensam comentários. Durante as aulas, observado à distância, é possível perceber com nitidez a forma como se desdobra para oferecer igual atenção aos alunos. As ideias fluem e os resultados trazem beleza e leveza de movimentos. As tesselas, com suas cores e formas, compõem obras harmoniosas, iluminadas... que denotam paixão pela arte não só de quem ensina, mas também de quem aprende. “Amo tudo sobre mosaico! É o meu mundo. Gosto de me colocar sempre à prova. Aprecio retratos porque não se pode errar, gosto de mosaicos em grandes dimensões para me confrontar com amplos espaços, mas sobretudo amo executar os meus sonhos”, diz Giulio, o italiano de Udine, pequena e antiga cidade no nordeste da Itália na divisa com a Áustria e com a Eslovênia. “Terra de fronteira rica em história, de ótimos vinhos brancos, a poucos quilômetros da costa e das montanhas. Eu diria que é uma ótima localização”, conta o artista em relação ao local onde vive e onde ensina a arte musiva. Sobre ministrar workshops em outros países, o mestre observa: “É interessante descobrir como essa técnica milenar é tão amada nos lugares mais diversos. Estou feliz por estar no Brasil”, enfatiza.  
Acima, trabalho de Mônica Lebois
 

Trabalhos de Deise Furlani, Tati Guerra e Terezinha Leão
 
  O sucesso dos workshops organizados, em Curitiba, pela empresária Letícia Melara e pela artista Bea Pereira, do Depósito do Mosaico, em parceria com a mosaicista Rosemarie Castro ampliou o tempo de permanência do artista no país . A princípio seriam realizados três workshops. O de Retratos, já finalizado, o de Abstratos e o de Paisagens. A novidade é que além destes será realizado um workshop de Flores ou Pássaros entre 17 e 21 de março.  Outra boa notícia, para quem deseja conhecer o artista de perto, será a palestra aberta ao público marcada para o dia 22 de março no Parque São Lourenço. Oportunidade imperdível!!!!!
Giulio Menossi, Tati Guerra e Rosemarie Castro
 
Releitura em mosaico - "Primavera di Botticelli". Obra em execução, por Giulio Menossi,
com destaque para as transparências. Coisas de mestre
 

Anote:
Workshop Paisagens: 17 a 27 de fevereiro de 2014
Workshop Abstratos: 5 a 15 de março de 2014
Workshop Flores ou Pássaros: 17 a 21 de março de 2014

Palestra “Giulio Menossi – Uma História no Mosaico”
Onde: Teatro Cleon Jacques (Parque São Lourenço, rua Mateus Leme, 4700).
Quando:dia 22 de março, sábado, 10 h.
Ingresso: 1 lata de leite em pó (para doação).Acesso exclusivamente com reserva
de vagas pelo telefone 3223 8999  – Vagas limitadas.

Informações:
Depósito do Mosaico – Rua Alberto Bolliger, 141, Alto da Gloria – Curitiba – PR
(41) 3223 8999 ou com Rosemarie Castro (41) 9961 8142 – maninhacastrocelular@gmail.com

*Fotos: Magaly Floriano, Rosangela Gasparin e imagens cedidas pelos artistas

 
Giulio Menossi:
de malas prontas para o Brasil
  (clicca qui per leggere in italiano)
Releitura em mosaico - "Primavera di Botticelli"
O Depósito do Mosaico, dirigido pela empresária Letícia Melara e pela artista Bea Pereira, traz a Curitiba, em parceria com a mosaicista Rosemarie Castro, o italiano de Udine e mestre em arte musiva, Giulio Menossi.

Seguindo a ideia de atrair artistas renomados para a capital paranaense, o Depósito abre a casa para três workshops que terão, cada um, duração de 10 dias. Menossi apresentará, em fevereiro e março de 2014, técnicas para a produção de retratos, paisagens e abstratos. “Sendo um dos melhores mosaicistas do mundo, quiçá o melhor, Giulio Menossi, com certeza, nos trará ensinamentos valiosos. Ele é versátil e criativo. Devemos prestar muita atenção em tudo o que esse magnífico maestro tem a nos dizer para encontrar, a partir de seus ensinamentos, nossos próprios caminhos”, enfatiza Bea Pereira.
 
     
  Acima, Giulio Menossi e,
à esquerda, a sua "Pietà",
releitura em mosaico da obra
de Michelangelo

Abaixo, as mosaicistas
Bea Pereira, do Depósito do Mosaico, e Rosemarie Castro
 
  A mosaicista Rosemarie Castro, que intermedia a vinda do artista ao Brasil, voltou recentemente de uma viagem cultural à Itália, onde fez, in loco, workshop com Giulio.

Como resultado produziu a releitura da Madonna di Ferruzzi (à esquerda). “Menossi é atencioso, delicado e ensina a todos da mesma maneira, percebendo a capacidade de cada um.

Com ele aprendi a respeitar a martelina, ferramenta de uso obrigatório na técnica - dupla virada - que ensina. Tenho certeza que os alunos do Brasil vão adorar a experiência”, acrescenta Rosemarie.

Além de aprender com Giulio Menossi, em Udine, Rosemarie esteve em Piacenza, onde frequentou aulas com o artista de arte contemporânea, em mosaico, Dino Maccini.
  No trabalho entitulado “Nudo” (à esquerda), executado por Rosemarie, foi utilizada a técnica de ondulação.

O resultado rendeu a ela a participação, a convite de Giulio Menossi, na Contemporary Mosaic Art Exhibition in Clauiano, na Itália, ao lado de artistas de vários países.

Foi a primeira vez que uma mosaicista brasileira participou desta mostra internacional. “Estou muito feliz pela presença na exposição e também no catálogo desta mostra tão importante. Foi como um prêmio. Estar no lugar certo e na hora certa. Os resultados começam a aparecer. Já recebi convites para ministrar workshops no Chile e na Argentina”, comemora.
 
Anote:
Workshop Retratos: 3 a 13 de fevereiro de 2014
Workshop Paisagens: 17 a 27 de fevereiro de 2014
Workshop Abstratos: 5 a 15 de março de 2014


Informações:
Depósito do Mosaico – Rua Alberto Bolliger, 141 – Alto da Glória – Curitiba – PR – (41)3223 8999
ou com Rosemarie Castro (41) 9961 8142 – maninhacastrocelular@gmail.com
 
Memorial de Curitiba abre as portas para
 “Conceitos Quebrados - Mosaico Brasileiro”
A arte musiva mostra a sua força na exposição “Conceitos Quebrados – Mosaico Brasileiro”. De 4 de dezembro de 2013 a 12 de janeiro de 2014, mais de 80 obras estarão no Memorial de Curitiba sob a coordenação da empresária Letícia Melara e da artista Bea Pereira. A quarta exposição organizada pelo Depósito do Mosaico, no Memorial, reúne 50 artistas que expressam, cada um à sua maneira, significados que envolvem não apenas a arte de quebrar as tesselas, mas a pureza de quebrar toda e qualquer regra rígida, negando imposições e esbanjando a criatividade que faz valer a Democracia de ideias. “A referência que temos de mosaico começa com os clássicos romanos, os bizantinos, depois os mosaicos de Gaudi, que de uma certa maneira seguem regras, mas como os brasileiros são avessos à regras acabamos quebrando conceitos e criamos o nosso próprio estilo. No Brasil não há como dizer esse é mosaico contemporâneo, esse é bizantino ou esse é romano... não sei que mosaico é, mas é belo e é brasileiro”, diz Bea Pereira.  
A artista Bea Pereira e a empresária
Letícia Melara, do Depósito do Mosaico
 
 
"Carmen Miranda", mosaico de Maria de Lourdes Kassab Siqueira.
À esquerda, "Polaca", mosaico
de Eluiza Helena Schaedler

A mistura de pedras naturais, vidros derretidos, smalti, pastilhas, azulejos, stained glass, aplicações em cerâmica ... transforma os mosaicos produzidos no país em peças únicas repletas de energia e cuidadosamente elaboradas com precisão e brasilidade. Quem vê de perto logo percebe que para chegar ao resultado, os praticantes da arte musiva dedicaram horas intermináveis na produção de obras que despertam sentimentos em quem as observa e vínculos afetivos, muitas vezes eternos, entre criadores e criações. São tantas horas de dedicação, em busca da tessela perfeita, que ver nascer novos trabalhos sugere sempre comemoração, festa, alegria. Cada qual traz seus segredos, valores, tristezas, sorrisos e histórias de vida que permitem agradar ou não, mas que jamais passam despercebidos pois revelam  emoções e símbolos e apreciá-los é inevitável.

Quem conhece as exposições do Depósito do Mosaico sabe que os sonhos, que enchem os olhos de quem passa, surgem dois anos antes do despertar. A Exposição é sempre a realização de quem acredita, persiste, constrói e reconstrói ... com um único objetivo: emocionar quem observa.
 


 

Acima, à direita, "Cora Coralina", mosaico de Stela Dalva Cattini Duarte. Ao lado, "A Casa Antiga", mosaico de Glaci Pacheco Furquim

Anote:
Exposição “Conceitos Quebrados – Mosaico Brasileiro”

Onde:
Mezanino do Memorial de Curitiba – R. Claudino dos Santos, S/N – Largo da Ordem – Curitiba - Paraná

Quando:
de 4 de dezembro de 2013 a 12 de janeiro de 2014
 
Pastilhart abre espaço para workshops de Muralismo com Fernanda Jaton e Christian Gibaut
  Os mosaicistas argentinos Fernanda Jaton e Christian Gibaut chegam nos próximos dias ao Brasil onde ministram workshops de Muralismo em Curitiba, no Paraná, e em Joinville, em Santa Catarina. A organização dos eventos é da mosaicista Schandra Zmijeski em parceria com a Pastilhart, empresa de revestimentos dos empresários Alexandre de Lara e Fábio Pacheco.”Ceder nossos espaços demonstra a simpatia que a nossa empresa sempre teve pela arte musiva . É incrível ver o que os artistas do mosaico são capazes de produzir com os materiais que oferecemos”, diz o empresário Alexandre de Lara.
     
 
 
  À esquerda, muralismo na Biblioteca Navarro, em Buenos Aires e a equipe de produção.
Acima, a mosaicista Schandra Zmijeski, organizadora dos workshops em Curitiba e Joinville
Segundo os artistas convidados a ideia é ensinar todo o processo para a realização de um mural em mosaico. “A proposta é trabalhar em equipe, desde a concepção do projeto até a finalização. Fazer um mural em grupo é uma experiência inesquecível!!! Vamos revelar os segredos”, promete Fernanda que ao lado de Christian comanda o ateliê escola  fj Mosaic Art., em Buenos Aires.
 
Muralismo no Colégio Buenos Aires
 
A história de Fernanda com a arte musiva começou em 2006 durante um passeio com Christian por uma avenida de Buenos Aires.Caminhando pelas ruas,a artista viu uns azulejos quebrados que alguém tinha jogado fora e a conexão foi imediata. “Eu era aqueles azulejos quebrados. Sofria uma grande crise, fruto de um trabalho muito estressante. Senti a necessidade de recolher aquele material, que ninguém queria, para torná-lo lindo e desejado novamente. Fiz o meu primeiro mosaico”, conta. Como autodidata, pela dificuldade de encontrar, na época, escolas que ensinassem a arte na Argentina, Fernanda logo revelou o seu talento e surgiram muitas encomendas. “Cada trabalho me fazia crescer como mosaicista. Aprendi através de erros e de acertos e também lendo todos os livros que podia encontrar sobre a arte”, lembra. Logo vieram  trabalhos de grande importância e, para executá-los, buscou aprimoramento em workshops com mosaicistas reconhecidos. Em 2010, ela e o noivo Christian seguiram para a Philadelphia, USA, para trabalhar com Isaiah Zagar, artista notável por seus murais em mosaico, e Christian, que até então a acompanhava, decidiu pedir demissão de um trabalho onde atuava como gerente, pôs as mãos na massa e mergulhou de corpo e alma no “Muralismo” que hoje é o carro-chefe da equipe
 
  Com simpatia, beleza e talento, antes de se apaixonar por mosaico Fernanda Jaton graduou-se em Turismo. O prazer em viajar descobriu em 1987 quando ostentou a faixa de Miss Argentina e viu abrir um leque de oportunidades. De lá para cá viajou muito, morou cinco anos em Paris e gerenciou empresas importantes ligadas ao mundo da moda, mas o sorriso contagiante de quem faz o que gosta descobriu como mosaicista. “Considero minha mãe, que foi atriz e escritora, a grande influência da minha criatividade. A arte sempre esteve presente em minha casa. Também as viagens que tive a chance de fazer pelo mundo, conhecendo pessoas e lugares interessantes, me ajudam muito nos momentos de criação”, enfatiza.
 
Para Christian e Fernanda, a oportunidade de vir ao Brasil para ensinar a arte musiva é um motivo de comemoração. “Adoramos a maneira como os brasileiros sempre nos recebem! Além dos workshops que daremos neste dezembro, em Curitiba e em Joinville, recebemos convites e estamos organizando cursos em outras cidades brasileiras para 2014. O Brasil é, com certeza, a nossa segunda casa”, finaliza Fernanda.
 
Anote

O que:
Workshop de Muralismo, com Fernanda Jaton e Christian Gibaut

Onde:
Pastilhart Curitiba e Pastilhart Joinville

Quando:
em Curitiba (Avenida Manoel Ribas, 3946), de 2 a 4 de dezembro (turma 1) e de 6 a 8 de dezembro (turma 2).
em Joinville (rua 25 de Julho, 680, Lj.33), de 13 a 15 de dezembro de 2013.


Informações:
Pastilhart Curitiba (41) 3335 8583,
Pastilhart Joinville (47) 3026 7080
e com Schandra Zmijeski (41) 9207 6075
(schandrajulia@gmail.com).
 
 
A "Natureza de Olho em Você" encanta visitantes


  A exposição ‘A Natureza de Olho em Você’, que reúne a arte em mosaico a partir da arte da fotografia, encanta quem visita o Museu do Jardim Botânico, em Curitiba. São 54 mosaicos de 45 artistas que deram origem a voos, olhares e pousos de aves que surpreendem pela forma, pelas cores, pela diversidade de técnicas e de materiais e sugerem um olhar cuidadoso sobre a importância de preservar a natureza.


"Sabiá-coleira", de Cintia Cimbaluk




À esquerda, o fotógrafo Carlos Renato Fernandes, a mosaicista Rosangela Gasparin e o fotógrafo Hudson Garcia. À direita, Patrícia Ono, mosaicista organizadora da mostra. Ao lado, o livro de Carlos Renato e Hudson, "Parque Nacional do Iguaçu - Patrimônio Natural da Humanidade", que inspirou a exposição  
Coordenada pela mosaicista Patrícia Ono em parceria com a mosaicista Suely Monteiro de Oliveira, a mostra traz a arte musiva inspirada em imagens de aves captadas pelos fotógrafos e autores Carlos Renato Fernandes e Hudson Garcia. “Reunimos duas artes: fotografias e mosaicos. É uma satisfação ver alunas de 4 ou 5 ateliês dividindo espaço com profissionais e conferir resultados surpreendentes. Estou muito feliz e trabalho para transformar esse projeto em uma exposição itinerante que possa ir além do Paraná e, quem sabe, além do Brasil”, afirma Patrícia.
 
  As fotografias que originaram os mosaicos fazem parte do livro “Parque Nacional do Iguaçu – Patrimônio Natural da Humanidade” em edição bilíngue (inglês e português), publicada em 2012, e que desde o seu lançamento tornou-se um souvenir e uma referência sobre o Parque Nacional do Iguaçu com belíssimas imagens e ensinamentos sobre a sua fauna, a sua flora e a sua história. “Foram três anos de muito trabalho até publicar o livro que revela que o Parque vai além das Cataratas. Temos uma riquíssima floresta repleta de espécies. Fomos e voltamos ao Parque diversas vezes para captar a melhor luz e o melhor momento em diferentes épocas. O capítulo das aves, com texto do ornitólogo Pedro Scherer Neto, foi muito prazeroso! Conseguimos captar belíssimas imagens que agora foram reproduzidas maravilhosamente por mosaicistas que se tornaram nossas parceiras na divulgação da importância de cuidar da natureza”, comemora o fotógrafo Carlos Renato.
Acima, "Gavião-real", de Rosangela Gasparin.

Abaixo, Heloísa Monte Serrat Bindo
e seu "Papagaio-de-cara-roxa"












  O Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, que se destaca como espaço de preservação no país, não poderia ficar de fora e mereceu atenção especial dos autores. “As pessoas, principalmente as crianças que visitam o Parque das Aves e sentem a natureza, jamais terão coragem de machucar um animal”, enfatiza o fotógrafo Hudson Garcia. Os autores se esmeraram e até se arriscaram para conseguir imagens, em pleno voo, inclusive das aves de rapina. “Foi preciso subir em lugares inusitados e simular uma alimentação para fazer as aves voarem, mas o resultado foi fantástico. Ver a reprodução de nossas fotos em mosaico é, com certeza, muito gratificante”, completa Hudson.
 

A mosaicista Bea Pereira
e o seu "Gavião-de-penacho"


A curadoria da mostra é do empresário e professor Pedro Moreira da Silva Neto. Com formação em artes cênicas, metodologia do ensino da arte, artes plásticas, especialista em museus, música, mestrado em educação e finalizando doutorado também em educação no exterior, Pedro tem uma vida ligada às artes. “A exposição é um encontro da arte da fotografia com a arte musiva. Uma revelação dos valores humanos, bastante expressos. Traz a natureza movimentada pela criatividade dos fotógrafos Carlos Renato e Hudson Garcia e das mosaicistas, que conseguiram pinçar a luz que desejavam e retransmitir essa visão para construir a luminosidade de suas obras. Trabalhos sensacionais”, finaliza Pedro.

A mosaicista Angela Ribeiro e seu "Gavião-carijó"

Ao lado, a mosaicista Renata Ghellere com a sua "Gralha-azul"

Abaixo, "Surucuá-variado",
de Marília Mottin




Ao lado, a mosaicista Schandra Zmijeski e o seu "Sabiá-do-campo"

Abaixo, "Tucano-de-bico-verde",
de Marli Machado

À esquerda,
a mosaicista Virgínia de Abreu
e o seu "Cardeal"

Acima, à esquerda, a mosaicista Suely Monteiro de Oliveira e o seu olho de "Tucano-de-bico-verde" e, à direita, a mosaicista Celita Alberti, com o seu "Papagaio-de-peito-roxo"
 
O fotógrafo Carlos Renato Fernandes comemora a performance da sua esposa, Eliane Franco, com o mosaico "Tico-tico"
 
Claudete Moura e a sua "Ararajuba", à esquerda. Adriana Metzger, à direita, e o seu "Tico-tico-real"
 
À esquerda, Marisa Giacomini e o seu olho de "Arapaçu" e, à direita, Adriane Smythe, com a sua "Saíra-sapucaia"
 
Acima, olho de "Papagaio-verdadeiro", de Patrícia Ono.
Abaixo, geral dos participantes do Projeto "A Natureza de Olho em Você"
 

  Mosaico:
Luz. Formas.
Poesia.

Ela é alegre, talentosa e cheia de ideias originais. Para a sorte dos que amam a arte musiva, Cida Carvalho utiliza o mosaico para expressar seus sentimentos e faz sonhar quem observa seus belíssimos trabalhos repletos de formas e de conteúdos. Com a exposição individual - Mosaico: Luz. Formas. Poesia - a artista põe a arte em evidência, no planalto central, e conquista novos olhares e admiradores. "Minha intenção sempre foi mostrar o mosaico como arte de galeria. Estou realizada por fazer parte de um grande projeto que se transforma em sucesso", afirma Cida.
Cida Carvalo e "Horizonte",
em foto ilustrativa
 
Para cada obra exposta, em Brasília, a artista criou poesias que afloram em sentimentos e descobertas. "Estático, mas não frio e nem indiferente, só altivo", diz em relação à escultura "Horizonte", que considera o carro-chefe da exposição. "Fiz esse trabalho pensando em um animal à espreita. Para alguns são asas, para outros... diferentes significados, mas o importante é que ele observa", considera, dizendo que a escultura recebe, logo na entrada, quem chega à mostra, aberta até 18 de outubro de 2013, no Espaço Cultural Chatô, da Fundação Assis Chateaubriand.
 



Tecidos em seda e algodão
com estampas produzidas
por Cida Carvalho:
novidade no mundo musivo

  Além de passear pela fauna fazendo nascer em tesselas pássaros como a gralha-do-cerrado, as belezas da flora e as formas de Brasília, Cida ainda apresenta uma grande novidade para o mundo musivo: as estampas. Todas as obras foram cuidadosamente projetadas e executadas para também servirem de estampas em tecidos. Seda e algodão retratam com a máxima fidelidade traços dos mosaicos em peças do vestuário. "Essa ideia surgiu a partir da conversa com minha ex-aluna Fusako Amino Reggimenti, japonesa de nascimento, esposa de um funcionário da Embaixada Americana e que hoje mora no Uruguai. Antes do Brasil, ela viveu na Itália onde era representante de moda e contactava artistas que faziam estampas exclusivas para serem impressas em tecidos para grandes estilistas.
Foi Fusako quem falou da dificuldade de estrangeiros encontrarem souvenirs mais finos e típicos da região. Eu e minha curadora, que já pensávamos nos tecidos, fizemos nossas roupas para usar na abertura da mostra. Uma brincadeira que deu certo. Já recebi encomendas e tenho certeza de que será um sucesso, priincipalmente no momento em que o Brasil se prepara para eventos internacionais como a Copa do Mundo", enfatiza.
 
Cida Carvalho é fruto da cidade de Umuarama, interior do Paraná. Aos cinco anos, passou a morar em Curitiba onde descobriu o prazer em fazer mosaico. Desde 2002 vive em Brasília, a cidade que adotou como sua, onde executa projetos e leciona aulas de arte musiva no Cida Carvalho Estúdio de Mosaico, na Asa Norte.
 
A exposição Mosaicos: Luz. Formas. Poesia - tem a curadoria de Íria Martins, coordenadora do Comitê de Educação e Cultura do Business Professional Women, consultora empresarial e de imagem e membro da Federação das Associações de Mulheres de Negócios e Profissionais . A mostra tem o patrocínio da Casa das Artes, Marmoraria Andrade, Ghellere Mosaicos, Rossi Revestimentos, Dona Lenha, Sanfelice, Cida Carvalho Estúdio de Mosaicos, Petrobras - Governo Federal.
 

Mosaico marca presença na
Quilt & Craft Show em Curitiba


Anahi, mosaico de Lucia Pezotti

A terceira edição da Quilt & Craft Show – Festival Internacional de Patchwork e Artes Afins, na Expo Unimed, em Curitiba, foi marcada, pela presença do mosaico e de outras artes em vidro. O festival tem como foco o Patchwork, mas abriu espaço para outras técnicas, como o Scrapbooking, Folk Art, Arte Têxtil, Frivolité, Pintura Decorativa, Bordados e agora o vidro.

Para marcar essa primeira participação, a mosaicista Celina Lima escolheu, entre suas alunas, trabalhos que ocuparam uma ala da exposição com o tema “Folclore”. O colorido dos mosaicos no Maracatu, na gralha azul, na lenda de Inahi, em festas juninas e outras ideias marcaram presença. “Um evento maravilhoso. É nossa estreia e esperamos continuar com essa parceria. Com o tema “Folclore” fizemos um projeto a partir de pesquisas, e o resultado foi ótimo. Um grande sucesso”, conta Celina que ministrou ainda um workshop explorando o mosaico a partir do vidro comum, com pintura a frio (foto ao lado).

Além da exposição de trabalhos de artistas de diversos países, a Quilt & Craft trouxe 72 opções de cursos de aprimoramento e uma feira de utensílios com mais de 100 expositores. A organização, a degustação de delícias da culinária francesa, o espaço aconchegante para um café e uma boa conversa atraíram mais de 3 mil pessoas por dia, entre os dias 4 e 7 de setembro.
 
     

"São João de Caruaru", de Celina Lima e
"Gralha Azul, Semeadora das Araucárias", de Nara Friedrich

As artistas do grupo Vidreiros de Curitiba, presentes em um dos stands da mostra, dizem ter ficado surpresas com o movimento e com a qualidade da feira. “Ficamos impressionadas com a organização e a quantidade de pessoas que circularam no espaço em busca de novidades. Foi, com certeza, a primeira de muitas participações que faremos”, afirma Denise Nissen do Ateliê Vidros Mais Vidros.

 
 


Flashes do stand "Vidreiros de Curitiba",
com trabalhos de Loire Nissen, Celina LIma, Denise Nissen e Marize Sabóia
 


 

O artista da arte em tecidos, Fábio Souza, e seus trabalhos em patchwork com fundo em quilt,
com efeitos de luz e sombra

 

Na arte em tecidos, o artista Fábio Souza, que há 19 anos trabalha nesta área em Porto Alegre, roubou a cena com obras que mostram a aplicação de tecidos com efeitos de luz e sombra. Os resultados surpreendem pelo estilo e pela beleza.

Para a empresária Emília Aoki, proprietária da Retalharte, de Curitiba, e promotora do evento, a Quilt & Craft ganha, a cada ano, grande importância econômica além de ampliar o intercâmbio de informações sobre as diversas técnicas relacionadas.

O evento, promovido pelas empresas Aoki Trading e Retalharte, conta com o patrocínio do Sebrae-PR, apoio do Ministério da Cultura, através da Lei Rouanet, do Curitiba Convention & Visitors Bureau, do instituto Municipal do Turismo e do Curta Curitiba, além das empresas Editora Minuano, Mercearia Bresser, Serv- mak e Country Craft Studio.

 

Casa Cor Paraná 2013 apresenta:
“Special Edition Ecoville”

A Casa Cor Paraná apresenta, em Curitiba, 56 ambientes na Special Edition Ecoville que destacam o estilo de vida contemporânea da capital paranaense. O evento, que acontece na Sede Social da Sociedade União Juventus, conta com a participação de mais de 80 profissionais entre arquitetos, designers, decoradores, paisagistas e outros.


Para Marina Nessi (foto), diretora da mostra no Paraná, a edição especial em comemoração aos 20 anos chega como um verdadeiro “Endereço da Imaginação” multiplicando tendências, agregando valores e trazendo novos significados ao mercado da arquitetura e da decoração com destaque para a qualidade e a criatividade em detalhes exclusivos.

Inovações – Quem visita a Casa Cor Paraná 2013 tem, este ano, a oportunidade de visitar o “Espaço Náutico” criado pela arquiteta Luciana Glock Gusso onde os visitantes caminham por um deck ambientado que explora beleza nos detalhes e provoca sensações de conforto até chegar à Lancha Triton 345, totalmente decorada, onde a mesa posta sugere um lindo passeio. Detalhes em pastilhas de vidro martelado nas cores dourado alto brilhante e marrom claro fosco, na cozinha da lancha, e uma mescla de pastilhas douradas no banheiro, ambas linhas da empresa Pastilhart, dão um toque refinado ao espaço e soam como um presente aos amantes do mar.

 

Acima, geral do "Espaço Náutico" e Marina Nessi. Fotos de Manoel Guimarães.
Abaixo, detalhes do ambiente e interior da lancha. Fotos de Magaly Floriano








O setor destinado à Moradas Compactas vale uma visita prolongada pois os profissionais apresentam ideias inovadoras que ampliam pequenos espaços com bom gosto e criatividade. Através de espelhos, projeções e a decoração certa é possível acomodar tudo o que é preciso para viver com estilo e transformar a sua morada em um lugar único com conforto, beleza e funcionalidade.


Anote:
O que:
Casa Cor Paraná 2013
Quando: 2 de agosto a 15 de setembro
Onde: Sede Social União Juventus (Rua José Izidoro Biazetto, 1000– Ecoville – Curitiba – PR)
Horários: de terça a sábado das 13h às 21h / domingos e feriados das 11h às 19h
Ingressos: Inteira – R$ 38,00 / Meia – R$ 19,00 / Titulares dos cartões Gazeta do Povo e
Balaroti – R$ 30,00.

 

Carol Shelkin e
a magia das cores

  (Click here to read in English)

Com ideias originais, a artista americana Carol Shelkin  brinca com a paleta de cores e cria, em vidros de vitral, um estilo próprio e surpreendente. Seus mosaicos, que remetem à pinturas impressionistas, encantam  não apenas pela forma, mas também pelo conteúdo. Seus trabalhos, repletos de cores, despertam a sensibilidade e mostram muito sobre a sua maneira de ser.

Mosaicos de Carol Shelkin


Ensinando a magia das cores e a importância da verdadeira criação artística,Carol vibra ao compartilhar o reconhecimento de sua arte através de convites que vem recebendo de diversos países para a realização de workshops de mosaico. 2013 vem sendo, sem dúvida, um ano de agenda cheia  que iniciou com a realização de workshops em Toronto no Canadá. Nos Estados Unidos, Carol ministrou em Santa Bárbara, na Califórnia, Tacoma, em Washington, Chestnut Hill, na Pennsylvania  e em Chicago, Illinois.

Neste agosto, ela segue para Melbourne e Camberra, Austrália. No mês de setembro, a artista volta para as Américas e realiza workshops em Vienna, na Virgínia, em outubro no estado do Michigan e em novembro em Dalas (USA). Depois, segue para a Costa Rica a partir do dia 23.  Em dezembro será a vez de apresentar a sua arte aos mexicanos em Puerto Vallarta. Para 2014, já estão confirmados workshops em Charlotte e Asheville, na Carolina do Norte, em Santa Bárbara, na Califórnia, e também na Flórida,USA.

Abaixo: o mosaico "Fabulous hair" e Carol Shelkin
 
Entre a criação de belíssimos mosaicos e um workshop e outro, a simpática e talentosa mosaicista confessa que ouvir música brasileira, é o que mais gosta de fazer. Sua preferência é a Bossa Nova, estilo que aprendeu a gostar com os vizinhos Patrícia e Orlando, o casal de músicos brasileiros que  na Philadelphia formam o grupo “Minas” e  esbanjam  talento com repertório refinado. “Eu amo a música brasileira através deles”, enfatiza a artista ao se referir aos amigos.
 
Informações sobre os workshops com Carol Shelkin: carol.shelkin@yahoo.com
Visite ainda: www.carolshelkinmosaics.com
 
Arte em mosaico marca presença na festa
da Rede Feminina de Combate ao Câncer
  A Rede Feminina de Combate ao Câncer, em parceria com a loja Leroy Merlin, realizou no sábado, 8 de junho, em Curitiba, a tradicional Festa Junina criada para arrecadar recursos para a manutenção do Hospital Erasto Gaertner.

A primeira-dama e presidente

da Fundação de Ação Social de Curitiba, Marcia Oleskovicz Fruet,
a voluntária e mosaicista Lirba Teixeira e a presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer,
Walkyria Gaertner Boz

Organizado por voluntárias da Rede Feminina sob a orientação da presidente Walkyria Gaertner Boz, o evento apresentou o talento de mais de quatrocentas voluntárias que, através de suas artes manuais e gastronômicas, arrecadaram recursos para o Hospital.

O Grupo do Mosaico, setor da Rede Feminina criado em abril de 2013, apresentou as mais diversas aplicações do mosaico como utilitário e marcou presença recebendo na festa a visita da primeira-dama de Curitiba e presidente da FAS, Marcia Oleskovicz Fruet que fez questão de adquirir algumas peças.

 

Para a mosaicista Lirba Teixeira, professora que coordena o Grupo do Mosaico no Hospital Erasto Gaertner, o sucesso da festa e a participação intensa nas aulas de mosaico para voluntárias do Hospital são motivos de comemoração. “O projeto “Grupo do Mosaico” teve início no dia 11 de abril. É um espaço onde as voluntárias do Hospital Erasto Gaertner aprendem todas as quartas-feiras, das 9h às 12h, a profissão de mosaicista com materiais doados por empresas como a Pastilhart. A produção segue para a loja dentro do próprio Hospital onde é vendida para a obtenção de recursos para a instituição. Estou muito feliz em ver surgir lindos trabalhos”, explica Lirba.

As voluntárias Lirba Teixeira e Josenice Bastos da Silva

Outra novidade do Grupo do Mosaico será o revestimento dos bancos da Ala de Pediatria que ganharão cor e alegria com borboletas produzidas por diversos mosaicistas do Brasil e até da Argentina. A revista eletrônica Mosaico na Rede, que há quatro anos vem publicando notícias sobre tudo que acontece na arte musiva, foi convidada por Lirba Teixeira e estará presente na inauguração do espaço para registrar a união de artistas por uma causa nobre.

 

O ateliê Ffee's Arte, espaço capitaneado pelos empresários e artistas Fernanda Czelujinski e Fernando Varella, prestigiou o evento. À esquerda, Jady Lorena com peças produzidas em mosaico, arte em ferro e madeira de demolição
 

Livraria Cultura inicia
a comercialização de
Mosaico na Rede Magazine
em suas lojas

 
A Livraria Cultura inicia a comercialização da publicação Mosaico Na Rede Magazine em diversos estados do país. São 17 lojas distribuídas em São Paulo, onde está a maior livraria do Brasil, Campinas, Porto Alegre, Curitiba, Fortaleza, Salvador, Brasília, Recife e Rio de Janeiro.

Capa da segunda edição de Mosaico na Rede Magazine,
com mosaico de Celita Alberti

A Mosaico na Rede, publicação bienal que teve lançada recentementeque a sua segunda edição, comemora com entusiasmo o fato de estar entre os selecionadíssimos títulos ofertados pela livraria fundada em 1947, por Eva Herz (1911-2001), e que continua como referência no mercado brasileiro.


Imagens gentilmente cedidas e autorizadas pela Livraria Cultura

Ponto de encontro de intelectuais, apreciadores de todas as artes, leitores exigentes...e espaço conceituado onde acontecem sessões de autógrafos, palestras, exposições... a Livraria Cultura traz como principal diferencial o fato  de estar sempre em busca de novas ideias e de novos títulos com a qualidade que a empresa exige para ofertar aos leitores o que há de melhor em todos os nichos.

Estar nas prateleiras da Cultura é estar no lugar certo para ampliar e divulgar ainda mais
o número de apreciadores da arte em mosaico. Uma conquista que chega como presente em comemoração aos quatro anos do site Mosaico na Rede e aos dois anos de revista impressa,
a bilíngue Mosaico na Rede Magazine.
 
Os mosaicistas Alexandre e Solange Piffer
preparam as malas para turnê internacional
 

Durante workshops no Ateliê FFee’s Arte, em Curitiba, mais uma vez o casal Alexandre e Solange Piffer mostrou a que veio em cursos de Flores e Máscaras, mas desta vez, além de louças quebradas e de belíssimos trabalhos finalizados, trouxeram na bagagem a notícia de que sua arte, carregada de personalidade, ganhará o mundo.

  Depois do sucesso em Buenos Aires, Argentina, eles contam que estão aprimorando a língua inglesa para atender, a partir de março de 2014, uma agenda internacional que inclui convites de ateliês de mosaico da Austrália, Alemanha e também dos Estados Unidos onde o workshop está marcado para acontecer em Denver, no Colorado. Outro país confirmado na agenda é a Espanha.

Enquanto se preparam para 2014 atendem em Pompéia, sede do ateliê no interior de São Paulo, e aproveitam os finais de semana para apresentar workshops que acontecem em cidades e estados próximos.  Além de Curitiba e Londrina, no Paraná, Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro vêm recebendo ou aguardam a visita dos artistas.


Com peças criativas, muito talento e o reaproveitamento de materiais, eles vêm se destacando e transmitem na maneira de ser e em suas criações, em mosaico, alegria de viver e de fazer feliz quem aprecia suas peças. A pá que perdeu o fio vira decoração de jardim. A frigideira usada ganha nova roupagem e, pendurada na parede da cozinha, cria um clima   alegre e divertido.
 
 
Para garantir mais opções e facilitar a organização dos workshops, o casal ampliou ainda mais a parceria no trabalho. Alexandre, que acompanha e incentiva o talento de Solange, desde o início, decidiu agora se especializar em máscaras a partir de xícaras e pratos quebrados com resultados surpreendentes. O talento ele herdou da mãe, professora de Educação Artística, que observou e estimulou cedo a habilidade do filho para trabalhos manuais. Ao lado de Solange, a esposa, Alexandre colocou seus dotes em prática trabalhando, além do mosaico, em esculturas a ferro forjado. Uma união em equilíbrio perfeito. “ Acho que a identificação imediata com as máscaras é justamente o resultado de muitas experiências em trabalhos com relevo”, garante o artista de malas prontas para uma turnê de workshops internacionais que será oferecida em módulos tendo Solange como responsável pelos trabalhos que transformam louças em flores e Alexandre com suas louças que viram faces.
 

A mosaicista Fátima Sartori alegre com o resultado do workshop em Curitiba

Ateliê comemora 7 anos com festa,
exposição, brindes e sorteios

 

O Ateliê Celina Lima completa 7 anos, em Curitiba, com festa, brindes, sorteio de peças e de cursos, além de exposição com trabalhos de alunos e de professores . A comemoração, organizada por Celina Lima, reuniu alunos e convidados para brindar a data e apresentar a versatilidade dos cursos  de fusing e de vitral, que o ateliê oferece com Loire Nissen, de micromosaico com Celita Alberti e de mosaico em vidro com a própria Celina.

Um dos momentos marcantes da festa foi a apresentação da cantora Elizabeth Viero que acompanhada de sua lira, instrumento de sons delicados que remetem à mitologia, emocionou a plateia com um repertório de grande sensibilidade em ritmos diversos que incluiu compositores como Milton Nascimento e outros mestres. “A festa está completa! Os mosaicos são presentes para os olhos e a música é um presente para a alma”, sugeriu a  talentosa cantora durante a apresentação.

A Mosaico na Rede Magazine marcou presença no evento e recebeu o apoio dos convidados que confessaram estar no aguardo da próxima edição.

 
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
Pesquisa de Marcelo de Melo
aponta: mosaico contagia

Curitiba, São Paulo e Porto Alegre estão no roteiro do mosaicista brasileiro Marcelo de Melo, radicado há mais de 15 anos na Holanda e que está novamente no Brasil para visitar a família, divulgar e ensinar a arte do mosaico estrutural, por ele desenvolvida, e também apresentar a pesquisa que busca mostrar a identidade musiva na arte contemporânea.

Em palestra no Depósito do Mosaico, em Curitiba, Marcelo apresentou obras de artistas contemporâneos nas mais diversas técnicas onde o material e a cor foram usados de uma forma musiva produzindo imagens próprias. “A metodologia do mosaico está presente”, conclui após analisar e apresentar uma série de trabalhos carregados de conteúdo, formas e cores. Segundo o artista, independente da técnica seja através de instalações, assemblagens ..., “mosaico é igual a método e está em muitas obras de arte”.

  Marcelo de Melo
À esquerda, a obra "Família", de Levi Van Veluw.
À direita, "Torradeira", de Gustavo Aguerre e Ingrid Falk, trabalho elaborado com 2.500 torradas
 
A grande novidade que ele apresenta no Brasil é seu mais recente trabalho batizado “Narrativas Infecciosas”. A obra representa o significado do mosaico em sua vida e na vida das pessoas “infectadas”, em um bom sentido, pela técnica. “Fui exposto ao vírus musivo há 15 anos e é uma infecção que não consigo curar. Por mais que tenha estudado escultura, recentemente, o mosaico está sempre presente”, conta. A nova obra traz, como base, placas de microtubo que em laboratório são usadas para criar culturas bacterianas, estudar vírus e decodificar o DNA. Nas placas, Marcelo depositou materiais de diferentes cores que misturam lembranças do artista e a maneira que ele observa o mundo e sua diversidade através da metodologia musiva.


"Narrativas Infecciosas", de Marcelo de Melo

Smalti, restos de havaianas nas cores do Brasil, pedras, botões e peças de rádio que lembram a infância e simbolizam profissões de entes queridos, miçangas, cerâmicas, conchas... exploram diferentes “culturas”. Uma versão desta obra está exposta em Seattle, USA, na mostra que traz artistas que se destacaram nas Américas. Na versão, Marcelo simboliza a diversidade cultural e suas contagiantes influências mundo afora.

O mosaico "Força", uma das obras da publicação "Esculturas – Mosaico Estrutural",
que reúne trabalhos de Marcelo de Melo.

 
 

Momentos da palestra, em Curitiba: acima, à esquerda, os mosaicistas argentinos Fernanda Jaton e Christian Gibaut com
Marcelo de Melo. À direita, Leni Nogueira e Marlise Krueger e Virgínia Camargo de Abreu em conversa com Marcelo de Melo. Ao lado, imagem geral da palestra. Abaixo, Marcelo com Schandra Julia Zmijeski

 

Depois do Brasil, o artista segue para um workshop em Israel, no ateliê da artista Irit Orpaz, próximo a Tel Aviv. Novos workshops estão em negociação na Alemanha, Inglaterra e também na Suiça.


Santos: a cidade sob o olhar de artistas

"Bonde Turístico", por Helena Sundfeld
 
A exposição “Retratando a Baixada Santista, em cacos e cores” apresentada neste janeiro e fevereiro de 2013 no Centro Europeu e no Shopping Parque Balneário de Santos, em São Paulo, mostrou aos artistas envolvidos e aos apreciadores da arte que perseguir sonhos e ser apaixonado pelo que se faz são os primeiros passos para conquistar o sucesso.
 
  Dezoito mosaicistas do Ateliê H. Sund Mosaicos da artista Helena Ormonde Sundfeld embarcaram na aventura de reproduzir em pedras, cerâmicas, pastilhas... pontos turísticos e históricos carregados de lembranças, de carinho e de gratidão pela  cidade. “Quando resolvi fazer um mosaico monocromático com o tema “Bolsa Oficial do Café”, não poderia imaginar o desenrolar desta atitude. O sucesso da obra me levou a acalentar o sonho de reproduzir outros pontos turísticos de Santos e decidi compartilhar essa ideia com minhas alunas. Os resultados surpreenderam! Paisagens com cores deslumbrantes encheram os olhos dos visitantes”, comemora Helena.

As mostras reuniram 26 obras produzidas a partir de lembranças, muita pesquisa, fotos e imagens diversas que agora, em pedras, contam histórias da cidade.
Acima, Helena Sundfeld e suas obras "Bolsa Oficial do Café" e "Bonde Turístico". Abaixo, “Santíssimo”, por Cleide Gomes. O Estádio Urbano Caldeira – Vila Belmiro ou Santos Futebol Clube foi fundado em 14 de abril de 1912. A grande conquista do espaço está na revelação de Edson Arantes do Nascimento, o mundialmente conhecido “Pelé”.

 

Abaixo, à esquerda, “Sonhos”, por Ana Lúcia Casagrande. O Pier do Pescador, espaço turístico,
traz descanso e higiene mental. Um lugar onde é possível
admirar a entrada de navios rumo
ao Porto de Santos.

À direita, “Bonde 193”, por Mariza Peres. Em 1909 os bondes elétricos começaram a circular em Santos. O 193 circulou na cidade do Porto, em Portugal, e chegou ao Brasil como doação.
Em 2006 passou a ser uma das principais atrações turísticas da cidade em trajeto pelo Centro Histórico de Santos.

 

 

Acima, à esquerda, “Pérgula do Boqueirão”, por Solange Cardoso dos Santos. *Na metade do século XX, a orla santista começava a receber as primeiras construções modernistas destacando-se a pérgula da Praia do Boqueirão.

À direita, “Casa da Frontaria Azulejada”, por Isaíra Baptista Kuhn, uma das mais significativas obras arquitetônicas de Santos. Construída em 1865 para residência e armazém do comendador português Manoel Joaquim Ferreira Netto, hoje abriga espaço cultural no Centro Histórico da cidade. Na foto, Isaíra (à esquerda), com Helena Sundfeld.

 

Emoção, criatividade e talento marcam a vinda  de Andjelka Radojevic ao Brasil   (Click here to read in English)
Mosaico de Andjelka Radojevic (detalhe)

A criação e o aprendizado, ensina a vida, são processos que geram uma espécie de dor prazerosa. Os workshops com a artista sérvia Andjelka Radojevic, no Brasil, mostraram exatamente isso: uma sintonia que envolveu as participantes na tentativa de acertar, dar o melhor de si e repetir o corte quantas vezes fosse preciso até comemorar o resultado. Detalhes que renderam e fortaleceram laços de amizade acompanhados por momentos de grandes emoções, sentimentos, talento, além de muito, muito trabalho. Tudo em nome da arte em mosaico.

 
 

Ao todo foram três workshops no Depósito do Mosaico, em Curitiba: dois de “retratos” e um de “olhos e pássaros”, organizados pela mosaicista Rosangela Kusma Gasparin em parceria com a artista Bea Pereira e com a empresária Letícia Melara.

Os resultados são surpreendentes. Mulheres de profissões diversas, mosaicistas de profissão ou por hobby e que nunca haviam feito um retrato em mosaico, criaram peças belíssimas, valorizadas com toques pessoais que as tornaram únicas, exclusivas. Expressar sentimentos através dos olhos, tornar a boca natural, colocar as sombras nos lugares certos e outras técnicas... exigiram paciência, coragem e determinação. Já os pássaros, nas mãos das mosaicistas, ganharam movimentos, luz e cores e revelaram que a inspiração está ao redor, nas plumagens, na natureza.

Andjelka se propôs e conseguiu, com maestria, ensinar o caminho da criatividade com noções de composição, cores, luz e sombras. “No mosaico, cada um deve ter as suas próprias peças. É gratificante quando, ao fim de um workshop, cada aluno tem um trabalho diferente, independente de terem iniciado a partir de uma mesma figura. O importante, além das técnicas corretas, são as características pessoais”, ensina a mestra sérvia.

Letícia Melara, Rosangela Gasparin, Andjelka Radojevic
e Bea Pereira
 

 

 
 
 
 
Representantes do Mato Grosso, Santa Catarina, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e de diversas cidades do Paraná vieram para aprender, dar belas risadas, se encantar com o talento da mosaicista e até ir às lágrimas de satisfação e de agradecimento pelo conteúdo adquirido. E por falar em lágrimas, não foram apenas as alunas que se emocionaram ao final do curso, mas também Andjelka, ao agradecer a maneira acolhedora como foi recebida. Momentos de pura emoção que fizeram nascer, no meio musivo, uma relação de afetividade entre Brasil e Sérvia. Países tão diferentes, de histórias e hábitos distintos e muito distantes, agora unidos pelas tesselas e pela arte de aprender e de ensinar. Cenas imperdíveis que, com certeza, ficarão registradas na memória de todas as presentes.
 
 
 
 
  O sucesso e os resultados atingidos aumentam as possibilidades de que outros mestres internacionais desembarquem em Curitiba. “Já estamos pensando em trazer, quem sabe uma vez por ano, um workshop internacional para aprimorar ainda mais a arte em mosaico no Brasil”, antecipa Bea Pereira que este ano já tem confirmada para o mês de abril, no Depósito do Mosaico, a presença do artista Marcelo de Melo, mosaicista brasileiro radicado há 16 anos na Holanda, reconhecido internacionalmente por sua arte estrutural.
 
 
 
 
 
Quem não veio a Curitiba poderá participar de workshops com Andjelka Radojevic na Sérvia. A artista prepara cursos para estrangeiros em seu país e há eventos marcados para o próximo mês de junho com a presença confirmada de mosaicistas brasileiros.
Click aqui para informações sobre workshops na Sérvia fornecidas por Andjelka Radojevic:
 
Depósito se prepara para receber Andjelka Radojevic

A mosaicista Rosangela Gasparin e o Depósito do Mosaico trazem a Curitiba a artista sérvia Andjelka Radojevic. Ela desembarca na capital do Paraná para a realização de três workshops que acontecem no Depósito do Mosaico, espaço capitaneado pela empresária Letícia Melara em parceria com a artista e professora de arte musiva Bea Pereira.

O primeiro curso, o de retrato, será entre os dias 14 e 20 de janeiro das 9h às 17h. O segundo workshop, de pássaro e olho, está marcado para o período de 23 a 27 de janeiro. Devido à grande procura pela opção retrato, uma turma extra foi formada entre os dias 29 de janeiro e 5 de fevereiro.

 
A artista Andjelka Radojevic e seus retratos

 

   
 

 

A jovem artista sérvia vem chamando a atenção de mosaicistas e apreciadores da arte no mundo por seus trabalhos expressivos e de grande beleza. Formada com honras como pintora pela Academia de Belas Artes de Belgrado, traz em seus trabalhos forma, movimento, conhecimento de cores... detalhes que tornam suas obras, em tesselas, inacreditáveis. Além da Sérvia, onde oferece aulas de arte musiva, países como a África do Sul, o Brasil e outros já negociam espaços em sua agenda para a realização de workshops.

 
Acima, "My Little Chickadee", de Andjelka Radojevic, em foto de Brent Bear (USA)

Ao lado, Letícia Melara, Bea Pereira e Rosangela Gasparin
 

No Brasil, Andjelka ficará hospedada na casa da mosaicista Rosangela Gasparin que, a partir de uma amizade online, tornou possível a realização dos workshops em Curitiba. “Acho muito bacana essa nova comunicação que as redes sociais permitem. Pessoas do mundo inteiro ficam próximas, fazem negócios e amizades. A partir de conversas online convidamos as pessoas para participar, estabelecemos os valores e lotamos a primeira turma em apenas 10 dias. Tudo conspirou para dar certo”, comemora Rosangela.

Para receber a artista, Rosangela prepara, além dos workshops, passeios turísticos em Curitiba e cidades próximas. Após o trabalho, elas seguem viagem para o Rio de Janeiro onde Rosangela e o marido apresentarão o carnaval brasileiro para a artista sérvia. “Nós, sérvios, adoramos o Brasil! É uma oportunidade para aprender sobre o povo, o país, a cultura, os hábitos, a comida, as tradições... Nesta viagem encontrarei colegas e pessoas da vida cultural e poderei compartilhar meus conhecimentos de mosaico. Além disso não serei turista, mas sim um membro da família de minha querida amiga Rosangela que me receberá em sua casa por um mês”, finaliza Andjelka.

Andjelka Radojevic está entre os entrevistados especiais da nova edição da revista impressa Mosaico na Rede Magazine em edição bilíngue, inglês e português. Sua matéria ocupa quatro páginas com belas fotos de seus trabalhos exuberantes.

 
Anote:
Informações sobre os workshops no Depósito do Mosaico
Rua Alberto Bolliger, 141 – Alto da Glória – Curitiba-PR
Fone (41) 3223 8999
 

Segunda edição de Mosaico
na Rede Magazine movimenta ateliês em Curitiba

   
 

A segunda edição impressa de Mosaico na Rede Magazine acaba de ser lançada em uma loja e em quatro ateliês de mosaico em Curitiba. A edição bilíngüe, inglês e português, traz 96 páginas coloridas com matérias, informações e uma galeria com trabalhos de mosaicistas do Brasil, Estados Unidos, Argentina, Chipre, Canadá, Holanda, Egito, Itália...

A aplicação do mosaico na arquitetura é um dos destaques da nova edição. Uma matéria especial sobre a Casa Cor Paraná 2012 mostra que os profissionais apostam na beleza dos mosaicos.

Confira flashes dos cinco lançamentos:

Depósito do Mosaico, dia 14 de dezembro de 2012 (fotos Cintia Cimbaluk)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ateliê Ffee's Mosaicos, dia 15 de dezembro de 2012
 
 
 
 
 
 
 
 
Cooparte, dia 16 de dezembro de 2012
 
 
 
 
Ghellere Mosaicos, dia 17 de dezembro
 
 
 
 
 
 
Ateliê Mosaicato, dia 19 de dezembro
 
 
 
 
 
 
 
Painel em mosaico homenageia
Antoni Gaudí, Bea Pereira e Ilana Shafir

Alunos de 3 a 17 anos do Colégio Novo Ateneu, em Curitiba, produziram, sob a orientação das professoras de arte Cibele Bahr e Odete de Barros, um painel em mosaico em homenagem aos artistas Antoni Gaudí (in Memoriam), Bea Pereira e Ilana Shafir.

 
 

A mosaicista Bea Pereira, que compareceu à inauguração, ficou emocionada ao ver tantas crianças de caneta e papel nas mãos solicitando autógrafos. “É sem dúvida uma das melhores experiências da minha vida! Eu nunca tinha recebido um presente tão especial. Além disso, é uma honra  receber uma homenagem em que os outros homenageados são meus ídolos. Gaudí, que com seus trabalhos me inspirou a iniciar no mosaico e Ilana Shafir, mestra das artes da atualidade”, enfatiza Bea.

  Vera Julião, diretora da escola, diz que a cultura artística é uma prioridade do Colégio. “Acreditamos que a arte proporciona uma maneira do ser humano se tornar mais humano e cuidamos desta parte com muito carinho através de diversas linguagens,seja na música, na dança, no teatro ou nas artes plásticas. Todos os anos, escolhemos artistas para homenagear e o resultado é sempre um painel. Esse ano nossos homenageados inspiraram a produção de um belo mosaico”, conta.
Odete de Barros, Vera Julião, Cibele Bahr e Bea Pereira
 

A professora Odete de Barros, uma das idealizadoras do projeto, diz que a reciclagem tem presença marcante no trabalho e para realizá-lo foram criadas campanhas de arrecadação na escola. “Os alunos trouxeram brinquedos, lacres de latinhas, chaves...e outros materiais. Foi uma experiência emocionante onde todos trabalharam juntos. No final, quando estávamos limpando a peça para a instalação, sentimos muito orgulho e ao mesmo tempo um vazio pois nos divertimos muito durante a produção”, afirma.

 
 
 
Para a professora Cibele Bahr a produção do painel em apenas dois meses e meio mostra que todos se envolveram para garantir um excelente trabalho. “Eu e a Odete fizemos o projeto, mas ao longo do processo cada um deu uma contribuição importante. Todos se apaixonaram pela ideia de um caminho que passa pela cidade onde encontramos objetos próprios das cidades, pelo mar com objetos característicos, pela floresta e suas particularidades... até chegar ao céu simbolizando a paz. As mandalas, feitas em espelho para iluminar o caminho, deram um toque especial”, explica.

Mateus, um dos alunos do 6º ano, diz que a produção do painel trouxe um significado muito importante não apenas para a escola, mas para todos os alunos que se envolveram. “Foi muito divertido! Pessoas que não eram amigas se uniram para fazer o mosaico e passaram a conversar todos os dias. Adorei fazer esse trabalho!”, finaliza.

 

 

Jardim Botânico abre as portas
para o Mosaico Curitibano 2012

 
Quarenta e cinco mosaicistas do Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo participam da 3ª Mostra do Mosaico Curitibano 2012, no Museu do Jardim Botânico, em Curitiba. São mais de 100 peças que exibem, até 18 de novembro, diversidade de materiais e de estilos. De acordo com as organizadoras, Fernanda Czelujinski e Lirba Teixeira, a exposição revela o crescimento da arte em diversos aspectos. “O número de participantes, a variedade de materiais e de técnicas e, principalmente, o refinamento das peças destacam a cidade no cenário musivo”, diz Fernanda.

"Conversa na Varanda",
de Marisa Giacomini

 
 

"Frida Kahlo", releitura de autorretrato, de Adriane Smythe e "Universo", do Grupo Tesselas, Rio Grande do Sul

 
 
"Autorretrato", de Rosangela Gasparin e "Borboleta Azul", de Fernanda Czelujinski
 
 
 
Acima, as mosaicistas Bea Pereira, autora do livro "Mosaico sem Segredos", e Fernanda Jaton, de Buenos Aires. À direita, "Anjos em Adoração", do ateliê Ghellere Mosaicos
 
O mosaico feito em Curitiba já desperta interesses além fronteiras. Os artistas argentinos Fernanda Jaton e Christian Pérès Gibaut, vieram de Buenos Aires especialmente para conferir a abertura da exposição. “Estou muito feliz por ver tantos trabalhos belos e por encontrar os artistas que só conhecia pela internet. Estamos nos preparando para participar das próximas edições”, diz a mosaicista. O encontro também poderá resultar na realização de workshops ministrados por artistas brasileiros na Argentina. “Conversamos com algumas mosaicistas daqui para que vão ensinar suas técnicas na Argentina. E também estamos abertos para receber os brasileiros que queiram fazer cursos conosco”, acrescentou.
 
 
 
Acima, "Gentes", com os autores, Alexandre e Solange Piffer e a filha Olívia. Ao lado, "Filtros de Energia", de Celina LIma
 

 

À esquerda, "Cristo Salvador",
com os autores Inês Grisotto
e Sergio Ceron. Acima, "Santa
Ceia", de Adriana Metzger

 
 
A artista Cintia Cimbaluk entre Antônio Carlos Castro Segui e sua esposa Maria Luiza Hexsel Segui. À direita, "Cavalo Ibérico"
 
O micromosaico, que era praticamente uma exclusividade da artista Celita Alberti, chama a atenção pela quantidade e pela beleza das peças. “Fico muito feliz por ver tantos trabalhos belíssimos expostos. E também por conseguir passar para meus alunos uma técnica que exige extrema paciência e concentração, mas que ao final é recompensadora”, comemora Celita, que há um ano passou a ensinar.  

"Ponte", micromosaico

de Audrey Koppe

 
 
Anote:
O que: 3ª Mostra do Mosaico Curitibano 2012.
Onde: Museu Botânico Municipal – Jardim Botânico de Curitiba.
Quando: de 1º a 18 de novembro de 2012.
Horários: de segunda a sexta, das 8h30min às 12h e das 13h às 17h.
sábados, domingos e feriados, das 9h às 18h.
 

Grandes nomes do design
recebem homenagem em Curitiba

Designers brasileiros de prestígio mundial são homenageados no Evento 2+ da Momentum&Design, loja conceituada de mobiliário há 13 no mercado curitibano, da empresária e arquiteta Marinice  Bettega.

 

Arquitetos locais renomados foram convidados a projetar seis espaços utilizando mobiliário e objetos de decoração criados por profissionais como Jacqueline Terpins, Sergio Fahrer, Marcus Ferreira, Pedro Mendes e Silvio Romero que estiveram em Curitiba para conferir os trabalhos de perto. “Esse evento significa, acima de tudo, uma parceria. Nossas ambientações sempre foram feitas por profissionais, mas desta vez decidimos promover uma integração ainda maior. O objetivo é repetir a receita e ampliar o número de participantes em eventos como esse”, afirma Marinice.

Da esquerda para a direita, Hélio Brum, Jacqueline Terpins, Marcus Ferreira, Sergio Fahrer, Pedro Mendes e a anfitriã Marinice Bettega

 
 
Mesa em cristal e peças em vidro na técnica de sopro de Jacqueline Terpins. Cadeiras Charly, de Sérgio Fahrer, contornam a mesa. À direita, o arquiteto Luiz Maganhoto, Marinice Bettega e o designer Daniel Casagrande
 
A vitrine convida para “Jantar e Estar”. Projetada pelo arquiteto Luiz Maganhoto e pelo designer Daniel Casagrande, traz o encontro entre o clássico e o contemporâneo. “Procuramos fugir do convencional. Trouxemos para a vitrine as peças da Jacqueline e do Sergio e trabalhamos com as cores. O azul, muito forte na Europa e nos Estados Unidos que está nas cadeiras Charly, uma pegada mais “caliente” com o vermelho nas peças da Jacqueline e o cinza tornam o espaço acolhedor, aconchegante. O toque clássico vem da iluminação da Greyhouse, em cristais champagne“, diz Daniel. A inspiração, afirmam os profissionais, vem de uma série de viagens que fazem todos os anos para estudar novidades e tendências. “Esse ano estivemos em Los Angeles, Miami, Las Vegas, Canadá, Milão... e novos destinos nos aguardam. Observamos o que há de novo no mundo para atender ao máximo nossos clientes”, enfatizam.
  Entre os destaques da vitrine, as cadeiras Charly, que rodeiam a mesa com assentos azuis, são sustentadas por alumínio naval. “É a primeira vez que se usa o alumínio naval. Não há solda, apenas encaixe, o que é um diferencial muito forte”, explica o designer Sergio Fahrer. Por sua criação, vem sendo bastante procurado por arquitetos especialistas em interiores de barcos e iates que buscam beleza e resistência em seu material. Também compõem o ambiente as poltronas Slick que já estiveram no Museu de Arte de Nova York.  A estrutura em carbono e a pintura automotiva em preto, da Mercedes, reforçam a ligação entre Sergio, suas criações e o mundo automotivo. Entre as poltronas, uma mesa giratória sustentada por inox e tampo em vidro permite maior integração entre os convidados. Ainda no espaço, a mesa de jantar e o aparador em cristal criados pela design Jacqueline Terpins, paraibana radicada em São Paulo, apostam na transparência para criar um clima harmonioso. “O cristal é um material intrigante. Ele está presente e ao mesmo tempo ausente. A transparência me agrada”, diz Jacqueline. Utilitários em vidro em tons de vermelho, criados pela profissional na técnica de sopro, dão um toque especial à vitrine.

Acima, vasos de Jacqueline Terpins sobre mesa em aço inox e vidro laqueado preto, de Sérgio Fahrer. Ao fundo, a poltrona Slick, com estrutura em carbono e pintura automotiva.

Abaixo, à esquerda, Sergio Fahrer e sua premiada mesa de centro Tapajós, em ambiente projetado pela arquiteta Elaine Zanon e pela designer Claudia Machado.
À direita, os designers Claudia Machado e Marcus Ferreira na poltrona Nouvelle, criação de Marcus

 
 
 
No “Living e Jantar”, da arquiteta Elaine Zanon em parceria com a designer Claudia Machado destacam-se o conforto do sofá Slow e da poltrona Nouvelle de formas limpas e elegantes que levam a assinatura do designer Marcus Ferreira. Ao centro a mesa Tapajós, de Sergio Fahrer, exibe as curvas da madeira pela transparência do vidro. “Curvar a madeira é uma referência muito forte em meu trabalho. Pouquíssimos profissionais conseguem esse efeito”, afirma Sergio.
 
 

No ambiente projetado pelas arquitetas Mônica Belich e Giuliana Soncin, bancos Centopéia, produzidos em Cristal 15mm e a mesa Besame Mucho, em corian branco, material resistente ao calor, levam a assinatura da designer Jacqueline Terpins e garantem autenticidade ao espaço.
 
 
  No “Living e Jantar”, dos arquitetos Luciana Patrão e Sérgio Valliatti, o sofá Clifford e o sofá Ray, em linho natural, ganham como complemento duas poltronas Chanel com curvas que se adaptam ao corpo, lançamentos do designer Hélio Brum.

Acima, Hélio Brum ao lado
da poltrona Chanel e flashes
do ambiente projetado pelos arquitetos Luciana Patrão
e Sérgio Valliatti

 

 

 

O “Estar”, projetado pelo arquiteto Carlos Lupatini e associados traz elegância e refinamento em cores sóbrias. Os profissionais Michel Lima e Bianca Lombardi explicam que o ambiente foi criado para um apartamento moderno.” Pensamos em sofisticação e conforto”, dizem apontando para o sofá Sputnik, do designer Marcus Ferreira, a primeira peça a compor o espaço, segundo eles. Ao centro, a mesa Margit de Pedro Mendes, mostra o casamento perfeito entre o acrílico e o espelho e ao fundo a poltrona Close e a mesa lateral em laca, também assinadas por Pedro, completam a cena.

 

MIchel Lima e Bianca Lombardi, à esquerda.
Compõem o ambiente o sofá Sputnik, de Marcus Ferreira, a poltrona Close e a mesa de centro Margit, do designer Pedro Mendes (foto à direita)

 
  Quem visitar a loja até primeiro de março de 2013, também poderá conferir de perto o “Home Theater” assinado pelo arquiteto Jayme Bernado que traz requinte e elegância em uma paleta nas cores bege, cinza e branco. O sofá Urban, de Marcus Ferreira, com seu estofado em penas de ganso, se destaca no espaço e faz um convite ao conforto.
Marcus Ferreira experimenta o sofá Urban, de sua criação, com estofado e almofadas em penas de ganso, no Home Theater projetado por Jayme Bernardo
 
Anote: Evento 2+
Onde: Momentum&Design - Rua Des. Costa Carvalho, 208, Batel, Curitiba, Paraná
Quando: de 19 de setembro de 2012 a 1º de março de 2013
 
Curso em Curitiba expõe a arte
sustentável de Solange Piffer
 
“Adoro ensinar! É gratificante ver o resultado final dos trabalhos dos alunos e os sorrisos que surgem com a satisfação em fazer mosaico. Isso não tem preço”, diz Solange Piffer, a paranaense radicada em Pompéia, interior de São Paulo, que no final de setembro desembarca em Curitiba para ensinar Mosaicos Criativos com Louças.
 
  O reaproveitamento de materiais é a base da produção da artista. Em dois workshops, no Ateliê FFee’s Arte, os alunos terão a oportunidade de aprender a utilizar xícaras e pratos quebrados que nas mãos de Solange viram veleiros, vasos, aves, flores... um trabalho que estimula ainda mais a criatividade já que é preciso aproveitar a forma original do material acompanhada de cortes precisos para revelar novas ideias.

Casada há 12 anos, aprendeu a fazer mosaico com o marido, filho de uma professora de Educação Artística, que herdou da mãe a habilidade com as mãos e repassou a técnica para a esposa. Curiosa, Solange aprendeu rápido, mas o estilo de utilizar material reciclado, que se traduz em peças irreverentes e muito relevo, foi uma descoberta casual.
 
  Ela conta que sobre uma geladeira muito antiga, de bordas arredondadas, colocou belas peças de louças que herdou da bisavó. Porém, esqueceu que ao exercer as funções, liga e desliga, a geladeira tremia muito e, aos poucos, as louças foram se aproximando das bordas. Um dia, tudo foi ao chão.

Triste com a perda, Solange não teve coragem de jogar os restos quebrados e espalhados. Juntou as sobras e guardou, sem saber o motivo, até chegar um momento de pura inspiração. “Peguei os cacos que eram lindos, com cores e relevos vibrantes, e comecei a dar formas. Surgiram flores. Fiz um trabalho sobre madeira de demolição que ficou muito interessante e nunca mais parei de trabalhar com as louças”, conta.
 

Para o corte, que exige precisão, a artista usa uma ferramenta desenvolvida pelo marido, com motor e pedal de máquina de costura, além de uma furadeira com um suporte e um adaptador para o disco de corte. Como projeto futuro, além das louças, pretende usar em seus mosaicos ferro forjado modelado com fogo e bigorna.

Com sua arte sustentável, Solange vem chamando a atenção e conquistando alunos em cidades, estados e até em países vizinhos. Recentemente, esteve em Buenos Aires ensinando a arte e no seu ateliê, em Pompéia, estão alunos de Marília, Tupã, Osvaldo Cruz, Campo Grande, Cuiabá...

 
Com criatividade e alegria, Solange expõe em seus mosaicos paisagens que guarda com carinho. “Da infância simples com os pés vermelhos de barro, em Cambé, onde nasci, o luxo que tive foi das flores que minha mãe plantava em volta da casinha de madeira onde morávamos. Luxo por vê-las variadas, perfumadas... plantadas sem a simetria dos belos jardins, mas que nunca me negavam flores. Essas lembranças e a alegria de viver com meu marido e meus filhos são a inspiração para o meu trabalho", finaliza.
 
Anote
Curso com Solange Piffer – Mosaicos Criativos com Louças
Onde: Ffee’s Arte –Curitiba-PR - Informações: (41)3029 7848
Quando: 29 e 30 de setembro – 01 e 02 de outubro
 
Depósito comemora aniversário
de 10 anos em novo endereço

 

   

O Depósito da Ordem é agora o Depósito do Mosaico.

A empresa, capitaneada pela empresária Letícia Melara em parceria com a artista e professora de mosaico Bea Pereira, comemora o aniversário de 10 anos em novo endereço: um espaço projetado especialmente para receber quem quer aprender, praticar, comprar materiais e presentear com belos mosaicos.

O projeto, assinado pelo arquiteto Maurício Melara, anuncia na fachada a ousadia para a qual o mosaico convida. Uma vitrine em azulejos coloridos de diversos tons dá um toque alegre e mexe com a imaginação de quem passa pela Rua Alberto Bolliger no Alto da Glória, em Curitiba.

Turma de segunda-feira estreia o novo espaço
 

No interior, espaços iluminados e abertos expõem quadros e objetos em mosaico que se misturam à fartura de materiais para escolher e se divertir. No ateliê, onde a imaginação acontece, a frase “A base comanda o adesivo” estampa o piso para aconselhar e receber quem chega. “O novo espaço mantém a mesma filosofia do anterior. Um lugar para criar com materiais ao alcance das mãos, boa música e conforto em ambiente alegre e despojado. Ideal para fazer arte”, diz Bea Pereira.

 
 
 
 


Como novidade, aulas de mosaico para crianças a partir de outubro. A professora dos pequenos será Ana Paula Oliveira Rodrigues com formação em fisioterapia e até então mosaicista por hobby. “Conheci a Bea em 2006 através de Mari Marilda Staude, minha sogra, que já fazia mosaico no Depósito. Me apaixonei pela arte e acredito que será fantástico repassar o que aprendi para crianças que têm, por natureza, um mundo imaginário próprio.  A proposta é despertar o senso artístico, a criatividade, contar histórias sobre mosaico e trabalhar com a concentração de crianças a partir dos 6 anos”, antecipa Ana Paula.

 
Acima, detalhes do novo Deposito do Mosaico,
a artista Bea Pereira e a empresária Letícia Melara.
Ao lado, Ana Paula Oliveira Rodrigues

Na sala infantil, trechos sobre a importância do mosaico na história do mundo cobrirão as paredes e os nomes de grandes artistas da arte musiva serão apresentados de forma lúdica. Após colocarem as mãos na massa e com as peças prontas, as crianças participarão de uma exposição como estímulo à criatividade. “Quem sabe, destes pequenos, saiam novos artistas”, conclui Bea Pereira.
 
Anote:
Depósito do Mosaico
Rua Alberto Bolliger, 141, Alto da Glória Curitiba- PR.
 
Pastilhart realiza Festival do Mosaico com lançamentos, mostra e sorteio de curso

A Pastilhart, empresa paranaense de revestimentos, realiza em Curitiba o Festival do Mosaico. Serão 10 dias dedicados a divulgar a arte e proporcionar ao público materiais e ferramentas a preços atrativos além, é claro, de lançamentos em pastilhas e azulejos. “Os preços estão muito acessíveis. Durante o Festival estaremos vendendo alguns materiais a R$2,00 o kg. Há também peças em cerâmica a partir de R$ 0,50”, conta o empresário Alexandre de Lara, sócio da empresa em parceria com Fábio Pacheco.

 
 

Acima, à esquerda, mosaico de Sueli Oliveira.
Ao lado, peça de Magaly Floriano.
Abaixo, mosaicos de Schandra de Morais

 
 

 
Acima, Linha Madrepérola, lançamento, e mosaico de Schandra de Morais.
Abaixo, mesa da mosaicista Eloisa Mont Serrat
Entre os lançamentos estão a Linha Madrepérola, importada com exclusividade da China, em pastilhas ultrafinas que permitem cortar com precisão e a Pastilha Ecológica de Bambu, pela primeira vez no Brasil.

Quem visitar o Festival vai encontrar peças expostas que mostram algumas das possibilidades em mosaico e, a partir de R$ 50,00 em compras, vai receber cupons para concorrer a prêmios. Entre eles, um curso básico completo de mosaico com a mosaicista Patrícia Ono, professora do Centro de Criatividade de Curitiba - Parque São Lourenço.

Em 2013, a loja Pastilhart da Manoel Ribas vai comemorar 15 anos no mercado. A ideia central da loja, no passado, era atender exclusivamente ao público mosaicista. “Somos admiradores do mosaico. Estamos sempre em busca de novos produtos e tendências. Estudamos, viajamos... atrás de novidades. Isso agrada muito ao público em geral. Quando abrimos essa loja pensamos nos mosaicistas pois já tínhamos outra para atender grandes metragens, mas como aqui ficam as novidades, muitos profissionais e admiradores do material nos procuram. Hoje, as grandes mostras de arquitetura e decoração provam que o mosaico é, por sua versatilidade, resistência e beleza, muito usado em ambientes. O nosso interesse, hoje e sempre, é aumentar cada vez mais a gama de produtos para que mosaicistas, arquitetos, decoradores e outros públicos visitem o espaço e saiam satisfeitos”, conclui Alexandre.

 

   
O empresário Alexandre de Lara e o showroom Pastilhart  
     
 
 
Anote:
O que: Festival do Mosaico
Onde: Pastilhart - Avenida Manoel Ribas, 3946 – Santa Felicidade- Curitiba- Paraná
Quando: de 24 de agosto a 1 de setembro de 2012.
 
Casa Cor Paraná prepara celebração de 20 anos

Para celebrar duas décadas de Casa Cor Paraná está sendo preparada uma exposição que contará, em 2013, com 70 ambientes na sede social da Sociedade União Juventus, bairro Ecoville, em Curitiba.

O lançamento da próxima mostra foi no último dia 2 de agosto, exatamente um ano antes de abrir as portas ao público, em 2013. “ São 20 anos escrevendo a história da decoração no Paraná. As pessoas aceitaram a exposição que chegou para contribuir e valorizar os profissionais. Hoje todo o mercado percebe que a Casa Cor é o lugar para fazer suas ações de comunicação com o público final. Esse é um momento de consagração para uma marca”, afirma Marina Nessi, diretora da Casa Cor Paraná.

 
Marina Nessi, diretora da Casa Cor Paraná
 

Para os visitantes, a exposição terminou recentemente, mas para os arquitetos, designers e fornecedores o trabalho começa agora. O desafio será mostrar  o estilo cosmopolita e contemporâneo de vida da capital paranaense – “O Estilo Curitiba”.

À esquerda, Marina Nessi, durante a apresentação da Casa Cor Paraná 2013. À direita, Maristela Campagnaro, da Simmetria Ambienti, a designer Jeslayne Valente e a marchand Zilda Fraletti

Áreas Externas, Pavilhão Corporativo, Setor Infantil, Gastronomia e Eventos , Livings Temáticos e outros espaços  estão na planta que vai ocupar seis mil metros quadrados. “Trabalhar com um ano de antecedência, a exemplo das grandes mostras internacionais, nos dá tranquilidade  para que todos os profissionais tenham tempo de se programar. Os arquitetos saem em busca de novidades, tendências... e as indústrias preparam seus lançamentos. A Casa Cor Paraná é famosa no Brasil como um primor em qualidade, novidades e um belíssimo acabamento. Tudo isso é reflexo de um ano de planejamento”, enfatiza Marina.

O lançamento contou com a palestra “Qual a sua Marca?” de Valpírio Monteiro, Diretor de Comunicação Corporativa do GAD, um grupo de serviços de branding com uma trajetória consolidada em 27 anos de mercado com escritórios no Rio Grande do Sul e São Paulo.

Em jogo rápido , digno de quem esbanja conteúdo, Valpírio falou sobre a importância de cuidar e fortalecer as marcas e instigou a plateia a ousar e usar todos os sentidos na hora de criar um ambiente de relacionamento com o público. Exibições de marcas conceituadas e filmes premiados  no Festival Cannes Lions  ilustraram a apresentação fazendo pensar que a nobreza está nas ideias e nas atitudes.

 
Valpírio Monteiro, na lente de Daniel Sorrentino
 
Fotografias viram mosaico em pastilhas

Imagine eternizar em pastilhas a imagem de quem você mais gosta. É a ideia que a arquiteta Mariana Paula Souza apresentou na Suíte da Criança, espaço que assinou na Casa Cor Paraná 2012.

  No banheiro da Suíte, a imagem de sua filha estampou a parede em um mosaico, da Vidri Pastilhas, tornando o espaço personalizado, divertido e de terna beleza.

“O ambiente é dedicado a uma menina de 8 anos. Atender aos  sonhos de uma criança desta idade foi o meu objetivo”, explica a arquiteta que após uma pesquisa com pedagogos identificou que nesta fase da vida é preciso estar em contato com cores, formas e texturas que ajudam a aguçar a criatividade e a intelectualidade.

Na Suíte, espaço para brincar, estudar, se arrumar e até uma passarela de desfile. O teto completou a magia em estilo top model, com luzes que davam a sensação de um céu estrelado. Um lugar para sonhar, se divertir e aprender.

 

Fotos: Daniel Sorrentino (geral do ambiente) e Magaly Floriano
 
Pastilhas da Linha Gloss garantiram brilho e beleza em ambiente da Casa Cor Paraná 2012
A Pastilhart, empresa paranaense de pastilhas e revestimentos, marcou presença na Casa Cor Paraná 2012 no Toilette Social Masculino.

O ambiente, assinado pelas arquitetas Andrea Welter, Michelle Moreira e pelo engenheiro Kirke Andrew Wrubel Moreira, foi inspirado no homem moderno e trouxe no piso o brilho e a resistência das pastilhas da linha Gloss, aliando charme e praticidade.

 

O tema Retrofit, presente na escolha das cores e nos objetos de decoração. A porta da antiga construção foi recuperada e o uso de uma janela, transformada em espelho, conferiram ao Toilette um ar retrô.


 
   
  As arquitetas Michelle Moreira
e Andréa Welter

Peças iluminadas da artista plástica Monica Piloni que simbolizam a função utilitária das mãos e uma luminária da Grey House brincaram com a luz dando toques de requinte ao espaço.

Também foram destaques soluções sustentáveis como uma torneira de acionamento automático, bacia sanitária embutida na parede que permite mais segurança e economia, além de acessibilidade garantida para pessoas com necessidades especiais.

 
Fotos: Daniel Sorrentino (geral do ambiente) e Magaly Floriano

Mosaicos: toque refinado à Casa Cor Paraná

Em cores quentes num degradê em vermelho, laranja e amarelo, além de detalhes em ouro, painéis em mosaico elaborados em smalti italiano pela mosaicista Renata Ghellere, compuseram o ambiente Loggia Bar segerindo varandas italianas repletas de arte, aconchego e conforto.

 
 

“Queríamos dar um colorido especial ao ambiente e os mosaicos atenderam axatamente o que pensamos. Assim como na moda, a decoração segue essa tendência de cores”, explica a arquiteta Viviane Granemann Ribeiro que assinou o espaço em parceria com a designer de interiores Josiane Maria Nascimento (foto).



No piso, uma mandala em pastilhas de vidro, foi mais um pedido das profissionais à Renata. “Há um significado místico neste detalhe. Pensamos em reciclar a energia de quem passa. A ideia é que as pessoas que nos visitem deixem e levem apenas coisas boas. Um desejo de uma vida alegre, saudável e divertida”, sugeriu Josiane.

 
 
 
Espelho em estilo Mondrian, poltrona assinada por Yuri Albrecht, jardim italiano e elementos artísticos e decorativos que integram o clássico e o moderno completaram o ambiente.
 
Fotos: Daniel Sorrentino (geral do ambiente e imagem à esquerda, acima) e Magaly Floriano
 
Tema“Retrofit”comandou a Casa Cor Paraná 2012

Fachada Luminotécnica e Praça Casa Cor assinada por Wilson Pinto
 
A mágica acontece mais uma vez! – comemorou Marina Nessi, diretora da Casa Cor Paraná, na abertura da 19ª edição da mostra que compõe o maior evento de arquitetura, decoração e paisagismo das Américas. Em 2012, a exposição abriu ao público de 1° de junho a 11 de julho na Casa Cultural União Juventos, em  Curitiba.

O destaque que a Casa Cor Paraná conquista a cada ano, segundo Marina, está no comprometimento de todos os que trabalham para que o espetáculo aconteça. “Desde operários, arquitetos e artistas até empresários de grandes organizações... todos agem em parceria e com empenho extraordinário. O resultado não poderia ser diferente. O evento do Paraná  marca presença por qualidade nos acabamentos”, enfatiza.
 
Marina Nessi, diretora da Casa Cor Paraná

Quem visitou a mostra percorreu 45 espaços cuidadosamente decorados que despertaram no público a vontade de consumir decoração de bom gosto aliada à utilização de materias sustentáveis. Um mix de conforto, conscientização ambiental e beleza. Além da moda que é o mote de todas as franquias da Casa Cor em 2012, a mostra no Paraná abordou o tema Retrofit, ou “colocar o antigo em forma”. No universo da arquitetura é o processo de modernização de equipamentos do passado. É também a reutilização de edificações para novos usos, sempre mantendo as características originais. A prática, difundida na Europa e Estados Unidos, surgiu na década de 90 para valorizar velhos edifícios a fim de aumentar a sua vida útil através da incorporação de avanços tecnológicos e da aplicação de materiais de última geração.  Segundo a diretora do evento, a escolha da Casa Cultural União Juventos, em Curitiba, reafirmou o compromisso de valorização do patrimônio arquitetônico da cidade.

Criada em São Paulo, em 1987, a Casa Cor funciona sob o sistema de franchising em importantes capitais brasileiras e também no exterior. Ao todo são 22 franquias sendo 18 nacionais e quatro internacionais – Chile, Peru, Panamá e Uruguai.
.
Fotos: Daniel Sorrentino (fachada) e Magaly Floriano
 
Workshops em São Paulo
põem smalti em evidência

As mosaicistas Renata Ghellere e Helena Sundfeld ofereceram em São Paulo, capital, e Santos, litoral paulista, workshops de mosaico com smalti Orsoni. Em Santos, ambas ministraram as aulas. Já em São Paulo, quem comandou o curso foi a própria Renata.

Cada workshop contou com 3 dias de duração com turnos dobrados, manhã e tarde, entre 28, 29 e 30 de abril, em Santos ,e em maio em São Paulo, nos dias 3,4 e 5.Cada aluno produziu um trabalho de 25 x 35 cm.

A intenção das mosaicistas foi tornar conhecido o material italiano que chegou ao Brasil para revolucionar o mundo musivo. A mescla de tons que o smalti permite torna possível, através do corte, criar movimentos e gerar texturas nos trabalhos.

 

Ao lado, Renata Ghellere e Helena Sundfeld. Abaixo, à esquerda, mosaico de Mariza Novaes Peres e, à direita, trabalhos de Cecília Dalcanale e de Carmem Leal

 
 
 
 

Renata, com ateliê em Curitiba, foi a responsável no último ano pela vinda da mosaicista italiana Antonella Gallenda, da Orsoni ,de Veneza, que esteve no Brasil ministrando aulas. O workshop de Gallenda resultou, em março de 2012, na mostra Orsoni in Brasile (fotos) que reuniu, em Curitiba, trabalhos de mosaicistas do Paraná, São Paulo e do Rio Grande do Sul. Os mesmos trabalhos foram expostos em São Paulo e em Santos. Para o próximo ano, segundo Renata Ghellere, não está descartada uma nova visita de Antonella ao Brasil.

 
 


Acima, à esquerda, mosaico de Jane Jordão Hamacher e, à direita, trabalho de Cris Romano.
Abaixo, à esquerda, mosaico de Helena Sundfeld e, à direita, de Neuma Fusero

 

 

1ª Mostra de Decoração Multicultural
de Curitiba surpreendeu nos detalhes

Curitiba já pode ser considerada point obrigatório para quem gosta de arquitetura e decoração. Além das mostras tradicionais,que todos os anos movimentam o mercado com grandes ideias, lojas apostam no talento de arquitetos, designers e decoradores  para o lançamento de suas marcas. É com essa visão que a Mundo Egípcio Casa apresentou ao mercado a 1ª Mostra de Decoração Multicultural de Curitiba.

 
 
   
 

À esquerda, a arquiteta Keyla Kinder no espaço que leva a sua assinatura: Estar e Jantar da Casa de Praia. Ao fundo, luminárias em forma de turíbulos com revestimento em mosaico exploram luz e cor

Acima, o prato com mosaico em escamas de peixe decora a mesa de jantar

Abaixo, vista geral do ambiente com destaque para o tapete da Turquia e mesa de centro do Vietnã


 

Os 14 espaços decorados exploraram diversidade de estilos com o glamour de peças clássicas aliadas às linhas retas contemporâneas com destaque para o mobiliário feito a mão. Dez países estão na carteira de importação da loja que traz exclusividades como a Linha Comics onde revistas em quadrinhos estampam o mobiliário em um mosaico divertido que torna qualquer ambiente alegre e agradável.  Hilário Freitas, do Marketing de Relacionamento da Mundo Egípcio, explica que a linha permite peças únicas já que as próprias folhas originais das revistinhas compõem as peças com acabamento em laca. Além dos gibis, outros motivos podem estampar os móveis de acordo com o gosto de cada cliente. Um exemplo está no ambiente Estar com Office de Fernando Schwertner e Rafael Carvalho que traz uma peça com os Beatles em evidência.

 

Ao lado,da esquerda para a direita , a designer de interiores Miriam Paulus, que assinou na mostra a Suíte do Casal Árabe, em companhia de Mirian Laura de Andrade que gerencia, em Curitiba, a primeira Mundo Egípcio Casa

 
 

Acima, o Espaço Corporativo com destaque para os armários da Linha Comics. Abaixo, à esquerda, a arquiteta Claudia Sovierzoski em outro ângulo do ambiente na poltrona exclusiva do designer Pedro Franco,de São Paulo, peça lançada na  feira de Milão. Ao centro, detalhes do Mobiliário Comics e à direita, flashes do passado dão ar agradável ao espaço de 80m2


Com 20 anos de mercado no Brasil  no setor de vestuário, a empresa decidiu apostar forte na linha de interiores com a abertura da primeira Mundo Egípcio Casa. Os arquitetos convidados para a mostra, que lançou oficialmente a loja, surpreenderam os visitantes explorando diferentes escolas e gêneros  oferecendo múltiplas possibilidades de criar  espaços. Com bom gosto, sugeriram formas de aproveitar ao máximo cada detalhe do mobiliário. “O diferencial da empresa está em possuir escritórios no Egito, na China e na Malásia o que viabiliza conhecimento de mercado e maior facilidade para a importação de produtos únicos. Exclusivos”, enfatiza Mirian Laura de Andrade, que gerencia, em Curitiba, a Mundo Egípcio Casa.

Abaixo, à esquerda, vista geral do Espaço Luxo que mistura nuances de preto e dourado. À direita, a arquiteta Renata Mueller que assina o ambiente

 
 
 

Acima à esquerda, o Living Social Clássico que prioriza peças do Egito na decoração. O mobiliário, com adornos, é como uma volta ao tempo. Na imagem, à direita, o arquiteto Rogério Ruttierie, criador do espaço, ao lado de Mirian de Andrade


 
 

Acima, à esquerda, detalhes do Living Mundo Egípcio assinado pelas arquitetas Iara Araujo Cunha Pereira e Luciana Cavalli com destaque para o papel de parede alemão que reproduz uma espécie de textura em madeira. À direita, o arquiteto Zeh Pantarolli, à frente, e o designer Diego Miranda na Escadaria dos Estilos que conecta  quatro andares entre o Moderno, o Clássico e o Contemporâneo


Fotos de Diego Pisante e Magaly Floriano
 
Estrutural: além do mosaico
Mosaico de Marcelo de Melo   Marcelo de Melo

A obra "Pouso de Emergência" e o artista Marcelo de Melo

O curso de Mosaico Estrutural de Marcelo de Melo foi, sem dúvida, uma grande surpresa não apenas para os participantes, mas também para quem vê de perto parte das obras, executadas pelos alunos, em exposição no Depósito da Ordem, em Curitiba. Os mosaicistas que estiveram com Marcelo em sua maratona pelo Brasil entre o Rio de Janeiro, Curitiba e agora em Brasília, tiveram a oportunidade de aprender a técnica desenvolvida pelo artista e que, portanto, antes era apenas dele. Porém, o desprendimento de quem sabe, o amor pela arte e o prazer de dividir conhecimentos proporcionaram aulas agradáveis  e recheadas de conteúdo, momentos de pura criatividade e uma sensação de gratidão e respeito diante da capacidade e da simpatia do mestre.

Cada qual, a sua maneira, fez surgir do arame a forma que seria recoberta em mosaico. As cores, o volume, a delicadeza, a força estiveram presentes desde a composição dos trabalhos até a arte final. Como resultado, surgem formas delicadas que denotam leveza, trabalhos que transmitem suavidade pela escolha das cores e até os que traduzem força e vitalidade. Beleza é o que não falta!

Marcelo avisa: no próximo ano está pré-agendada uma passagem pelo Brasil com novos cursos e mais novidades. Mas quem é Marcelo de Melo? A quem possa interessar, é o artista paranaense que fez o mosaico do Brasil ganhar o mundo. Mora há 15 anos na Europa, sendo os últimos seis em Amsterdam, Holanda, onde publicou  o primeiro livro de mosaico do país em parceria com a artista holandesa Greet Weitenberg intitulado: “De Kunst Van Het Mozaïeken” – A Arte dos Mosaicos.

 

As duas faces de "Túnel", por Bea Pereira  
     
 

À esquerda, "Infinito", de Terezinha Leão. À direita, trabalho de Ana Paula Rodrigues



À esquerda, "Maravilhas do Universo", de Marlise Krueger. À direita, trabalho de Juraci Volpato


À esquerda, "Vida do Avesso", de Maria Luiza Amatuzzi. À direita, trabalho de Cintia Cimbaluk

 

Premiado pela SAMA, Estados Unidos, em 2003, com a obra “Running Rug” - Marcelo vem conquistando a cada dia mais espaço no mundo artístico por sua maneira de torcer, retorcer e de quase dar um nó em suas peças para só depois revesti-las em tesselas. Seu diferencial está na criação da técnica estrutural, um mix de mosaico e escultura com efeitos mágicos.

O artista, nascido em Apucarana, é graduado em História pela Universidade Federal do Paraná e Mestre em Artes Plásticas, com distinção, pela University for the Creative Arts, de Canterbury – Inglaterra. Observador, carrega suas obras com mensagens e significados e põe, por onde passa, a arte musiva em evidência. Seus trabalhos já foram expostos no Brasil, Holanda, França, Itália, Japão, Reino Unido, República Dominicana e Estados Unidos.

É essa bagagem que Marcelo de Melo pretende levar à algumas viagens em busca de novos conhecimentos. Ainda não há um roteiro e nem um tempo certo, mas não está descartada uma volta ao mundo incluindo Austrália e Nova Zelândia para ensinar e trocar ideias sobre a arte estrutural.

 
 

À esquerda, "Tropicália", de Magaly Floriano. À direita, peça de Liziane Semchenchen


À esquerda, estrutural de Fernando Venâncio. À direita, o trabalho de Maria de Lourdes Siqueira

Da esquerda para a direita: Magaly Floriano, Telca Malheiros, Bea Pereira, Ana Paula Rodrigues, Marcelo de Melo, Maria Luiza Amatuzzi e Marlise Krueger

Anote:
Exposição Coletiva Mosaico Estrutural
Onde: Depósito da Ordem - Rua Jaime Reis, 54, Alto São Francisco, Curitiba, Paraná
Quando: até 16 de abril.
De segunda à sexta, no horário comercial; sábados e domingos, das 10 às 14 horas.
Informações: 3223 8999.

 
Curitiba e Rio de Janeiro recebem
cursos de Mosaico Estrutural

Imagine construir a base do seu próprio mosaico para só depois revesti-la em tesselas. Esta é a proposta de Marcelo de Melo, o mosaicista que busca na arte conteúdo além das formas.

  Graduado em História pela Universidade Federal do Paraná e Mestre em Artes Plásticas, com distinção, pela University for the Creative Arts, de Canterbury – Inglaterra, o artista paranaense apresenta suas obras e põe, por onde passa, a arte musiva em evidência. Seus trabalhos já foram expostos no Brasil, Holanda, França, Itália, Japão, Reino Unido, República Dominicana e Estados Unidos. Em Amsterdã, onde mora há seis anos, publicou em parceira com a artista holandesa Greet Weitenberg o livro “De Kunst Van Het Mosaïeken” (A Arte dos Mosaicos). Com essa bagagem, após 15 anos na Europa, ele chegou ao Brasil para proferir palestras e oferecer cursos de mosaico estrutural, com duração de cinco dias em Curitiba e no Rio de Janeiro.
"Running Rug", acima. Abaixo, "Cueca Virada"

 

No Rio, o encontro está programado para acontecer no Ateliê da mosaicista Moema Branquinho. A abertura será com palestra no dia 5 de março e as aulas práticas de 6 a 10 de março.

Em Curitiba, o Depósito da Ordem, espaço capitaneado pela empresária Letícia Melara e pela artista Bea Pereira, foi o local escolhido para sediar o workshop que abre com palestra, no sábado, 17 de março. De 19 a 23 de março os alunos colocarão, literalmente, as mãos na massa esculpindo e revestindo seus projetos. “Quero com este curso ensinar passo-a-passo a produção de mosaicos estruturais. Pretendo que meus alunos, cada um com seu estilo, saiam deste encontro satisfeitos com o que aprenderam e confiantes em seus próprios trabalhos”, enfatiza Marcelo.

 
Marcelo de Melo
Abaixo, "Business"


O diferencial do artista está na criação da técnica que ele batizou de Mosaico Estrutural, um mix de arte musiva e escultura com efeitos surpreendentes. Em 1999, fez o primeiro mosaico utilizando a técnica e  de lá para cá vem aprimorando os trabalhos que misturam materiais para compor peças tridimensionais que reúnem força e fragilidade.

Premiado pela SAMA, Estados Unidos, em 2003, com a obra “Running Rug”, Marcelo vem conquistando a cada dia mais espaço e reconhecimento no mundo artístico. Sua maneira de torcer, retorcer e quase dar um nó em suas peças faz com que muitos se perguntem: como esses mosaicos foram feitos?

Sobre planos para o futuro Marcelo é taxativo: “ninguém sabe”, mas entre seus projetos estão mosaicos flutuantes, viagens em busca de novos conhecimentos e quem sabe até um doutorado.  “Meus planos são como uma teia de aranha. Cada linha vai para uma posição diferente, mas elas sempre se interligam”, brinca.

 

“A Tinta de Pedra” invade o Memorial de Curitiba

Quem foi ao Centro Histórico de Curitiba, de 17 de dezembro a 22 de janeiro de 2012, conferiu a exposição Novos Mosaicos – A Tinta de Pedra. A mostra  reuniu mais de 40 trabalhos de 38 artistas convidados no Memorial de Curitiba.

A organização foi da empresária Letícia Melara, do Depósito da Ordem, com a curadoria da artista e professora de mosaico Bea Pereira.

Foi a terceira vez que o Depósito da Ordem apresentou obras em mosaico no Memorial. A primeira exposição, foi em 2007, e a segunda, em 2009. “O talento e a ousadia dos artistas estão transformando Curitiba em uma cidade onde a arte musiva acontece. As pessoas e os materiais se aprimoraram resultando em uma sofisticação de ideias e de trabalhos. Além disso, a mistura de smalti, vidro, pedras brasileiras, pastilhas... vem tornando os mosaicos do Brasil cada vez mais ricos e artísticos”, enfatiza Bea Pereira.

A proposta da exposição, no final de 2011 e início de 2012, foi despertar para a importância do mosaico na história do mundo contrastando com a sua evolução na era contemporânea. Flashes da história e liberdade de expressão formaram as cenas convidando o público a viajar em tons e descobrir, através dos trabalhos, as cores e os temas que compõem o íntimo de cada artista.

 
Mosaico de Bea Pereira, acima.
Abaixo, O Tucano, de Luciana Munhoz da Cunha
 
 

Mosaico de Adenilson Cuer,
à esquerda.
Acima, a Carmem Miranda,
de Silvana Santos Accioly
   
A mostra foi uma realização do Depósito da Ordem com o patrocínio de La Table Gastronomie, Maurício Melara Arquitetura, Silvia Döring Acessórios e Mil e Uma Noites. Incentivo: Prefeitura de Curitiba e Fundação Cultural de Curitiba.
 
Alegria em cores

"Alegria", de Nezilda Holtman

Miçangas, pedras naturais, espelhos, gemas em vidro, strass, azulejos, pastilhas... seja qual for o material, inusitado ou não, há uma certeza: os mosaicos dos alunos do Centro de Criatividade de Curitiba sugerem alegria em cores e despertam, em quem os observa, momentos de pura descontração.

"Mafalda", de Rosana Gnipper e "Árvore Encantada da Claudete" de Carla Scheffer e Patrícia Ono

 

Com a técnica dominada, o próximo passo para a apresentação foi ousar além das formas. Além dos materiais. O mix, bem resolvido, tempera as emoções de quem aprecia a arte capitaneada pela mosaicista Patrícia Ono, professora de mosaico do Centro de Criatividade.

Neste 2011, através das obras de seus alunos, Patrícia apresentou o que sabe e ensina. O resultado não poderia ser diferente: uma mescla em luz, cores e reflexos que tornaram a exposição vibrante e cheia de estilo.

A moça, de Suely de Oliveira
 
Curso Orsoni movimenta
mosaicistas em São Paulo e Curitiba

Com olhar sensível, Antonella Gallenda, professora de arte em mosaico da Orsoni , com sede em Veneza, ensina o que sabe no Brasil, enquanto, atenta, observa o progresso no trabalho dos alunos.


 

Antonella Gallenda e um de seus mosaicos favoritos.
Peça em mais de trinta tons, em ouro, exposta no restaurante Acqua Pazza, em Veneza

 

Foram nove dias de curso divididos em três turmas. Uma em São Paulo no Ateliê da mosaicista Tânia de Kassya, no Ipiranga, e outras duas turmas lotadas, em Curitiba, na Ghellere Mosaicos, da mosaicista e empresária Renata Ghellere. As participantes tiveram a oportunidade não apenas de aprender, mas também de conviver com a simpatia característica dos mestres que esbanjam conteúdo e que, com a segurança de quem sabe, cobram, sem rodeios, velocidade e perfeição. Há algo melhor para aprender?

A sensibilidade que Antonella traz nos olhos não é uma conquista recente. Em 1981, aos 16 anos, ela recebeu da família, como castigo por não gostar de frequentar a escola, a missão de trabalhar. A empresa Orsoni, onde seu irmão já trabalhava, foi o local escolhido. Muito jovem, acompanhou o trabalho e os ensinamentos do mestre Lucio Orsoni que, na época, comandava a empresa em parceria com o irmão Ruggero. “O mosaico é tudo para mim. Está na minha vida desde sempre. É fundamental. O que ensino e o que aprendo são toda a minha fortuna. Agradeço à minha família pela punição”, afirma  sorrindo.

 
Renata Ghellere e Antonella Gallenda trocam os aventais
   


 

Para a mosaicista, uma pessoa exprime o que é através das tesselas.  “Minha teoria é a de que há sempre algo a mais para aprender, independente do mosaico ser bizantino, micromosaico... quando uma pessoa trabalha, mostra  a sua personalidade na escolha das cores, no tamanho das tesselas... não importa se está na Itália ou no Brasil ...cada um tem um estilo próprio”, enfatiza a mosaicista.

Apesar de trabalhar na Orsoni desde 1981, foi em 2003 que Antonella Gallenda passou a ensinar na escola de Veneza e em outros países. Como professora, esteve por cinco vezes nos Estados Unidos, lecionou na Bélgica e agora no Brasil. “Um sonho sagrado e realizado”, comemora.

  Flashes das turmas de Curitiba: momentos de criatividade

 

 

A pop art de Patrícia Ono, acima.
À direita, Ivete Cruz e Antonella



Para ela, os trabalhos em mosaico não têm tamanhos, mas formas: desde um micromosaico até um grande painel. Aponta como favorito um leão de 40 cm de diâmetro. “Meu cavalo de batalha, como costumo dizer, é um leão de São Marco feito com quase 30 tons em ouro”, conta. Para quem for a Veneza vai a dica: a obra está no  Restaurante  Acqua Pazza que traz no cardápio, entre outras opções, a cozinha napolitana, sabores do mar e a possibilidade de apreciar o mosaico de perto.
Em Veneza, Antonella ministra workshops de três dias, além de aulas em micromosaico que duram10 dias e cursos de retratos em duas semanas.

À esquerda, Bea Pereira mostra a sua arte. Abaixo: à esquerda, Mônica Farizo e o colorido de seu mosaico; à direita, "il corpetto", por Magaly Floriano



 




Abaixo, a diversidade de estilos nos trabalhos de Lúcia Rota, Celita Alberti e Fernanda Czelujinski


 

Pela escola de Veneza, que nasceu em 1888, já passaram mestres da atualidade como Sonia King, George Fishman e tantos outros. Em 2003, o Grupo Trend, de Vicenza, tornou-se o proprietário da Orsoni e, com a força de uma empresa que possui, inclusive, showroom e fábrica, na Flórida (USA), o Grupo viabiliza encontros como os que aconteceram no Brasil. A empresa tem como Chefe do Escritório Executivo Andrea Di Giuseppe. Pino Bisazza é o Presidente da Orsoni e, garantindo a tradição , Lucio Orsoni responde como Presidente Honorário e Consultor de Arte.

Para quem participou dos cursos no Brasil ficou a certeza: que outros mestres venham. Os mosaicistas brasileiros estão preparados para recebê-los.


clicca qui per leggere in italiano

Depósito da Ordem apresenta:
Novos Mosaicos – A Tinta de Pedra
O Depósito da Ordem apresenta em Curitiba, neste dezembro de 2011, a exposição Novos Mosaicos – A Tinta de Pedra. A mostra organizada pela empresária Letícia Melara, com a curadoria da artista e professora de mosaico Bea Pereira, deverá reunir 40 trabalhos de 30 artistas convidados no Memorial de Curitiba.



 
A professora e mosaicista Bea Pereira, curadora da exposição, e um de seus painéis

Será a terceira vez que o Depósito reúne obras em mosaico no Memorial. A primeira, em 2007, e a segunda, em 2009, dão o tom do que está por vir. “O público pode esperar belas surpresas. Realmente uma evolução. As pessoas e os materiais se aprimoraram resultando em uma sofisticação de ideias e de trabalhos, principalmente em função da introdução do smalti que trouxemos de Veneza para ser comercializado aqui. O talento dos artistas, o material nobre que nos permite brincar em diversos tons e a mistura em vidro, pedras, pastilhas... originou painéis artísticos de grande qualidade”, antecipa Bea Pereira.

A exposição será aberta ao público de 17 de dezembro próximo a 22 de janeiro de 2012 com trabalhos ricos em cores e texturas.  A proposta é despertar para a importância do mosaico na arte e na história do mundo contrastando com a sua evolução na era contemporânea. A liberdade de expressão comanda a mostra, mas sempre dentro de um uso correto de técnicas. “Sou muito rigorosa no que diz respeito à qualidade. Adesivos certos. Bases certas. Mosaicos para a eternidade”, defende a artista.

Em relação a Curitiba, Bea Pereira diz não ter dúvidas de que a cidade está se tornando um polo de mosaico, bastante significativo, com uma enorme variedade de estilos e de maneiras de fazer mosaico. “Anos atrás montamos uma associação de mosaicistas e, apesar da associação não existir mais, isso nos tornou mais próximos. Concorrentes sim, mas não rivais. Temos na cidade mosaicistas de muita personalidade. Vários ateliês estão ensinando a arte com técnicas que vão do vidro à mistura de mosaico e metal... nós do Depósito, que atuamos em várias direções, sempre em busca de um mosaico livre, artístico e criativo... enfim,  considero que Curitiba tem bons professores  e principalmente pessoas que querem aprimorar o mosaico. Há sim um longo caminho a trilhar, mas estamos no rumo certo. Penso que os arquitetos já podem projetar a arte musiva em seus edifícios, suas casas... bons profissionais não faltam”, conclui Bea.  
 
Mostra Morar Mais por Menos traz
o colorido e os efeitos das pastilhas
 
 

Criatividade e bom gosto são marcas do Banheiro Social, espaço assinado pela designer de interiores Lívia Guimarães na mostra Morar Mais por Menos 2011, em Curitiba.

 
  A cortina verde, em plantas naturais, se destaca e traz charme ao ambiente projetado para causar sensações de conforto e bem estar.

No mobiliário, peças restauradas e reaproveitadas fazem uma mescla bem sucedida entre o nostálgico e o moderno.

Com beleza e originalidade, o espaço traz pastilhas da Linha Gloss, da Pastilhart, com efeitos furta-cor que iluminam ainda mais o ambiente.

 

Anote:
Mostra Morar Mais por Menos “O chique que cabe no bolso”

Quando: de 6 de outubro a 15 de novembro
Onde: Rua Kellers, 520 – esquina com Rua Martim Afonso – bairro  São  Francisco – Curitiba, PR
Horários:
De terças a sextas- feiras: das 15h às 21h;
Sábados: das 14h às 21h;
Domingos e feriados: das 13h às 20h.
Ingressos: R$ 24,00
Maiores de 60 anos, estudantes e usuários de bicicleta pagam R$ 12,00.
Para assinantes da Gazeta do Povo o preço é de R$ 18,00.
 
Originalidade e respeito ambiental
marcam a mostra Morar Mais em Curitiba

A quinta edição da mostra Morar Mais por Menos “O chique que cabe no bolso” apresenta em Curitiba, neste 2011, 58 ambientes assinados por mais de 90 profissionais locais.

 

O evento, capitaneado pelos arquitetos Francisca Cury e Léo Pletz, mostra a que veio apresentando aos visitantes uma série de ideias que agregam beleza e sustentabilidade tanto na arquitetura quanto na decoração. Luminárias de garrafas recicladas, pastilhas a partir de garrafas PET, mesas que utilizam rodas como base, lonas de caminhão que viram painéis de fotos e pelotines de doces transformados em papéis de parede são alguns dos destaques.


Objetos de arte e uma luminára em vidro a partir da técnica de sopro, ao estilo de Murano, compõem a Sala de Jantar projetada por Thiago Florenzano
     

Percorrendo os espaços no bairro São Francisco, em Curitiba, os visitantes têm a oportunidade de encontrar soluções em paisagismo, ambientes comerciais e residenciais.

A novidade deste ano vai além da mostra. Para diminuir o impacto ambiental na cidade, quem visitar a Morar Mais usando uma bicicleta terá à disposição um bicicletário e pagará apenas a metade do valor da entrada. “É um estímulo a um transporte econômico, saudável e limpo”, apostam os arquitetos Francisca e Léo (foto ao lado).

 
Abaixo, à esquerda, pelotines se transformam em papel de parede no Estúdio Sustentável, de Vinícius Trevisan. Abaixo, à direita, mosaicos na parede e no piso dão requinte à Suíte da Empresária, de Mariluci Branbilla
 
 
 
A acessibilidade também foi valorizada. Elevadores especiais facilitam a locomoção de idosos e de pessoas com necessidades especiais.
 

Anote:
Mostra Morar Mais por Menos “O chique que cabe no bolso”

Quando: de 6 de outubro a 15 de novembro
Onde: Rua Kellers, 520 – esquina com Rua Martim Afonso – bairro  São  Francisco – Curitiba, PR
Horários:
De terças a sextas- feiras: das 15h às 21h;
Sábados: das 14h às 21h;
Domingos e feriados: das 13h às 20h.
Ingressos: R$ 24,00
Maiores de 60 anos, estudantes e usuários de bicicleta pagam R$ 12,00.
Para assinantes da Gazeta do Povo o preço é de R$ 18,00.

 
Professora da Orsoni, em Veneza, vem ao Brasil para ministrar cursos em Curitiba e São Paulo

A Ghellere Mosaicos, da mosaicista e empresária Renata Ghellere, recebe em Curitiba a professora Antonella Gallenda, mestra em mosaico da Orsoni, em Veneza, para cursos intensivos de três dias no Brasil.

Serão 21 horas de aulas, onde os alunos terão a oportunidade de manusear smalti de primeira linha e de aprender diferentes cortes usando o tagliolo e a martelina de acordo com um projeto de livre escolha. “O tema é aberto, só não será possível produzir retratos já que isso levaria duas semanas, a não ser que sejam no estilo bizantino. Desenhos, paisagens e reproduções de pinturas, quaisquer que sejam, são bem vindos”, adianta Renata.

  Renata Ghellere
 
A mosaicisca Renata Ghellere, pronta para receber a professora Antonella em Curitiba
   

Para facilitar e aproveitar melhor o tempo das aulas, Renata sugere que os alunos enviem, no momento da inscrição, a imagem do trabalho a ser realizado. “Isso permite uma previsão de cores e evita perda de tempo para a definição do projeto durante as aulas. Cada minuto é muito importante”, acrescenta. Os alunos devem comparecer ao curso com o projeto escolhido impresso no tamanho 30 x 40 cm.

Todo smalti utilizado está incluído no preço e será fornecido pela Trend, empresa italiana que comprou a Orsoni e que está no Brasil com o propósito de divulgar a marca em um showroom em São Paulo. “A tradição Orsoni continua. Lucio Orsoni trabalha na sede em Veneza onde Antonella Gallenda, que cresceu no ateliê e lá está desde a adolescência, é a responsável por ministrar as aulas de mosaico. A Trend, com a força de uma empresa conceituada, que possui inclusive showroom e fábrica na Flórida (USA), chegou para viabilizar encontros como esses prestes a acontecer aqui no Brasil”, diz  Renata.

Em Curitiba, os cursos estão marcados para os dias 7,8 e 9 de novembro (primeira turma) e 10,11 e 12 de novembro (segunda turma) no Ateliê Ghellere Mosaicos no Bairro Mercês. Em São Paulo as aulas acontecem nos dias 2, 3 e 4 de novembro no Ateliê da mosaicista Tânia de Kassya, no Ipiranga.

O valor é de 450 euros e há 3 formas de pagamento: cartão de crédito internacional (que só será debitado em 15 de outubro - data de confirmação do curso), depósito do valor total em conta direto para a Itália ou depósito para a empresa Ghellere Mosaicos, em Curitiba. Os que optarem pela Ghellere Mosaicos terão recibos com CNPJ da empresa. Caso o curso não venha a acontecer, por qualquer motivo, os valores serão devolvidos aos participantes.

Paleta de cores em smalti   Tagliolo e martelina
 
Os interessados em participar devem enviar e-mail para contato@ghelleremosaicos.com.br e solicitar a ficha de inscrição. A ficha deve ser preenchida, assinada e encaminhada para Liana Melchior , relações públicas da Orsoni, em Veneza. Se a opção de pagamento não for o cartão de crédito é preciso enviar também o comprovante de depósito em banco.

 

Anote:
O que:
Curso Orsoni.

Curitiba: Ghellere Mosaicos. Rua Visconde do Rio Branco, 449, Mercês - Curitiba - PR.
Quando: de 7 a 9 de novembro de 2011(primeira turma) e de 10 a 12 de novembro (segunda turma).
Informações: 41 3049 6318, com Renata Ghellere / contato@ghelleremosaicos.com.br.

São Paulo: Tânia de Kassya Arte em Mosaico. Rua Benito Fioreto, 106, Ipiranga - São Paulo - SP.
Quando: de 2 a 4 de novembro de 2011.
Informações: 11 35379702, com Tânia de Kassya / taniakassya@terra.com.br.

Tecnologia, modernidade e beleza
marcam os 18 anos da Casa Cor Paraná

Closet e Banheiro do Casal

  Marina Nessi

Ambiente de Elôa Pellizzari e Walkiria Nossol Lobo da Rosa (Closet e Banheiro do Casal). À direita, Marina Nessi, diretora da Casa Cor Paraná

A Casa Cor Paraná completou 18 anos, neste 2011, com o retorno a uma casa. A ideia da residência surgiu como uma volta à origem do evento. “Nos últimos anos demos visibilidade a espaços esquecidos. Revitalizamos e repaginamos o patrimônio arquitetônico da capital, mas a vontade de voltar a ocupar uma casa permanecia. O resultado não poderia ser melhor. A casa é no fundo, o velho sonho das pessoas. É atraente para o público e os arquitetos gostam de se expressar no espaço”, diz Marina Nessi, diretora da Casa Cor Paraná.

Lars Grael e a arquiteta Denise Moura


O medalhista olímpico Lars Grael prestigia o espaço da arquiteta Denise Moura (Info Casa Cor Paraná, à direita)


A iluminação, um dos destaques desta edição, fez da Casa Cor um evento que mereceu duas visitas. “A arquitetura da luz é fundamental para os jardins e para a arquitetura de interiores. O dia e a noite são dois momentos imperdíveis”, acrescenta Marina.

 
Zilda Fraletti e a arquiteta Daniela Sumida

À esquerda, a marchand e presidente do Núcleo Paranaense de Decoração, Zilda Fraletti, visita o Spa, espaço com aromas de O Boticário, assinado pela arquiteta Daniela Sumida de Albuquerque

Localizada no tradicional bairro Mossunguê em uma área de 10.000 m2 de um parque natural, em Curitiba, a residência escolhida trouxe propostas arrojadas com destaque para a tecnologia. Para atender a novos tempos foi construído um setor de gastronomia e festas que permitiu total interatividade. “A partir do primeiro traçado chamamos os profissionais e, todos os anos, eles viajam em criatividade. É fantástica a magia que acontece. Um espetáculo feito pelos valores locais. Arquitetos, paisagistas, designers... um trabalho que envolve mais de mil profissionais”, afirma.

Um dos homenageados, o velejador e medalhista olímpico Lars Grael, fez questão de conferir a abertura do evento e mostrou que além de conhecer tudo de navegação sabe muito sobre arquitetura e decoração. Em cada ambiente visitado, Grael fez comentários sobre os materiais utilizados e contou, esbanjando simpatia, histórias a respeito de grandes nomes da arquitetura mundial. Durante a visita, Grael foi acompanhado pela arquiteta Francielle Lucena que, além de assinar o Deck Lars Grael em homenagem ao velejador, foi também a responsável por todo o projeto de acessibilidade da Casa Cor Paraná. 



À esquerda, detalhe do ambiente A Loja da Casa, assinado por Raquel Frizzas com produtos Capim Limão. À direita, Deck Lars Grael, de Francielle Lucena


Maurujas de Mauro Dacol
Ele é irreverente, criativo e tem no mosaico mais que um hobby, uma expressão artística. O mosaicista Mauro Dacol apresentou de 3 a 17 de junho no Centro Cultural Guido Viaro, em Curitiba, a exposição “Maurujas”, uma coletânea de corujas em mosaico.

Mauro Dacol e uma de suas maurujas

  Mauruja


A atração pela ave vem de longe. Mauro é um colecionador de objetos decorativos em forma de corujas e os amigos, que conhecem sua paixão, sempre que viajam o presenteiam com corujas feitas de diversos materiais, cores e formas.

Da coleção pessoal, surgiu a ideia para a mostra e Mauro começou a produzir uma coruja após a outra com velocidade e inspiração. A maior atração das corujas em tesselas está no mistério do olhar das aves onde o artista traz soluções inusitadas transformando pratos e outros objetos em olhares de rapina.

 
Sociedade mobiliza sócios para o
plantio de 6 mil mudas de árvores

A Sociedade Thalia iniciou em maio de 2011, a recuperação ambiental da sua sede de campo, localizada em Balsa Nova, PR, a 38 quilômetros de Curitiba. Com a realização do Dia Verde, sócios e convidados plantaram 6 mil mudas de árvores nativas e frutíferas em substituição a espécies exóticas.

Para o presidente da Sociedade, Vilmar Schultz, a participação de mais de 300 pessoas, entre associados, integrantes de dois grupos de escoteiros e convidados foi um sucesso. “Seria muito mais fácil contratarmos uma empresa para fazer o plantio, mas nosso objetivo é maior. Queremos sensibilizar a comunidade e mobilizá-la para o uso dos espaços rurais de acordo com as melhores práticas ambientais”, disse.

Dia Verde, na verdade, é o nome do programa ambiental da Fazenda Thalia, de três anos de duração, que prevê além da recuperação da mata nativa, o correto manejo do solo e a adequada coleta e destinação do lixo e esgoto na propriedade. “O Dia Verde não termina aqui. Ao final de três anos, teremos 20 mil novas árvores”, conta.

  Escoteira planta árvore no Dia Verde da Sociedade Thalia

O presidente da Thalia, Vilmar Schultz entrega mudas

  Crianças participam do Dia Verde


Acima, o presidente da Thalia, Vilmar Schultz entrega mudas.
Nas demais fotos, momentos da plantação e a cascata, uma das atrações da Fazenda Thalia


Sócios da Thalia fazem plantação de árvores   Plantação de árvores


As mudas substituem um reflorestamento com pinus elliottii e vão recuperar a cobertura florestal
nativa e dar abrigo à fauna. “O pinus, como invasora, domina o espaço onde é plantado, impede o desenvolvimento de outras variedades vegetais e não abriga nenhum tipo de animal,
nem mesmo aves”, explica.

Vilmar destaca a presença de crianças no processo. “O que estamos fazendo aqui é para as
crianças de hoje e de amanhã. As crianças que vieram plantar as árvores guardarão essa experiência pra toda a vida e contarão para os seus filhos e netos que são amigas da natureza e que ajudaram a cuidar do planeta”, diz.


Mãe e filho plantam durante o Dia Verde

 
Cascata na Fazenda Thalia

O dirigente acrescenta que um dos objetivos do programa é transformar os 217 hectares da Fazenda Thalia em exemplo de uso de área rural com total respeito ao meio ambiente. “A destinação principal desta unidade é o lazer para o associado, mas com obediência às melhores práticas ambientais. Vamos trabalhar para que, com o tempo, outras instituições possam ver na experiência ambiental da Thalia, um exemplo a ser seguido”, completa.
 
Francesas conhecem o colorido
dos mosaicos do Brasil

O Depósito da Ordem ofereceu durante duas sextas-feiras, em Curitiba, aulas de iniciação ao mosaico para um grupo de mulheres francesas. Algumas estão há 8 anos no país outras há apenas 3 meses, mas o que une a equipe é a busca pela arte local. “Foi uma experiência encantadora. Elas são ótimas alunas e trazem da Europa a “fome” do conhecimento e o interesse artístico característicos de quem tem o Louvre como “quintal”. Elas cresceram com a arte, respiram a arte e valorizam tudo o que é belo e diferente”, diz Bea Pereira, artista e professora de mosaico do Depósito da Ordem.

Francesas fazem mosaico

Veronique, Nathalie, Anne, Emille, Nathalie, Christine, Bea Pereira, Annie e Sylvie

As alunas vieram de Lyon, Paris, Valence, Poitiers, Compiègne, Rouen e de outras regiões da França. O motivo da transferência ao Brasil foi a instalação de empresas francesas, mais precisamente em Curitiba e região, onde os maridos ocupam cargos. Em um novo país, uma nova cidade e muito ativas, elas fundaram há alguns anos  na capital do Paraná a Associação das Mulheres Francesas com aproximadamente  50 membros sendo que 40 vieram da França.

Francesas no Depósito da Ordem

Francesas fazem mosaico no Depósito da Ordem

Veronique M., presidente da Associação, diz que a primeira ideia foi apenas preencher o dia destas mulheres que chegavam com suas famílias em um lugar diferente onde nada conheciam, mas com o tempo a entidade passou a ter um papel importantíssimo. “A Associação permite a busca da cultura local. Fazemos cursos e viagens culturais e procuramos aprender tudo o que o Brasil oferece. O conhecimento e a convivência mantêm a Associação viva”, conclui Veronique.
 
Pastilhart e Cristalmix firmam parceria

A Pastilhart, empresa paranaense de revestimentos, acaba de selar parceria com a Cristalmix Mosaicos, grande distribuidora do setor em São Paulo.

 

Serão comercializadas três linhas da marca Pastilhart exclusivamente para redes de lojas e construtoras da capital paulista e interior. O centro de distribuição fica na cidade de Campinas e atenderá o mercado a pronta entrega.

As linhas distribuídas em São Paulo são as pastilhas de vidro pigmentadas, conhecidas como Oriental, as de vidro Crystal e seus mixes. Para início de divulgação e inserção na malha paulista  de arquitetura e construção estão sendo enviados ao novo centro de distribuição mais de 5 mil metros quadrados em pastilhas.

Para Fábio Pacheco, sócio proprietário da Pastilhart, a parceria com a Cristalmix garante um avanço junto ao mercado do sudeste e será uma alavanca para novos negócios além de divulgar a marca em todo o território nacional.


Tendência: pastilhas em cores quentes nas piscinas
 
Galeria de Nova York recebe artista de Curitiba

A designer Désirée Sessegolo, com  formação pela Universidade Federal do Paraná, é uma revelação quando o assunto é a arte em vidro. A artista está a caminho de Nova York, onde na Ward-Nasse Gallery, no artístico SoHo, foi convidada a mostrar o que sabe sobre fusing, técnica que derrete o vidro a altas temperaturas para transformá-lo em arte.

 
     

 

Désirée, que marcou presença no último Atelier Aberto do Parque São Lourenço, em Curitiba, descobriu a arte em vidro há apenas dois anos. Após receber as primeiras instruções da vidreira Loire Nissen, passou a estudar e a dedicar horas a fio ao vidro e suas mutações. O resultado foi um estilo próprio, o desenvolvimento de uma nova técnica em fusing e o reconhecimento, em 2009, no Salão Internacional de Artes Visuais, em São Paulo, onde recebeu o prêmio de 1º lugar em Escultura.

Ela conta que experimentos a levaram a uma nova maneira de esculpir o vidro. A nova técnica foi batizada pela artista de Vidro Celular. “O que seria um erro virou um estilo. A maneira que o vidro se transforma, em vazados, faz lembrar uma formação de células. É diferente, artístico e interessante”, comemora.

     

Anote:
Brazilian Artists in New York
Onde: Ward-Nasse Gallery – 178 Prince Street, New York, NY.
Quando: de 18 de dezembro de 2010 a 6 de janeiro de 2011.
Horários: Terça a Sábado, das 11 às 18h. Domingos
, das 13 às 18 h.

 
Feira internacional trouxe a arte de 15 países

A Art&Craft - Feira de Artesanato Internacional - apresentou em Curitiba a arte de 15 países e de 10 estados brasileiros. Nesta 2ª edição, foram mais de 60 expositores instalados no Centro de Exposições Cietep/Fiep.

  A delicadeza das joias em prata e madrepérolas do Peru, a arte de esculpir a Teka, madeira característica da  Tailândia, a graciosidade das Matryoshkas, bonecas russas que simbolizam a família e que, segundo a tradição, trazem sorte e proteção, o brilho dos tecidos do Paquistão, as luminárias em mosaico da Turquia e as joias em pedras de vários países produzidas por Cheeks Sene, artista de Senegal que atualmente mora na França, estiveram entre as atrações.
 
 
 
 
 
 
 
Além de arte em geral, a Art&Craft 2010 trouxe ainda sabores artesanais e oficinas nas áreas de feltro bordado, tear, biju em tecido e origami.

Parque São Lourenço
traz o 30º Atelier Aberto
O Centro de Criatividade do Parque São Lourenço recebeu, em Curitiba, o 30º Atelier Aberto. Neste 2010, foram 29 expositores no espaço que reuniu obras e objetos com conceito e arte.
 
  Pintura, cerâmica, recortes em papel, arte em vidro, mosaico, fotografias... estiveram entre as atrações da Mostra. “Nosso objetivo é sempre apresentar ao público o que há de melhor em Curitiba. A ligação com a arte é uma característica marcante do Parque São Lourenço”, enfatiza Marcelo Muzzillo, um dos organizadores.
Flores em cerâmica,
do artista Márcio Medeiros
 
 

Acima, Malu Scheleder e seus painéis em recortes. Abaixo, à esquerda, peças em vidro de Désirée Sessegolo. À direita, a moda em cerâmica de Ocléris Muzzillo

 
 
 
 
Detalhe de mesa em mosaico por Patrícia Ono e a camiseta-arte, de Lina Iara
 

Outros destaques foram as Oficinas da Hora, com artistas como Lina Iara (Painel Recortado), Luciana Miyashiro (Origami), Malu Scheleder (Recorte em Papel) e Rita Mattar (Contação de Histórias) e a exposição de 15 fotografias do Parque São Lourenço selecionadas para o 3º Concurso do Atelier Aberto.

 

Tribunal de Contas abre espaço
para o mosaico em vidro
A mosaicista Celina Lima e alunos convidados apresentaram a versatilidade do mosaico em vidro no hall de entrada do Tribunal de Contas, em Curitiba.

 

 

A mostra trouxe espelhos, mesas, vasos, painéis... feitos em mosaico a partir do vidro comum com pintura a frio. “Oferecemos peças com material reaproveitado. Além disso, a pintura a frio permite, através da mistura de cores, chegar a qualquer nuance desejada”, diz Celina.
 
Mostra traz a diversidade do Papier Mâché
O Depósito da Ordem apresenta, em Curitiba, a Mostra “Brincadeiras de Papier Mâché da Regina Facco”. A exposição traz esculturas, moda, painéis, acessórios ...feitos a partir do reaproveitamento de materiais, tendo sempre como base o papel.

 
Regina Facco e um de seus modelos em miniatura

A artista do  Rio Grande do Sul, radicada em Curitiba há mais de 20 anos, diz que a proposta é repensar o desperdício e reeducar o olhar para as inúmeras possibilidades  ao nosso  redor. “Meu compromisso é tentar, de uma maneira terna, desafogar o meio ambiente e o Papier Mâché possibilita isso . É  a transformação que produz o utilitário, o decorativo, o artístico”, diz Regina.

Para provar que o lixo de escritório, as sobras de jornal e outros materiais recicláveis podem ter um fim encantador, Regina usou seu conhecimento em moda, adquirido recentemente em um curso de estilismo, para produzir uma série de esculturas de vestidos, em miniatura, a partir de modelagens verdadeiras. “Adorei aprender sobre moda  para transferir esses conhecimentos ao Papier Mâché. Na arte tudo é permitido”, enfatiza.
 
 
 
 


A criatividade e a variedade de opções tem levado a artista a novos rumos . Em setembro de 2010, Regina Facco participou em Lille, norte da França, da exposição “Visões de um Brasil Desconhecido”. Além da delicadeza  dos trabalhos expostos, a artista usou na abertura da Mostra um vestido preto  totalmente produzido em Papier Mâchê. Sucesso absoluto no país berço desta forma de arte.

 


Acima, à direita, Regina, na abertura da exposição em Lille, na França, trajando vestido em
papier mâché. Á esquerda, Monica Lebois, Regina Facco e Cláudia Lorenzato, na abertura da
mostra no Depósito. Abaixo, outros flashes da exposição em Curitiba

 
 

A confecção de objetos em papel mascado ou amassado é milenar e teve origem na França . A história conta que, após a temporada de espetáculos nos teatros franceses, o papel dos cartazes passou a ser reaproveitado e transformado . Nascia a técnica de fazer arte com lixo e do lixo arte.

Anote:
Exposição: “Brincadeiras de Papier Mâché da Regina Facco”
Onde: Depósito da Ordem – Avenida Jaime Reis, 54, Curitiba, PR.
Quando: de 28 de novembro de 2010 a 6 de janeiro de 2011.
 
Uma viagem pelos mosaicos da Grécia e da Sicília

 

Se o simples fato de viajar já é prazeroso, imagine agregar a isso o contato com os maiores mosaicistas do mundo e passeios incluindo visitas a museus e sítios arqueológicos?

Foi com a proposta de dividir cenas raras e apresentar ao público a ligação do mosaico com a história do mundo que as mosaicistas Bea Pereira e Rosângela Gasparin marcaram presença na exposição Mosaico Curitibano com a palestra: “Uma Viagem Pelos Mosaicos da Grécia e da Sicília”.
A mostra no Museu Botânico, em Curitiba, organizada pelas mosaicistas Fernanda Czelujinski e Lirba Teixeira, reuniu mais de 80 trabalhos de 36 artistas com espaço para exposição, palestra, venda de peças e publicações de arte em mosaico.

No detalhe, mosaico do Monastério de Dafni (Século XI)
 
No final de semana que fechou a mostra as artistas Bea e Rosângela, convidadas pela organização, presentearam o público com imagens sobre o que viram na Grécia, país que este ano foi sede do Congresso Internacional de Mosaico Contemporâneo da AIMC, além de fotos captadas na Sicília, Itália. A apresentação mesclou mosaicos contemporâneos do Congresso com cenas de peças e ambientes históricos dos lugares visitados nos dois países.

 

 


Flash da palestra no Museu Botânico e, à direita, as artistas Rosângela Gasparin e Bea Pereira

 
  As imagens do Monastério de Dafni do século XI, abalado por um terremoto e em processo de restauração, encantaram a plateia que além de mosaicistas reuniu, no Museu Botânico, admiradores da arte.

As tesselas mínimas, o colorido do smalti, incluindo o ouro, e o capricho da instalação captadas nas imagens sugerem até a transparência da água representada nos mosaicos do Monastério. Para chegar à cúpula e ter o privilégio de ver as obras de perto foi preciso subir diversos lances de escada, mas as mosaicistas não mediram esforços para ver e tocar a história.

No detalhe, tesselas mínimas
dão expressão à obra

 

  A arte bizantina do Monastério de Osios  Lucas, os mosaicos Greco-Romanos do Museu Arqueológico de Patras, as ruínas de Delos, cidade de história economicamente poderosa a contar pelos imponentes mosaicos vistos no piso foram alguns dos lugares visitados na Grécia.


Delos: imponência dos pisos

Da viagem cultural à Sicilia, Itália, foram apresentadas cenas do brilho dos mosaicos da Catedral de Monreale, século XII,  que traz a Bíblia em quadrinhos retratada em tesselas. Outro destaque, da mesma época e  gênero, foram flashes da Capela Palatina.
 

O brilho da Catedral de Monreale, acima e abaixo à direita.
Abaixo, à esquerda, flash da Capela Palatina.

 
 
Além das cenas religiosas, Bea e Rosângela colheram na Sicília imagens da Villa Romana Del Casale, mansão de belas obras musivas onde os turistas atravessam uma plataforma suspensa para observar mosaicos históricos em excelente estado de conservação. O local, em restauro, será recoberto em vidro para garantir a preservação.

 

Mosaicos do Século III, D.C.,
na Villa Romana Del Casale.
Obras em restauro


   
Bea Pereira  e Rosângela Gasparin também  estiveram, neste 2010, entre as palestrantes do Congresso Internacional da AIMC que reuniu artistas do mundo em Atenas. O Paraná foi o único estado brasileiro a ter representantes no encontro. Todas as 18 brasileiras que estiveram no Congresso moram no estado que através de publicações, encontros e exposições vem tornando a arte musiva cada vez mais apreciada.

 
Jardim Botânico de Curitiba
recebe o colorido dos mosaicos
A 2ª Mostra Mosaico Curitibano apresentou, neste 2010, um passeio entre as mais variadas formas de criar e recriar com pequenos fragmentos. A exposição, no Jardim Botânico em Curitiba, contou com mais de 80 trabalhos de 36 artistas e consolidou a ampliação do espaço para a arte musiva na capital do Paraná.

 

As mosaicistas Fernanda Czelujinski e Lirba Teixeira, organizadoras da Mostra.
 
As mosaicistas Fernanda Czelujinski e Lirba Teixeira organizaram a mostra que este ano teve como característica marcante a diversidade dos materiais e das formas. “Procuramos obras de qualidade em estilos variados. O resultado foi esse. Há trabalhos em vidro, smalti, pastilhas, cerâmica, pedras... Uma prova que o mosaico é uma arte de possibilidades”, diz Fernanda. Para Lirba Teixeira reunir peças de diferentes estilos enriquece a mostra. “Estamos felizes com o resultado e neste 2010, além da exposição, abrimos espaço para a venda de peças. É mais uma conquista”, comemora.
 
 


À esquerda, as mosaicistas Vera Romano Salgado e Bea Pereira com Ângela Galerani
A coordenadora de eventos do Museu Botânico, Ângela Galerani, afirma que é uma satisfação receber artistas da arte musiva. “Todos ficam encantados. Os visitantes param para apreciar as cores, as formas... Mosaico é a arte dos detalhes”, diz.


 


Acima, a artista Celita Alberti dos Santos e seu mais recente trabalho.

Ao lado, flash da abertura da exposição. As mosaicistas Celina Lima, Audrey Koppe e Nyncia Torres

Paralelamente ao evento, as artistas Bea Pereira e Rosângela Gasparin apresentaram uma sessão de fotos sobre o 12º Congresso Internacional de Mosaico Contemporâneo realizado em outubro, na Grécia, além de imagens de mosaicos captadas em viagem à Sicília, Itália.
 
 
Vidreiros levam arte à
II Feira Internacional do Vidro

Cuba de Loire Nissen

 

Vidreiros de Curitiba, São Paulo e Goiânia marcaram presença na II Feira Internacional do Vidro – Vitech, realizada em outubro de 2010 no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo, com promoção da revista O Vidraceiro.

O evento ficou marcado pela forte atuação dos artistas do vidro na produção de peças para aplicação em projetos de decoração e design de ambientes.


Cuba do Ateliê Artes do Fogo

Cubas produzidas pelas curitibanas Loire Nissen (acima) e Luci Lamar Perly Regis, da Arte Ilimitada (ao lado). Abaixo, prato decorativo do Ateliê Benini, de São Paulo

Prato decorativo do Ateliê Benini
 
Bijouterias em vidro, de Maurizio Zumbo   Relógio em vidro, por Selene Calafange
 
Acima: à esquerda, bijouterias do italiano Maurizio Zumbo, radicado em Goiânia e, à direita, detalhe de relógio com mostrador em vidro, de Selene Calafange, de Curitiba
 
  Garrafas derretidas viram relógios
 
Luminária de Loire Nissen  

Acima: à esquerda, peças de Queenie Filetti e Cristina Pacheco, de São Paulo. À direita os relógios em garrafas derretidas, do Ateliê Souferenc, de Curitiba.
À esquerda, luminária de Loire Nissen.

Abaixo, vidreiros com Eduardo Saraiva (de camisa vermelha), diretor da Vitech e da revista O Vidraceiro



Para 2011, os vidreiros já confirmaram participação nas duas edições da Fenavid, em Florianópolis, de 23 a 25 de junho, e em Goiânia, de 14 a 16 de outubro.

"A participação em eventos de grande porte reforça a importância do segmento e, ao mesmo tempo, amplia o conhecimento do mercado sobre a arte do vidro", diz a vidreira curitibana Loire Nissen.
 
Morar Mais por Menos:criatividade e estilo

 


Estar da Lareira, ambiente projetado por Vinícius Trevisan,
traz parede revestida com sobras de madeira.
Ao fundo, revestimento com coadores de café envernizados sustentam a folhagem


 
Os arquitetos Léo Pletz
e Francisca Cury,
organizadores da Mostra
em Curitiba



Acima, Jardim do Bosque, de Dimilson Bentz
e Vanessa Niczay. Abaixo, Vestir e Banho do Jovem,
de Zeh Pantarolli. Escadas restauradas sustentam
prateleiras do armário


 

Mesas em couro, a partir do reaproveitamento de cintos, coadores de café usados viram revestimento de parede, canudos de papel formam esculturas, corpetes femininos se transformam em abajur... a quarta edição da Mostra Morar Mais por Menos “O chique que cabe no bolso” apresentou em Curitiba, neste 2010, muita criatividade e consolidou o conceito que mescla ambientes acessíveis e  sofisticação. O evento levou, mais uma vez, à preocupação com o meio ambiente  e trouxe inovações tecnológicas tanto na maneira de construir quanto nos acabamentos.

Os arquitetos, Francisca Cury e Léo Pletz, licenciados da Mostra em Curitiba, reuniram para o evento 77 profissionais responsáveis por 54 ambientes. “Entre mais de 70 profissionais, 50 participaram pela primeira vez de uma mostra de decoração. É uma nova geração que Curitiba passa a conhecer a partir da Morar Mais”, diz Francisca.

Para Léo Pletz um dos diferenciais foi a exposição dos preços para que os visitantes soubessem exatamente o valor das peças nos espaços. Outra novidade foi o Mundo Cão, ambiente projetado por Diego Miranda e Samara Barbosa. Os visitantes que foram à Morar Mais, com animais de pequeno porte, puderam deixá-los em local especialmente projetado enquanto visitavam a Mostra.

A Casa escolhida para abrigar a Morar Mais por Menos, neste 2010, ocupou uma área de 3.500 m2 sendo 1.400 m2 de área construída no Condomínio Grünewald, bairro Bigorrilho.

  Fotos:
Fábio Floriano e Marcelo Stammer
 
Rio Mosaico chega a 6ª edição

Após movimentar o Forte de Copacabana, a sexta edição da Rio Mosaico chegou ao Espaço Cultural Cedim Heloneida Studart, no Rio de Janeiro. A mostra apresentou 23 expositores ligados ao movimento que tem por objetivo inserir a arte musiva no contexto artístico nacional.

Mosaico de Iza Maria

 

Mosaico de Márcia Affonso ( Rio Mosaico 2010)


A homenageada da Edição foi a própria Rio Mosaico que ao longo dos anos vem divulgando a arte musiva no Brasil e no exterior.

A mostra, coordenada pelos artistas Marcelo Teixeira e Flórida Rodrigues, trouxe, neste 2010, palestras e workshops abertos ao público.


Acima, painel "Máscaras Teatrais", de Iza Maria.
À direita, "Baianas", de Márcia Affonso


A arte invade os jardins

Lina Iara, Renê Tomczak, Emília Wanda, Malu  Scheleder e Beatriz Rohrig apresentaram a exposição “Jardim in foco”. A mostra no Jardim Botânico, em Curitiba, trouxe diversidade de técnicas e a visão de cada artista sobre o tema.


Acima, à esquerda, obra de Lina Iara. À direita, o pássaro de Emília Wanda


 


O Jardim Botânico de Curitiba, na visão de Renê Tomczak.
À direita, recorte de Malu Scheleder e, a
baixo, as flores de Beatriz Rohrig

Em suas pinturas, desenhos, recortes... o grupo mostrou a exuberância das cores e a beleza do contraste em preto e branco. “São os jardins vistos de várias maneiras”, diz a artista Emília Wanda, observadora dos passarinhos que freqüentam os quintais. Ela conta que para montar a exposição o grupo percorreu Curitiba em busca de belos espaços. Quando descobriam o lugar ideal, o próximo passo era pedir autorização para a invasão das artes. Os cinco artistas com seus cavaletes, tintas, pincéis, grafites...  passavam então o dia no quintal escolhido e ali nasciam os quadros que hoje da mostra.

Para Lina Iara, artista paranaense conceituada por suas obras que apresentam o universo feminino, trabalhar com o tema jardins soou como um desafio. Para quem visitou a exposição, ficou claro que,  além das mulheres e seus sapatos (em referência à última exposição de Lina), também os talentos da artista são múltiplos. “Nunca havia feito este tema. Quando recebi o convite de Malu Scheleder para fazer parte do projeto confesso ter sentido um frio na barriga, mas gostei da novidade e estou muito satisfeita com o resultado”, conta Lina.

 
Renê Tomczak diz que a exposição resgatou os antigos quintais, a produção no próprio local e o tempo para observar. “Como um pintor de paisagens encaro tudo como um grande jardim. Gosto de trabalhar no local, ver de perto e explorar as belezas escondidas”, enfatiza.


Da esquerda para a direita: Emília Wanda, Renê Tomczak e Lina Iara
 
Mosaico na Rede Magazine chega a Atenas
A mosaicista Bea Pereira entregou, em Atenas, exemplares de Mosaico na Rede Magazine para as artistas Sonia King (ao lado), dos Estados Unidos, e Edda Mally (abaixo), da Áustria. As três estão entre os destaques da primeira revista sobre arte em mosaico do Brasil.

Na publicação, Bea Pereira assina a capa com a produção de um tucano, tema típico do Brasil. A artista ousa nos materiais ao misturar smalti italiano com pedras brasileiras. Sonia King, uma das mais conceituadas mosaicistas do mundo, apresenta na revista o mosaico voltado para arte e arquitetura. Edda Mally é uma das convidadas da Galeria da revista com o trabalho "Tango Argentino", mosaico contemporâneo que traz o vigor das cores em uma composição de vanguarda.

O encontro das mosaicistas foi durante o Congresso Internacional de Mosaico Contemporâneo, da AIMC - Associazione Internazionale Mosaicisti Contemporanei, que este ano aconteceu na Grécia.

  As mosaicistas Bea Pereira e Sonia King

As mosaicistas Bea Pereira e Edda Mally
Mosaicistas do mundo se encontram na Grécia

A AIMC (Associazione Internazionale Mosaicisti Contemporanei) realizou de 1º a 4 de outubro mais um Congresso Internacional de Mosaico Contemporâneo. Atenas foi o cenário onde artistas de diversos países estiveram reunidos. A troca de ideias entre os mosaicistas, palestras e discussões sobre mosaico, suas aplicações, novas descobertas nos sítios arqueológicos, escolas e apresentação de arte em mosaico contemporâneo foram as atrações.

Após o Congresso os participantes fazem agora, de 5 a 9 de outubro, uma excursão pelos locais mais interessantes do país onde a arte musiva pode ser apreciada, além de visitas a destacadíssimos sítios arqueológicos.

De Curitiba caravanas de artistas de dois ateliês - Depósito da Ordem e Celina Lima Mosaicos participaram do Congresso que este ano trouxe como tema O Encontro de Mosaicos Antigos e Contemporâneos. As mosaicistas brasileiras Bea Pereira, do Depósito da Ordem - Curitiba (PR), e Rosângela Gasparin, de Colombo (PR), marcaram presença como palestrantes do evento e como representantes da arte no Brasil. O tema da palestra de Bea Pereira foi “My Mosaic School in Curitiba, Brazil. Rosângela Gasparin apresentou “Confessions of a Mosaic’s Lover”.

  Mosaico de Bea Pereira

Mosaico de Bea Pereira, apresentado no Congresso e capa de Mosaico na Rede Magazine


Mosaicos de Celita Alberti e Cláudia Lorenzato

 
Mosaicos apresentados no Congresso de Atenas:
à esquerda, Descanso sob a Roseira, de Celita Alberti dos Santos, releitura da obra de
Raquel Taraborelli. À direita,
obra de Claudia Lorenzato,
versão em mosaico de Antropofagia, de Tarsila
do Amaral.


Mosaicos de Rosângela Gasparin e Mônica Lebois
 


À esquerda, A Árvore da Família,
de Rosangela Gasparin.
À direita, The Join of Nature,
mosaico de Mônica Lebois.


Bea Pereira levou na bagagem Mosaico na Rede Magazine, a primeira revista impressa sobre arte em mosaico totalmente produzida no Brasil. Como artista convidada para a execução da capa, Bea apresentou a publicação aos mosaicistas do mundo. Para que todos fiquem por dentro de tudo o que acontece em Atenas Bea lançou o Blog  www.beapereira.blogspot.com. Além disso, a jornalista Luisa Melara acompanha os passos dos artistas e manterá contato direto com a nossa revista. Fique ligado e navegue conosco. Mosaico na Rede é a tessela que faltava!
 
     
Lançada em Curitiba a primeira revista
sobre arte em mosaico do Brasil

Lançamento de Mosaico na Rede Magazine

  Magaly Floriano, no lançamento de Mosaico na Rede Magalzine


Curitiba sai na frente e lança a primeira revista sobre arte em mosaico do Brasil. Fartamente ilustrada, Mosaico na Rede Magazine apresenta a essência do mosaico em diversas escolas, o talento de mosaicistas do Brasil e do mundo, a diversidade das cores e a versatilidade dos materiais quando o assunto é o mosaico voltado para arte e decoração. O mosaico na capa, que traz brasilidade no tema, é de autoria da artista Bea Pereira. O lançamento, em 17 de setembro de 2010 no Depósito da Ordem, reuniu artistas, profissionais liberais, jornalistas e apreciadores da arte.

Bea Pereira, Letícia Melara e Magaly Floriano   Rosy Espírito Santo

A artista Bea Pereira, a empresária Letícia Melara e a jornalista Magaly Floriano. À direita, a mosaicista Rosy Espírito Santo comemora sua participação na revista

O anuário bilíngue, inglês e português, traz reportagens, flashes da história, entrevistas, perfis de artistas e uma galeria de mosaicos em uma ampla e refinada apresentação que mostra como essa técnica milenar vem conquistando espaço nos dias atuais.

Grupo de mosaicistas   Loire Nissen e Magaly Floriano
Grupo de mosaicistas entrega buquê de flores. Da esquerda para a direita, Denise Marcelino, Adélia Ioshii, Dorotéa Archegas, Magaly Floriano, Catia Scher, Maria Luiza Amatuzzi, Rozelia Moraes Bueno e Silma Busato.À direita, a vidreira Loire Nissen com Magaly Floriano

O anuário impresso chega para comemorar o primeiro aniversário do site www.mosaiconarede.com.br, projeto cultural que nasceu em 2009 e que a cada dia ganha novos adeptos. “Através da revista eletrônica conheci talentosos artistas de todo o mundo. O anuário é uma consequência deste contato que mantenho através do site. Fiquei encantada com o que vi e quero dividir minhas descobertas, mostrar a importância do mosaico como arte que documenta a história do mundo em pequenos fragmentos, além de apresentar as mais diversas possibilidades de sua aplicação. É uma arte colorida, encantadora e surpreendente”, diz Magaly Floriano, editora da revista.

Renata Ghellere, Magaly Floriano e Cintia Cimbaluk   Marco Cassou e Maglay Floriano

Magaly Floriano com as mosaicistas Renata Ghellere e Cintia Cimbaluk.
À direita com o médico e mosaicista Marco Cassou


Magaly Floriano e Claudete Araújo   Magaly Floriano e Vera Romano Salgado
Magaly com a mosaicista Claudete Araújo e com a dentista e mosaicista Vera Romano Salgado

Os artistas Patrícia Ono, Fernanda Czelujinski e Fernando Varella   Magaly Floriano e Mônica Lebois
Os artistas Patrícia Ono, Fernanda Czelujinski e Fernando Varella. À direita, Magaly e Mõnica Lebois

Os jornalistas Magaly Floriano, Nelson Martins e Sônia Maschke, a relações públicas Lucélia Auríquio e a publicitária Roberta Storelli   O cartunista Ademir Paixão e Magaly Floriano
Magaly, com os jornalistas Nelson Martins e Sônia Maschke, a relações públicas Lucélia Auríquio e a publicitária Roberta Storelli. À direita, com o cartunista Ademir Paixão

Mosaico na Rede Magazine é um documento imperdível e inspirador para artistas, curadores, arquitetos, designers de ambientes, colecionadores, educadores, estudantes de arte e para os milhares de profissionais que se dedicam ao mosaico por hobby.


Anote:
À venda no Depósito da Ordem
(
Rua Jaime Reis, 54, Alto São Francisco, Curitiba, Paraná – 41 32238999).
Em breve nos demais ateliês de Curitiba, nas bancas e no site www.mosaiconarede.com.br

Fotos: Anderson Borges


Lançada em Curitiba 4ª edição
da mostra Morar Mais por Menos

Os Arquitetos Francisca Cury e Léo Pletz, licenciados da mostra Morar Mais, receberam em café da manhã , no último 20 de julho, parceiros, fornecedores, jornalistas e profissionais de arquitetura e interiores para o lançamento oficial da quarta edição da mostra em Curitiba. Sandro Schuback, diretor comercial da marca no Brasil, esteve presente no evento que marcou o início das obras no bairro Bigorrilho.


   
Francisca Cury e Leo Pletz Sandro Schuback


Os arquitetos Francisca Cury e Léo Pletz. À direita, Sandro Schuback,
diretor comercial da marca Morar Mais por Menos

 

A ampla casa de janelas em arco no Condomínio Güinewald  vai abrigar 60 ambientes com o conceito “O chique que cabe no bolso”. Mais uma vez a sustentabilidade dá o tom à mostra. “Os arquitetos são convidados a apresentar ao público que é possível morar com conforto, economia e que existem produtos de tecnologia sustentável com preços acessíveis”, diz a arquiteta Francisca Cury. Ela acrescenta que além de trazer beleza e criatividade, o grande diferencial da mostra é oferecer às pessoas a noção exata de valores. “Em todos os ambientes os preços estarão expostos e os visitantes poderão trocar ideias com os arquitetos para conhecer detalhes. É a transparência no sentido de mostrar quanto as coisas custam”, enfatiza a arquiteta.

Sandro Schuback, diretor comercial e de licenciamento da marca, diz que a aceitação do evento é cada vez maior em Curitiba. “Temos o talento do arquiteto curitibano e organizadores locais muito competentes. A soma desses fatores garantem o sucesso”, diz Sandro.

A mostra de arquitetura e decoração Morar Mais surgiu no Rio de janeiro em 2004 e hoje está presente em nove capitais do Brasil. Em 2011 a cidade de Fortaleza terá o primeiro evento da mostra. “Nossa intenção é expandir cada vez mais”, afirma Sandro. Ele conta que a idealizadora do evento em expansão foi Sabrina Schuback, sua irmã. “A ideia surgiu de uma necessidade real quando Sabrina, recém casada, decidiu decorar o seu apartamento. Visitando eventos notou que os espaços eram muito caros e fora da realidade dos padrões brasileiros. Assim  têve a ideia de criar uma mostra que aliasse espaços chiques, sofisticados, com muita criatividade e preços acessíveis. E o sucesso está aí. Cada vez maior”, avalia.

   
 

As arquitetas Liliane Fadoni, Juliana Lahóz e Patricia Vertuan. À direita, a arquiteta Rose Guazzi

  Anote:
Morar Mais por Menos – O chique que cabe no bolso
Quando: de 27 de outubro a 28 de novembro
Onde: Rua Dr. Álvaro de Albuquerque, 11 – Bigorrilho – Curitiba – Paraná.
   
  Construtora lança nova edição
de sua publicação anual
 

A Construtora Baggio, especializada em projetos  residenciais e comerciais, acaba de lançar a 11ª edição de sua revista. O anuário traz dicas e informações para  quem procura  projetos personalizados na hora de construir, além de abordar novidades nas áreas de cultura e gastronomia. O lançamento em coquetel na loja Artefacto, em Curitiba, reuniu amigos, grandes nomes da arquitetura e construção, além de clientes e fornecedores da Baggio.

  Davi Bastos, Blanca Baggio e Boris Tkotz
 
   
 

O gerente de Projetos e Personalização da Construtora Baggio, Davi Bastos, a diretora comercial da empresa, Blanca Baggio, e o arquiteto Boris Tkotz, em foto de Gerson Lima

A variedade de temas dá o tom à publicação. A revista conta com dois importantes profissionais da arquitetura para discutir o urbanismo de Curitiba: Manoel Coelho e Jorge Wilheim. Em sustentabilidade quem dá o toque à construção verde é o engenheiro José Luiz Campanholo, diretor técnico da Baggio. Na seção design, o destaque é o trabalho do arquiteto finlandês Eero Saarinen, que neste  2010 completaria 100 anos.

Em leitura agradável, com conteúdo e elegância, a revista defende ainda a criação de espaços culturais com a finalidade de recuperar áreas degradadas e traz  boas dicas de bebidas e estilos culinários presentes nas cidades onde a Baggio atua: Curitiba,Londrina, São Paulo, Campinas e Bauru.

   
  Casa Cor: ousadia nos detalhes
 

 


 

Acima, vista geral do ambiente. À direita, Marina Nessi, Diretora da Casa Cor Paraná
entre os profissionais Daniel Casagrande e Luiz Maganhoto


 

Brilho e sofisticação definem o Quarto do Moço, ambiente assinado na Casa Cor Paraná 2010 por Luiz Maganhoto, arquiteto, em parceria com o designer de interiores Daniel Casagrande. “Procuramos atender o perfil requintado de quem viaja o mundo e conhece design. O espaço mostra tendências a um público que sabe o que quer e exige projetos personalizados”, defende Casagrande.

O carnaval, representado em máscara veneziana, e um mosaico de fotos marcam o ambiente criado para quebrar paradigmas. A cama em curvatura, a mesa de estudos em cristal e o sensor em LED, que ilumina o porta-joias em acrílico, remetem ao moderno e garantem personalidade. “É a integração perfeita entre arquitetura e design em curvas e formas”, revelam os profissionais.

O conceito de sustentabilidade no espaço está em madeiras recicladas, pinturas à base d’água, tecidos e peles sintéticas.

 

Fotos: Anderson Kochinski e Divulgação

   
  Veneza inspira mosaico na Casa Cor
 

O encanto da mais romântica cidade da Itália está no ar. A Suíte Veneza, ambiente projetado por Carla Heller e Roberta Ribeiro na Casa Cor Paraná, traz nos detalhes a magia que a cidade desperta.

O carnaval de Veneza é lembrado na decoração e o revestimento, no banheiro da Suíte, traz uma composição em mosaico inspirada, segundo as arquitetas, no Palazzo Ducale da Piazza San Marco. A produção do mosaico leva a assinatura da mosaicista Celina Lima e foi realizada com peças da Mazza Cerâmicas de São Paulo, representada Pastilhart.

Para Carla Heller, a mistura de estilos deu o toque elegante que a cidade de Veneza inspira. “Procuramos trazer à estrutura um ar rústico que pode ser visto no piso e nas paredes associado a um mobiliário contemporâneo. As figuras tradicionais do carnaval de Veneza não poderiam faltar e aparecem, de maneira muito leve e sem carregar, em detalhes da decoração, inclusive, na plotagem dos tecidos”, diz a arquiteta.

 
  Detalhe em mosaico, na parede do banheiro.
   
   
 


Acima, vista geral da suite e as arquitetas
Roberta Ribeiro e Carla Helle
r.
Ao lado, máscara decorativa

 
  Fotos:
Anderson Kochinski
e Rodrigo Ramire
z
 


  Lounge Balaroti: beleza e sustentabilidade
 

  O espaço é aconchegante, à frente de seu tempo e mostra que o reaproveitamento de materiais agrega valores. “A ideia foi criar um ambiente com a máxima utilização de materiais ligados a sustentabilidade. O reaproveitamento de madeira e pedras, que compõem os paineis, demonstram essa preocupação. Eram materiais que iriam para o lixo e que hoje, reaproveitados, oferecem elegância sustentável”, diz o arquiteto Maximiliano Scandelari que assina na Casa Cor  Paraná 2010 o Lounge Balaroti.
 


 

 



 

A iluminação em LED, novidade que o Balaroti traz a Curitiba, é outro destaque do ambiente de 63m2. A luz, além de garantir economia, remete ao moderno no espaço criado, segundo o arquiteto, para relaxar e ao mesmo tempo fazer negócios.

Além de madeira, pedras e iluminação especial , porcelanato, gesso, tecidos e móveis com madeira de procedência certificada compõem o Lounge. “Um ambiente concebido para ser de vanguarda tanto nos detalhes de revestimentos, quanto na pureza das formas. Queremos transmitir uma imagem agradável e limpa”, define Scandelari, o arquiteto que estreia em alto estilo na Casa Cor Paraná.

 

Fotos: Anderson Kochinski e Divulgação

   
  Modernidade e estilo em espaço lúdico
  O estilo moderno e ousado de Rafael Carvalho é um dos destaques da Casa Cor Paraná 2010. Nesta edição, o arquiteto assina o Face Paint, ambiente infantil que traz o conforto que as crianças buscam na hora de assistir ao filme favorito. Uma programação de pintura no rosto das crianças garante interatividade ao espaço. “Um ambiente divertido e lúdico”, define Rafael.

 
 

   
 


Acima, o espaço infantil Face Paint, da Casa Cor 2010. Abaixo, Lounge BMW,
do Crystal Fashion Week: criações do arquiteto Rafael Carvalho


 
 

Criatividade e bom gosto são marcas do arquiteto que tem como características integrar e agregar  valores em seus projetos. Em abril, marcou presença no Crystal Fashion Week, em Curitiba, ao projetar o Lounge BMW. Modernidade em ambiente clean com toques de classe deram o tom. “Uma arquitetura pura e branca com detalhes arrojados”, sintetiza.

Em 2009, Rafael Carvalho assinou na Casa Cor, também em parceria com a BMW, a Garagem Club, o maior ambiente da mostra anterior. Em 140m2, ampliou a convivência do espaço ao integrar garagem, sala de jogos e estar.

   
 



Fotos: Anderson Kochinski, Carolina Saggiomo e Angela Souza

 
  Green Bar: natureza e requinte na Casa Cor  
 

 

Imagine caminhar por um corredor onde a natureza envolve quem passa? Esse é o caminho que leva ao ambiente requintado e aconchegante assinado pelo arquiteto Jayme Bernardo na Casa Cor 2010.

A Varanda: Green Bar integra natureza e descontração em 270 m2. “A ideia foi fazer um ambiente totalmente sustentável com muito verde, materiais naturais, madeira reciclada, tecido de algodão e o máximo de iluminação natural. Um espaço ecologicamente correto”, explica o arquiteto.

 
   
 

Entrada da Varanda: Green Bar e o arquiteto Jayme Bernardo

 
  As pastilhas retangulares de vidro em tom verde, que compõem o ambiente, são lançamento da Pastilhart, patrocinadora do espaço. O piso é outra novidade. Jayme Bernardo explica que eram cerâmicas utilizadas apenas em paredes e que, com uma queima a mais, ganharam resistência.

Bancos de tora, deck em madeira e revestimentos em madeira de reflorestamento são outros destaques.

 
 

 
     
 

Detalhes da varanda. À direita, peça do artista Fernando Velloso, de Belo Horizonte

Fotos: Anderson Kochinski e Divulgação

 
 

 

 
  Morar Verde dá o tom à Casa Cor Paraná  
 

 
 
 
 

A Casa Cor Paraná 2010  impressiona logo na entrada. O Pórtico e Praça, com a assinatura de Wilson Pinto, leva os visitantes a um espaço mágico que acalma em todos os sentidos. A capela, os sons, os aromas e o que há para ser visto dispensam palavras. “A intenção é dar boas vindas aos visitantes. Queremos passar leveza e tecnologia com paredes que literalmente flutuam”, diz o arquiteto, urbanista, paisagista e artista plástico que explora a sensibilidade e garante astral a quem chega.

   
  Marina Nessi e o arquiteto Wilson Pinto  
 
 
 
     
  Acima, panorâmica do Pórtico de entrada,
com espelho d'água, passarela,
elementos artísticos e efeitos luminosos.

Ao lado, Zilda Fraletti,
presidente do Núcleo Paranaense
de Decoração, prestigia
o espaço de Wilson Pinto.

Abaixo, imagens da Capela

 
       
     
 
 
 

Em sua 17ª edição, a Mostra traz ao bairro Ecoville, região verde e nobre de Curitiba,  67 ambientes que envolvem mais de 100 profissionais em projetos arrojados e inovadores. São 8 mil m2 , sendo 3.875 m2 de área já existente e outros 500 m2 construídos para o evento. Neste 2010, o tema é Sua Casa, Sua Vida Mais Sustentável e Feliz o que confirma o compromisso com o Meio Ambiente. “Há 30 anos, quando Jaime Lerner abriu as ruas, alguns achavam loucura trazer a cidade pra cá. Vejam no que Ecoville se transformou. Uma área nobre que a cada dia atrai mais empreendimentos”, enfatiza Marina Nessi, diretora da Casa Cor Paraná.

Os ambientes da nova edição foram montados na Casa de Retiros Mossunguê, propriedade da Cúria Metropolitana com 130 mil m2 de área verde dentro da cidade. Nas áreas externas é possível avistar, a poucos passos, aves de estimação e outras, mais ariscas, como garças em vôos rasantes. Uma horta, que proporciona cores e sabores variados, compõe a paisagem bucólica. “Encontramos neste imóvel grande vocação para falar nos aspectos que Curitiba tem tão forte e que são reconhecidos em todo o mundo: a relação maravilhosa das pessoas com a cidade e o respeito à natureza”, diz Marina.

 
     
    A Mostra inclui áreas residenciais, institucionais e corporativas, uma hospedaria, que ressalta o turismo em homenagem aos cinco continentes participantes da Copa do Mundo, além de espaços voltados à gastronomia, lazer, entretenimento, cultura e área especial interativa ao público infantil.
Outro diferencial é o programa de acessibilidade que garante espaço aos deficientes físicos. “A Lei ainda não nos obriga, mas consideramos que garantir esse espaço é uma exigência ética. Três elevadores tornam o evento 100% acessível”, conta a diretora.
 
 


No ano em que se comemora o Cinqüentenário de Brasília, a Mostra, em todos os eventos no país, presta homenagem ao arquiteto e urbanista Lúcio Costa, autor do traçado original da capital do Brasil.

A Casa Cor é a maior exposição brasileira de arquitetura e decoração. Nasceu em São Paulo, em 1987, e funciona sob o sistema de franchising em 17 capitais brasileiras e também no exterior (Peru e Panamá).

 
  Fotos: Anderson Kochinski e Divulgação  
     
  Feira trouxe diversidade
cultural ao Parque Barigüi
 
 

Quem foi ao Centro de Exposições do Parque Barigüi, neste maio de 2010 em Curitiba, conferiu a 24ª Feiarte – Feira Internacional de Artesanato que reuniu 21 países e 15 estados brasileiros.

 
     
     
  A criatividade na utilização do capim dourado, matéria prima de Tocantins, a arte em filigrama, fios em prata torcidos a mão importados da Ilha de Java, o entalhe da República do Congo, artigos indianos e egípcios com destaque para as luminárias, a arte em vidro reciclado dos Vidreiros de Curitiba, objetos em prata com apliques em pedras do Peru e peças de arte em alumínio batido estiveram entre os 208 expositores da feira. “A inovação da Feiarte é que a partir desta edição teremos sempre um país e um estado homenageados. Em Curitiba receberam a homenagem o Uruguai e o estado de Pernambuco”, conta Márcia Bina (foto), Gerente de Marketing da Diretriz, empresa organizadora.
   
     
     
 


Do Uruguai, país homenageado, foram destaques a tecelagem artesanal, peças semipreciosas, artigos em ferro, em lã.... De Pernambuco, tecidos feitos a mão, tapetes, cerâmicas e peças em patchwork estiveram entre as atrações.

 
     
 
Os empresários Fábio Sin e Thomas Clementz, responsáveis pelo estande da Bali Dreams
 
 
Objeto decorativo e joias em filigramas: fios de prata torcidos
a mão, produzidos em Yogyakarta, Ilha de Java
 
   
     
 

   
 


Acima, o alumínio batido de
Reiner Wolff, artista alemão radicado no Brasil

 

 
  Ao lado, mandala do estande Artesanatos do Mundo  
     
 

 

 
 


Prato em fusing da Souferenc, de Curitiba

 
Luminária em mosaico, da Índia
 
 


Além de objetos de decoração, a Feiarte trouxe sabores, peças do vestuário, joias, bijuterias e acessórios que causaram encantamento pela diversidade e pela oportunidade de intercâmbio cultural, seja nas matérias primas utilizadas ou nas ideias dos designers. Outras atrações deste 2010 foram apresentações de danças folclóricas, oficinas gratuitas de artesanato e o Cinemagia 3D, cinema itinerante com mensagens ecológicas.

De Curitiba, a Feiarte segue para o Rio Grande do Sul onde a mostra está marcada para junho.


 
  Mosaico em pedras,
espelho e canutilhos,
de Andressa Carvalho
 
     
 

Fotos de Fábio Floriano

 
 

 

 
  Exposição de mosaicos apresentou
o esmalte italiano em Curitiba
 
  O Depósito da Ordem e a revista Mosaico na Rede promoveram em Curitiba a exposição - “Caixinhas Preciosas” , a primeira mostra de mosaicos elaborada em esmalte italiano,  material nobre que acaba de chegar ao Brasil.


 
 


A exposição reuniu 49 peças de 46 artistas e apresentou ousadia, muitas cores e cortes inusitados na chamada pasta vítrea. Com tema livre em trabalhos elaborados por mosaicistas hobbistas e profissionais, a principal exigência para participar da mostra foi usar o esmalte italiano em 50% do trabalho.

 
 


 
 
 
Acima: releitura de Romero Brito,
por Maria Conceição Soares (esquerda), os motivos
florais de Cristina Pinto da Rocha (ao centro)
e as rosas de Rose Hellú.
Ao lado, peça elaborada por Edite Schreiner.
 
 
 
“As Caixinhas Preciosas foram além das expectativas. O esmalte provoca um efeito surpreendente e encantador. Os trabalhos, ricos, foram muito bem elaborados e uma peça ficou completamente diferente da outra. Era exatamente esse o objetivo: apresentar o material e desafiar os mosaicistas. O resultado foi uma verdadeira viagem em ideias, brilhos e tons”, diz  Bea Pereira, artista do Depósito da Ordem.
 
 




 


A artista Bea Pereira,
a empresária Letícia Melara,
do Depósito da Ordem, e
Magaly Floriano, da revista
Mosaico na Rede

 
  Acima, as mosaicistas Virginia Camargo de Abreu, Roseli Maciel, Maria Luisa Amatuzzi, Bea Pereira e Edite Schreiner na
abetura da exposição. Ao lado, flash da abertura da mostra


 
   
 
   
 
 

Fernanda Souza é capa da
nova edição da Revista VOi

 
  A VOi lançou, no  XXII  Crystal Fashion Week, a nova edição da revista que traz na capa a atriz Fernanda Souza. Durante a semana da moda, o Lounge VOi recebeu convidados como a primeira dama de Curitiba Fernanda Richa, a atriz Letícia Sabatella, Paulo Zulu, Caco Ricci, da Fazenda, e o estilista Mario Queiroz que foram recebidos por Bruno Macarini, o coordenador da revista. “Recebemos muitas celebridades e grandes amigos para mostrar a nova edição. A atriz Fernanda Souza, nossa capa que acaba de estrear no quadro Dança dos Famosos, está em ensaio fotográfico acompanhado de entrevista, apresentamos tendências, a moda festa Wiwaty, a grife feminina, criada em Curitiba, Carolina no Cabide, dicas de viagem, gastronomia...a  revista está bonita e diversificada”, enfatiza Bruno.
 

 
 
Bruno Macarini, coordenador
da Revista VOi.
 


Detalhes do Lounge, espaço concorrido durante o evento. Abaixo, à direita,
os arquitetos Daniella Fanaya e Rubens Portella


   
 


Os arquitetos Daniella Fanaya e Rubens Portella, que assinaram o Lounge VOi no Crystal Fashion, apostaram na transparência e no brilho para tornar o ambiente espaçoso e agradável. “Criamos uma passarela de 20 metros e optamos pelo vidro que traz luminosidade ao convívio social. As pastilhas espelhadas da Pastilhart marcam a composição”, diz Rubens.

A comida árabe do restaurante Baalbek fechou a semana de gastronomia selecionada oferecida aos convidados durante o evento no Lounge . Em setembro, a revista VOi completa 7 anos no mercado e prepara, segundo Bruno Macarini, comemoração em grande estilo.

 
Fotos: Angela Souza e Carolina Saggiomo
   
  Desfile by Mario Queiroz empolga
última noite do Crystal Fashion Week
   
  O estilista Mario Queiroz e a
sua coleção outono-inverno
 


O estilista Mario Queiroz apresentou em Curitiba, a convite da Mister Jeans, a sua coleção masculina outono/inverno 2010. Sucesso absoluto em desfile apresentado para uma plateia selecionada que incluiu Max, vencedor do Big Brother Brasil 2009 e Flávio, também BBB.

Cores vivas e contrastes intensos invadiram a passarela. “Não é a mesma coleção apresentada na São Paulo Fashion Week. É uma coleção especial. Uma exclusividade que soa como uma troca de galanteios já que foi a Mister Jeans quem me convidou para o desfile. Me preocupei em diversificar e apresentar algo mais sexy onde estão malhas, lãs, jeans e acessórios”, disse o estilista em entrevista a Revista Mosaico na Rede no Lounge da Revista VOi, momentos antes do desfile do Crystal Fashion Week.

Mario Queiroz, designer de moda conceituado nascido em Niterói, Rio de Janeiro, jornalista, escritor, consultor e professor de moda apresenta um inverno colorido com jaquetas mais curtas e cores inusitadas. O jeans em tons variados ocupa lugar de destaque. A diversidade urbana de Londres comandou a mostra apostando em um público que ousa em todos os sentidos.

    A última noite do Crystal Fashion Week  contou também com o desfile da Gazetinha que trouxe a irreverência da moda jovem à passarela anunciando um inverno com meias de todos os tons.
Os atores do filme High School Musical: O Desafio e a presença do cantor Tiago Iorc, que assumiu a trilha sonora com sucessos como “My Girl", movimentaram o desfile que abriu a noite de sábado, 17/04.
  Os atores Paula Barbosa e
Fellipe Guadanucci
, do filme High
School Musical: O Desafio e
outros flashes do desfile
 
 
 
Fotos: Angela Souza e Carolina Saggiomo

  Bea Pereira faz palestra sobre esmalte italiano
 

A mosaicista Bea Pereira fez, no Depósito da Ordem em Curitiba, palestra sobre as diversas possibilidades de trabalhar com o esmalte italiano na confecção de mosaicos clássicos e contemporâneos.

 

 

  Acima, Bea Pereira mostra a Biblioteca das Cores em smalti veneziani. À esquerda, a
ferramenta tagliolo e martelina
 


Na apresentação, aberta ao público, artistas e alunos acompanharam, em sessão de slides, explicações de como é feita a produção do esmalte na fábrica Orsoni, em Veneza, e suas aplicações. Foram exibidas fotos desde a mistura da sílica e outros componentes para a produção da pasta vítrea,
o vidro derretido retirado em conchas, até a produção das pizzas de vidro. A chamada “Biblioteca das Cores” onde são armazenadas as 25 mil nuances em smalti veneziani, as guias de corte manual,
o maçarico que esquenta a pasta para formar tiras mínimas usadas em micromosaicos e os potes gigantes em cerâmica onde são feitas as misturas foram algumas das curiosidades que
agradaram a plateia.

   

 

Acima, detalhe de mosaico da fábrica Orsoni, em Veneza, em foto de Rosy Espírito Santo.
À direita, artistas e alunos durante e após a palestra. Abaixo, a mosaicista Renata Ghellere experimenta o corte do esmalte italiano

 

Além da parte técnica, foram mostradas obras produzidas por artistas como Lucio Orsoni, dono da fábrica, e Edda Mally, mosaicista e professora de aquarela em Viena, Áustria, que transfere para as tesselas o movimento de suas pinceladas.

Flashes da história com imagens incluindo mosaicos romanos e bizantinos ilustraram a apresentação seguida de sessão para perguntas e respostas sobre bases, adesivos, cortes e relevos. “Misturar as cores, trabalhar com luz e sombra e utilizar o relevo com esmalte dá leveza e movimento aos trabalhos”, ensina a artista.

Após a palestra, Bea Pereira fez demonstrações de como
utilizar tagliolo, martelina e torquês de roldana no corte
dos esmaltes.
Alguns mosaicistas presentes não resistiram e experimentaram a novidade. O material nobre, que acaba de chegar ao Brasil, promete revolucionar a história do mosaico por aqui.

 
   
  Centro de Criatividade mostra o
colorido dos mosaicos em Curitiba
 



  Flores que brotam do ferro, pinheiros em smalti multicoloridos, borboletas que exibem suas asas, o impressionismo inspirado em Monet, as intempéries do tempo... O Centro de Criatividade de Curitiba apresentou, de 12 de abril a 30 de maio de 2010, a exposição “Tesselas: Liberdade de Expressão”. A mostra, organizada pela mosaicista Patrícia Ono trouxe as mais diversas possibilidades de registrar Curitiba, suas formas, flores, detalhes, seu clima, além é claro, de abrir espaço para que artistas da arte musiva e alunos convidados mostrassem o que sabem em registros artísticos. “A exposição homenageou a cidade de Curitiba pelos seus 317 anos, mas sem um tema único. Como o próprio nome diz, o que comandou a exposição foi a liberdade de expressão que considero fundamental no que se refere às artes. Através dos trabalhos, foi possível acompanhar o íntimo de cada artista, os detalhes, as cores, a mistura de materiais...
Quem visitou a mostra viu as diversas possibilidades de compor as tesselas para criar e recriar”, diz Patrícia, professora de mosaico do Centro de Criatividade de Curitiba.
 
  Ana Kohler e a mosaicista Patrícia Ono. Acima, detalhe da peça de Patrícia Ono e Regina Araújo
 
 


A mosaicista Bea Pereira e sua obra "Curitiba". Abaixo, Bea entrega a sua aluna, Celita Alberti dos Santos, 1 kg em smalti italiano. A releitura de Monet, elaborada por Celita, foi eleita por artistas e convidados a mais bela peça da exposição. O Ateliê Mosaicato e o Depósito da Ordem patrocinaram a premiação

 
  O artista Ademir Paixão e sua filha Betina, inspiradora da obra
 






O Parque São Lourenço, inaugurado em 1972, é conceituado quando se fala em lugar aberto às artes. O Centro de Criatividade, localizado na entrada do Parque e onde a imaginação acontece, é tradicional. O espaço oferece cursos nas mais diversas áreas artísticas como escultura, mosaico, cerâmica, música, marchetaria... Além de uma equipe de professores que ensinam as técnicas, o Centro organiza todos os anos exposições com a produção de alunos e mestres. “É satisfatório ver os alunos seguirem seus próprios passos. Uma vez orientados, eles podem criar o que quiserem e sempre me surpreendem com as ideias que surgem. O que é bonito deve ser visto e é isso que o Centro de Criatividade permite”, diz Patrícia.

Ana Kohler, coordenadora do Centro de Criatividade, diz que a exposição organizada por Patrícia Ono é motivo de comemoração. “Há muito tempo queríamos oferecer uma mostra artística exclusivamente de mosaicos. O resultado superou qualquer expectativa. No espaço foram apresentadas obras de artistas de excelente nível e de alunos que se destacaram durante as aulas. O resultado foi de um colorido surpreendente”, comemora Ana.
A mostra de mosaicos “Tesselas: Liberdade de Expressão” reuniu mais de 30 peças de 31 artistas.

  Os artistas Fernando Varella e Fernanda Czelujinski e sua flor em ferro revestida em mosaico
 

 

  Todeschini apresenta beleza e
funcionalidade em novo espaço
 

Os empresários Loizane e Clair Milani acabam de inaugurar a nova loja Todeschini em Curitiba. Os franqueados apostam no sucesso da marca que lidera como maior fabricante de móveis planejados da América Latina.

O grande lançamento da Todeschini, destaque na inauguração, é a Coleção Organix que agrada ao primeiro olhar em sofisticadas cores e texturas. Com 300 metros quadrados, a loja permite um passeio entre o mobiliário que traz como características principais a beleza e a praticidade. “Apresentamos um novo padrão da Todeschini que remete às linhas da natureza com as formas curvas. Um conceito inovador”, diz a empresária Loizane Milani.


 


  Os anfitriões Clair e Loizane Milani Coleção Organix : inovação
 


Para Clair Milani a qualidade dos produtos e o design permitirão trabalhar com o setor corporativo, novo nicho de mercado da fábrica. “Chegamos a Curitiba com o objetivo de firmar parcerias com arquitetos, designers e construtoras. Nossa proposta é oferecer produtos diferenciados como a nova linha em ondas que dá leveza aos ambientes”, afirma Clair.

A festa de inauguração, em 8 de abril, contou com mais de 200 convidados entre arquitetos, decoradores, designers, empresários dos mais diversos setores e profissionais liberais que conferiram o estilo arrojado dos produtos que compõem a loja instalada no bairro Alto da XV. “É um belo espaço que remete ao moderno”, comentou o arquiteto Eduardo Mourão, presença marcante entre os convidados.

   

 

Os arquitetos Eduardo Mourão
e Francis Meister, à esquerda, e
Francisca Cury, acima. Presenças na inauguração

 


A fábrica Todeschini, com mais de 70 anos de história, fica em Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul. Com 54 mil m2, é equipada com tecnologia de ponta e conta com as certificações ISO 9001 e ISO 14001 para atender as 330 lojas exclusivas distribuídas no Brasil e no exterior.

Anote:
Todeschini Alto da XV
Rua Padre Germano Mayer, 560
Curitiba- PR

 

 

  Orsoni Smalti Veneziani chegam ao Brasil
 
 


 

Curitiba é a primeira cidade do país a comercializar o que há de mais nobre no que diz respeito a materiais para mosaico: Orsoni Smalti Veneziani. O Depósito da Ordem, empresa responsável pela importação e comercialização, colocou à venda as mais variadas matizes em cores quentes e frias que agora permitem aos mosaicistas brasileiros nuances inimagináveis na colocação das tesselas.

Bea Pereira, artista e orientadora de mosaicos do Depósito da Ordem, diz que a chegada do material ao Brasil vai revolucionar as possibilidades de criação. “Depois de muito tempo e passadas as fases burocráticas, o Depósito da Ordem sai na frente como primeiro importador da pasta vítrea. Trazer Smalti Veneziani ao Brasil é a realização de um sonho. O material, por sua variedade de cores e brilho incomparáveis, encanta mosaicistas e apaixonados pela arte musiva em todo o mundo”, comemora.

A ligação do vidro artístico com a família Orsoni tem início no século XIX com o nascimento do artista Angelo Orsoni, em Murano – Itália. Jovem, Orsoni passa a trabalhar em fábricas de vidro e de aprendiz vira mestre. Sua habilidade na confecção de cristais e vidros coloridos chama a atenção e o sucesso é praticamente instantâneo. O nome Orsoni passa a assinar grandes projetos e atinge fama mundial.

A empresa e a fórmula Orsoni permanecem guardadas em família. Hoje, Lúcio Orsoni é o responsável pela fábrica que há 122 anos mantém qualidade inigualável e fascina mosaicistas de todo o mundo.
 

 
Mosaico de Bea Pereira, executado em smalti veneziani
e as embalagens à disposição dos mosaicistas
   
   
  Curitiba em Cacos: homenagem
ao 317º aniversário da cidade
 

As mosaicistas Patrícia Ono, Fernanda Czelujinski e Adriane Smythe foram as responsáveis pela exposição Curitiba em Cacos – realizada em homenagem ao aniversário da cidade.

A Curitiba dos 317 anos esteve retratada nas tesselas dos 20 artistas que participaram da mostra no Shopping Jardim das Américas. No espaço, foi possível conferir as mais diversas faces da cidade. “É incrível observar o sentimento e a imaginação que os artistas, em seus trabalhos, transferem ao público”, disse a organizadora e mosaicista Patrícia Ono.


 
Patrícia Ono, Fernanda Czelujinski
e Adriane Smythe


     
 

  Acima, a homenagem ao poeta Paulo Leminski, por Nezilda Vieira Holtman.

Na coluna à esquerda, o tapete floral de Ivete Farah Ribeiro e Adriane Smythe, com o seu "Bondinho da XV". Abaixo, "Outono" e a mosaicista Sandra Brandão

 
 

Foram quase 50 mosaicos, entre peças de acervo pessoal e trabalhos à venda. A exposição, que terminou em 31 de março de 2010, contou com o apoio do Shopping Jardim das Américas e o patrocínio de Mosaicato, Ffee's Arte, Depósito da Ordem, Bella Banoffi Bistrô e Yokohama Restaurante Japonês.

  Sesc homenageia mulheres
que fazem a diferença
   
 

O Sesc Água Verde homenageou, na semana da Mulher-2010, Mulheres que Fazem a Diferença em Curitiba.
Foram premiadas a jornalista Juril Carnasciali, a poetisa Adélia Woellner, a fotógrafa Andrea Mayer, a artista plástica Denise Roman, a primeira bailarina do Teatro Guaíra - Eleonora Greca, a presidente da Associação das Amigas da Mama – Maria Inês Malanga, a poetisa Nair Araújo, a vereadora de Curitiba -Renata Bueno, a médica Glaci Moura, a cantora Rogéria Holtz e a professora de dança de salão - Sônia Formighieri. “Como o próprio nome diz, são mulheres que fazem a diferença e transformam a vida dos que estão ao seu lado atuando de maneira brilhante. Uma justa homenagem”, diz Edilene Guzzoni, organizadora do evento e produtora cultural do Sesc Água Verde.

“É uma honra ser premiada pelo Sesc, entidade atuante na área social, não apenas no Paraná, mas em todo o Brasil. Fico muito feliz”, enfatiza a jornalista Juril Carnasciali que há 54 anos assina coluna no Jornal Gazeta do Povo. Para a cantora Rogéria Holtz, a homenagem soa como o reconhecimento da cidade que a acolheu. “Apesar de não ser daqui foi nesta cidade que construí a minha vida. Recebo a homenagem como algo aconchegante. É como receber um abraço do pessoal de casa”, afirma a cantora que anuncia o lançamento de um novo CD.

 


A cantora Rogéria Holtz, acima,
e a jornalista Juril Carnasciali,
abaixo,
entre as homenageadas

 
 
Para o evento, o Sesc organizou o desfile “Mulheres de Todos os Tons” com decoração lilás simbolizando o equilíbrio homem-mulher na mistura entre o rosa e o azul. O desfile prestigiou o comércio do bairro Água Verde e contou com parceiros como a Câmara da Mulher Empreendedora e o Grupo Vidreiros de Curitiba representado nas peças Ekoglass – joias e bijuterias em vidro. “O Sesc é uma entidade reconhecida e essa parceria com o Grupo Vidreiros tem sido maravilhosa. É a somatória do trabalho de todos abrindo espaço em outras cidades”, comemora Loire Nissen, coordenadora do Grupo Vidreiros de Curitiba.



Outros parceiros no evento foram Lua Nova Roupas Infantis, Laksmi Farmácia de Manipulação, Tangleica Modas, Prata Fina, Eloá Araújo Festas, Natural Modas e Via Uno Calçados.

 


       
   

Ao lado, da esquerda para a direita, as vidreiras Josiane Primieri, Eliane Chichof, a produtora cultural do Sesc Água Verde, Edilene Guzzoni e as vidreiras Soeli Ferenc e Loire Nissen, coordenadora do Grupo Vidreiros de Curitiba

 
Curitiba entra no rota da Feincartes
 


 
 
A Feincartes – Feira Internacional de Cultura e Artesanato chegou pela primeira vez a Curitiba depois de consolidar espaço em sete estados brasileiros.  Artistas de quinze estados e vinte países participaram do evento no Parque Barigui.

 
   

 
   

 
 

A riqueza cultural esteve presente nos mais de 150 estandes que formaram a Feira. Decoração, jóias, tecidos, arte em vidro, moda, gastronomia, esculturas em madeira, ferro, cerâmica, mosaicos em vidro, em mármore e o micromosaico italiano (foto acima) foram algumas das atrações.

A Feira apresentou produtos do Brasil, Itália, Quênia, Ghana, Índia, Turquia, Tailândia ... e os visitantes conferiram, ainda, o artesanato dos índios Pataxós, do Sul da Bahia, que mostraram a diversidade da arte indígena.

A 1ª Feincartes em Curitiba foi organizada pela empresa capixaba Guimarães e Mathias, que acompanha a valorização do artesanado, setor que movimenta 2,8% do PIB do País.

 
         
 
   
  Luciano Cypriano e seus mosaicos em mármore polido: releituras de Tarsila do Amaral e de Pablo Picasso. À direita, peças em cerâmica de Cibele Krukoski

 
  Vidreiros de Curitiba marcam
presença na 1ª Feincartes
   
 
O Grupo Vidreiros de Curitiba está na primeira Feincartes-Feira Internacional de Cultura e Artesanato que acontece no pavilhão de exposições do Parque Barigui.Criatividade e bom gosto transformam o vidro em objetos artísticos e utilitários.

São joias, relógios, pratos, vasos, painéis... feitos a partir de material reciclado. “É uma oportunidade interessante participar de feiras artesanais dentro e fora do estado. O trabalho conjunto torna o grupo forte e unido”, diz a artista Marja Calafanje — designer de ecojoias.
 
 







 
O Grupo Vidreiros de Curitiba completa 5 anos neste 2010 e tem quase 20 artistas produzindo arte em vidro para exposições em Curitiba, interior do Paraná e diversas cidades do Brasil. Eles apresentam técnicas em fusing, que derrete o vidro em fornos de altas temperaturas, e mosaicos em vidro. “O segredo de manter o grupo por tanto tempo é o respeito entre os artistas participantes. Quando fazemos uma feira, aqui ou em viagem pelo Brasil, organizamos o trabalho de forma democrática e revezamos as responsabilidades”, afirma a artista Soeli Ferenc.


Para a vidreira Denise Nissen, participar de feiras internacionais permite uma troca muito grande de informações além de ser uma oportunidade de ver o que vem sendo feito em outros países. “Quando o Grupo Vidreiros entra em uma feira temos a preocupação de mostrar tudo o que nossos artistas estão produzindo. Isso permite diversidade de peças, enriquece o espaço e garante oportunidade a todos os artistas”, enfatiza.

Em 2009, os vidreiros de Curitiba participaram em Florianópolis e no Rio de Janeiro, da Fenavid, além de marcar presença em diversas feiras e exposições no Paraná. Neste 2010, está confirmada para setembro a participação na Fenavid Goiânia- Goiás e uma nova proposta para o Rio de Janeiro está nos planos.

 
 
Selene e Marja Calafange, Soeli Ferenc e Denise Nissen

Fotos: Fábio Floriano
 
 
 
 

Mosaicista brasileiro lança livro na Holanda

 
 

O paranaense Marcelo de Melo lança, em Amsterdam, o livro “De Kunst Van Het Mozaieken” (A Arte de Fazer Mosaicos). Não é apenas o primeiro livro sobre a arte em mosaico escrito em Amsterdam, mas é também o primeiro sobre mosaicos da Holanda.  A publicação acontece em parceria com a artista holandesa Greet Weitenberg.

“O livro de 160 páginas, em holandês, apresenta técnicas que vão desde o básico até o mosaico estrutural com muitas fotos e passo- a - passo de todos os projetos desenvolvidos”, conta o artista nascido em Apucarana, Paraná, e radicado na Holanda desde a década de 90.

Marcelo, reconhecido por seus trabalhos com enfoque em mosaico estrutural, consolida com a obra a capacidade de dividir conhecimentos que adquiriu com trabalhos e exposições em lugares diversos do mundo como: Brasil, Itália, Holanda, Reino Unido, Estados Unidos e Japão.

 
Acima, capa do livro e, abaixo, Marcelo de Melo autografa a obra
 
 
O lançamento foi no Atelier/galeria Amphora Mozaiek em Amsterdam, Holanda, com a presença de artistas e amigos
 
     
     
  29ª edição do Atelier Aberto movimenta Curitiba  
 

A primeira semana de dezembro é marcada, todos os anos em Curitiba, pela abertura do Atelier Aberto no Parque São Lourenço. Em 2009, além da inauguração do Painel em mosaico “Olhares Curitibanos”, o evento apresentou o segundo concurso de fotografias com o tema “A Fauna e a Flora do Parque São Lourenço”. Foram premiados os fotógrafos: Luiz Augusto Giovannoni Pacheco (1º lugar), Chrystina Rizzo (2º lugar) e Francini Saldanha (3º lugar).

 
     
  Vista geral do Atelier Aberto e escultura de Adriane Klingenfus

 
 

O espaço, que mesclou vendas e exposições, reuniu as mais diversas artes e permitiu aos visitantes um passeio entre mosaicos, pinturas, jóias em vidro, peças em cerâmica, mobiliário numa mistura de vidros às formas da natureza e outras ideias de decoração.

Para os organizadores, a mostra é uma oportunidade de apresentar ao público a beleza do Parque São Lourenço aliada às artes. “Este ano, além de todas as artes expostas, temos um motivo a mais para comemorar. A inauguração do painel “Olhares Curitibanos” de Ademir Paixão, reproduzido em mosaico sob a coordenação da professora Patrícia Ono, vai perpetuar no Parque São Lourenço como um ícone para a cidade de Curitiba”, avalia Marcelo Muzzillo, um dos organizadores do evento.

A 30ª edição do Atelier Aberto está marcada para a primeira semana de dezembro de 2010.

 
 
 

Painel e utilitários em mosaico
de Selma Teixeira

 
 
   
 
Ocléris Muzzillo e suas jóias em cerâmica e prata
 
 
Fotos: Fábio Floriano


 
  Parque São Lourenço ganha
“Olhares Curitibanos”
 
 

 
     
 

O Centro de Criatividade do Parque São Lourenço, em Curitiba, marcou a 29ª edição do Atelier Aberto com a inauguração de um painel de 6 metros quadrados em mosaico. A obra estampa pontos marcantes da cidade de Curitiba.

O painel foi baseado nos traços precisos do cartunista da Gazeta do Povo, aquarelista e mosaicista por hobby, Ademir Paixão. “O mosaico é recente em minha vida. A mosaicista Patrícia Ono foi a mestra desta descoberta que acalma. Para mim é a terapia de pintar com as pedras”, diz. Além dos traços, Paixão pintou a obra em aquarela que serviu como guia de cores e é claro, atuou como mosaicista.

O painel “Olhares Curitibanos” reuniu artistas convidados e alunos sob a coordenação da professora de mosaico do Centro de Criatividade de Curitiba, Patrícia Ono. “Muitas pessoas participaram e o principal desafio era unir as partes. Queríamos um grande painel, mas tínhamos a preocupação de que as emendas não ficassem aparentes. Deu muito certo”, comemora.

O patrocínio para a realização da obra veio do Ateliê FFee’s Arte, dos mosaicistas Fernando Varella e Fernanda Czelujinski. “Foi satisfatório participar como patrocinadores e mosaicistas. O projeto foi dividido em quatro partes e tudo foi agrupado com a estrutura que fizemos para fixar o painel inteiro. O Atelier Aberto cedeu a base em MDF e doamos o restante adquirindo cerâmica de vários fornecedores para atingir as cores certas”, conta Varella.

Para a mosaicista Fernanda Czelujinski, a obra chega para se tornar um marco em mosaico na cidade. “Estou muito feliz por ter trabalhado neste projeto instalado em local estratégico. É o primeiro mosaico com motivos de Curitiba e será visitado, inclusive, por pessoas que não conhecem a técnica do mosaico. Além de divulgar os pontos turísticos da cidade estaremos divulgando a arte”, enfatiza.

  Ademir Paixão  
   
Os artistas Ademir Paixão,
acima, e Patrícia Ono

 
    Patrícia Ono  
       
 

A arquiteta Carmem Leal, do Centro de Criatividade, diz que participar foi importante em seu aprendizado. “Fazer 'Olhares Curitibanos' aprofundou meus conhecimentos e meu olhar para a arte. A Patrícia conseguiu passar, através de sua experiência, muita força para os alunos. Tínhamos critérios a obedecer e um deles era ser fiel ao desenho do Paixão, um artista conceituado. Não poderíamos descaracterizar a obra e conseguimos. Foi gratificante”, afirma.

Adriane Smythe, engenheira florestal que trabalha com tecelagem artesanal e mosaicos, diz que estar no projeto é uma prova de que as artes manuais vieram para ficar em sua vida. “Houve muito incentivo. Foi empolgante. Considero dois meses um tempo record para a elaboração de um painel com tantos detalhes. Isso só foi possível com a dedicação de todos”, avalia.

O mutirão criado para confeccionar a obra criou uma corrente de novos adeptos. A estudante Jady Lorena considera a sua colaboração um treinamento para projetos futuros. “Adorei estar presente! No Passeio Público e no Teatro Paiol estão muitas de minhas pedrinhas”, salienta.

O painel “Olhares Curitibanos” dá a largada para a exposição que a mosaicista Patrícia Ono prepara para abril de 2010. A mostra, que terá Curitiba como tema, será aberta no Centro de Criatividade e depois seguirá itinerante para diversos pontos da cidade.

 
 


Mosaicistas e organizadores do Atelier Aberto 2009. Ao centro, Raul Varella

 
     
 

Anote:
Painel  “Olhares Curitibanos”
Centro de Criatividade de Curitiba - Parque São Lourenço
Rua Mateus Leme, 4700 – Curitiba-PR

Fotos: Fábio Floriano

 
     
  Mosaicista brasileira é destaque
no Primeiro Festival de Ravenna
 
  Outubro e novembro de 2009 marcaram o I Festival Internacional de Mosaico Contemporâneo da cidade de Ravenna, Itália. A mosaicista brasileira Cristina Sobreira, do Rio de Janeiro, marcou presença na exposição Opere dal Mondo.
 
 

Seu trabalho “Vertigo”, selecionado para a Mostra, colocou o Brasil em destaque já que foi o único mosaico selecionado da América do Sul. “Senti que meu trabalho foi muito bem aceito e isso dá uma satisfação pessoal muito grande. Os italianos gostam da novidade, do diferente. Eles dão valor ao elemento novo. Fiquei surpresa com o grau de abertura em relação ao mosaico”, diz Cristina.

A exposição “Opere dal Mondo, da qual Cristina participou, reuniu 32 artistas. Brasil, Itália, Estados Unidos, Japão, França, Bulgária e Israel foram alguns dos países participantes. Cristina Sobreira expôs ao lado de mosaicistas como Ilana Shafir, Edda Mally, Verdiano Marzi, Luciana Notturni, Lucio Orsoni e outros nomes conhecidos internacionalmente. “Foi uma honra estar com pessoas que considero ídolos no que diz respeito a arte em mosaico. Além dos artistas da exposição, em outras Mostras do Festival, tive a oportunidade de ver obras magníficas e de encontrar artistas como Marco Bravura e tantos outros. Foi uma experiência emocionante”, conta.


 

Mosaicista Cristina Sobreira em Ravenna

Cristina Sobreira,
ao lado de seu
mosaico, Vertigo

 
 

Mosaico de Marco Bravura

   
  À esquerda, obra e Marco Bravura. À direita, as mosaicistas Ilana Shafir e Cristina Sobreira

 
 

Para o artista italiano Felice Nittolo, um dos participantes do Festival Internacional, o evento foi uma bela novidade para a cidade de Ravenna e para os visitantes. “É um fato histórico. Um estímulo para produzir cada vez mais e melhor na carreira artística. É interessante aprender sobre o passado e saber como eram feitos os mosaicos, as pinturas... e com esse conhecimento fazer uma escolha importante em relação ao trabalho. Mosaico deve ser a linguagem que emociona conforme a interpretação de cada um”, acrescenta. No Festival, Nittolo se destacou com a instalação “Acqua e Mosaico” (abaixo), na cripta “Basílica San Francesco”, Ravenna. A obra mistura passado e presente.

O I Festival Internacional de Mosaico Contemporâneo da cidade de Ravenna foi marcado pela organização e pela presença constante de autoridades durante os 40 dias de evento.  O patrocínio veio de órgãos governamentais e AIMC (Associazione Internazionale Mosaicisti Contemporanei). Durante o Festival foi lançada, em inglês, a segunda edição da Solo Mosaico Magazine, impressa em russo no ano passado.

(As mosaicistas Cristina Sobreira e Rosemarie Castro colaboraram com imagens e informações.)

 
 

 

 
  Tesselas prontas: exclusividade Pastilhart  
 


  A Pastilhart, empresa paranaense de revestimentos dos empresários Fábio Pacheco e Alexandre de Lara, lança em Curitiba uma linha especial para compor peças artísticas em mosaico. A inovação das pastilhas de vidro Brasil está no pré-corte. Além da venda de placas avulsas em pastilhas, a empresa agora oferece lascas prontas que facilitam o trabalho dos mosaicistas.

A linha Brasil, em cores quentes e frias, tem como característica principal o brilho que só o vidro pode oferecer. A fabricação, na Cidade Industrial de Curitiba, é exclusividade Pastilhart.
 
 

 

 
   
  Soluções alternativas, criatividade e estilo
marcaram a mostra Morar Mais em Curitiba
 
 

 


Painéis de embalagens tetrapack, tijolos ecológicos, telhado verde, painel e luminária de formas de bolo, tinta a base de terra e o colorido dos mosaicos foram algumas das soluções apresentadas pelos arquitetos que participaram da 3ª edição da mostra de decoração Morar Mais – O chique que cabe no bolso.

Organizada por Francisca Cury e Léo Pletz, a mostra reuniu 70 profissionais de arquitetura, design, decoração e paisagismo em 50 ambientes com o conceito de sustentabilidade. “Morar Mais nasceu no Rio de Janeiro, em 2004, com a intenção de apresentar soluções de decoração e construção com qualidade e orçamento acessível. Considero que a cada ano estamos avançando tanto na parte econômica quanto na utilização de produtos sustentáveis”, afirma Francisca Cury.

 




Léo Pletz e Francisca Cury,
na lente de Andrea Paccini

 
  Além do Rio de Janeiro e Curitiba, Morar Mais conquistou o público em Salvador, Recife, Brasília, Goiânia, Natal e Belo Horizonte. Em Curitiba, o imóvel que abrigou a Morar Mais ocupa área de 2 mil metros quadrados no bairro Bigorrilho. A ideia de apresentar a mostra em uma casa ofereceu aos visitantes um passeio que reuniu glamour, praticidade, beleza e funcionalidade. Em relação à última mostra foram projetados sete ambientes a mais.

   
 

Os aromas e os mosaicos do Jardim Gourmet

 

Imagine um espaço onde o colorido dos mosaicos enche os olhos, a horta ao alcance das mãos exala seus aromas, a mesa ao centro em peroba de demolição e o fogão à lenha convidam para uma boa conversa. Assim foi apresentado o Jardim Gourmet, ambiente projetado pela designer de exteriores e paisagista Claudia Canales na mostra Morar Mais, em Curitiba.

 
   



O colorido dos mosaicos
de Liz Panek nas paredes
do Jardim Gourmet


Abaixo, mesa de apoio em mosaico
 


“Normalmente, as hortas ficam próximas, mas nunca integradas. A ideia do Jardim Gourmet foi justamente essa. Conversar e ter tempo para cozinhar. Preparar os alimentos com temperos frescos e dividir as receitas com os amigos em um ambiente acolhedor”, explica.

Os temperos foram dispostos em vasos e canteiros. A decoração, em estilo rústico, troxe ainda uma canoa, que reaproveitada, virou cadeira e mosaicos elaborados pela mosaicista Liz Panek. “Com o reaproveitamento de diferentes materiais é possível dar personalidade ao ambiente. Com seus mosaicos, temperos e caixotes que viram bancos, o Jardim é o espaço perfeito para receber os amigos”, revela Claudia.

Objetos pessoais da chefe de cozinha Geraldine Miraglia, homenageada do espaço, fizeram parte da ambientação e deram um toque especial ao Jardim Gourmet.

 
 




À esquerda, Cláudia Canales, designer de exteriores e paisagista

  Fotos: Fábio Floriano

  Recepção da Pousada homenageou
artistas na mostra Morar Mais
 


Ao fundo, a Ilha do Mel em aquarela de Ademir Paixão



  Ademir Paixão, chargista da Gazeta do Povo, mosaicista e aquarelista, a mosaicista Celina Lima e a escultora e ceramista Marília Sielski foram os artistas homenageados na Recepção da Pousada, espaço projetado pelos designers Líbia Agudelo e Eloy Fassi Casagrande Júnior na mostra Morar Mais,
em Curitiba.

“Como o tema foi a sustentabilidade tudo no ambiente seguiu regido por esse princípio. A homenagem à Celina foi pelo reaproveitamento dos vidros nos mosaicos, à Marília pela escultura em restos de madeira e ao Paixão pela criatividade de sua aquarela que apresenta a Ilha do Mel e suas belezas naturais”, afirma Líbia.

Além da valorizar a arte, o projeto da Recepção da Pousada usou madeiras, bambu, fibras naturais e outros materiais processados de forma não poluente. “Trabalhamos em parceria com pequenos marceneiros na transformação de resíduos em matéria prima. A partir desses resíduos criamos móveis como o balcão da Recepção da Pousada, o revisteiro e o banco”, enfatiza Líbia.


À esquerda, a designer Líbia Agudelo. Abaixo, mosaicos de Celina Lima e escultura de
Marília Sielski

 
   
 

Fotos: Fábio Floriano
 
 
   
  Arte em vidro ganha as passarelas
 

O Sesc Água Verde e o Grupo de Artistas Vidreiros lançaram em Curitiba a mostra Eko Glass, coordenada por Silvane Burkot e Eliane Chichof. O projeto reúne vários artistas, com uma série de acessórios, jóias e bijuterias que misturam vidro reciclado, pedras brasileiras, fibras,sementes naturais, fitas, tecidos, rede de pescadores e outros materiais reaproveitados para transformá-los em peças únicas. Alguns acessórios mesclam o rústico ao refinamento de acabamentos em metais banhados em ouro e prata.

O desfile, ao som do Quarteto de Cordas Sociedade Galante, no Sesc Água Verde, reuniu empresários, artistas e profissionais ligados ao setor. Eles conferiram as últimas tendências da arte em fusing, técnica que derrete o vidro a altas temperaturas e permite criações exclusivas.

Edilene Guzzoni, produtora cultural do Sesc Água Verde, diz que a parceria com os artistas vidreiros faz parte do Projeto Conexões lançado neste 2009. “O Sesc, com um projeto de sustentabilidade vem promovendo através de palestras, exposições de arquitetos em empresas e eventos como esse a discussão sobre a importância de reciclar e aproveitar de maneira criativa o que é jogado fora. A coleção Eko Glass é um exemplo do que pode ser feito”, enfatiza.

 

 
 


Peça da Coleção Safari (de Silvane Burkot) e Edilene Guzzoni, produtora cultural do Sesc Água Verde, em Curitiba



No alto, Jéssyca Matos Miara apresenta peça da coleção Romance, de Eliane Chichof.
Acima, apresentação da coleção Paixão, de Marja e Selene Calafange
 

Para a artista Loire Nissen, professora de fusing com ateliê
em Curitiba, a parceria com o Sesc é mais do que significativa. “É um passo à frente. Fico feliz de ver mais uma porta aberta para a reciclagem transformada em arte”, comemora a artista homenageada no evento.

Os artistas vidreiros de Curitiba tiveram agenda movimentada em 2009. Além da mostra Eko Glass, marcaram presença na Fenavid Florianópolis e na Fenavid Rio de Janeiro, para onde seguiram com o patrocínio da revista O Vidraceiro. A exposição na Fundação Mokiti Okada, que fecha o ano em Curitiba, é outro evento que merece destaque.

 
 
Eduardo Saraiva, diretor da Revista O Vidraceiro,
com a artista homenageada Loire Nissen, peça da artista Celina Lima e anel de Marja e Selene Calafange

 

 
 


 
  Acima, Marja Calafange e uma
de suas criações.
À direita, escultura em vidro
"Por um fio", de Loire Nissen
 



 

Prêmio Mosaico na Rede
e Depósito da Ordem
sai para São Paulo

  Momento do sorteio




 
 

Deise Mingroni, de São Paulo capital, foi a vencedora do sorteio da revista Mosaico na Rede em parceria com o Depósito da Ordem. Em visita à exposição Mosaico Curitibano, no Jardim Botânico em Curitiba, Deise preencheu o cupom respondendo: Qual é a primeira revista sobre mosaico na internet? A resposta é Mosaico na Rede.

O sorteio aconteceu às 14:30h do dia 13 de setembro no Museu Botânico Municipal, durante a exposição 2009 do Mosaico Curitibano. Deise é a ganhadora do livro “Mosaico sem Segredos”, da mosaicista Bea Pereira do Depósito da Ordem.

No livro de 230 páginas, Bea apresenta com maestria as cores dos mosaicos, técnicas, passo a passo, dicas de corte, utilização de materiais e a história da arte musiva.

Parabéns Deise e boa leitura! A revista Mosaico na Rede e o Depósito da Ordem agradecem a sua participação no sorteio.

   
 

A autora, Bea Pereira, ao lado,
autografa para a ganhadora.
No alto, Vinícius Martins, 6 anos,
no momento do sorteio

   
  Mosaico Curitibano consolida espaço
 


A exposição que reuniu mosaicistas de diversos estados entre agosto e setembro no Jardim Botânico, em Curitiba, marcou o nascimento do grupo Mosaico Curitibano. A mostra organizada por Fernanda Czelujinski, Rosângela Gasparin, Lirba Teixeira e Selma Teixeira de Oliveira reuniu 165 obras de  46 artistas.

“O resultado mostra o fortalecimento do mosaico não apenas em Curitiba, mas em todo o país. Temos ótimos mosaicistas e a união faz a força. A ideia é agregar profissionais e expor o que há de melhor”, diz Fernanda Czelujinski.

 
Exposição Mosaico Curitibano
 
     
  Para 2010, o grupo quer ampliar o número de participantes e ainda está previsto, no Museu Botânico, um espaço onde os mosaicistas poderão produzir e comercializar suas peças.“Queremos permitir uma aproximação maior do público, tirar dúvidas e mostrar como é feita a arte musiva. Quanto maior for o contato entre  artistas e  visitantes e a diversidade de peças expostas maior será a riqueza cultural do espaço”, enfatiza Fernanda. O Jardim Botânico Municipal de Curitiba recebe, em média, 1 milhão de visitantes todos os anos.
Mosaico de Cleide da Luz Esper
   
  Abaixo, mosaicos de Ziza Fernandes. Ao lado, obra de Cleide da Luz Esper, releitura de "O beijo", de Gustav Klimt
  Mosaicos de Cleide da Luz Esper
   
 


   



 
  Eco-criatividade e responsabilidade social:
temas da Casa Cor Paraná 2009


A Casa Cor Paraná, uma das principais mostras  de arquitetura, design e decoração de interiores do Brasil, apresentou em 2009 o tema “Eco-criatividade e Responsabilidade Social. O evento, dirigido por
Marina Nessi, trouxe 53 ambientes em 9 mil metros quadrados no Asilo São Vicente de Paulo,
em Cu
ritiba. "Neste momento de crise, é preciso empreender e tocar adiante. Este evento veio para promover e despertar o consumo", diz.

 
 

O Asilo foi escolhido como sede pela oportunidade de resgate urbano e social, e pelo potencial do imóvel construído nos anos 20 do século passado e que mantém extensa área verde. “O foco do evento foi a mescla da valorização da natureza e a responsabilidade social”, explica Marina Nessi.

A mostra teve como fio condutor a sustentabilidade. "Buscamos atingir esse objetivo. Na questão do lixo, alcançamos 95% da meta. A sustentabilidade entrou na Casa Cor não como uma estratégia de marketing, mas como um objetivo a ser atingido em cinco anos", diz Marina.

A base e o contrapiso para os projetos foram feitos dentro do conceito de sustentabilidade. "Todos os resíduos de construção das áreas antigas do Asilo, que foram desmanchadas, serviram para a base dos alicerces. Eles foram removidos, entraram em processamento em uma indústria e foram transformados em material para a obra", explica.

 

Marina Nessi

 
 

Finalizado o evento, as obras de infra-estrutura, reforma dos banheiros, repaginação das redes elétrica e hidráulica, além dos reparos nos telhados e calhas ficaram para o Asilo. Atualmente, a instituição garante o bem-estar e a qualidade de vida de 153 idosas que recebem tratamento médico, odontológico, psicológico, psiquiátrico, fisioterápico, fonoaudiológico, além dos serviços de profissionais de enfermagem, nutrição, farmácia, serviço social, educação física, musicoterapia e terapia ocupacional.

 
 

Homenagem ao Poeta dos Jardins

 
 

Casa Cor - Jardim Burle Marx

“Lendo Burle Marx aprendi que um jardim tem que educar, passar ensinamentos”, diz a arquiteta paisagista Luciana Brandão que ao lado do irmão Arnaldo Brandão, engenheiro agrônomo, projetou o espaço “Ecos da Mata Atlântica” na Casa Cor Paraná 2009.

Burle Marx, o Poeta dos Jardins, como era chamado por Tarsila do Amaral, foi  o homenageado em comemoração aos 100 anos de seu nascimento. O espaço recebeu flores, folhagens, citações, a representação do espelho d’água e um mural colorido em cerâmica queimada em referência ao paisagista, que ensinou: “o jardim é uma obra viva, que resulta da combinação de diferentes formas e cores, como na pintura ou nos sons musicais”.

Para fazer parte do projeto, Luciana e Arnaldo convidaram Marta Berger, artista plástica e ceramista com ateliês em Curitiba e Florianópolis, que executou o painel. “É uma artista completa que trabalha tanto no bidimensional quanto no tridimensional. Os jardins são espaços abertos à educação. Sempre incluo obras de arte em meus projetos”, enfatiza Luciana Brandão que em seus jardins já projetou mandalas de mosaico em pedras multicoloridas e hortas personalizadas. “O importante é que o espaço traga a sua mensagem e que ofereça beleza e bem estar a quem o visita”, conclui.

 
 

Casa Cor - Painel de Marta Berger
Fotografias: Fábio Floriano

 

Burle Marx

"Com o tempo, comecei a imaginar
a beleza natural organizada.
Queria uma coisa que tivesse ritmo, cor, surpresas e emoção estética.
Um jardim é isso, tem de deixar a pessoa mais leve (...)".

 
    (R. Burle Marx)  
     
  Studio de um Médico: arte nos detalhes  
 

Casa Cor Paraná - Studio de um médico

 
 
Os arquitetos Christian e Richard Schönhofen assinaram na Casa Cor Paraná 2009 o Studio de um Médico. Clean, espaçoso, funcional. O ambiente chamou a atenção pela arte presente nos detalhes.
Os mosaicos compuseram a decoração e fizeram a diferença.

 
 

Casa Cor - Studo de um médico

 

Elegância, conforto e
mosaicos nos detalhes
 
 
Na sala, composta por móveis em tons amadeirados, o colorido de um quadro prendeu a atenção de quem visitou a Casa Cor. A obra da série “Rendados” da artista bacharel em pintura e Artes Visuais, Carla Schwab, foi a escolhida. Quem viu enxergou rendas aplicadas em tela, mas Carla explica: “não há aplicação. Utilizei apenas tintas e pincéis”.
 
     
 

Luxo e ousadia em
ambiente automatizado

   
 

Casa Cor Paraná-Sandro Percicotti

 

Casa Cor Paraná - Sandro Percicotti

Espaço versátil,
de Percicotti:
conforto para o solteiro

 
 

O Studio de um Solteiro, ambiente projetado pelo arquiteto Sandro Percicotti, trouxe luxo e ousadia em soluções inteligentes na Casa Cor Paraná 2009.

A modernidade deu o tom. A cama, com cabeceira em pastilhas de vidro, automatizada para se transformar em sofá, permitiu maior aproveitamento do espaço. As pastilhas formaram um mosaico em matizes e deram um toque arrojado e aconchegante ao studio.

Outra presença marcante foi a transparência em vidro dividindo banheiro e quarto. O detalhe permitiu uma integração com leveza e bom gosto. Foram 45m2  muito bem aproveitados. Havia espaço para tudo. Banheiro, cozinha, escritório, dormitório, living e até lugar para ginástica.


 
 

Café Nextel: modernidade
em espaço aconchegante

 
 

Bom gosto, tons clássicos, espelhos, modernidade e conforto compuseram o Café Nextel. O projeto
levou a assinatura das arquitetas Daniela Cerbatto e Carolina Rousseau.

O ambiente, exposto na Casa Cor Paraná 2009, mesclou estilos em espaço aconchegante e bem aproveitado.

Na Casa Cor deste ano, as arquitetas assinaram também o Clube do Vinho e provaram versatilidade em projetos e estilos.

 
  Casa Cor Paraná - Café Nextel  



As arquitetas Carolina Rousseau,
à esquerda, e Daniela Cerbatto,
com Marina Nessi, ao centro

 
 



 
  Pastilhas viram jóias na Casa Cor Paraná  
 


Boutique Lounge Pastilhart foi o espaço idealizado pelos arquitetos André Bertoluci e Flávia Caldeira
na Casa Cor Paraná 2009. Lado a lado, luxo, modernidade e brilho.

Pastilhas foram transformadas em jóias expostas sobre veludo em totens de vidro. O designer
inovador agradou ao público.


 
 


As pastilhas em ouro, prata e bronze, fabricadas pela Atlas com representação da Pastilhart, não só foram utilizadas em jóias, mas também na porta de acesso ao ambiente.

Na Casa Cor Paraná, a Pastilhart lançou o catálogo de produtos 2009 que agora segue para outros estados. Em cores diferenciadas, novas padronagens e texturas, as pastilhas vieram para provar versatilidade e beleza na aplicação.

 
 

Casa Cor - Boutique Lounge Pastilhart

Fotografias: Fábio Floriano

 

Casa Cor - Lounge Boutique Pastilhart

 
     
  O mosaico marcou presença
na Casa Cor Paraná 2009
 
 


As arquitetas Elôa Lucia Pelizzari, Mariana Assad Slivak e Walkiria Nossol Lobo da Rosa assinaram o Studio de Um Universitário na Casa Cor Paraná 2009. Mais do que um espaço, ofereceram uma bela mostra de ousadia, bom gosto e reaproveitamento de materiais. O ambiente, aconchegante e inovador, chegou para valorizar o tema Eco-criatividade e Responsabilidade Social.

Na cozinha, pastilhas em tons cinza, prata, preto e amarelo produziram um mosaico de cores que alegraram e deram um toque aconchegante e moderno. O mosaico estava nos detalhes, em peças cuidadosamente escolhidas, como no conjunto de bandeja e taças.

O banheiro do Studio encheu os olhos de quem vê o mosaico como arte. Na parede, ao lado do chuveiro, pastilhas
deram forma ao calçadão de Copacabana, no Rio de Janeiro. “Uma homenagem a Burle Marx”, di
z a arquiteta Walkiria
Lobo da Rosa.

Outra atração do ambiente foi um painel de iluminação composto por 1600 garrafas PET. Para a arquiteta
Mariana Slivak a mostra provou que “a reciclagem pode
trazer o luxo agregado”.

 




 
 

Espaço mesclou estilos e trouxe
sofisticação em tons sóbrios

 
 
O Champagne Bar, assinado pelo arquiteto Eduardo Mourão, trouxe luxo e sofisticação, abrangendo o clássico e o contemporâneo com um toque oriental em espaço de 100 metros quadrados na Casa Cor Paraná 2009.

Pufs, sofás e poltronas criaram pequenos lounges e deram um clima de informalidade sofisticada. A unidade do ambiente estava na escolha dos tons sóbrios com destaque para o gabinete em pastilhas de madrepérola. “Pensei em pessoas de gosto sofisticado, amantes de boa conversa e do convívio social”, enfatiza Eduardo Mourão.

Para o Asilo São Vicente de Paulo, o pavilhão do Champagne Bar foi um presente. Terminado o evento, ele foi agregado à estrutura do asilo, inclusive com forro de gesso e piso de granito preto fornecidos pela Gramarcal. O espaço será transformado em um local de eventos e poderá ser alugado para festas que vão gerar receita para a unidade.

 
   
 
a


 

Detalhes do Champagne Bar,
do arquiteto Eduardo Mourão,
à esquerda, pela lente de
Gerson Lima.

Ao lado, gabinete em laca
preta com portas revestidas em pastilhas de madrepérola.
Sobre o gabinete, escultura
importada da Ásia.

 

Convite à degustação

     



O Clube do Vinho, projetado pelas arquitetas Daniela Cerbatto e Carolina Rousseau, marcou presença na Casa Cor 2009. Aconchegante, atendeu aos gostos mais refinados.

As pastilhas, integradas ao ambiente e adquiridas na Pastilhart,
de um azul cintilante e acetinado, deram o toque perfeito na parede composta ainda por madeira de demolição e dormentes de trilhos de trem da empresa Pau Velho.

Um espaço perfeito para conhecer, encontrar e desfrutar de boa conversa. Um convite à degustação.


 


Revestimentos da Pastilhart e
Pau Velho valorizaram o ambiente
  Lapinha na Casa Cor

     

 
O Studio de Saúde e Bem Estar (Lapinha Spa), espaço projetado na Casa Cor Paraná pela arquiteta Maylin Ling, trouxe harmonia e bem-estar ao primeiro contato.

Nas paredes, o mármore travertino romano de 3 mm com iluminação ao fundo deu o tom ensolarado que transmitia calma e encantava quem conferia o espaço.

O tratamento para os pés e pernas, que alterna água quente e fria e ajuda a combater a tensão muscular, será agora incorporado ao Asilo São Vicente de Paulo para o atendimento às idosas da unidade.



  Mosaico de notícias

     


Criar um ambiente funcional e aconchegante foi o principal objetivo da arquiteta Mariana Paula Souza ao idealizar o Studio de uma Executiva Internacional na Casa Cor 2009. “A ideia foi criar um espaço para ser o porto seguro da executiva. Um local de fácil manutenção sem abrir mão do aconchego e da sofisticação”, diz a arquiteta, utilizando como referência a cozinha planejada de tal forma que, quando suas portas são fechadas forma-se um armário.

O banheiro foi idealizado para ser o mais clean possível, com destaque para o porcelanato espanhol Newspaper  que formava um mosaico de notícias. “Como o espaço é para uma executiva internacional, achei interessante fazer essa referência às notícias do mundo”, conclui.

 



LEIA TAMBÉM:

  Curiosidades: Ouro do Brasil, em pastilhas, encanta arquitetos e mosaicistas  
Ambientes com Arte: O mosaico e as especialidades da Banoffi Bistrô
Mosaicaholic: Centro de Criatividade de Curitiba terá painel de 6 metros em mosaico.